bloguei
  Eu blogo, tu blogas, ele bloga, nós blogamos e todos dão opinião.
bloguei Ribeirão Preto Dicas, Notícias e Muito mais...
 
 Pegada do Bem arrecada tênis para jovens corredores de Ribeirão Preto‏
A Pegada do Bem vem revelando o lado mais solidário dos corredores, no Brazil Run Series/Circuito de Corridas CAIXA. Criada para incentivar a prática do atletismo com a doação de tênis para jovens de regiões socialmente vulneráveis, a campanha tornou a mobilizar os atletas, durante a prova realizada em Ribeirão Preto, neste domingo (27). Um total de 58 pares de calçados foi arrecadado para o Clube de Atletismo de Serrana, o CAS.

O empenho de Abel Elias Rahal, professor da USP de Ribeirão Preto e idealizador do CAS, foi um dos fatores responsáveis pelo sucesso da campanha. Um dia antes da corrida, Abel fez questão de participar da entrega dos kits para pedir a ajuda de cada inscrito. Na manhã da prova, tirou fotos e agradeceu, pessoalmente, cada par recebido. E a estratégia deu certo. A gratidão e a satisfação estavam estampadas nos olhos do professor quando ele subiu ao palco, acompanhado por dois atletas do projeto, para receber os tênis arrecadados. 

"Fazemos do atletismo uma ferramenta para a educação e a inclusão social. Essa doação, com certeza, mudará a vida de nossas crianças e jovens, pois muitos não têm condição e treinam descalços na pista de pedriscos", afirmou.

Companhia Athletica premiada - Com 30 inscritos, a unidade da Companhia Athletica em Ribeirão Preto formou o maior pelotão de corredores da etapa local do Circuito CAIXA e foi a assessoria esportiva premiada na prova. "É gratificante receber esse reconhecimento. A corrida da CAIXA é uma das mais tradicionais da cidade e, por isso, ficamos felizes em ver que nossos alunos sempre participam. O novo trajeto também serviu como estímulo para essa presença, pois é importante encarar novos desafios sempre", salientou Eduardo Visentini, um dos coordenadores do Grupo de Corrida da Companhia Athletica.

Estreia com gosto de superação - Cruzar a linha de chegada em último lugar entre os atletas amadores não foi motivo para tirar o sorriso do rosto do auxiliar de Produção Junior Moreira e da técnica em Enfermagem Marineide Lourenço, participantes da etapa de Ribeirão Preto do Circuito CAIXA. A dupla, integrante do grupo Runner de Cravinhos, é mais um exemplo de superação e realização pessoal. Os dois decidiram encarar seus próprios limites e enfrentaram o trajeto de 10 km.

"Sou iniciante na corrida, mas resolvemos testar nosso limite e realizar um desejo da Marineide, que era fazer os 10 km. Ao avistarmos a chegada, após 1 hora e 28 minutos de prova, demos as mãos e atravessamos a faixa juntos. Terminamos mais felizes do que começamos, pois a superação é o maior prêmio", afirma Moreira. Marineide diz que sempre foi adepta da caminhada, mas seu sonho mesmo era praticar corrida de rua. "O trajeto da competição foi sensacional. Um pouco difícil nas subidas, mas é isso que o torna mais emocionante. Além disso, esse clima maravilhoso de Ribeirão Preto nos motivou bastante para irmos além do que esperávamos", ressalta.

Moreira passou, em 2012, por uma cirurgia no estômago. Incomodado com o peso elevado e preocupado com sua qualidade de vida, percebeu que era o momento de investir seu tempo em exercícios físicos. Ao lado da namorada, começou a frequentar a equipe Runner, criada em 2013, em Cravinhos, e que, atualmente, já conta com mais de 100 integrantes. Em novembro, o grupo realizará a 1ª corrida de rua da cidade, em uma ação social de conscientização pela prevenção ao câncer.

Doze anos de Brazil Run Series/Circuito CAIXA - Realizado desde 2004, o circuito conta com a chancela da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), e passa por quatro das cinco regiões brasileiras. A competição já teve nove etapas neste ano, em Uberlândia (30/5), Goiânia (7/6), Salvador (28/6), Campo Grande (12/7), Fortaleza (2/8), Recife (9/8), Porto Alegre (30/8), Brasília (13/9) e Ribeirão Preto (27/9). Na sequência, vai a Curitiba (18/10), Belo Horizonte (15/11) e São Paulo (22/11). As 12 corridas somam pontos para o Ranking CBAt/CAIXA de corredores de rua. Os dez primeiros colocados no ranking, no masculino e no feminino, garantem o patrocínio da CAIXA para 2016.

O Circuito CAIXA é uma realização da HT Sports, com patrocínio da CAIXA Econômica Federal e co-patrocínio da Centauro. Em Ribeirão Preto, conta ainda com o apoio da Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto, Secretaria de Esportes e da Empresa de Trânsito e Transporte Urbano de Ribeirão Preto (Transerp), além da supervisão técnica da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) e Federação Paulista de Atletismo. 


Fonte: esporte.surgiu.com.br/
 
 
 Ribeirão Preto recebe a 42ª Feira do Livro Espírita a partir desta quinta
Durante os dias 1º e 11 de outubro a cidade de Ribeirão Preto recebe a 42ª Edição da Feira do Livro Espírita, que celebra e discute a religião codificada por Allan Kardec. Durante o evento, os visitantes poderão participar de palestras gratuitas, assistir a apresentações culturais, conhecer o trabalho de diferentes casas espíritas e encontrar mais de mil títulos de livros, CDs, DVDs e áudio-livros sobre o assunto. A feira acontece na Praça Carlos Gomes e permanece aberta para visitação das 8h às 21h30 diariamente. O encerramento é no dia 11, às 15h.

A abertura oficial será realizada na sexta-feira (2) e contará com a apresentação especial do Coral do Centro Espírita Batuíra, seguida da palestra "O Céu e o Inferno" ou "A Justiça Divina Segundo o Espiritismo" - que este ano comemora 150 anos de publicação, com André Luiz Peixinho, de Salvador (BA), que além de orador conhecido em todo o país é médico atuante, psicólogo, filósofo, doutor em educação.

No sábado (3), a feira promove palestra com Daisy Leslie Steagall Gomes, a partir das 10h. O destaque do dia é o Seminário Espírita com o tema “A Evolução Criativa do Ser”, a ser ministrado pelo médico André Luiz Peixinho. Ele é conhecido com um dos maiores oradores espíritas da atualidade e tem divulgado a doutrina em diversos eventos no Brasil e no exterior. O debate acontecerá no Cine Clube Cauim, que fica na Rua São Sebastião, 920, no centro da cidade. As vagas são limitadas para 750 pessoas e a entrada também é gratuita.

Durante os 11 dias de evento, acontecerão palestras diárias e apresentações culturais. Entre os destaques da feira está o tradicional Domingo Feliz, agendado para o dia 4 de outubro, com uma programação totalmente voltada para o público infantil, a partir das 9h, na Praça Carlos Gomes.

Além das atividades programadas com palestras e apresentações musicais, a feira também realiza ao longo de todos os dias estudos sobre a obra “O Evangelho Segundo o Espiritismo”.

Mais uma vez as casas espíritas da cidade estão sendo representadas para expor seus trabalhos e esclarecer dúvidas sobre a Doutrina Espírita. Assim os visitantes do evento poderão conhecer os Centros Espíritas e suas atividades.

Neste ano, uma das novidades é a campanha de divulgação do Evangelho no Lar. Para estimular a prática nos lares das famílias, haverá uma equipe de suporte na feira, que poderá ser consultada pelos visitantes.

Para a realização do evento, a USE, organizadora da Feira do Livro Espírita de Ribeirão Preto, recebe apoio cultural de várias empresas da cidade como Banca do Livro Espírita  18 de abril - Casa de Betânia, Cardoso Marques, Casa do Plástico, Cine Club Cauim, Despachante Eduardo, Diretriz Consultoria Contábil e Tributária, Doce Festa Ribeirão, Hotel Oásis, PortGlass e TMK Comunicações. Mais informações sobre a feira podem ser obtidas pelo telefone (16) 3610 1120.

Expectativas da organização

Em seus 42 anos de existência a feira já comercializou mais de 500 mil livros. Alguns dos mais requisitados são O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns, O Céu e o Inferno e A Gênese. A feira estimula a venda de livros espíritas, principalmente os assinados por Chico Xavier e por Allan Kardec, que são vendidos em todo país para leitores de todas as religiões.

O escritor homenageado pela edição deste ano será o francês Léon Denis, um dos principais continuadores do Espiritismo após a morte de Allan Kardec e autor de diversas obras de destaque sobre a doutrina.

De acordo com o presidente da USE (União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo), Mário Gonçalves, a feira traz 15 mil livros para a praça central da cidade e a expectativa é movimentar a  venda de mais de 10 mil exemplares para um público de cerca de 5 mil pessoas. “Serão colocados à venda títulos de todos os gêneros da literatura, como romance, poesia, contos, crônicas, científicos, filosóficos, temas evangélicos e infantis. Ao todo, mais de mil títulos terão desconto de até 50%”, explica.

Serviço

O que: 42ª Feira do Livro Espírita de Ribeirão Preto

Quando: 1 a 11 de outubro

Local: Praça Carlos Gomes – centro da cidade

Horário de visitação: 8h às 21h30 (diariamente), com exceção do dia 11/10 que terá encerramento às 15h.

OBS> Atividade extra da feira: Seminário Espírita com o médico André Luiz Peixinho,  conhecido com um dos maiores oradores espíritas da atualidade. O debate acontecerá no Cine Clube Cauim, que fica na Rua São Sebastião, 920, no centro da cidade. As vagas são limitadas para 700 pessoas e a entrada também é gratuita. Não haverá inscrições, a entrada será por ordem de chegada.

Fonte: Verbo Nostro Comunicação Planejada
 
 
 Ribeirão Preto tem 30 mil vivendo em ocupações irregulares, diz Prefeitura
Número de invasores cresceu 50% desde janeiro e favelas já chegam a 50.
Casa Civil diz que 18 assentamentos foram regularizados no governo atual.

O aumento das ocupações irregulares em áreas públicas tem sido motivo de preocupação para a Prefeitura de Ribeirão Preto (SP). Segundo estimativa do secretário da Casa Civil, Layr Luchesi Junior, cerca de 30 mil pessoas vivem atualmente em terrenos invadidos: crescimento de 50% em oito meses.
Em janeiro desse ano, em entrevista à reportagem da EPTV, Luchesi Junior afirmou que 20 mil moravam em 40 núcleos de favelas em Ribeirão. Nesta terça-feira (29), o secretário disse calcular que total de assentamentos em áreas invadidas já chegue a 50.

“Nós temos um projeto de habitação popular. Nós, há um bom tempo, estamos trabalhando para a erradicação das favelas. Só que, com as proximidades do período eleitoral, cresce o período de invasões”, afirmou o secretário, destacando que entre os invasores foram relacionados inclusive estrangeiros.
Uma das comunidades mais recentes foi erguida há cinco meses em uma área que pertence à Secretaria de Patrimônio do governo federal, no bairro Jóquei Clube. Uma das 60 famílias que vivem no local é a do borracheiro Francisco de Assis dos Santos Paiva, que está desempregado.
Paiva contou que decidiu se mudar para a favela porque não tinha condições de continuar pagando R$ 700 de aluguel em uma casa no bairro Vila Mariana. “A gente está aqui por necessidade. Não é um mar de rosas, mas, pelo menos, meus dois filhos e minha esposa não estão pegando nem chuva, nem sol”, disse.

Dentro da lei
O secretário da Casa Civil de Ribeirão explicou que 18 assentamentos foram regularizados desde o início do atual governo, como a instituição do Jardim Progresso. Desde 2009, cerca de 10 mil já deixaram áreas ocupadas e passaram a morar em casas e apartamentos populares.
“A gente entende a necessidade de as pessoas terem moradia, mas também temos que entender que a Prefeitura precisa manter suas propriedades para a cidade crescer de maneira organizada”, afirmou.
O secretário destacou também que as famílias interessadas em casas populares devem seguir os procedimentos legais, como a inscrição na Cohab-RP. “As novas ocupações não conseguem burlar a barreira estipulada pela lei. Não dá para a pessoa invadir uma terra, esperando uma casa. Isso não acontece e não vai acontecer.”
 
 
 Dirigente da Volkswagen denuncia atitude 'criminosa' em adulteração
"Milhões de pessoas perderam a fé na Volkswagen", disse Olaf Lies.
Empresa admitiu fraude em 11 milhões de veículos pelo mundo.

As pessoas envolvidas na adulteração do programa de monitoramento de emissões em milhões de veículos a diesel do grupo Volkswagen "agiram de maneira criminosa", declarou nesta terça-feira (29) à rede de televisão britânica BBC um membro do Conselho de Administração do grupo alemão.
"As pessoas que permitiram que isto acontecesse, ou que tomaram a decisão de instalar este programa, agiram de maneira criminosa. Devem assumir sua responsabilidade pessoal", declarou Olaf Lies, membro do Conselho de Administração da Volkswagen e ministro da Economia da Baixa Saxônia, no norte da Alemanha.

"Ficamos sabendo dos problemas na última reunião do Conselho, pouco antes da imprensa", disse Lies, que questionou o motivo do conselho não ter sido informado antes sobre os problemas, que eram conhecidos há um ano nos Estados Unidos.
"Cometeram um grande dano porque milhões de pessoas perderam a fé na Volkswagen. Certamente muitos iniciarão ações por danos", completou.
"Tenho vergonha porque pessoas nos Estados Unidos que compraram carros com completa confiança estão decepcionadas", concluiu.
A justiça alemã abriu uma investigação por fraude contra Martin Winterkorn, presidente da empresa que renunciou após a explosão do escândalo. O executivo alega, no entanto, que não estava a par das manipulações, que afetaram quase 11 milhões de veículos a diesel.
 
 
 Dilma informa a Chioro por telefone que ele deixará Ministério da Saúde
Pasta deverá passar ao controle da bancada do PMDB na Câmara.
Deputados Marcelo Castro (PI) e Manoel Júnior (PB) são cotados.

O ministro da Saúde, Arthur Chioro, recebeu nesta terça-feira (29) um telefonema da presidente Dilma Rousseff no qual foi informado de que ela necessitará da pasta na reforma ministerial.
O ministério passará a ser controlado pela bancada do PMDB na Câmara. Os cotados para a vaga são os deputados Marcelo Castro (PMDB-PI) e Manoel Dias (PMDB-PB), ambos médicos.
Arthur Chioro, que é do PT, ainda deverá ser chamado pela presidente para uma conversa particular. Segundo relataram dois ministros, Dilma pretende agradecer pela contribuição de Chioro e dizer que a decisão foi motivada por uma necessidade política e não pelo desempenho dele à frente da pasta. Por enquanto, Arthur Chioro permanece no cargo.
À noite, o Ministério da Saúde divulgou nota na qual informa que, além da conversa telefônica desta terça, o ministro Arthur Chioro discutiu a reforma ministerial com a presidente Dilma Rousseff na última quinta (24).
"O Ministério da Saúde informa que o ministro Arthur Chioro tem conversado com a presidenta Dilma Rousseff sobre as articulações envolvendo a pasta na reforma ministerial. Na última quinta-feira (24), o ministro esteve com a presidenta para tratar do assunto e, nesta terça-feira (29), novamente, conversaram sobre o mesmo tema por telefone. A reforma ministerial, que está sendo tratada pelo Palácio do Planalto, deve ser anunciada nesta quinta-feira (1º)", diz o texto da nota.
A Saúde é a pasta com maior orçamento na Esplanada dos Ministérios (R$ 91,5 bilhões para 2015, após o corte orçamentário). Em seguida, estão os ministérios da Educação (R$ 39,38 bilhões) e do Desenvolvimento Social (R$ 31,62 bilhões).


Líder do PT defende ministro
Ao ser questionado sobre a saída de Chioro, o líder do PT no Senado, senador Humberto Costa (PE), que também é médico, afirmou que a governabilidade "muitas vezes exige aquilo que a gente não gostaria que acontecesse".

Ele afirmou, ainda, que Dilma disse a Chioro que tirar o Ministério da Saúde do PT seria "contingência política". "Essa demissão não foi feita por telefone. Na semana passada, eles conversaram longamente, onde ela fez um balanço positivo da atuação de Arthur à frente do Ministério da Saúde, colocou que, se viesse a acontecer de o Ministério sair das mãos do PT, não seria uma coisa que ela faria de bom grado, mas que seriam apenas as contingências políticas", afirmou.

Costa disse, ainda, que não houve desrespeito com o ministro e que o partido lamenta a saída dele. "Na verdade, hoje foi apenas a comunicação definitiva do que aconteceu. A presidenta precisa ter o dia de hoje e de amanhã para definir o desenho final e seria até uma coisa, digamos assim, uma malvadeza se ela deixasse o ministro sem saber a posição definitiva durante dois dias. Ela agiu bem e creio que não houve desrespeito", afirmou. "Nós também lamentamos a saída dele, ficamos extremamente consternados. o Ministério da Saúde é um ministério importante."
Ministérios do PMDB

Além da Saúde, a bancada da Câmara do PMDB deverá ficar com outro ministério, possivelmente o dos Portos. Embora pretenda reduzir para pelo menos 29 o total de pastas (atualmente 39), o espaço do PMDB deverá aumentar dos atuais seis para sete ministérios. Outras pastas contemplarão a bancada do partido no Senado e o grupo do vice-presidente Michel Temer, presidente nacional do PMDB.

