bloguei
  Eu blogo, tu blogas, ele bloga, nós blogamos e todos dão opinião.
bloguei Ribeirão Preto Dicas, Notícias e Muito mais...
 
 Copom se reúne e deve manter de novo juro estável
Com alta do dólar e frouxidão fiscal, mercado já vê IPCA em 6% em 2016.
Assim, expectativa se distancia da meta central de 4,5% do ano que vem.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central se reúne nesta quarta-feira (21) e deve manter novamente os juros básicos da economia em 14,25% ao ano - permanecendo assim no maior patamar em nove anos. Em setembro, na reunião anterior do Comitê, os juros já tinham ficado inalterados.
A expectativa é da maior parte dos analistas do mercado financeiro e tem por base indicações da própria autoridade monetária. Na semana passada, em evento do Fundo Monetário Internacional (FMI), no Peru, o presidente do BC, Alexandre Tombini, voltou a dizer que a estratégia da instituição, para a taxa de juros, é de manter o atual nível "por um período suficientemente prolongado" de tempo.

Ao subir os juros ou mantê-los elevados, o Banco Central tenta controlar o crédito e o consumo, atuando assim para segurar a inflação, que tem mostrado resistência neste ano por conta da alta do dólar (que encarece insumos e produtos importados) e dos preços administrados - como telefonia, água, energia, combustíveis e tarifas de ônibus, entre outros.
Por outro lado, ao tornar o crédito e o investimento mais caros, os juros altos prejudicam o nível de atividade da economia brasileira e, também, a geração de empregos. Para este ano, o mercado prevê uma retração do PIB de 3% e, para 2016, de 1,22%. Se confirmado esse cenário, será a primeira vez, desde 1948, o país registra dois anos seguidos de contração na economia.
Sistema de metas e objetivo de 4,5% em 2016
Pelo sistema de metas de inflação vigente na economia brasileira, o BC tem de calibrar os juros para atingir objetivos pré-determinados. Para 2015 e 2016, a meta central de inflação é de 4,5%, mas o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que serve de referência, pode oscilar entre 2,5% e 6,5% sem que a meta seja formalmente descumprida.
Para este ano, a previsão do próprio Banco Central, porém, é de uma inflação de 9,5%. Os analistas do mercado acreditam que o IPCA deverá somar 9,75%. Com isso, a inflação deverá superar o teto do sistema de metas em 2015, algo que não acontece desde 2003.