O objetivo da reforma ministerial é assegurar apoio às matérias de interesse do governo nas votações no Congresso Nacional.
A presidente Dilma Rousseff voltou a negociar a reforma ministerial nesta terça, depois de retornar de Nova York, onde participou da Assembleia Geral das Nações Unidas. A reforma ministerial deve ser anunciada até a próxima quinta-feira (1).
Inicialmente, Dilma pretendia dar seis ministérios ao PMDB, mas, para evitar uma crise com o aliado, concordou em ampliar o espaço da legenda para sete pastas.

Segundo o G1 apurou, nos últimos dias o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), aconselharam a petista a não se fixar na promessa de cortar dez ministérios na reforma administrativa.
Lula e Pezão recomendaram que seria mais prudente cortar nove ministérios, em vez de dez, e não correr o risco de comprar uma nova briga com PMDB.
 
 
 Petrobras anuncia reajuste da gasolina e do diesel nas refinarias
Aumento para a gasolina foi de 6% e para o diesel, de 4%.
Novos valores entram em vigor a partir das 0h desta quarta-feira (30).

A Petrobras informou nesta terça-feira (29) que realizou reajustes nos preços de venda da gasolina e do diesel nas refinarias. O aumento anunciado para a gasolina foi de 6% e para o diesel, de 4%. Segundo a empresa, os novos valores entram em vigor a partir das 0h desta quarta-feira (30).

A alta nas refinarias deve resultar em aumento para o consumidor. O percentual, no entanto, não é necessariamente o mesmo: o valor do combustível nas bombas depende de determinação dos postos.
A empresa, endividada em dólar, já vinha sendo pressionada pelo câmbio alto nos últimos meses. Em 2015, o dólar acumula alta de 52% sobre o real.

Aumentos anteriores
Em novembro de 2014, a Petrobras já havia aumentado o preço de venda nas refinarias da gasolina e do diesel, com altas de 3% e 5%, respectivamente. Em janeiro de 2015, a tributação incidente sobre a gasolina e o diesel também foi elevada, conforme o decreto presidencial 8.395, publicado no "Diário Oficial da União".

O aumento foi repassado ao consumidor pelos postos de gasolina. De acordo com o Fisco, o impacto do aumento seria de R$ 0,22 por litro para a gasolina e de R$ 0,15 para o diesel. Porém, o aumento variou nos postos.

Em agosto, a Petrobras anunciou também aumento do preço do gás de cozinha - o gás liquefeito de petróleo para uso residencial, envasado em botijões de até 13 kg (GLP P-13). A alta média anunciada foi de 15%.
 
 
 OMC reduz outra vez projeção de crescimento do comércio até 2016
Expectativa é de alta de 2,8% este ano e de 3,9% no ano que vem.
Expectativa anterior era de alta de 3,3% em 2015 e 4% em 2016.

A Organização Mundial do Comércio (OMC) reduziu a previsão de crescimento do comércio mundial para 2,8% em 2015 e 3,9% em 2016, informa o site da organização. A expectativa anterior, divulgada em abril, era de alta de 3,3% este ano e de 4% no ano que vem.

As revisões refletem uma série de fatores que pesaram sobre a economia global no primeiro semestre, como a queda da demanda de importação na China, a crise no Brasil e em outros países emergentes, a queda dos preços do petróleo e de commodities primárias e de flutuações cambiais significativas.
Se as projeções se confirmarem em 2015, será o quarto ano consecutivo em que o crescimento anual do comércio fica abaixo de 3%, afirma o portal da OMC.

“O comércio pode funcionar como um catalisador para o crescimento econômico. Em um momento de grande incerteza, o aumento do comércio poderia ajudar a revigorar a economia global e tirar perspectivas de desenvolvimento e alívio da pobreza”, diz o diretor-geral Roberto Azevêdo.
 
 
 Ralph Lauren deixa o comando de seu império da moda
Ralph Lauren, criador da marca Polo e figura importante da indústria da moda, deixará a presidência de seu grupo, anunciou a empresa.

Lauren, de 75 anos, será substituído em novembro por Stefan Larsson, um estilista sueco, de 41 anos, que até agora comandava a rede de roupas Old Navy, uma filial do grupo Gap no segmento de preços baixos, segundo um comunicado oficial.
Ralph Lauren não vai se aposentar, pois continuará como presidente executivo e diretor de criação.

"Meu papel é pensar permanentemente no futuro desta empresa e na maneira de fazer com que avance", afirmou.

Fonte: em.com.br/
 
 
 No Brasil, CEO da Microsoft fala sobre futuro da tecnologia
São Paulo – Quem esteve presente hoje no auditório da Universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo, sentiu-se parte de um talk show. A única diferença é que o apresentador era ninguém menos do que Satya Nadella, CEO da Microsoft.

O executivo esteve hoje em São Paulo para encerrar o Microsoft Insights Week, o maior evento técnico da empresa no Brasil. Além de fazer perguntas aos convidados, ele também respondeu qual seria o seu conselho para jovens interessados no mercado de TI.

Se as pessoas presentes esperavam uma resposta complicada, o indiano surpreendeu. “Você precisa encontrar o que você ama e amar o que você faz. Quanto mais perto você chegar disso, melhor”, simplificou Nadella.

E seus conselhos não pararam por aí. Para o CEO, os estudantes de hoje em dia também têm um compromisso em passar seus conhecimentos adiante, além de aprender.

“Eu encorajo vocês a voltarem para suas comunidades e ensinarem as pessoas as técnicas da tecnologia. Nós precisamos de mais professores nesta área”, incentivou.

Durante o evento, o CEO reforçou o poder da tecnologia na educação de jovens em todo o mundo. “A nossa missão é empoderar as pessoas e organizações para que continuem melhorando. E não há melhor lugar para fazer isso do que dentro do campo da educação.”

Cloud e Microsoft Azure

Em uma segunda palestra, Nadella focou em cloud computing e Microsoft Azure. Azure é, basicamente, a nuvem em grande escala, onde empresas e clientes pagam para ter acesso aos serviços da Microsoft. A empresa já mostrou que chegou neste mercado para ficar. Ela investiu, apenas neste ano, 15 bilhões de dólares no Azure.

No entanto, internamente, não são todos os serviços online da companhia que utilizam a plataforma. Atualmente, apenas o buscador Bing e o Microsoft Office 365 fazem parte desta estrutura.

Aliás, a ideia de migrar o Office 365 para o Azure foi do atual CEO, que antes de chegar ao cargo liderava o programa. Para ele, "o 365 é um software que irá mudar a maneira como as pessoas e as empresas trabalham".

Por isso, a empresa está integrando o Outlook e o Skype a programas do Office, para facilitar a comunicação entre pessoas enquanto desenvolvem um projeto.

O executivo afirmou ainda que a Microsoft trabalha desde o início dos anos 2000 desenvolvendo a infraestrutura da computação em nuvem. Contudo, agora, a companhia acredita que deve atuar como uma empresa de nuvem.

Segundo ele, a transformação do mercado está calcada na nuvem e na internet das coisas, uma tecnologia que promete unir todos os dispositivos em apenas um lugar.

“O real valor da internet das coisas é converter toda a informações que vem das coisas físicas em um serviço digital que facilite a vida do usuário", finalizou. 

Realidade aumentada

Nadella também falou sobre o que ele espera para o futuro da tecnologia. Segundo o CEO, a computação holográfica vai mudar a maneira como as pessoas imaginam os computadores. “Quando você muda como você vê o mundo, você muda o mundo ao seu redor”, profetizou.

Quando o executivo fala sobre computação holográfica, ele está falando de um dispositivo específico: o HoloLens – os óculos de realidade virtual da Microsoft. O aparelho foi criado pelo brasileiro Alex Kipman, engenheiro da empresa e também inventor do Kinect.

Os óculos se conectam via internet sem fio a qualquer dispositivo eletrônico. Para Nadella, o aparelho irá transformar a maneira como as pessoas interagem com seus objetos.

“Imagine que você é um arquiteto e está projetando um arquivo em 3D. Com o HoloLens você poderá ver um holograma do que acabou de desenhar no mundo real”, exemplificou.


Fonte: exame.abril.com.br/
 
 
 Vício em tecnologia requer tratamento com terapia e remédios
Número de pessoas viciadas em smartphones cresceu quase 60% entre 2014 e 2015. Dependência digital já é considerada um transtorno mental.

O vício digital é um problema crescente e preocupante. Países como China, Japão e Coreia do Sul já reconhecem a patologia como um problema de saúde pública, como mostra o GloboNews Especial. No Brasil, existem institutos voltados para a desintoxicação digital - necessária quando o uso é abusivo dependente. Ou seja, quando ele gera prejuízo na vida real. O vício em tecnologia requer tratamento com terapia e remédios.
A dependência digital pode levar ao vício em drogas. Os psiquiatras explicam que é muito comum o dependente químico ter uma interação maior com o mundo virtual.

Um estudo realizado por um instituto americano apontou que o número de pessoas viciadas em smartphones cresceu quase 60% entre 2014 e 2015. Se antes eram 176 milhões de viciados, agora são 280 milhões de pessoas.

O programa mostra ainda o desafio de controlar toda uma geração que está crescendo grudada em tablets e celulares. Quem deveria dar limites ainda está aprendendo a lidar com as novas tecnologias. Um projeto de lei em análise na Câmara dos Deputados prevê a proibição do uso dos celulares nas salas de aula de todo o Brasil. Por enquanto, quem dita as regras são os pais e as escolas. 

A dependência digital já é considerada um transtorno mental. As pessoas que ficam muito ansiosas ou angustiadas quando estão longe dos celulares podem sofrer de nomofobia, um distúrbio que atrapalha a vida social, o desempenho no trabalho e pode até provocar acidentes graves. O Instituto Delete, no Rio de Janeiro, é o primeiro a tratar pessoas dependentes de internet.

O departamento americano, equivalente ao conselho nacional de trânsito constatou: 1 em cada quatro acidentes no país envolve o uso de celular. A atenção do motorista cai pela metade. E gravar mensagem de áudio em vez de digitar não reduz o perigo.
“Quase 80 % dos jovens checam suas redes sociais antes de dormir. A vida virtual está ocupando um espaço que as relações de carne e osso deveriam ocupar. E isso é muito ruim”, explica o psiquiatra da PUC Cristiano Nabuco. Ele defende que o primeiro contato com o mundo digital não deve acontecer antes dos 2 anos de idade.

O neurologista Luciano Ribeiro, da Associação Brasileira do Sono, destaca que o uso exagerado de smartphones e tablets prejudica a qualidade do sono, o que leva a problemas cardiovasculares, doenças endócrinas, como diabetes e obesidade, além de problemas emocionais, mentais e envelhecimento precoce.

Fonte: g1.globo.com/
 
 
 Ciclista de Ribeirão Preto mantém liderança da Copa São Paulo
 A ciclista Gabriela Martins, das categorias de base da Equipe de Ciclismo de Ribeirão Preto conquistou o segundo lugar na etapa de Mococa da Copa São Paulo, realizada no último domingo (27). Com o resultado, a ribeirão-pretana mantém-se na liderança da categoria juvenil (até 16 anos), a três etapas do fim.

Além de Gabriela, Ribeirão Preto subiu ao pódio com outros três atletas. Na categoria júnior masculino (até 18 anos), Felipe Montana ficou na quarta colocação e Vitor Tavares foi o quinto.

Já na juvenil masculino (até 16 anos), João Pedro Rossi também foi o quinto colocado. “A prova deste domingo foi complicada. Estava muito calor, nossos atletas sentiram bastante, mas conseguimos pódios em todas as categorias que disputamos”, disse o técnico da equipe Fernando Bassanezi.

Os ciclistas disputam, já no próximo domingo (4), a nona etapa da Copa São Paulo, em Brodowski. 

Fernandez fica entre os 10 na Copa América

Também no último domingo, a equipe de elite de Ribeirão Preto disputou a primeira etapa da Copa América de Ciclismo, na Cidade Universitária (USP), em São Paulo.

O cubano Michel Fernandez foi o melhor do time na prova na oitava colocação, ficando apenas a 150 centésimos do líder Francisco Chamorro, argentino tricampeão da competição, que defende a equipe de São José dos Campos.

A próxima etapa da Copa América será na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, no dia 25 de outubro.

Fonte: Ribeirão Preto Online
 
 
 Corte em calçada provoca vazamento de água potável em Ribeirão Preto, SP
‘Chafariz’ se formou enquanto empresa fazia reparo em linha de transmissão.
Daerp informou que equipe dará prioridade ao conserto do vazamento.

Um “chafariz” se formou em uma calçada e causou transtornos no Centro de Ribeirão Preto (SP) na tarde desta segunda-feira (28) depois que funcionários de uma empresa de telefonia cortaram o concreto para realizar um serviço na Rua Cerqueira César.

O vazamento de água potável, que ainda não tinha sido controlado até o início da noite, começou enquanto uma equipe da Vivo fazia um reparo em linhas de transmissão, de acordo com o Departamento de Água e Esgoto de Ribeirão Preto (Daerp).

A autarquia municipal informou ter enviado uma equipe ainda nesta segunda-feira e que daria prioridade ao conserto.
Em nota, a Telefônica Vivo lamentou o problema e informou estar acompanhando o caso para adotar todas as providências necessárias.

Transtorno
O empresário Robson Zioti disse que avisou os técnicos da empresa sobre a presença de tubulações sob a calçada antes que eles começassem a realizar os cortes, mas que não foi ouvido.

"Eu disse: vocês vão quebrar a calçada, têm vários canos aqui. Por favor, tomem cuidado. Mas não estão nem aí", afirmou o empresário.

Reclamando dos transtornos causados pelo vazamento, ele disse ter entrado em contato com a Prefeitura assim que o problema começou.

"Imagine um cidadão como eu, que falta água na minha casa, ter que enfrentar isso. Imagine um empresário, como eu,  ter que enfrentar isso aqui. Como uma pessoa vai passar aqui? Quando é um acidente a gente tem que entender. Mas foi avisado várias vezes."

Daerp
O Daerp confirmou ter enviado uma equipe ao local para consertar o encanamento com prioridade.

Vivo
Em nota, a Telefônica Vivo informou ter comunicadoo Daerp assim que soube do problema.

"A Telefônica Vivo lamenta o problema e informa que imediatamente acionou a companhia de abastecimento local e está acompanhando o caso para adotar todas as providências necessárias à normalização da situação", anunciou o departamento de comunicação da empresa.
 
 
 Fundação Bill Gates diz que não está processando a Petrobras
Em nota, a fundação diz que ação judicial não foi movida por ela. 
Segundo ministra, Gates explicou mal entendido em encontro com Dilma.

A Fundação Gates negou em nota oficial estar processando a Petrobras. "Ao contrário do que alguns veículos de comunicação noticiaram, a Gates Foundation não está processando a Petrobras", diz o comunicado.

Na sexta-feira (25), informações davam conta de que a fundação do homem mais rico do mundo (segundo a revista Forbes) tinha iniciado uma ação legal contra a estatal brasileira para recuperar perdas com ações da petroleira decorrentes do escândalo bilionário de corrupção investigado pela operação Lava Jato.
Segundo a agência Reuters, a queixa foi registrada na quinta-feira (24) à noite na corte federal de Manhattan, afirmando que "o esquema de suborno e lavagem de dinheiro" causou à Fundação Gates e a outro autor, WGI Emerging Markets Fund LLC, uma perda de dezenas de milhões de dólares, investidos da petroleira. A ação, no entanto, é de um administrador externo, segundo a Fundação.

A Fundação Gates explicou em nota oficial que o processo não foi aberto pela Bill & Melinda Gates, que é uma das maiores organizações de caridade do mundo, com doações de US$ 41,3 bilhões.

"A ação judicial se refere a investimentos feitos por um administrador externo, que investe em nome do fundo que detém ativos que dão suporte às atividades da fundação. O gerente externo e os ativos são completamente separados da Gates Foundation", diz a nota oficial.

Ministra fala em mal entendido
Bill Gates se encontrou na noite de domingo (27) com a presidente Dilma Rousseff, em Nova York.

Segundo a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, o fundador da Microsoft explicou à presidente que se tratou de um mal entendido.

"Eles deixaram claro que foi um mal entendido e não é responsabilidade da fundação", disse a ministra a jornalistas após o encontro.

Fonte: g1.globo.com/
 
 
 Professor de economia dá dicas sobre como economizar em tempos de crise
Segundo docente de São Carlos, SP, o segredo é aproveitar as ofertas.
Em época de crise, a redução de gastos se faz cada vez mais necessária.

Em época de crise, a necessidade por economia no supermercado – lugar onde mais se gasta – é grande. A tentação de comprar guloseimas e outros itens do tipo acabam alterando muito o valor da compra, que poderia ser reduzido a partir de uma simples economia. Segundo Jonatas Silva, professor de Economia de São Carlos (SP), o segredo é deixar produtos mais caros de lado e aproveitar as ofertas.
De acordo com uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e pela associação que reúne os lojistas, quatro em cada dez consumidores gastam mais do que têm, um problema que vem se tornando cada vez mais comum. “Essa é uma realidade de grande parte das famílias brasileiras, elas gastam além do que poderiam, não fazem uma lista e acabam comprando em excesso”, afirmou o professor.

Para redução de gastos, é necessário que se utilizem de dicas simples mas úteis, como, por exemplo, não ter vergonha de comprar o produto da promoção por estar com o melhor preço, planejar uma lista e comprar somente o que há de mais necessário e, caso queira algum outro produto que está fora da lista, olhar o orçamento inicial e verificar se o produto cabe no valor.

Economia
Durantes as compras, a dona de casa Dirce Néspola afirma que seu desejo é gastar, no máximo, R$ 50. Segundo ela, a ida ao supermercado acontece de duas em duas semanas. “Tenho uma listinha, mas sempre ultrapasso o valor que quero, a tentação é muito grande”, relatou.

Inicialmente, uma das compras feitas Dirce somou R$ 61 com o acréscimo do creme de leite e das gelatinas, que não estavam na lista. Após acompanhamento de Jonatas Silva, o valor abaixou para R$ 41. “O cliente tem que aceitar a experimentar outros produtos. Deixar os mais caros que está acostumado a consumir e experimentar os mais baratos, porque assim consegue reduzir um pouco o valor das compras”, explicou Silva.

Outras dicas importantes para economizar é fazer compras semanais aproveitando as promoções e não levar crianças ao mercado. “É preciso um outro olhar quando se vai ao supermercado. Não ir com fome, evitar trazer criança, porque elas sempre fazem o consumidor comprar mais, e não ter preconceito para comprar produtos em oferta ou mais baratos”, concluiu o professor de economia.

Fonte: g1.globo.com/
 
 
 Disney de Banksy anima economia de pequena cidade britânica
São Paulo - Acabou neste domingo a temporada de 5 semanas do parque de diversões subversivo Dismaland, do artista britânico Banksy.

E a Disney irônica, instalada em uma área abandonada à beira-mar e descrita como "anarquismo para iniciantes", ajudou a economia da sua cidade-sede.

O impacto em Weston-super-Mare. localizada no sudoeste da Inglaterra e com 76 mil habitantes, foi de 20 milhões de libras (R$ 120 milhões), segundo a Visit Somerset, agência local de eventos.

É três vezes mais do que eles haviam estimado inicialmente, resultado de 150 mil visitantes recebidos, muitos deles de fora do país e que chegavam a esperar na chuva por horas para entrar no parque.

"Este foi um fenômeno global de grande importância para a região, já que vimos uma alta internacional no que é predominantemente um mercado doméstico sólido e confiável", diz John Turner, presidente-executivo da organização.

A entrada custava 3 libras, cerca de 18 reais, mas o impacto veio principalmente na forma de gastos em hotéis, restaurantes e transporte, como estacionamento e viagens de trem.

A operadora da ferrovia entre Londres e Weston-super-Mare registrou aumento de 50% na demanda, e tudo isso em um período geralmente fraco para a economia local.

"Relatórios que eu recebi, junto com meus números, mostram um aumento de 50% nas estadias de visitantes em comparação com ano passado. Setembro geralmente tem queda nos registros já que o outono se aproxima e as crianças voltam para a escola", diz Keith Fearn, presidente da Weston Hotel & Restaurant Association.

A cidade contribuiu para o sucesso ao garantir o sigilo da empreitada até sua inauguração, o que é central para Banksy, artista consagrado sobre quem pouco se sabe até hoje, a começar pela sua identidade.

"Estivemos trabalhando lado a lado com os organizadores durante muitos meses. Por razões óbvias devíamos ser cautelosos sobre a informação que gerávamos. De fato, só quatro pessoas na prefeitura sabiam o que estava sendo feito", afirmou Nigel Ashton, responsável pela autoridade municipal de North Somerset, para a agência EFE.

O material do parque será desmontado e enviado a Calais, na França, para servir de abrigo para refugiados, um dos temas recorrentes da exposição.

Fonte: exame.abril.com.br/
 
 
 A recuperação da economia
O pronunciamento da presidente da República na abertura da assembleia geral da ONU ofereceu aos brasileiros um conjunto de informações sobre a percepção que o governo tem da crise econômica. O dado principal do discurso é a convicção, mesmo que tardia, de que o modelo de desenvolvimento baseado na oferta de crédito e no aumento do consumo interno está esgotado. Disse a senhora Dilma Rousseff que o desafio que se apresenta agora, em meio às tentativas de colocar a economia em ordem, é o de retomar o crescimento em outras bases. A presidente poderia ter dito, sem receio de errar, que parte dessa preocupação deve ser também a retomada da confiança perdida.

A avaliação da presidente interessa à sociedade brasileira e ao público externo. Também os investidores internacionais aguardam os sinais de que o governo está convicto do que deve ser feito. Até agora, nem mesmo os pretensos aliados, que formariam a base parlamentar, demonstram coesão em torno de questões essenciais, como o ajuste ainda pela metade. Com o lastro político fragmentado, sem apoio do empresariado e sob a desconfiança dos trabalhadores, o governo tem barreiras grandiosas pela frente, como a que se ergue à proposta de ressuscitar a CPMF.

Mas merece reconhecimento o fato de que, contrariando as previsões, a presidente tenha abordado a corrupção e a crise econômica no pronunciamento. É um sinal de que começa a enfrentar publicamente, inclusive no Exterior, temas até bem pouco tempo evitados. A próxima etapa é a da reversão de expectativas, a partir de ações que, além do corte de despesas e da pretensão de aumentar impostos, sejam capazes de traçar novos rumos para que a economia volte a crescer.

Fonte: zh.clicrbs.com.br/
 
 
 Governo zera repasse para Farmácia Popular em 2016
Com redução a zero dos recursos, os descontos de até 90% deixam de existir

O aperto nas contas vai atingir em cheio um dos programas prediletos da classe média na área de saúde, o Aqui Tem Farmácia Popular. A proposta orçamentária para 2016 encaminhada para o Congresso prevê repasse zero para a ação, que neste ano receberá R$ 578 milhões.

Criado em 2006, o programa permite a compra em farmácias credenciadas pelo governo de medicamentos para rinite, colesterol, mal de Parkinson, glaucoma, osteoporose, anticoncepcionais e fraldas geriátricas. Os descontos chegam a 90%. Com a redução a zero os recursos, na prática essa política deixa de existir.

Pela proposta encaminhada pelo governo ao Congresso, ficam mantidos o braço do programa chamado de Saúde Não Tem Preço (em que o paciente não precisa pagar na farmácia remédios para diabetes, hipertensão e asma) e as unidades próprias do Farmácia Popular.

O problema, no entanto, é que o número de unidades próprias dessas farmácias, que já é pequeno, deve minguar mais em 2016. A previsão é de que não ultrapasse 460 postos de venda, em todo o País.

"Foi uma medida necessária", justifica a secretária executiva, Ana Paula Menezes. 

A primeira versão da proposta de orçamento encaminhada para o Congresso reservava para a Saúde um total de R$ 104 bilhões.

— Não era a quantia dos sonhos, mas pelo menos a gente não estava morrendo afogado.

Esse cenário, no entanto, mudou. A nova versão retira da área R$ 3,8 bilhões. A proposta enviada ao Congresso também enterra um acerto que havia sido feito dentro do próprio governo, para que o montante reservado a emendas parlamentares, cujo pagamento passou a ser obrigatório, fosse incorporado ao cálculo desse mínimo que o governo federal tem de desembolsar.

Os problemas para o cálculo do orçamento na saúde não se resumem a esse ajuste, feito na primeira quinzena de setembro. Pela Constituição, tanto municípios, Estados quanto União têm reservar uma fatia mínima de seu orçamento para gastos em ações e serviços de saúde.

Para o cálculo do piso federal, a regra usada até o orçamento de 2015 era: o equivalente ao que foi desembolsado no ano anterior, acrescida a variação do PIB (Produto Interno Bruto). Com a mudança, o governo federal tem de reservar para o setor o equivalente a 13,5% das receitas correntes líquidas.

— Acreditamos que esse é um mecanismo de cálculo apropriado. O problema foi o comportamento da economia neste período mais recente.

Se fosse aplicada a regra anterior, o mínimo para saúde neste ano seria de R$ 103,7 bilhões. Com a nova regra, o piso passa para R$ 100,2 bilhões.

— Para compensar as perdas, havia ficado acertado que os recursos das emendas parlamentares, cujo gasto é obrigatório, não entrariam na conta. Mas isso mudou.

No formato encaminhado para o Congresso, ficam preservados os recursos para compra de medicamentos, vacinas. A opção da pasta, em vez de fazer cortes em várias ações e serviços de saúde, foi concentrar o enxugamento em dois pontos principais: farmácia popular e ações de média e alta complexidade.

Esta última rubrica concentra todos os recursos que são repassados para Estados e municípios pagarem hospitais conveniados com o SUS (Serviço Único de Saúde), hospitais universitários, filantrópicos, Santas Casas para pagamento de procedimentos de saúde, como cirurgias, internações.

Os recursos de média e alta complexidade também são usados para financiar despesas com o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), UPAs (Unidades de Pronto Atendimento), serviços de análise clínica, exames de imagem.

A escolha do setor atingido não foi sem motivo. A área de média e alta complexidade conta com uma rede poderosa de defensores tanto no Congresso quantos nos Estados e municípios. Ao mirar nesta área, o Ministério da Saúde tenta encontrar entre parlamentares, governadores e prefeitos uma rede de apoio que não encontrou dentro do próprio governo e, com isso, tentar reverter o tamanho do corte.
 
 
 Degradação ambiental ameaça a saúde humana
Alerta é de dois relatórios globais publicados simultaneamente nos últimos meses

A contínua e rápida degradação dos sistemas naturais observada em todo o planeta coloca em risco a saúde humana e pode reverter conquistas obtidas nas últimas décadas, como o aumento da expectativa de vida.

O alerta é de dois relatórios globais publicados simultaneamente nos últimos meses – um no fim de junho pelo Secretariado da Convenção da Diversidade Biológica (CDB) da Organização das Nações Unidas (ONU), em parceria com a Organização Mundial da Saúde (OMS), e o outro no mês seguinte pela Rockefeller Foundation, dos Estados Unidos, em colaboração com a revista Lancet, do Reino Unido.

As duas publicações foram lançadas no Brasil no dia 24 de setembro, durante o painel “Planetary health: a challenge for individual health”, realizado no campus da Universidade de São Paulo (USP) na capital paulista.

“Os dois relatórios se complementam e resumem o atual conhecimento científico sobre as relações entre saúde e meio ambiente”, disse Braulio Ferreira de Souza Dias, secretário executivo da CDB, em sua palestra durante o evento.

Intitulado Connecting Global Priorities: Biodiversity and Human Health, o relatório lançado pela CDB em colaboração com a OMS aponta que a degradação ambiental tem causado o declínio da biodiversidade e de serviços ecossistêmicos no mundo, como o fornecimento de água, alimentos e ar limpo.

O declínio desses serviços ecossistêmicos representa um risco crescente para a saúde humana e para a sustentabilidade econômica do planeta, avaliam os autores do documento.

“Diferentemente das mudanças climáticas, que podem se manifestar por meio de eventos extremos muito perceptíveis, como maior frequência de secas e inundações, a perda de biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos pela degradação ambiental é um processo lento, contínuo e pouco visível. Por isso, a maior parte das pessoas não se dá conta disso”, afirmou Dias.

O relatório indica que a contínua degradação ambiental já causou a perda de mais de 80% da vegetação herbácea, além de 90% de todas as áreas úmidas e dos estoques de peixes de maior porte no mundo.

Além disso, também resultou na perda de mais de 90% da variedade genética de espécies de trigo, arroz e frutas, como maçã, nas últimas décadas.

“A perda dessa diversidade de cultivares está tornando a população mundial mais vulnerável a surtos de pragas agrícolas e a um colapso na oferta de alimentos”, disse Dias.

Segundo ele, muitos dos fatores que estão causando a degradação ambiental mundialmente são os mesmos que estão levando à perda de qualidade da saúde humana.

Entre esses fatores estão as mudanças no uso da terra, sobre-explotação de recursos biológicos, poluição, dispersão de espécies exóticas e invasoras, além das mudanças climáticas e a acidificação dos oceanos.

Os desequilíbrios nos ecossistemas causados por essas formas de degradação ambiental provocam surtos de doenças, como as causadas por ebola e hantavírus, aponta o relatório.

“O empobrecimento de ecossistemas leva à proliferação de organismos que são hospedeiros ou vetores de doenças. Há, claramente, uma relação entre doenças e desequilíbrios de ecossistemas”, afirmou Dias.

Os barbeiros (Triatoma infestans), que transmitem a doença de Chagas, por exemplo, preferem se acomodar em palmeiras – plantas que se proliferam em áreas que sofreram degradação ambiental.

Ao desmatar uma área de floresta, as palmeiras rebrotam e facilitam a proliferação do inseto, explicou Dias.

Já o vibrião (Vibrio cholerae) responsável por causar a cólera está presente em todas as zonas costeiras do mundo inteiro, geralmente sem causar problemas.

A poluição resultante de eutrofização – excesso de nutrientes – que chega a zonas costeiras causa um fenômeno chamado maré vermelha e a destruição de microcrustáceos que habitavam aquela região, exemplificou Dias.

“O recente surto de ebola, na África, também está associado à quebra do equilíbrio da relação humana com os ecossistemas”, afirmou.

“O consumo de carne de animais silvestres por populações pobres no interior de áreas florestais, em razão da falta de opção de outros alimentos, está fazendo com que entrem em contato com a doença causada pelo vírus ebola e outras zoonoses”, avaliou.

Ações urgentes

O relatório Safeguarding human health in the Anthropocene epoch, da Rockefeller Foundation em parceria com a Lancet, ressalta que os perigos apresentados à espécie humana em razão da degradação ambiental exigirão uma ação coletiva urgente, tanto em nível global como local, e a cooperação será indispensável.

A Cúpula das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, realizada este fim de semana na sede da ONU, em Nova York – em que os países passaram a adotar oficialmente os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) –, e a 21ª Conferência das Nações Unidas sobre o Clima (COP21), em Paris, no início de dezembro, representam uma janela de oportunidades para colocar em pauta a discussão sobre os impactos da degradação ambiental na saúde na agenda global, avaliam os autores do relatório.

“É necessário que os países se empenhem em atacar as causas das mudanças ambientais, promovendo padrões sustentáveis e equitativos de consumo, controlando o crescimento de suas populações e que usem o poder das novas tecnologias para promover mudanças”, disse Sir Andy Haines, professor da London School of Hygiene and Tropical Medicine, em sua palestra por videconferência durante o evento.

Algumas das medidas apontadas pelo relatório para diminuir os impactos da degradação ambiental na saúde humana são proteger os recursos hídricos, combater e reduzir o desperdício de alimentos, investir em planos escaláveis e modelos de financiamento para a implementação de energias renováveis e incentivar o investimento regional em infraestrutura de transporte urbano.

Os investimentos em transporte público urbano podem ser benéficos tanto para a saúde cardiovascular das populações como também para a saúde ambiental, ressaltam os autores do relatório.

“As soluções devem se basear na redefinição de prosperidade, com foco na melhoria da qualidade de vida e na promoção da saúde, juntamente com o respeito pela integridade dos ecossistemas”, disse Haines.

O encontro teve a participação de José Goldemberg, presidente da FAPESP, e de representantes da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, da USP e dos hospitais Sírio Libanês e Albert Einstein.

Na avaliação de Goldemberg, a pesquisa científica pode auxiliar muito na busca de soluções para a diminuição de causas da degradação ambiental, que, eventualmente, podem contribuir com outras áreas, além da saúde.

A descoberta de que a palha da cana-de-açúcar poderia ser usada para gerar eletricidade fez com que a prática da queima da planta para a colheita manual fosse substituída pela colheita mecanizada da cana crua nos canaviais no Estado de São Paulo, exemplificou.

“O aproveitamento desse subproduto da cana-de-açúcar contribuiu para diminuir a poluição, está ajudando a gerar lucros para as usinas e produzir eletricidade para o país”, avaliou Goldemberg.

“É preciso olhar para as causas e consequências da degradação ambiental, que podem resultar em soluções como essa”, afirmou.

O relatório Connecting Global Priorities: Biodiversity and Human Health pode ser acessado em www.cbd.int/health/stateofknowledge/default.shtml.

E o relatório Safeguarding human health in the Anthropocene epoch pode ser acessado em www.thelancet.com/commissions/planetary-health. 