O Banco Central tem dito, entretanto, que a inflação convergirá para a meta central de 4,5% em 2016. Essa foi a principal promessa do presidente do BC, Alexandre Tombini, após ser confirmado no cargo para a segunda gestão da presidente Dilma Rousseff. O compromisso foi assumido ainda no fim do ano passado e reafirmado várias vezes no decorrer de 2015.
Para economistas, a alta da inflação penaliza, principalmente, os mais pobres. Em documentos oficiais, o próprio BC avalia que taxas de inflação elevadas "subtraem o poder de compra de salários e de transferências, com repercussões negativas sobre a confiança e o consumo das famílias" e "reduzem o potencial de crescimento da economia, bem como de geração de empregos e de renda".
'Deterioração' do cenário para 2016
Apesar da recessão na economia e do aumento do desemprego, fatores que atuam para conter a alta dos preços, a inflação ainda segue pressionada pelas tarifas públicas e pela alta do dólar - que soma cerca de 45% em 2015.
Além disso, a queda na previsão de superávit primário, a economia feita para pagar juros da dívida pública, em 2015 e 2016, também torna mais difícil a tarefa do Banco Central de tentar conter as pressões inflacionárias. Em julho, o governo baixou a meta fiscal deste ano, de 1,2% do PIB, para apenas 0,15% do PIB, ou R$ 8,7 bilhões, e revisou o objetivo de 2016 de um superávit de 2% do PIB para 0,7% do PIB.
Nesta semana, o ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, admitiu que o governo deverá revisar novamente para baixo a meta fiscal de 2015 - algo que o mercado financeiro já dava como certo.
Segundo o blog do Camarotti, os ministros da junta orçamentária falam de um déficit de R$ 20 bilhões neste ano, mas o valor pode ser até maior - o que dificultaria a obtenção, também, da meta de 2016. Para o próximo ano, o governo se apoia na CPMF para tentar reequilibrar as contas, o que analistas consideram difícil de passar pelo Congresso Nacional.
Essa deterioração do cenário, com dólar pressionado e metas fiscais menores, já tem gerado impacto nas projeções do mercado para a inflação de 2016 e também para 2017. Até o início de agosto, os economistas dos bancos, ouvidos pelo BC, previam um IPCA de 5,4% para 2016 e por volta de 4,6% para 2017. Desde então, as estimativas pioraram e as expectativas já saltaram para 6,12% para o próximo ano e para 5% em 2017.
'Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come'
Para o presidente da Lecca Financeira, Luis Eduardo da Costa Carvalho, o Banco Central está em situação difícil, porque a puxada nos juros, de 3,25 pontos percentuais de aumento entre o fim do ano passado e setembro de 2015, ainda não produziu efeitos plenos na inflação, mas já está acentuando a desaceleração da atividade econômica, o que também é ruim para as contas públicas porque gera menos arrecadação. "Eu acho que estamos diante de um quadro que se correr o bicho pega se ficar o bicho come", declarou.
Para ele, o Banco Central já tem perfeita consciência, neste momento, que não vai conseguir trazer inflação para meta (central de 4,5%) no fim do ano que vem como estava "sonhando". "Acho que já há hoje uma resignação geral de que a situação chegou em um ponto em que não tem mais muito o que fazer", avaliou. Segundo Costa Carvalho, há o risco, até mesmo, de o IPCA superar o teto de 6,5% em 2016 - como já vai acontecer neste ano.
"O Banco Central vai se restringir a tentar manter o câmbio [dólar] em um nível mais palatável, que é uma forma de tentar evitar que o preço do dólar alto impacte as importações e o custo de várias atividades", afirmou o economista. Em sua visão, o atual cenário econômico é o "pior de todos". "Você tem recessão junto com inflação alta e a política monetária [de definição dos juros] se mostrando incapaz de conter a inflação e agravando a recessão", declarou.
De acordo com ele, o que ajudaria a melhorar a situação seria a aprovação das medidas fiscais - de reequilíbrio das contas públicas, via aumento de tributos, como a CPMF, e contenção de gastos - pelo Congresso Nacional. "O processo foi tão longe que as ferramentas existentes pouco efeito produzem. Ou o ajuste fiscal vem por medidas aprovadas no Congresso ou não resta muito mais o que fazer via política monetária [alta dos juros para conter a inflação]", concluiu.


Fonte: g1.globo.com/
 
 
 
posts bloguei Posts
Setembro de 2010 5  postagens    
Fevereiro de 2011 5  postagens    
Março de 2011 26  postagens    
Maio de 2011 19  postagens    
Julho de 2011 11  postagens    
Agosto de 2011 11  postagens    
Janeiro de 2012 19  postagens    
Julho de 2012 8  postagens    
Outubro de 2012 1  postagens    
Novembro de 2012 8  postagens    
Maio de 2013 4  postagens    
Junho de 2013 16  postagens    
Outubro de 2013 1  postagens    
Novembro de 2013 1  postagens    
Dezembro de 2013 1  postagens    
Janeiro de 2014 4  postagens    
Junho de 2014 9  postagens    
Agosto de 2014 1  postagens    
Setembro de 2014 1  postagens    
Novembro de 2014 1  postagens    
Dezembro de 2014 5  postagens    
Janeiro de 2015 7  postagens    
Fevereiro de 2015 36  postagens    
Março de 2015 19  postagens    
Abril de 2015 17  postagens    
Maio de 2015 29  postagens    
Junho de 2015 16  postagens    
Julho de 2015 44  postagens    
Agosto de 2015 73  postagens    
Setembro de 2015 214  postagens    
Outubro de 2015 238  postagens    
Novembro de 2015 198  postagens    
Dezembro de 2015 125  postagens    
Janeiro de 2016 70  postagens    
Fevereiro de 2016 125  postagens    
Março de 2016 126  postagens    
Abril de 2016 28  postagens    
Junho de 2016 1  postagens    
Todos os Posts
Categorias
0
Cemitérios
Cidades
Ciência
Cultura e Lazer
Dicas
Economia
Educação
Esporte
Gastronomia
Iphone
Meio Ambiente
Moda
Mundo
Natureza
Notícias
Parques
Planeta Bizarro
Política
Prefeituras
Saúde
Tecnologia
windows 10
 
Untitled Document