Fonte:jb.com.br
 
 
 Saúde caminha para um colapso, diz ministro
Com sua saída do governo dada como certa para ceder espaço a um nome do PMDB, o ministro da Saúde, Arthur Chioro, considera que o atendimento público de saúde pode entrar em colapso no próximo ano, por falta de dinheiro. "Estando eu à frente do Ministério da
Saúde, ou qualquer outro gestor público, com mais ou menos experiência, com mais ou menos compromisso, o que se aponta é uma situação inadministrável." Para Chioro, aprovado o Projeto da Lei Orçamentária da forma como foi enviado ao Congresso, os recursos para pagar despesas
hospitalares, ambulância e atendimentos médicos chegariam ao fim em setembro de 2016, deixando três meses descobertos. 

Como foi receber a notícia de que seu cargo é negociado para tentar assegurar maior apoio ao governo no Congresso?
O cargo de ministro é delegação que pertence à presidente Dilma Rousseff. Vou continuar como ministro até o último segundo, exercendo da melhor forma possível minhas funções. Este último segundo pode ser na semana que vem, no fim do ano ou no fim de 2018. Quem tem experiência de gestão pública sabe que o cargo não depende dele. Sem chavão, enquanto puder ajudar o País, vou
exercer plenamente o cargo de ministro.

Atuais políticas públicas podem ser prejudicadas se o sr. for sucedido por um peemedebista?
Essa pergunta tem de ser feita a quem conduz o processo de reforma política que está sendo feita. Quando fui convidado a assumir o Ministério da Saúde, talvez questionassem também se eu teria condições de assumir a tarefa. Nesse tempo todo que fiquei no ministério,
me esforcei para isso. Procurei construir uma equipe competente, compromissada, estabelecer uma relação de confiança e transparência com todos os atores do Sistema Único de Saúde. Estou muito tranquilo em relação a isso.

Quando o senhor vai conversar com a presidente?
Quando ela me chamar para conversar. Numa reunião com secretários estaduais e municipais, o senhor fez um discurso preocupado sobre os recursos para a área de saúde no próximo ano. Por quê? Não temos neste momento, da maneira como o Projeto de Lei Orçamentária foi encaminhado para o Congresso, recursos suficientes para financiar ações de média e alta complexidade. A verba termina em outubro. Essa é uma situação que nunca foi vivida pelo Sistema Único de Saúde nos seus 25 anos. Ela aponta para um verdadeiro colapso na área.

O que pode ocorrer?
Um colapso no sistema. UPAs (Unidades de Pronto Atendimento), Samus, hospitais, prontos­socorros, transplantes, serviços de hemodiálise, serviços de análises clínicas não terão recursos para funcionar. As Santas Casas, as prefeituras e os governos estaduais não terão condições de colocar em funcionamento a operação de serviços sem três meses de repasses.

Qual a origem do problema?
Esse é um problema de subfinanciamento estrutural, um problema que venho destacando desde o primeiro momento em que assumi o comando da pasta. Fiz diversas manifestações sobre a necessidade de se discutir o tema. O sistema de saúde ainda vive um processo de
expansão de oferta, com impacto significativo no custeio, com incorporação de novas tecnologias, mudança do perfil epidemiológico, por exemplo. Tudo isso exige mais do sistema de saúde. Além do financiamento de médio e longo prazo, há um desafio imediato. O
orçamento de 2016 mostra a necessidade de se lastrear R$ 9 bilhões para média e alta complexidade, equivalente a 10% do orçamento reservado para a pasta.
Quais seriam as alternativas?
Apresentamos ao Ministério do Planejamento a possibilidade de reestruturação do uso de recursos do DPVAT (Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres). Também me reuni com o relator geral do orçamento, Ricardo
Barros (PP­PR), mostrando que ele também pode produzir mudanças na destinação de recursos de custeio. Considero pouco provável que a solução de destinar integralmente as emendas impositivas para média e alta complexidade possam equacionar o problema. Será
necessária uma ampla discussão na área econômica e com parlamentares no momento que iniciam o processo de discussão da lei orçamentária para encontrar uma solução. Não é possível que fiquemos sem repasse três meses em 2016. É inadministrável uma situação
como essa no sistema de saúde do País.

O senhor não foi ouvido por colegas de governo?
Há, em parte da opinião pública e dirigentes de várias esferas de governo, uma percepção de que o problema da saúde é de gestão e que melhorando a qualidade da gestão é possível resolver a questão do financiamento. Defendo, sem dúvida, aprimorarmos a forma como
cada centavo na área de saúde é gasto. Mas o subfinanciamento é inquestionável. É impossível, só melhorando a gestão, dar conta de garantir as ações que são necessárias para garantir saúde à população. Isso precisa ser debatido por todos. Congresso, sociedade e o
governo têm de fazer a discussão sobre qual sistema de saúde o País deve ter. Mas do que nunca isso precisa ser colocado. Um dos méritos do meu esforço, às vezes quase solitário, foi de ter colocado na pauta de discussão nacional a necessidade de um sistema de
financiamento.

E o resultado?
Esse esforço não se reflete no Projeto de Lei Orçamentária. Estando eu à frente do Ministério da Saúde, ou qualquer outro gestor público, com mais ou menos experiência, com mais ou menos compromisso, se aponta uma situação inadministrável. Eu me sinto na
responsabilidade de alertar. Fiz isso no Conselho Nacional de Saúde, na Comissão Intergestores Bipartite. Não posso ser omisso. Os problemas vão aparecer a partir de outubro do ano que vem.

Vai ser possível ter o Mais Especialidades, que foi uma promessa de campanha?
Nessas circunstâncias, não. Nenhum serviço ambulatorial especializado vai funcionar no País por três meses. Nesse cenário orçamentário, não há espaço para Mais Especialidades.


Fonte: politica.estadao.com.br/
 
 
 Esqueça os iates, a moda agora é ilhas móveis sob medida
São Paulo - Se você acha que já viu de tudo no que diz respeito a luxo, é porque não conhece a Kokomo Ailand - uma ilha flutuante desenvolvida pela Migaloo Private Submersible Yachts.  

Trata-se se uma ilha móvel com todos os atrativos que um resort de luxo oferece aos seus hóspedes.

Movida por oito motores, a ilha possui ginásio de esporte, salão de massagem, salão de beleza, jacuzzi com fundo de vidro, um clube com diversas piscinas e até um heliponto para chegadas e partidas.  

O preço projeto não é revelado pela Migaloo, mas qualquer encomenda pode ser adaptada ao gosto do cliente.  

Fonte: exame.abril.com.br/
 
 
 Campanha Limpe seu Nome começa na quinta-feira em Ribeirão Preto
Com o objetivo de organizar o relançamento da Campanha Limpe seu Nome, foi realizada na última sexta-feira (25), uma reunião que envolveu o secretário municipal da Fazenda, Francisco Sérgio Nalini, o presidente da ACI – Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto, Antônio Carlos Maçoneto, e a equipe ligada aos setores envolvidos na Campanha. O objetivo foi ouvir sugestões e discutir novos benefícios aos contribuintes que aderirem à iniciativa, que terá início na quinta-feira (1º).

A segunda edição da campanha trará novidades que permitem mais facilidades aos contribuintes que estejam em situação irregular em relação aos pagamentos de tributos municipais, e assim, possam negociar a quitação de seus débitos, saindo do cadastro de protestos. “Nesta nova etapa da campanha, criamos novas tecnologias, ampliaremos o horário e pontos de atendimento, além de novas possibilidades e vantagens que facilitarão o processo”, explicou Nalini, lembrando que um dos principais benefícios será mantido. “A partir do pagamento da primeira parcela, o contribuinte terá seu nome retirado do protesto prontamente”, emendou.

No procedimento adotado anteriormente à campanha, os contribuintes tinham seus nomes mantidos no protesto até a quitação final de seus débitos. Uma das vantagens, segundo Maçoneto, é que a medida permite que o consumidor volte a ter crédito, sem nenhuma restrição.

Lançamento

O lançamento oficial da Campanha Limpe seu Nome acontece nesta quinta-feira, às 10h, na sede da Associação Comercial e Industrial, localizada na rua Visconde de Inhaúma, 489. Na oportunidade serão anunciados por representantes da Secretaria da Fazenda, ACI e Sincovarp, as novidades e benefícios da segunda edição da campanha.

Fonte: Prefeitura de Ribeirão Preto
 
 
 Campanha “Outubro Rosa” começa nesta semana em Ribeirão Preto
A Secretaria da Saúde de Ribeirão Preto, por meio do Programa de Assistência à Saúde da Mulher, inicia na próxima semana a campanha “Outubro Rosa”, que tem o objetivo de conscientizar a sociedade e as mulheres sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama. A abertura oficial da campanha será no próximo domingo (4), às 8h, no Parque Luis Carlos Raya.

O câncer de mama é o segundo câncer que mais ocorre em mulheres e é a principal causa de morte pela doença entre elas. A faixa etária de maior ocorrência desse tipo de câncer é entre 50 a 69 anos. Estima-se que 22% das mulheres entre 50 a 69 anos nunca fizeram mamografia ou não a fazem há mais de dois anos. Os motivos relatados são falta de tempo, constrangimento e dor na realização do exame.

O Estado de São Paulo apresenta a melhor cobertura para rastreamento de câncer de mama no país. Porém o Estado posiciona-se abaixo da meta preconizada pelo MS (INCA) de cobertura de no mínimo 70% das mulheres na faixa etária de 50 a 69 anos. O número de mamógrafos existentes no Estado (433), públicos ou conveniados SUS, atinge a média de 4,4 mamógrafos por 240 mil mulheres SUS dependentes. A OMS preconiza 01 mamógrafo para 240 mil mulheres. Mesmo assim, não tem sido possível sensibilizar a mulher assintomática a realizar o exame preventivo, considerado tão importante para sua saúde.

Em Ribeirão Preto, a estimativa é que 14 mil mulheres não realizam o exame preventivo de rastreamento, sendo 8.400 usuárias do SUS e 5.600 usuárias da saúde suplementar. Deste modo, o tema proposto para 2015 é conscientizar as mulheres entre 50 a 69 anos, que nunca fizeram mamografia ou não fazer há mais de dois anos, para que façam o exame. A Secretaria se reuniu com diversos setores da sociedade para enumerar ações que serão desenvolvidas durante todo o mês.

Outubro Rosa

O movimento é comemorado em todo o mundo. O nome remete à cor do laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades. Este movimento começou nos Estados Unidos, onde vários Estados tinham ações isoladas referentes ao câncer de mama e ou mamografia no mês de outubro. Posteriormente, com a aprovação do Congresso Americano, o mês de outubro se tornou o mês nacional (americano) de prevenção do câncer de mama.

Fonte: Prefeitura de Ribeirão Preto
 
 
 Ribeirão Preto ganha empresa aceleradora de startups
O município de Ribeirão Preto, conhecido como centro econômico e de serviços de uma das regiões mais prósperas do Brasil, ganhou esta semana sua aceleradora de startups. Projeto de um grupo de empresários da área de tecnologia de informação, o SEVNA Seed tem como objetivo oferecer condições para que empreendedores e seus negócios inovadores em estagio inicial possam ser aprimorados para se consolidar no mercado de forma rápida e sustentável.

Na prática, a aceleração de empresas é um programa de curta duração que varia de algumas semanas a alguns meses. Sua primeira etapa envolve a seleção do negócio para participar do programa, levando em consideração o grau de inovação da ideia, capacidade de absorção do mercado, escalabilidade e o perfil do time de empreendedores.

A aceleração propriamente dita inclui mentorias com especialistas de diversas áreas e com vasta experiência de mercado e outras formas de capacitação do empreendedor, como aulas e palestras. Além de passarem por um processo de qualificação, os empreendedores têm acesso ao network dos mentores e a startup também pode receber um investimento inicial.

O ponto alto de um processo de aceleração, entretanto, é o chamado ‘demoday’, evento no qual as empresas aceleradas demonstram para uma plateia de parceiros, grandes players e potenciais investidores seus planos e seu modelo de negócios. 
Diferenciais

O SEVNA Seed já nasce com importantes atrativos para os empreendedores. Hospedado no Supera Parque, o Parque tecnológico de Ribeirão Preto, que faz parte do Sistema Paulista de Parques, o SEVNA Seed surge como vizinha e parceira do campus da USP de Ribeirão Preto, que reúne quase 14 mil estudantes de graduação e pós-graduação. Em um raio de 100 quilômetros, também estão instalados campi da Unesp, da USP e de universidades federais, como a UFSCar, além de universidades particulares.

Mantido pelo Instituto Sevna, uma instituição sem fins lucrativos, o SEVNA Seed se destaca ainda por seu time de fundadores-mentores, que reúne empresários com experiência prática na criação de empresas do segmento de tecnologia com atuação internacional, incluindo abertura de capital no Brasil e no exterior, venture capital, venda de ativos etc.

“O SEVNA Seed está sustentado sob o tripé: ideia inovadora, competência e capacidade de execução”, afirma Ricardo Agostinho, CEO do SEVNA Seed. “A experiência da equipe e de seus fundadores mostra que inovação, conhecimento para colocar a ideia em operação e desejo de empreender e vencer são a base de um negócio sólido e lucrativo”, aplica o executivo.

Por ter nascido a partir de um grupo de empresários, o SEVNA Seed tem o trabalho colaborativo em seu DNA. Além da equipe de fundadores, mantém parcerias com entidades como PISO – Polo Industrial do Software de Ribeirão Preto, AMAZON, Sympla, MOVER – Movimento Empreende Ribeirão e Universidade de São Paulo.

Saiba mais em www.sevnaseed.org.

Fonte: OPA Assessoria em Comunicação
 
 
 Pesquisadores criam tecnologia que transforma câmeras comuns em 3D
Uma equipe de engenheiros e pesquisadores da Universidade de Duke, nos Estados Unidos, criou um método que permite que câmeras comuns possam produzir imagens em 3D. Usando tecnologias atuais, presentes em diversos modelos, como foco e estabilização de imagens, os pesquisadores criaram lentes capazes de capturar informações de profundidade, que definem uma imagem tridimensional.

A ideia dos engenheiros foi usar os sistemas de estabilização de imagem presentes em diversas câmeras. Esses sistemas funcionam movendo as lentes de forma a compensar as oscilações causadas pelo usuário na hora de fotografar.

Os pesquisadores usaram essa característica das câmeras para, em vez de anular movimentos bruscos na hora de fotografar, capturar variações de luz em objetos a curta distância, expondo diferentes perspectivas e criando uma imagem com campo de profundidade.
O resultado final são imagens 2D que contêm arquivos com mapeamento de profundidade da imagem, que descreve o posicionamento de cada pixel presente na foto. Utilizando motores de renderização gráficos comerciais, como aqueles aplicados em jogos de computador, é possível combinar as informações do mapa e da foto para a geração de uma imagem tridimensional.

O estudo ainda está em fases iniciais, já que todo o aparato necessário para fazer as fotografias 3D precisam estar confinados no laboratório. Mas, no futuro, uma versão amadurecida dessa técnica pode permitir que câmeras DSLR de alta qualidade sejam capazes de registrar imagens tridimensionais com ajustes simples e custos bastante competitivos.

Fonte: techtudo.com.br
 
 
 Dilma Rousseff apresenta medidas para preservar o meio ambiente
No discurso foi apresentada a meta de redução de emissões de gases. 
Anúncio foi feito em discurso nas Nações Unidas.

A presidente Dilma Rousseff apresentou, nas Nações Unidas, a meta de redução de emissões de gases de efeito estufa nos próximos anos. O anúncio faz parte da proposta que o Brasil irá expor na Cúpula do Clima, em Paris, na França, no fim do ano.

Os cientistas advertem: se a temperatura média da Terra subir mais que 2ºC neste século, grande parte do gelo dos polos derreterá. O nível dos oceanos subirá e as consequências serão catastróficas. É preciso deter com urgência o aquecimento da atmosfera; diminuir drasticamente a queima de combustíveis e florestas, que produz os gases que causam esse aquecimento.
Em dezembro, em Paris, uma conferência mundial pretende chegar a um acordo para deter a mudança no clima do Planeta. O Brasil apresentou sua proposta.

A presidente Dilma Rousseff apresentou metas ambiciosas para cortar a emissão dos gases que aquecem a atmosfera. Para atingir as metas, até 2013 o Brasil pretende reduzir a zero o desmatamento ilegal na Amazônia e aumentar a parte das fontes renováveis na geração de energia elétrica.
“O Brasil é um dos poucos países em desenvolvimento a assumir uma meta absoluta de redução de emissões. E nossas metas são tão ou mais ambiciosas que aquelas dos países desenvolvidos”, fala Dilma.

Além de zerar o desmatamento ilegal, as metas até 2030 são: reduzir em 43% as emissões dos gases que agravam o efeito estufa, tendo como base o ano de 2005; 23% da geração de energia elétrica serão renováveis, sem contar a energia hidrelétrica.

Para os ambientalistas, o anúncio das metas foi um avanço. “É comparável ao daqueles países que querem fazer mais, estão se dispondo a fazer mais. Mas não é suficiente do ponto de vista daquilo que a gente deveria fazer por nossa responsabilidade em relação ao clima e também em relação ao potencial que nós temos com benefícios para nossa economia”, diz Carlos Rittl, secretário executivo do Observatório do Clima.
Cinquenta mil pessoas, de mais de 95 nações devem participar em dezembro da Conferência do Clima.

Fonte: g1.globo
 
 
 Cidade do Rock vira desfile de moda em fim de semana pop
Looks do público são um espetáculo à parte do festival

A preparação para o figurino do Rock in Rio é tão importante quanto decorar as letras das músicas que serão apresentadas no festival. Neste sábado, o início do fim de semana pop, que trouxe Rihanna como atração principal, a Cidade do Rock foi invadida por diversos estilos e produções, planejadas com semanas de antecedência pela plateia. De boho chic misturado com rock até looks minimalistas, as roupas e acessórios se tornaram um complemento na decoração do evento.
 
 
 Banda de Johnny Depp ajuda crianças com problemas de audição no RJ
Distribuição para 215 adultos e crianças foi em um hotel na Zona Sul.
Hollywood Vampires comprou e distribuiu aparelhos para brasileiros.

Imagina a situação de um deficiente auditivo que nunca tenha tido a chance de ouvir uma música, por exemplo, e, de repente, ele se vê simplesmente num festival como o Rock in Rio, escutando os acordes de uma guitarra.
A sombrinha. O passo ensaiado. Não se engane, é rock. Roqueiro nasce roqueiro. Na barriga da Jennifer, são dois. “Já tem que nascer acostumados. Roqueiros e é isso aí. Eu já to bem também, então eles aproveitam e curtem, junto com a mãe”, diz Jennifer Silva, secretária.
No reencontro com a Cidade do Rock, a abertura da segunda semana do festival é para ouvidos fortes. Mas enquanto os metais não batem, o público fica em busca de uma sombra.

Com o calorão desta quinta-feira (24), quem não fugiria do sol? Jack Sparrow. O fã de Johnny Depp encarou o calor pra fazer uma homenagem ao ator, que também é músico e vai se apresentar no Rock in Rio.
“Sou muito fã dele. Estou suando muito. Mas por ele faço esse esforço”, afirma Jácomo Biagio, ator.

Johnny Depp retribuiu o carinho antes mesmo de subir ao palco. A banda dele, a Hollywood Vampires, comprou e distribuiu aparelhos para brasileiros com problemas de audição. Ele mesmo ajudou a instalar alguns.
Na vez da Júlia, de 9 anos, o ator cercou a menina de carinho. E vibrou quando ela passou a ouvir bem. Johnny Depp disse que Júlia é muito doce. Que ele aumentou o volume do aparelho para fazer um barulhinho. E ela disse: ‘sim, eu posso ouvir’.

A banda fez uma parceria com uma fundação internacional. A distribuição para 215 adultos e crianças foi em um hotel, na Zona Sul do Rio. Gente que estava na fila da Secretaria Municipal de Saúde. O presente fez a fila zerar.
Rodrigo é uma das seis pessoas que ainda foram convidadas para ver o show da banda de Johnny Depp no Rock in Rio. Vai ser o primeiro festival de música da vida dele.


Fonte: g1.globo.com/
 
 
 Mercado estima mais inflação e queda maior do PIB em 2015 e 2016
Expectativa de inflação subiu para 9,46% neste ano e para 5,87% em 2016.
Previsão de contração do PIB passou para 2,8% em 2015 e 1% em 2016.

As previsões para a inflação e para o nível de atividade da economia brasileira voltaram a piorar para 2015 e também para 2016. Os dados estão no relatório de mercado, conhecido como focus, que é fruto de pesquisa do Banco Central com mais de 100 instituições financeiras na semana passada, e que foi divulgado nesta segunda-feira (28).

Para o comportamento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, os analistas passaram a estimar, na semana passada, uma retração de 2,8%. Foi a décima primeira queda seguida deste indicador. Até então, a expectativa do mercado era de um recuo de 2,7% para o PIB de 2015. Se confirmado, será o pior resultado em 25 anos, ou seja, desde 1990 – quando foi registrada uma queda de 4,35%.
Para 2016, os economistas das instituições financeiras passaram a prever uma contração de 1% na economia do país – na oitava revisão para baixo seguida. Na semana anterior, os analistas haviam estimado uma retração de 0,8% para a economia no próximo ano. Para se ter uma ideia, no início de 2015, a previsão dos economistas era de uma expansão de 1,8% para a economia brasileira no ano que vem.
Se a previsão se concretizar, será a primeira vez que o país registra dois anos seguidos de contração na economia – a série histórica oficial, do IBGE, tem início em 1948. O PIB é a soma de todos os bens e serviços feitos em território brasileiro, independentemente da nacionalidade de quem os produz, e serve para medir o comportamento da economia brasileira.
Recentemente, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que a economia brasileira registrou retração 1,9% no segundo trimestre de 2015, em relação aos três meses anteriores, e o país entrou na chamada "recessão técnica", que ocorre quando a economia registra dois trimestres seguidos de queda. De janeiro a março deste ano, o PIB teve baixa de 0,7% (dado revisado).


Inflação
A estimativa dos economistas dos bancos é de que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) feche o ano de 2015 em 9,46% – na semana anterior, a taxa esperada era de 9,34%. Mesmo com a queda na previsão, se confirmada, representará o maior índice em 13 anos, ou seja, desde 2002 – quando somou 12,53%. O BC informou na semana passada que estima um IPCA de 9,5% para este ano.

Segundo economistas, a alta do dólar e, principalmente, dos preços administrados (como telefonia, água, energia, combustíveis e tarifas de ônibus, entre outros) pressiona os preços em 2015. Além disso, a inflação de serviços, impulsionada pelos ganhos reais de salários, segue elevada.
Para 2016, os economistas das instituições financeiras elevaram sua expectativa de inflação de 5,70% para 5,87% na última semana. Foi a oitava alta seguida do indicador – que continua se distanciando da meta central de 4,5% fixada para o ano que vem.
Pelo sistema que vigora no Brasil, a meta central para 2015 e 2016 é de 4,5%, mas, com o intervalo de tolerância existente, o IPCA pode oscilar entre 2,5% e 6,5%, sem que a meta seja formalmente descumprida. Com isso, a inflação deverá superar o teto do sistema de metas em 2015, algo que não acontece desde 2003.

Taxa de juros
Após o Banco Central ter mantido os juros estáveis em 14,25% ao ano no começo de setembro, o maior patamar em nove anos, o mercado manteve a estimativa de que não devem ocorrer novos aumentos de juros em 2015. Para o fim de 2016, a estimativa subiu de 12,25% para 12,50% ao ano - o que pressupõe reduções da taxa Selic ao longo do ano que vem.
A taxa básica de juros é o principal instrumento do BC para tentar conter pressões inflacionárias. Pelo sistema de metas de inflação brasileiro, a instituição tem de calibrar os juros para atingir objetivos pré-determinados. As taxas mais altas tendem a reduzir o consumo e o crédito, o que pode contribuir para o controle dos preços.

Câmbio, balança e investimentos
Nesta edição do relatório Focus, a projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fim de 2015 avançou de R$ 3,86 para R$ 3,95 por dólar. Para o término de 2016, a previsão dos analistas para a taxa de câmbio permaneceu em R$ 4.
A projeção para o resultado da balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações) em 2015 subiu de US$ 10 bilhões para US$ 11 bilhões de resultado positivo. Para 2016, a previsão de superávit avançou de US$ 21,3 bilhões para US$ 23,5 bilhões.
Para este ano, a projeção de entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil permaneceu em US$ 65 bilhões. Para 2016, a estimativa dos analistas para o aporte recuou de US$ 63 bilhões para US$ 62,3 bilhões.

Fonte: g1.globo
 
 
 Não precisamos de piedade, diz cega que concluiu mestrado no Piauí
Mulher saiu do semiárido piauiense em busca de formação na capital. 
Atualmente ela é professora universitária e dá aulas para cegos.


Rogéria Pereira Rodrigues, 30 anos, natural de Canto do Buriti, no semiárido piauiense, é dona de uma trajetória digna de roteiro de filme. A mulher que aos 16 anos deixou a cidade natal para estudar na capital poderia ter a mesma história de muitos jovens que fazem esse caminho em busca de melhores condições de vida nos grandes centros. Mas ao contrário da grande maioria, a jovem tem uma particularidade: é cega, fato que não a impediu de ir em em busca do seu sonho.
Filha de pai comerciante e de mãe dona de casa, ela perdeu a visão quando tinha apenas 11 anos, mas não desistiu de estudar e buscar uma formação. Sete anos após ter deixado o sertão piauiense, Rogéria se formou em pedagogia na Universidade Federal do Piauí (UFPI) e quatro anos mais tarde se tornaria a primeira deficiente visual a concluir um mestrado no estado.

Hoje ela dá aulas para outras pessoas que como ela são cegas. "Um dos meus hobbies é estudar. Nós não precisamos de piedade ou de caridade, mas sim de oportunidade. Hoje em dia as pessoas olham para os cegos com um olhar menos piedoso e já não te veem mais como se estivesse com o pires na mão", falou.
Rogéria conta que durante a graduação enfrentou dificuldades de diferentes ordens. Segundo ela, a estrutura da universidade era um dos maiores entraves, pois não havia piso tátil, não tinha sinal sonoro e muito menos identificador nas portas para identificar as salas de aula. Além disso, ela revela que a instituição não é pensada para quem possui deficiência visual.
"Nós temos uma universidade imensa pensada para quem vê, escuta, fala e anda. Quem não está nesses padrões não se insere ali. Você sofre preconceito quando é ignorado, quando não vê nada pensado para você. A impressão que você tem ali é como se fosse um alienígena", relembrou.
Rogéria concluiu o mestrado em 2013 e desenvolveu sua pesquisa sobre o movimento inclusivo nas instituições de ensino superior na perspectiva de alunos cegos. Em meio ao universo ainda muito pequeno de pessoas com título de mestrado no país, a piauiense conseguiu concluir a pós-graduação em tempo hábil, dentro dos 24 meses.

De acordo com o último Censo do IBGE realizado em 2010, apenas 0,32% da população brasileira tinha título de mestre naquele ano. No Piauí, apenas 1.080 pessoas frequentavam mestrado no mesmo período, o que representava 4% do total de mestrandos de todo o Nordeste, o pior percentual da região ao lado de Alagoas.
Após conseguir o feito de se tornar a primeira mestre com deficiência visual do Piauí, Rogéria segue rompendo barreiras e enfrentando as limitações impostas pela falta de visão. Ela é professora de uma faculdade particular em Teresina, na Associação dos Cegos do Piauí (Acep), do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (Parfor) e atualmente coordena um curso de tecnologia assistida para cegos da Universidade Estadual do Piauí (Uespi).

Ela conta que a tecnologia se tornou uma grande aliada na profissão e nos estudos. Rogéria utiliza scanners para livros, datashows, gravadores de voz e possui um computador com capacidade para os programas especializados que usa durante as aulas.
Sobre o dia-a-dia com os alunos, ela afirma que nunca enfrentou problemas de aceitação numa sala de aula composta por pessoas que enxergam.
"No começo eu percebo que eles ficam meio assustados, mas depois vão ficando naturais. Não tenho nenhum problema com entra e sai de aluno na sala de aula. Todos os dias eu sempre saio aplaudida ao final das aulas", contou Rogéria, que já foi homenageada em algumas turmas durante a formatura.
Na sede da Associação dos Cegos do Piauí, a professora ministra aulas individuais de reforço para alunos cegos matriculados na rede regular de ensino da Secretaria Municipal de Educação de Teresina (Semec).

Após todas as conquistas, a piauiense conta que ainda quer mais e não descarta um doutorado nos próximos anos. Questionada sobre os avanços conquistados pelas pessoas com deficiência visual nos últimos anos, ela destaca que algumas coisas mudaram, mas que os avanços não são tão consideráveis assim.
"Bastante não. Hoje em dia já tem algumas políticas públicas voltadas para o atendimento à pessoa com deficiência, já tem leis que você pode usar para garantir os seus direitos, a tecnologia é uma parceira e a cultura das pessoas tem mudado também. Agora a estrutura arquitetônica, a arquitetura das cidades, infelizmente não tem grande alteração quando se trata de pessoas com deficiência não", concluiu.

Fonte: g1.globo.com/
 
 
 Brasil supera 97% na universalização da educação básica, aponta relatório das Nações Unidas
A universalização da educação primária é um dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) e o Brasil atingiu uma taxa de mais de 97% de acesso ao ensino fundamental, registrando aumento significativo na quantidade de crianças que estão no ensino fundamental na série e idade certas.

De acordo com relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), o percentual de jovens brasileiros de 15 a 24 anos com pelo menos seis anos completos de estudo passou de 59,9% em 1990, para 84% em 2012. Além disso, em 2012, praticamente todos os jovens de 15 a 24 anos estavam alfabetizados. A taxa de escolarização líquida da população de 7 a 14 anos no ensino fundamental cresceu de 81,2% para 97,7%, no intervalo entre 1990 e 2012. O nível é tão elevado que, para todos os efeitos práticos, considera-se universalizado o acesso ao ensino fundamental no País.

Os dados do relatório também apontam que a desigualdade do acesso à escola pelas crianças de 7 a 14 anos foi superada graças às sucessivas políticas de universalização do ensino, que reduziram radicalmente as restrições de oferta de serviços educacionais.

Segundo o Pnud, um elemento que contribuiu para o aumento do acesso e da permanência nos ensinos fundamental e médio foi o Programa Bolsa Família e sua condicionalidade de frequência à escola. As crianças e adolescentes de 6 a 17 anos das famílias beneficiárias, além de frequentar escola, devem ter frequência mínima de 85% do ano letivo, para os que possuem até 15 anos, e 75% para os adolescentes de 16 e 17 anos.

Com relação à educação na idade certa, o relatório mostra a evolução dos indicadores no Brasil: em 1990, apenas metade dos estudantes de 9 a 17 anos frequentavam escola em série adequada, mas em 2012 esse número chegou a quase 80% do universo de estudantes.

Em entrevista à TV NBR, o secretário de educação básica do Ministério da Educação, Manuel Palácios, afirma que os investimentos do governo federal foram fundamentais para o alcance dos resultados no País. “Saímos de um patamar de investimento de cerca de 4% do PIB para o patamar atual em torno de 6% do PIB. Foi um aumento muito grande”, afirma.

Segundo a representante do PNUD no Brasil, Ieva Lazarevicute, os investimentos em educação integral têm ajudado o Brasil a obter um bom desempenho no cumprimento da meta de universalização da educação básica.

Apesar do desempenho brasileiro, a universalização da educação primária é uma meta que o mundo não alcançará até 2015. Segundo o Relatório de Desenvolvimento do Milênio 2013 da ONU, a garantia de que todos os meninos e meninas tenham oportunidade de terminar o ensino primário não será atingida, devido ao lento ritmo de expansão educacional e também por conta das significativas disparidades ainda existentes, principalmente em prejuízo das meninas e das crianças das zonas rurais. No entanto, mesmo com esse panorama, é possível apontar um progresso significativo desde 1990, tendo em vista que a percentagem de crianças que frequentam o ensino primário nos países em desenvolvimento passou de 80% para 90% em 2011.

Fonte: blog.planalto.gov.br/
 
 
 Dez coisas que o Windows 10 faz melhor que o Windows 8
Quem veio primeiro: a queda do mercado de PCs ou o Windows 8? A nova versão do sistema operacional não se incomoda em responder a pergunta, contentando-se em superar a antecessora. Por isso, separamos 10 maneiras que mostram como o Windows 10 supera o Windows 8.
1. O retorno do menu iniciar
Não é o que estamos acostumados, mas o menu iniciar do Windows 10 é um grande avanço comparado à tela inicial do Windows 8. O recurso funciona como um híbrido das versões 7 e 8, contendo Live Tiles e apps da Windows Store que podem ser substituídos pelos tradicionais atalhos a programas populares de desktop.
2. Apps da Windows Store como programas para Desktop
Entre os grandes erros do Windows 8 está o design dos apps da Windows Store. Em nome do touch, a versão do sistema operacional sacrificou os benefícios da computação por desktop e os aplicativos engoliam até a barra de tarefas ao se expandirem.
No Windows 10, a Microsoft compactou os apps em janelas móveis e redimensionáveis, que habilitam uma melhor a integração com o fluxo de trabalho. Uma barra de menu substituiu a Charms Bar e o resultado é uma maior naturalidade dos apps no desktop.  
3. Integração do Metro com o Desktop
O desktop e a interface Metro se complementam no Windows 10. A maior integração se deve em partes à melhoria no app da Windows Store e no menu iniciar, assim como a erradicação da Charms Bar. O uso de elementos Metro passou a se dar no próprio desktop, otimizando o processo. 
4. Interface adaptável
A Microsoft tentou vender o Windows 8 como um sistema operacional para todos os dispositivos, para isso forçando a mesma interface tanto em tablets quanto em PCs – dispositivos completamente diferentes. O Windows 10 abandona a fórmula e respeita as diferenças dos aparelhos e modifica suas versões de acordo com a tela. Em tablets, por exemplo, ele se assemelha à tela de início do Windows 8.
Os dispositivos híbridos 2-em-1 contam com o modo Continuum, que adapta a visualização de acordo com o modelo em uso. 
5. DirectX 12
Nem todas as mudanças do Windows 10 visam consertar erros de design da versão anterior. A Microsoft quer atrair os gamers enraizados no 7 com a inclusão do DirectX 12, versão atualizada da tecnologia de gráficos API.
O DirectX 12, como o Mantle da AMD antes dele, permite o aprimoramento da utilização da CPU durante jogos, dando aos desenvolvedores acesso mais próximo ao hardware de gráficos. A Intel e a Microsoft indicam que a cadência pode aumentar em mais de 50% em relação ao DX11. Como alternativa, o consumo de energia pode ser reduzido pela metade. 
6. Desktops virtuais
O Windows 8 tratou o desktop como só mais um app. Por sua vez, o 10 abraça o desktop virtual – funcionalidade já amada no Linux e no OS X. Sua capacidade de suporte de desktops virtuais depende do hardware em questão.
O gerenciamento dos desktops individuais e seus apps é feito pelo Task View, que pode ser acessado pelo ícone na barra de tarefas do desktop.  
7. Mais truques para power user
O Windows 10 expande os atalhos para power users. A abertura de quatro janelas nos quatro cantos da tela e as melhoras no escalamento de display e nas ferramentas de Command Prompt buscam atrair ao novo sistema operacional os usuários de PC repelidos pelo 8.    
8. Action Center
As notificações via pop-up no canto superior direito estão entre as poucas funcionalidades que redimem os apps da Windows Store no sistema operacional 8. Mesmo assim, elas passam longe da perfeição e somem após pouco tempo, defeito corrigido pelo 10.
A próxima versão do Windows traz um novo Action Center à direita da barra de tarefas. Ele abrigará as notificações negligenciadas até sua exclusão, além de contar com botões rápidos para o gerenciamento de Wi-Fi e Bluetooth, início do Tablet Mode, entre outros. 
9. Cortana
O assistente digital substitui a função de busca do Windows 8.1, fraca e pouco prática. No Windows 10, a barra de pesquisa está localizada dentro da barra de tarefas do desktop e usa aprendizado de máquina combinado aos serviços do Bing para fornecer um resumo personalizado do dia e as notícias que você pode achar interessantes ao abrir a interface.
O Cortana responde a comandos de voz e é capaz de incluir arquivos armazenados no OneDrive nos resultados. 
10. Windows Hello
O Windows 8 apresentava as opções padronizadas de autenticação de usuário – código PIN, senha, etc. Nada faltava, mas tampouco empolgava. O Windows 10 supera o antecessor com autenticação biométrica e por dois fatores, encabeçadas pelo Windows Hello que, entre outras coisas, usa câmeras com sensor de profundidade para reconhecimento fácil, automaticamente fazendo o login. 
 
 
 14 novidades que o Windows 10 ganhou em relação ao Windows 8
1. Microsoft Edge
O novo navegador web da Microsoft é exclusivo do Windows 10, e você não pode rodá-lo no Windows 8 ou anteriores. Ele permite fazer anotações em páginas, usar o Modo Leitura que retira distrações, e fazer buscas com a Cortana (nos países em que ela está disponível). Em breve, ele terá suporte a extensões.

2. Rodar aplicativos Metro em janelas
A Microsoft está refinando a experiência do Windows 10 no tablet e no desktop: ele permite rodar aplicativos Metro/modernos em modo janela, bem como em tela cheia. Os apps embutidos no sistema – Email, Calendário, Notícias, entre outros – também foram melhorados.

3. Gerenciar suas notificações
O Windows 10 vem com uma Central de Ações que vive no lado direito do desktop e fornece um fluxo de todas as notificações que vêm de qualquer aplicativo, seja ele tradicional ou Metro. Clique no ícone de notificações, no canto inferior direito da tela, ou deslize a partir da borda direita para acessá-la.

4. Fazer streaming de jogos do Xbox One
Se alguém estiver usando a TV, você pode jogar títulos do Xbox One no seu computador com Windows 10: as imagens são transmitidas via streaming para seu PC. Para isso, abra o app do Xbox, clique no ícone do console (na barra à esquerda) para se conectar a ele, e depois clique em Transmitir.

5. Compartilhar sua rede Wi-Fi com os amigos sem revelar a senha
O novo recurso Sensor de Wi-Fi (em Configurações > Rede e Internet > Gerenciar configurações de Wi-Fi) é uma maneira fácil de deixar seus amigos usarem o Wi-Fi de casa enquanto eles estiverem visitando.
Para ativar este recurso, você precisa estar usando sua conta Microsoft no Windows 10, pois ela reúne seus contatos do Outlook.com, Skype e Facebook (se você der autorização). Se algum dos seus contatos for até sua casa usando um dispositivo com Windows 10 (ou Windows Phone), ele vai se conectar automaticamente ao seu Wi-Fi – ele nem saberá a senha.
Sua senha do Wi-Fi é armazenada num arquivo criptografado em um servidor da Microsoft, que é descriptografado quando seu contato entra na área de cobertura do seu Wi-Fi.

6. Adicionar áreas de trabalho virtuais
O Windows 10 tem suporte nativo a áreas de trabalho virtuais, de modo que você pode separar programas abertos em diferentes grupos – um para trabalho e outro para lazer, por exemplo.
Os atalhos da barra de tarefas e do desktop são os mesmos entre eles. Clique no botão Visão de Tarefas na barra de tarefas, ou pressione Windows + Tab, para trazer uma visão geral de seus desktops, adicionar novos ou remover os existentes.

7. Configurar o Windows para trabalhar em conjunto com iOS e Android
A Microsoft decidiu abraçar o iOS e Android, e tornou a maioria de seus aplicativos disponíveis para as plataformas móveis da concorrência. Ao abrir o aplicativo Complemento para Telefone no menu Iniciar, você entra em um guia passo-a-passo para sincronizar dados entre seu PC e smartphone ou tablet.

8. Mudar para o modo tablet dedicado
O Windows 8 tentou juntar um modo tablet e um modo desktop ao mesmo tempo, e o resultado acabou ficando meio desajeitado. No Windows 10, esses modos são separados: abra a Central de Ações para alternar manualmente para o modo tablet ou sair dele. Ao ativar o Continuum, o menu Iniciar ocupa a tela inteira, assim como os programas; é possível rodá-los lado a lado, assim como no Windows 8.

9. Fixar janelas nos cantos da tela
Há tempos, é possível fixar janelas lado a lado no Windows. Mas, no Windows 10, você também pode manter até quatro janelas lado a lado em diferentes quadrantes. Para isso, basta arrastar as janelas abertas até os cantos da tela, ou usar o atalho Windows + setas direcionais.

10. Analisar o espaço de armazenamento em seu PC
Antes do Windows 10, era necessário obter um aplicativo de terceiros se você quisesse dar uma olhada no espaço que seus arquivos e programas estão ocupando. Agora, há uma ferramenta embutida: vá em Configurações > Sistema > Armazenamento, e você pode ver exatamente quais tipos de arquivos (como música ou vídeo) estão ocupando espaço no seu disco rígido.

11. Fixar configurações específicas no menu Iniciar
O menu Iniciar está de volta, desta vez com blocos dinâmicos, e agora permite fixar subseções do aplicativo Configurações.
Por exemplo, digamos que você quer ter um atalho rápido para a ferramenta de armazenamento que mencionamos acima. Para fazer isso, abra as Configurações, clique com o botão direito em uma das opções na barra lateral, e clique em “Fixar na Tela Inicial”.

12. Usar o comando Ctrl + V no prompt de comando
Este é um recurso que será mais apreciado por usuários avançados, mas ainda assim: agora você pode colar comandos no prompt de comando usando Ctrl + V, em vez de clicar com o botão direito e escolher “Colar”.
Se você clicar com o botão direito na barra de título e selecionar Propriedades, você também pode ativar a quebra de linha no texto, filtrar conteúdo da área de transferência, e até ajustar a opacidade da janela.

13. Usar o Windows Hello
O Windows Hello é uma plataforma de biometria, envolvendo leitores de impressões digitais, scanners de íris e câmeras que reconhecem seu rosto. Se você tiver o hardware compatível, pode usar esse recurso embutido no Windows 10 – antes, isso exigia software adicional. Para ativar o Windows Hello, vá em Configurações > Contas > Opções de entrada, ou digite “hello” no campo de busca.

14. Conversar com a Cortana, breve em português
A Cortana chegou à área de trabalho! Assim como no Windows Phone, você pode fazer perguntas sobre a previsão do tempo, obter direções para casa, definir lembretes, e mais: por exemplo, é possível pedir que ela ligue ou desligue o Bluetooth ou Wi-Fi. A assistente pessoal chegará ao Brasil, falando português, ainda este ano.
 
 
 Os melhores apps da semana para Windows 10
Apps para fazer anotações em textos e para editar vídeos. Veja estas e outras dicas na nossa lista:

Fhotoroom
O Fhotoroom é um dos melhores editores de imagem do Windows. Esta semana, ele se tornou um app universal, com compatibilidade com o Windows 10 melhorada, e ganhou novas ferramentas de edição, como blur.

Movie Edit Touch
O Movie Edit Touch é um editor de vídeo bastante completo e intuitivo para tablets e PCs com Windows. Com ele, você consegue cortar e reordenar cenas, adicionar texto e muito mais. Algumas ferramentas, como efeitos, estão disponíveis apenas na versão Premium, que custa R$9,50.

Rádio CBN
O rádio ainda é um dos melhores meios para se manter informado. O app oficial da Rádio CBN, uma das maiores emissoras de notícias do país, traz a programação ao vivo para seu Windows Phone e muito mais, como blogs, podcasts e conteúdo do Portal CBN.

PDF Notes
Se você tem muitos arquivos de PDF para ler e estudar, certamente precisará fazer anotações neles. O PDF Notes é um app para isso: você pode destacar trechos, escolher cor e opacidade das linhas, desenhar formas geométricas, fazer anotações livres e muito mais. O app tem anúncios mesmo sendo pago.
 
 
 Microsoft não dará anistia a usuários de versões pirata do Windows 7 e 8.1 para windows 10
A Microsoft retificou há alguns dias a mensagem que indicava que cópias ilegais do Windows 7 e 8.1 receberiam upgrade grátis na migração para a versão 10 do sistema operacional. Essa “anistia” não irá acontecer, enfatizou a fabricante. 
“Nossa oferta de atualização gratuita para Windows 10 não se aplica a dispositivos que rodam versões ‘não genuínas’ do software”, comentou Terry Myerson, líder da divisão que cuida do produto, em um blog.
Por ‘não genuíno’ a empresa classifica cópias ilegais do sistema, sejam piratas ou que se valham de licenças ilegítimas.
O post de Myerson, dedicado especificamente ao tema, foi o mais recente de uma série de pronunciamentos que a Microsoft tem feito sobre a questão desde março, quando a Reuters noticiou que versões piratas do Windows teriam upgrade grátis garantido na nova versão do SO.
Na ocasião, um porta-voz da Microsoft confirmou à Computerworld EUA a informação de que cópias ilegais receberiam a “anistia”. Poucas horas depois, no entanto, a fabricante esclareceu que as versões piratas receberiam um carimbo indicando que se tratava de um produto ilegal, mesmo na edição mais recente do sistema.
“Com a chegada do Windows 10, contudo, PCs com sistemas não genuínos serão capazes de atualizarem a versão do SO, mas a atualização não mudará seu status da licença para o de um software genuíno”, comentou a fonte.
O pronunciamento feito por Myerson na sexta-feira (15/05) colocou um ponto final à crença de que a empresa anistiaria usuários de versões piratas.
O texto, porém, ainda é ambíguo ao afirmar que a empresa oferecerá a versão mais recente do seu sistema operacional para clientes que não tenham edições anteriores do sistema regularizados.
Devido a outros comentários em seu post – do tipo “Estamos planejando ofertas de atualização muito atraentes [...] para clientes que rodam versões mais antigas do Windows em um estado não genuína” – sua menção de continuar a "oferta do Windows 10" para cópias não genuínas pode ter sido referenciar algum tipo de desconto.
O upgrade, contudo, não será grátis.  O novo sistema chega ao mercado nos próximos meses. 
 
 
 Como ajustar o brilho da tela no Windows 10
Ajustar adequadamente a intensidade de luz da tela ajuda a economizar energia do PC. Se a bateria do computador estiver acabando, diminuir o brilho do monitor fará com que a máquina dure mais alguns minutos. Além disso, usar a iluminação certa é importante para evitar desconforto nos olhos. Confira as dicas e veja como realizar a configuração no Windows 10.
Como desativar os blocos dinâmicos do Windows 10

Passo 1. Clique no ícone da bateria, à esquerda do relógio. Em seguida, vá no botão com a representação de um sol para alternar entre o brilho fraco (25%), médio (50%), alto (75%) e máximo (100%);

Passo 2. Caso queira definir um nível de brilho personalizado, selecione “Configurações de energia e suspensão”. O painel de controle será aberto. Deslize a tela até o fim e clique em “Configurações de energia adicionais”;

Passo 3. Por fim, use a barra localizada na parte inferior da janela para ajustar o brilho da tela.
Pronto. Com essas dicas, você poderá configurar o brilho da tela do seu notebook com Windows 10.
 
 
 Como aumentar o tamanho do texto do Windows 10
Aumentar o tamanho dos itens da interface do Windows pode ser bastante útil para quem tem dificuldades de ler o texto em tamanho padrão. Para isso, o sistema operacional da Microsoft conta com um recurso que permite ampliar o tamanho da fonte dos aplicativos sem prejudicar a resolução e a qualidade da imagem. Ficou interessado? Confira o passo a passo e veja como aumentar o tamanho dos textos no Windows 10.
Veja como desativar os blocos dinâmicos do Windows 10

Passo 1. Clique com o botão direito do mouse no papel de parede e, no menu de contexto, selecione “Configurações de exibição”;

Passo 2. Logo acima de “Orientação”, arraste a barra até a escala desejada e clique em “Aplicar”;

Passo 3. Será necessário fazer logout para aplicar o novo tamanho de fonte. Salve o trabalho e clique em “Sair agora” ou em “Sair mais tarde”, caso não queira fazer logout no momento;

Passo 4. Você também pode selecionar um tamanho personalizado para a fonte de cada item da interface do Windows. Para isso, vá em “Configurações de vídeo avançadas”;

Passo 5. Em seguida, clique em “Dimensionamento avançado de texto e outros itens”;

Passo 6. Agora, selecione a opção desejada, escolha o tamanho da fonte ao lado e clique em “Aplicar”. Dessa forma, apenas o tamanho da fonte dos itens selecionados será alterada;

Passo 7. Caso queira selecionar uma escala personalizada para todos os itens, clique em “use estas configurações de exibição”;

Passo 8. Digite ou selecione a escala desejada e selecione “OK”. Quanto maior a porcentagem, maior o tamanho do texto;

Passo 9. Por fim, clique em “Aplicar” e “Sair agora” para fazer logout e alterar o tamanho da escala do sistema e aplicativos.
Pronto! Agora, quando você fizer o login novamente, a área de trabalho e os aplicativos do Windows terão o tamanho do texto alterado.
 
 
 Como desativar os blocos dinâmicos do Windows 10
O Windows 10 mostra aleatoriamente as fotos do usuário no bloco do app Fotos, fixado no Menu Iniciar. O mesmo ocorre com o aplicativo de e-mail, calendário e vários outros. Para quem não se sente confortável com isso, é possível desativar a função.
Confira como desativar as animações dos blocos dinâmicos (live tiles). Dessa forma, apenas o ícone do aplicativo será exibido e você não correrá o risco de expor a sua privacidade a outras pessoas ou em apresentações de slides em um computador com o novo sistema da Microsoft.

Passo 1. Abra o Menu Iniciar e localize o bloco do aplicativo que você gostaria de desativar;

Passo 2. Clique com o botão direito do mouse sobre ele e, no menu que aparece, clique em “Desligar bloco dinâmico”;

Passo 3. Repita o procedimento em todos os blocos que você quer desativar a animação;

Passo 4. Caso queira reativar o bloco dinâmico, clique com o botão direito do mouse sobre ele e, no menu de contexto, clique em “Ligar bloco dinâmico”.

Pronto! Com essa dica simples, o atalho fixado no Menu Iniciar do Windows 10 mostrará apenas o ícone do aplicativo, sem revelar informações pessoais.
 
 
 Como ativar a Cortana em inglês no Windows 10
O Windows 10 traz como uma das principais novidades a integração com a assistente virtual Cortana. O português, no entanto, não é um dos primeiros idiomas suportados e o recurso vem desativado por padrão para os usuários brasileiros. Para ativar a assistente virtual da Microsoft, a única solução é apelar para um dos idiomas compatíveis – como o inglês. 
Caso tenha afinidade com a língua, veja como alterar as configurações de localização e preferências de idioma do Windows 10 para usar a Cortana em inglês.

Passo 1. Acesse o Painel de controle do Windows 10. Para isso, abra o menu Iniciar e clique em “Configurações”;

Passo 2. No Painel de controle, clique em “Hora e idioma”;

Passo 3. Na barra lateral esquerda da janela, clique em “Região e idioma”. Em seguida, à direita, selecione “Estados Unidos” em “País ou região”. Feito isso, clique em “Adicionar um idioma”;

Passo 4. Localize o item “English” e clique sobre ele;

Passo 5. Em seguida, clique sobre “English (United States)”;

Passo 6. Clique sobre “English (United States)” e, logo abaixo, clique em “Definir como padrão” para usar o inglês como idioma principal;

Passo 7. Clique novamente sobre “English (United States)” e, dessa vez, clique em “Opções” para acessar as configurações do idioma;

Passo 8. Em seguida, clique sobre o botão “Baixar”, logo abaixo de “Baixar pacote de idiomas” e de “Fala”;

Passo 9. Após terminar de baixar o pacote de idiomas e o reconhecimento de fala, volte à tela anterior e, na lateral esquerda da janela, clique sobre “Fala”. À direita, selecione “Inglês (Estados Unidos)”;

Passo 10. Reinicie o computador ou faça logout e entre novamente para aplicar o novo idioma padrão do sistema – o inglês;

Passo 11. Por fim, para ativar a Cortana, acesse as configurações da assistente virtual e clique sobre “Off”.

Pronto! Com essas dicas, você conseguirá usar a Cortana em inglês no Brasil ou qualquer outro país em que o recurso ainda não está oficialmente disponível.
 
 
 Como atualizar o Windows 10 para a build mais recente
Apesar do lançamento da versão final do Windows 10, o Windows Insider continua liberando novas builds com futuras atualizações do sistema da Microsoft. O programa de testes é interessante para quem quer participar e ajudar no desenvolvimento do sistema operacional.
Confira como ativar o recebimento de versões de testes e ter acesso a build mais recente do Windows 10. Após o cadastro, as atualizações poderão ser instaladas através do Windows Update. 

Passo 1. Abra o novo painel de controle do Windows 10. Para isso, acesse o Menu Iniciar e clique em “Configurações”, no menu do lado esquerdo;

Passo 2. Nas configurações do Windows 10, clique em “Atualização e segurança”;

Passo 3. Em seguida, clique em “Opções avançadas”;

Passo 4. Deslize a tela até o fim e, logo abaixo de “Receber compilações de Participantes do Programa Windows Insider”, clique em “Introdução”;

Passo 5. Uma mensagem informa sobre os riscos de usar uma versão experimental do Windows 10. Caso queira continuar, clique em “Avançar”;

Passo 6. Por fim, clique em “Confirmar” para aplicar a alteração e participar do programa de testes do Windows 10;

Passo 7. É necessário reiniciar o computador. Clique em “Reiniciar agora” ou em “Reiniciar depois”, caso queira fazer isso mais tarde;

Passo 8. Para finalizar o processo e obter a versão de testes mais recente, é necessário ativar o modo “Fast ring”. Para isso, acesse as configurações avançadas do Windows Update (passo um a três) e selecione a opção “Fast”.

Pronto! Dessa forma, sempre que uma nova build do Windows 10 for lançada, você poderá instalar em seu computador. A nova versão é baixada como uma atualização do sistema, no Windows Update.
 
 
 Windows 10, Microsoft explica confusão entre Microsoft Edge e EdgeHTML
A Microsoft esclareceu uma confusão sobre o Edge e o EdgeHTLM, motor de processamento que realiza o trabalho pesado para que o navegador funcione. Apesar de estarem relacionados diretamente, são coisas diferentes.
O problema surge quando sites usam a versão do motor de renderização e não do navegador para identificar o aplicativo que está tentando acessar a página. Em alguns casos, o conflito pode fazer com que o browser apresente falhas.
Para evitar bugs, a empresa recomendou aos desenvolvedores que procurem checar se as páginas estão usando a versão do navegador e não do motor. No momento, o EdgeHTML está na edição 12 e o navegador Edge, na 21. Um site que ler a versão do motor pode entender que o Edge está bastante desatualizado, o que gera erros de carregamento de páginas.
O EdgeHTML é um mecanismo interno de funcionamento sobre o qual o navegador opera. O motor é responsável por carregar páginas, “entender” a linguagem de cada uma delas e fazer com que o browser apresente corretamente as informações na sua tela.
O EdgeHTML recebe atualizações menos frequentes. Com isso, o número de versão dificilmente vai coincidir com a edição do Edge, que recebe updates constantes liberados pela Microsoft para o Windows 10.
 
 
 Economia do Brasil já está se reequilibrando, diz Levy
Recuperação está 'represada por fatores não econômicos', diz ministro.
Declarações foram feitas durante evento em São Paulo.

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse nesta quinta-feira (24) que “a economia já está se reequilibrando” e que a recuperação do país depende de fatores "não necessariamente" de ordem econômica. As declarações foram feitas durante um evento para empresários em São Paulo.

“Apesar de todo o ruído que a gente escuta, apesar das dualidades que se enfrenta no dia a dia, a verdade é que a economia já está se reequilibrando”, disse o ministro, acrescentando que a recuperação econômica também se deve a “outros fatores que não são necessariamente de ordem econômica, mas são de grande importância”.
Segundo Levy, neste momento, é importante que se perceba que "a recuperação da economia está contratada, e está represada por outros fatores decorrentes em momentos talvez da inesperada ambiguidade fiscal”.

O ministro voltou a apontar que o Brasil deve voltar a crescer “depois de ter tido o benefício do boom das commodities, mas também das medidas econômicas implantadas nos últimos anos”.

'Novo mundo'
Levy afirmou, novamente, que o país precisa se adaptar a um “novo mundo”, aumentando sua competitividade e produtividade “num mundo que continua mudando com grande velocidade”. “Há um certo grau de incerteza e alguns dos nossos parceiros também estão passando por um momento de ajuste importante”.

Levy apontou que a economia já mostra sinais de recuperação após a implementação de medidas como “o realinhamento de preços, o realismo tarifário e a reorientação da política fiscal”. O ministro mencionou ainda o “compromisso na área fiscal”, citando o comprometimento com a meta da inflação.

“O Brasil tem toda a potencialidade do mundo e a gente vai encontrar o caminho certo como a gente sempre encontrou”, disse Levy ao final de seu discurso para empresários. “O barco do Brasil não vai se perder, muito pelo contrário. Vai passar por qualquer tempestade e chegar ao porto porque é um bom barco, bem construído e com a melhor tripulação do mundo.”
 
 
 Desemprego tem a maior taxa para agosto desde 2009, diz IBGE
Desemprego tem a maior taxa para agosto desde 2009, diz IBGE
Em agosto, o índice atingiu 7,6%, depois de ficar em 7,5% no mês anterior.
Considerando todos os meses, índice é o maior desde setembro de 2009.

O desemprego no país continuou em alta e, no oitavo mês do ano, atingiu 7,6% depois de bater 7,5% em julho, segundo informou nesta quinta-feira (24) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Um ano atrás, em agosto de 2014, a taxa estava em 5%.

Para o mês de agosto, a taxa é a maior desde 2009, quando chegou a 8,1%. Considerando todos os meses, o índice também é o mais elevado desde setembro de 2009, quando ficou em 7,7%. Em março de 2010, o desemprego também havia atingido 7,6%.
De acordo com o IBGE, a população desocupada - que está procurando trabalho - somou 1,9 milhão e ficou estável em relação a julho. Mas, na comparação com o mesmo mês do ano passado, esse número cresceu 52,1%.

Já a população ocupada também ficou estável em relação a julho, em 22,7 milhões de pessoas. No entanto, recuou 1,8% na comparação com 2014.
No setor privado, o número de trabalhadores com carteira de trabalho assinada atingiu 11,3 milhões. Na comparação com  ficou estável na comparação mensal. Em relação a agosto de 2014, apresentou retração de 3,8 % (menos 445 mil pessoas).

O rendimento médio real habitual dos trabalhadores, estimado em R$ 2.185,50, caiu 3,5% em relação ao ano passado e aumentou 0,5% na comparação com julho.

Entre os tipos de categoria analisadas pelo IBGE, os rendimentos caíram entre os empregados sem carteira no setor privado (-6,2%) e os militares e funcionários públicos (-1,6%). Na comparação com o ano passado, Em relação a agosto de 2014, a maior redução foi entre os empregados sem carteira no setor privado (-12,6%).

O nível de ocupação, que é a proporção de pessoas ocupadas em relação às pessoas em idade ativa, foi estimado em 51,8%.


Onde o desemprego caiu ou subiu
Em agosto, frente a julho, o Rio de Janeiro foi o único local a apresentar redução, de 5,7% para 5,1%. No entanto, nas outras regiões metropolitanas, não houve variação. Já quando se compara com agosto do ano passado, a desocupação aumentou em Salvador, de 9,3% para 12,4%; São Paulo, de 5,1% para 8,1%; Recife, de 7,1% para 9,8%; Belo Horizonte, de 4,2% para 6,7%; Rio de Janeiro, de 3,0% para 5,1%; e em Porto Alegre, de 4,8% para 6,0%.

Já a estimativa para a inflação oficial do país, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, é de que atinja 9,5% em 2015 - mais do que o dobro da meta central de 4,5% para o período e também acima do teto de 6,5% do sistema de metas de inflação brasileiro.
O rendimento médio real habitual dos trabalhadores foi estimado em R$ 2.185,50. Este resultado foi 0,5% maior que o registrado em julho (R$ 2.174,49) e 3,5 % inferior ao obtido em agosto de 2014 (R$ 2.264,62).

Previsões pessimistas
As previsões sobre o desempenho da economia neste ano têm sido preocupantes. Nesta quinta-feira, o Banco Central anunciou que estima que o Produto Interno Bruto (PIB) deva "encolher" 2,7% neste ano – a maior contração desde 1990, quando recuou 4,35%, ou seja, em 25 anos.
 
 
 O cargo não é meu, diz Chioro sobre eventual saída da Saúde para acomodar PMDB
Um dos nomes cotados para substituir Chioro é o do deputado Manuel Júnior (PMDB-PB), ligado a Cunha

O ministro da Saúde, Arthur Chioro, disse nesta quinta-feira que não se sente incomodado com as especulações sobre sua saída da pasta e que o cargo não é dele.

— O cargo não é meu. Quem tem cargo é presidente, deputado e senador — afirmou Chioro após participar de reunião com integrantes da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), em Brasília.

Nas discussões em torno de um novo desenho da Esplanada, conduzidas pela presidente Dilma Rousseff, o PMDB da Câmara deve indicar um nome para ocupar o comando da Saúde, que detém um dos maiores orçamentos do governo. As negociações ocorrem em meio a ensaios realizados pelo presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em iniciar um processo de impeachment contra a petista. Um dos nomes cotados para substituir Chioro é o do deputado Manuel Júnior (PMDB-PB), ligado a Cunha.

Questionado se sentia-se "rifado", Chioro respondeu:

— Em hipótese alguma.

Na reunião desta quinta-feira, porém, o ministro adotou um tom emotivo no início de sua fala e ressaltou parte de sua trajetória à frente da pasta.

— Pode parecer palavra feita, chavão, mas não tenho palavras para poder definir o que significa na vida, na alma, no coração e acima de tudo nas lembranças, os momentos que a gente constrói na vida, o que significa a atitude que vocês acabaram de manifestar na minha chegada à sede da Opas hoje — afirmou o ministro, que foi recebido com aplausos.

— Quero fazer um enorme agradecimento. Não é momento de balanço, não é momento de nada. A gente continua firmes e fortes. No momento devido, a gente pretende se pronunciar sobre todas essas coisas, mas eu só quero registrar aqui meu profundo agradecimento e dizer que o que nos mobiliza é a luta por um sistema público de saúde de qualidade, universal e integral — acrescentou.

DPVAT

O ministro revelou também que o governo concluiu a elaboração de uma proposta que prevê a reestruturação do uso do seguro de trânsito DPVAT. O projeto, que pode gerar receita de até R$ 4 bilhões, deve ser encaminhado para análise do Congresso nos próximos dias.

— Tem que passar no Congresso Nacional, mas é possível. Tem a proposta pronta no Ministério do Planejamento — afirmou Chioro. Na saída da reunião na sede da Opas, o ministro não quis dar detalhes da proposta.

O DPVAT é o Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres, também conhecido como o "Seguro Obrigatório", pago anualmente. A contribuição, prevista em lei, é utilizada para indenizar vítimas de acidentes de trânsito causados por veículos motorizados que circulam por terra ou por asfalto.

Fonte zh.clicrbs.com.br/
 
 
 Em Nova York, Dilma diz que não percebeu labaredas que saíram do helicóptero
Presidente participa nesta sexta-feira da abertura da Assembleia Geral da ONU

NOVA YORK - A presidente Dilma Rousseff chegou por volta das 5h da manhã desta sexta-feira ao hotel Plaza Athenée, em Nova York, acompanhada da filha Paula e de alguns minitros. Bem humorada, disse que fez um bom voo e não percebeu as labaredas que saíram do helicóptero que a levou do Palácio do Planalto à Base Aérea de Brasília momentos antes da decolagem.

— Labareda? Do meu helicóptero? Gente, ninguém percebeu isso não. Ainda bem que vocês estão sempre a postos — disse a presidente sorrindo.

Por volta das 10h, Dilma se dirigirá para o prédio das Nações Unidas onde participa da Assembleia Geral da ONU. Ela também irá assistir ao discurso do Papa Francisco, marcado para as 11h. Dilma falará depois do Pontifice.

A presidente aproveitará sua ida à Assembleia Geral da ONU para anunciar metas sustentáveis cujo objetivo é pôr fim ao desmatamento na Amazônia em dez anos. A promessa fará parte do pacote das ambições nacionais de combate às mudanças climáticas.

A versão inicial do discurso de Dilma não contempla assuntos como a crise econômica do país. Em todos os discursos anteriores, a petista citou a economia e usou a situação fiscal do país para mostrar a “solidez brasileira”. Agora, o Brasil está sem o selo de bom pagador e com dólar a mais de R$ 4, em grande parte por causa dos problemas fiscais do governo.

Após o evento, a presidente deve participar de reuniões bilaterais com outros chefes de Estado. Segundo o Itamaraty, mais de 90 chefes de Estado vieram para a Assembleia Geral da ONU, um recorde de presença.

Antes de embarcar para Nova York, Dilma adiou para a próxima semana o anúncio da reforma ministerial. A presidente não conseguiu chegar a um acordo com o PMDB e dividir as vagas entre as indicações feitas pelas bancadas do partido no Senado e na Câmara e a cota do vice-presidente Michel Temer.

Fonte: oglobo.globo.com/
 
 
 Joia com chip escondido é nova arma para combater estupros na Índia
Sistema tem GPS e envia alerta por celular se pressionado duas vezes.
País teve mais de 100 casos de agressões sexuais por dia no ano passado.

Um pingente composto por uma pedra preciosa e um microchip é a nova arma para o combate às agressões sexuais na Índia, onde foram registrados mais de 100 casos por dia no ano passado, conforme dados oficiais.
Idealizado por cinco jovens engenheiros indianos que começaram a vender a joia pela internet, o Safer, nome dado ao pingente, possui um sistema oculto na parte posterior de uma gema. Ele é capaz de mandar um aviso de perigo através de um aplicativo para smartphones.

O alerta pode ser localizado pelo Google Maps graças ao sistema de GPS incorporado ao microchip.
Quando o pingente é apertado duas vezes seguidas, os "guardiões" - contatos de emergência escolhidos pela pessoa - recebem uma mensagem pela internet ou SMS alertando sobre a situação de perigo vivido pela possível vítima, assim como sua localização exata.
Dessa forma, as novas tecnologias entram na luta contra o estupro no país com dispositivos vestíveis. O Safer já é uma realidade dentro da lista de acessórios úteis para evitar o crime e que estão disponíveis no mercado indiano.

Entre os itens estão peças íntimas que descarregam 3.800 quilowatts sobre o agressor, sprays de pimenta e até mesmo meias com pelos.
E quem mais fica satisfeito com o desenvolvimento tecnológico aliado à segurança são os pais das jovens, disse à Agência Efe o diretor de Vendas e Marketing da Leaf, empresa que comercializa o Safer, Paras Batra.
"As meninas ficam encantadas com o design, mas os que tiveram melhor reação foram os pais, que se sentem mais seguros", comentou.
O novo dispositivo é uma mistura de pragmatismo, pois vela pela segurança de mulheres e meninas, e estética, sem representar uma carga adicional como muitos dos acessórios disponíveis.

"Pensamos em algo que não fosse uma coisa a mais para a mulher carregar. As indianas gostam de joias, por isso que fomos às joalherias e descobrimos que os pingentes são os mais procurados", disse Batra, acrescentando que o Safer foi um objeto pensado para não ser usado contra a vítima.
"Se você usa um spray de pimenta, por exemplo, o agressor pode roubá-lo e utilizá-lo", considerou o diretor da companhia.
Apesar dos benefícios, Batra ressaltou que o Safer é apenas um sistema de alerta sobre uma potencial situação de risco e não um elemento dissuasório para evitar a agressão sexual.

Os pedidos podem ser realizados pelo site da Leaf por preços especiais por meio de uma campanha de crowdfunding. A empresa espera começar a produção em massa do Safer e começar as vendas em lojas de Nova Délhi, Mumbai e Bangalore até novembro.

"Nosso objetivo é conseguir 50 mil rúpias (US$ 7,5 mil)", disse Batra, ao explicar que já foram obtidos 30% dos recursos necessários para o projeto, que tem até o final de setembro para obter o restante.
Os engenheiros da Leaf já estão pensando em como melhorar o primeiro modelo. Para isso, eles têm tido apoio da polícia para desenvolver um serviço que alerte às forças de segurança em caso de estupro, melhorando a resposta das autoridades às agressões.
"Estamos em contato com a polícia para que possamos gerar uma alerta que também chegue às delegacias, comunicando-os por rádio, para que possam chegar mais rápido à cena do crime", salientou o diretor financeiro da Leaf, Manik Mehta.

Fonte: g1.globo.com/
 
 
 WhatsApp azul, desconto e outras ameaças: conheça os golpes no app
Os golpes no WhatsApp estão se tornando cada vez mais comuns no Brasil. WhatsApp azul ou transparente, downloads de apps falsos e supostos "descontos" de empresas conhecidas estão entre as fraudes mais comuns. O usuário precisa ficar atento para não deixar seus dados pessoais e financeiros vulneráveis ou instalar vírus sem querer no smartphone.

Segundo estudo da Electronic Frontier Foundation (EFF), o WhatsApp está entre os apps mais inseguros do mundo. Para navegar em segurança pelo aplicativo, confira a lista com cinco golpes aplicados no WhatsApp.

Descontos pelo WhatsApp
Um golpe brasileiro começou a fazer vítimas no mensageiro oferecendo descontos nas lojas Extra e Carrefour. De acordo com a Kaspersky Lab, empresa de segurança online, o cibercrime não precisa nem que o usuário instale um app malicioso. Se trata de uma mensagem disseminada usando o nome das lojas famosas.

O golpe induz as pessoas a ligarem para um número de celular e responder um questionário, com a promessa de que irão receber um cupom de R$ 500 de desconto. No entanto, os hackers estão faturando por meio da conta telefônica, pois para concluir a "promoção", é preciso ligar para o número do golpista. A mensagem é comum e parece ser verdadeira, mas contém um link que direciona o usuário para uma página “falsa”. Ao clicar no item, a pessoa também dissemina o golpe no WhatsApp, sem querer.

Golpe com descontos da Zara e H&M
O golpe usa uma mensagem do WhatsApp para prometer descontos nas lojas de roupa Zara e H&M. Nesse caso, para ganhar o suposto cupom é necessário clicar em um link e responder uma pesquisa. No entanto, o intuito é roubar dados pessoais para usar em spam e phishing.

E as próprias vítimas acabam disseminando o golpe entre seus contatos. Isso porque o usuário precisa compartilhar o anúncio com, no mínimo, dez pessoas para obter a vantagem.


Golpe do WhatsApp usando Starbucks
O Starbucks está entre as empresas que utilizadas em golpes. A ação criminosa foi detectada pelas Kaspersky e ESET, desenvolvedoras de segurança online, em agosto deste ano. Na mensagem recebida pela vítima, é indicado que ela pode ganhar um cupom de R$ 500 para usar nas filiais da cafeteria.


Para conseguir o desconto, o usuário precisa enviar dados pessoais. E essas informações são usadas para fins maliciosos, como spam, phishing ou malware. O golpe também acaba sendo espalhado pela própria vítima que, na primeira etapa do processo, precisa compartilhar o link com dez usuários. Apesar de a mensagem exibir um texto em inglês, o desconto aparece em moeda nacional.


Sites com download do WhatsApp
Alguns sites em português que prometem o download do WhatsApp no celular ou computador podem não passar de um grande golpe. Na verdade, será instalado um vírus que permite a entrada de outros apps, além de fazer cobranças indevidas. O crime foi identificado pela Kaspersky em julho deste ano e os links podem até aparecer no topo em buscas do Google.

No celular, quando a vítima aceita fazer download do falso aplicativo, a página é direcionada para um instalador malicioso de trojan SMS. Com isso, o usuário será cobrado por serviços Premium e ainda por ter baixado o app. Vale lembrar que o mais seguro é baixar o WhatsApp nas lojas oficiais do Android, iOS e Windows Phone  ou na própria página do mensageiro.


Golpe do WhatsApp azul
A suposta versão do WhatsApp “azul” tem enganado usuários do aplicativo. Uma mensagem  promete um modelo diferenciado do app: o WhatsApp Trendy Blue. No entanto, se trata de um golpe para roubar dados dos usuários. Durante o falso processo de instalação, o usuário é direcionado para um link malicioso, no qual precisa responder um questionário que promete diversos prêmios.

A disseminação do golpe é feita pelo próprio usuário, já que na primeira etapa é solicitado que ele compartilhe a informação com dez amigos do mensageiro e ainda insira o número de celular.
Uma outra versão que também promete o WhatsApp com uma cor “azul” foi disseminada na rede em abril deste ano. A versão do “WhatsApp Plus” não era oficial e causava diversos problemas para os usuários, como a suspensão da conta do WhatsApp oficial. Não se sabe quais dados o aplicativo coletava para fins maliciosos.


Fonte: techtudo.com.br
 
 
 Dólar chega a R$ 4,24, mas muda de rumo e passa a cair
Tombini diz que BC pode vender dólares das reservas internacionais.
Na quarta-feira, dólar fechou em alta de 2,28%, a R$ 4,1461.

Após subir com força e passar a marca de R$ 4,24 nesta quinta-feira (24), renovando a máxima da história, o dólar virou e passou a cair. No início da tarde, no entanto, mudou de rumo e passou a cair.
Às 16h07, o dólar tinha queda de 2,10%, a R$ 4,0590. Na máxima da sessão, chegou a saltar para R$ 4,2491 e, na mínima, foi a R$ 4,0577, segundo a Reuters. Veja a cotação
A moeda perdeu força e passou a cair depois de declarações do presidente do BC, Alexandre Tombini, que sugeriu que poderão ser feito leilões de dólares no mercado à vista.
Questionado sobre o possível uso das reservas internacionais no câmbio, Tombini disse que "todos os instrumentos à disposição do Banco Central estão no raio de ação caso seja necessário à frente".
Entenda: swap cambial, leilão de linha e venda direta de dólares


Veja a cotação ao longo do dia:
Às 9h20, alta de 1,39%, a R$ 4,2038
Às 9h30, alta de 1,62%, a R$ 4,2134
Às 9h40, alta de 1,46%, a R$ 4,2067
Às 9h50, alta de 1,47%, a R$ 4,2071
Às 10h, alta de 1,7%, a R$ 4,2165
Às 10h10, alta de 1,97%, a R$ 4,2279
Às 10h20, alta de 2,16%, a R$ 4,2356
Às 10h30, alta de 2,45%, a R$ 4,247
Às 10h40, alta de 2,03%, a R$ 4,2306
Às 10h50, alta de 1,89%, a R$ 4,2245
Às 10h59, alta de 1,86%, a R$ 4,2233
Às 11h10, alta de 0,3%, a R$ 4,1586
Às 11h20, alta de 0,87%, a R$ 4,1821
Às 11h30, alta de 0,99%, a R$ 4,1874
Às 12h, alta de 1,5%, a R$ 4,2086
Às 12h20, alta de 1,38%, a R$ 4,2036
Às 12h40, alta de 1,2%, a R$ 4,1961
Às 13h09, alta de 0,1%, a R$ 4,1503
Às 13h24, queda de 0,29%, a R$ 4,1339
Às 13h39, queda de 1,38%, a R$ 4,0887
Às 13h54, queda de 1,32%, a R$ 4,0915
Às 14h09, queda de 0,61%, a R$ 4,1210
Às 14h25, queda de 0,89%, a R$ 4,1066
Às 14h34, queda de 1,13%, a R$ 4,0990
Às 14h55, queda de 1,04%, a R$ 4,1030
Às 15h57, queda de 1,57%, a R$ 4,0809
Às 16h07, queda de 2,10%, a R$ 4,0590

A declaração de Tombini trouxe algumas expectativas de que a autoridade monetária poderia realizar leilão de dólares no mercado à vista, embora as perspectivas continuassem muito incertas, destaca a Reuters.
Operadores relutavam em estimar até que ponto o dólar deve subir, mas é unânime a percepção de que deve continuar pressionada. O dólar subiu nos cinco dias anteriores, acumulando 8,14%.
"Estamos em uma sinuca de bico. Recessão com inflação é uma espiral perigosa e, se não sairmos rapidamente disso, pode ser desastroso. E as chances de isso acontecer são cada vez menores, principalmente com a política como está", disse à Reuters o operador de uma corretora nacional.
A moeda norte-americana tem sido pressionada pela deterioração das contas públicas do Brasil e pelas turbulências políticas. Investidores temem que o país perca seu selo de bom pagador por outras agências de classificação de risco além da Standard & Poor's.
Intervenções do BC
Nesta quinta, o BC faz um leilão de até 20 mil novos swaps cambiais, (títulos que equivalem a venda futura de dólares, e que servem como proteção contra a alta da moeda), com vencimento em 1º de setembro de 2016.
Também nesta quinta, o BC dá continuidade à rolagem (troca dos títulos que vão vencer por títulos novos, para evitar retirar esses recursos do mercado) dos swaps cambiais que vencem em outubro, com oferta de até 9,45 mil contratos, equivalentes a venda futura de dólares.
Na véspera, o BC realizou dois leilões de venda de dólares com compromisso de recompra e um leilão de novos swaps cambiais, equivalentes a venda futura de dólares. Também durante a sessão passada, anunciou para esta quinta-feira outro leilão de novos swaps, na qual vendeu a oferta total de até 20 mil contratos.
Além disso, o BC vendeu a oferta total de até 9,45 mil swaps cambiais para rolagem dos contratos que vencem em outubro. Ao todo, já rolou o equivalente a US$ 7,621 bilhões, ou cerca de 80% do lote total, que corresponde a US$ 9,458 bilhões.

Recordes
O dólar ultrapassou a cotação de R$ 4 pela primeira vez na história esta semana, por preocupações com o ajuste fiscal no Brasil e com a possibilidade do Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos, elevar a taxa de juros do país. Se isso acontecer, os EUA se tornam mais atrativos aos investimentos, e pode haver uma forte saída de dólares do Brasil – seguindo o princípio da oferta e da procura, quanto menos dólares à disposição, mais caros eles ficam.
Na quarta-feira, o dólar voltou a bater recordes, e fechou a R$ 4,1464, em alta de 2,28%. Foi o maior avanço diário em três semanas. Na semana e no mês, o dólar acumula alta de 4,75% e 14,31%, respectivamente. Em cinco sessões, o avanço foi de 8,14%. No ano, a moeda já subiu 55,94%.


Fonte: g1.globo.com/
 
 
 Ciência sem Fronteiras é paralisado
Dólar, baixa adesão da iniciativa privada e cortes levam à suspensão de novas vagas

Brasília. O governo federal admitiu publicamente que suspendeu, por tempo indeterminado, a abertura de vagas para o Ciência sem Fronteiras (CsF), uma das principais bandeiras da presidente Dilma Rousseff. A declaração foi feita durante sabatina no Comitê para os Direitos das Crianças da Organização das Nações Unidas (ONU). Os alunos que já estão no exterior terão as bolsas mantidas.

“O programa não foi cancelado. Ele apenas não abriu novas vagas nesse momento. Isso vai acontecer tão logo a situação financeira melhore”, declarou ao Estado o assessor especial do Ministério da Educação (MEC), Alexey Dodsworth Magnavita de Carvalho. O congelamento também foi confirmado por outro representante do governo, que estava na ONU.

A sabatina nas Nações Unidas, feita nesta quarta e terça, avaliou políticas brasileiras para a área de infância. Um dos pontos levantados pelos peritos da ONU, e também por entidades sociais ouvidas pelos técnicos, foi o ajuste fiscal nos programas da Educação.

“Considerando a realidade econômica do país, o governo federal está fazendo a revisão das metas de seus programas”, afirmou o MEC, em nota. Ao lado do Fies e do Pronatec – programas federais que financiam cursos superiores e técnicos –, o Ciência sem Fronteiras foi um dos mais afetados pelos cortes no orçamento neste ano.

 Com a alta do dólar, que operava nesta quarta a mais de R$ 4, o envio de alunos ao exterior ficou ainda mais difícil. Nos primeiros quatro anos, o Ciência sem Fronteiras consumiu R$ 6,4 bilhões. Era previsto que a iniciativa privada bancasse parte das bolsas. A participação das empresas, porém, foi menor do que o esperado.

O MEC também destacou que as bolsas dos 35 mil alunos que ainda estão no exterior serão mantidas. “Os alunos que estão fora do país não serão chamados de volta”, afirmou Carvalho. A pasta disse ainda que não há atraso nos pagamentos aos intercambistas ou às universidades participantes.

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), agência ligada ao Ministério da Ciência e Tecnologia e corresponsável pelo programa, disse que o foco é “cumprir todos os compromissos assumidos” e implementar 22 mil bolsas no ano que vem.

Segundo Carvalho, do MEC, “a prioridade é a educação básica”. Essa garantia foi dada após a ONU questionar as políticas para crianças em um cenário de crise no Brasil.

Passo atrás

Vácuo. Após conceder 101 mil bolsas entre 2011 e 2014, a meta do CsF era enviar mais 100 mil alunos para o exterior até 2018. Mas não há prazo para a retomada de editais, que não suspensos em 2015.


Fonte: otempo.com.br
 
 
 Estudo elucida mistério da formação das galáxias superluminosas
Estruturas têm taxa de criação de estrelas mil vezes superior à da Via Láctea.
Elas se formam devagar agregando matéria, não por colisão como se achava.

As galáxias mais luminosas da história do Universo, com taxa de natalidade de estrelas mil vezes superior à da Via Láctea, eram capazes de se formar lentamente com a gravidade, agregando matéria. Um novo estudo, que dá suporte a essa teoria, enfraquece a hipótese de que essas estruturas cósmicas surgiam por meio de colisões.
Conhecidas como "galáxias de brilho submilimétrico", uma referência ao comprimento de onda da radiação infravermelha que emitem, elas só começaram a ser avistadas em décadas recentes, quando instrumentos de precisão capazes de captar luz dessa frequência foram apontados para o espaço. Sua descoberta desafia os físicos teóricos, que até agora não conseguiram explicar muito bem como regiões tão densas seriam capazes de se formar espontaneamente.
Essas estruturas cósmicas existem tipicamente em regiões de grande "desvio para o vermelho", o que significa que estão muito distantes da Via Láctea e, portanto, são muito antigas, pois a viagem de sua luz até aqui leva cerca de 10 bilhões de anos.
A existência dessas galáxias monstruosas distantes indica que o Universo de 10 bilhões de anos atrás eram bem diferente, mas os astrônomos ainda não conseguem entender exatamente por quê.

Uma simulação de computador realizada agora por cientistas do Haverford College, da Pensilvânia, porém, conseguiu reproduzir as condições naturais em que as galáxias submilimétricas (SMG, na sigla em inglês) se formam. A massa que alimenta sua formação pode ser agrupada se uma ampla reserva de gás estiver presente desde sua formação.
Essas galáxias podem existir, afirmam os cientistas, dentro de halos hipermaciços de matéria escura -- o tipo de matéria mais abundante no Universo, mas cuja natureza é ainda desconhecida. Nessas condições, as galáxias formadas atingem um pico de taxa de formação de estrelas equivalente à criação de 500 ou 1.000 sóis por dia.
Outras simulações de computador já haviam conseguido produzir galáxias com essas características, mas o tipo de matéria que elas continham, com baixo teor de metais e elementos mais pesados, não era o mesmo daquelas vistas em galáxias SMG reais. O novo modelo, mais detalhado, conseguiu reproduzir essa condição.
"Com uma vida de quase um bilhão de anos, nossas simulações mostram que a fase de brilho submilimétrico de galáxias de alto desvio para o vermelho é prolongada e associado com um acúmulo de massa significativo no Universo jovem", afirmam em estudo os cientistas que fizeram a descoberta, liderados pelo astrofísico Desika Narayanan, de Haverford. O trabalho foi publicado na revista "Nature".
Segundo o astrônomo Romeel Davé, da Universidade do Oeste do Cabo, na África do Sul, a simulação de Narayanan não é a última palavra no assunto, mas é um avanço significativo. "Ela não significa que as fusões de galáxias não possam criar as galáxias submilimétricas; elas provavelmente criam, mas o trabalho atual sugere que esses casos são minoria", escreveu o cientista, que não participou do trabalho.
 
 
 Desequilíbrio da fauna intestinal pode causar doença de Crohn, diz estudo
Em experimento, micróbio de roedor doente transmitiu problema para outros.
Estudo sugere que transplante de fezes aliviaria de inflamação intestinal.

Um novo estudo mostra que o desequilíbrio fauna microbiana do intestino pode desencadear a doença de Crohn, uma inflamação crônica do intestino, e que o problema pode ser transmitido a outros indivíduos. A conclusão, tirada de experimentos com camundongos, sugere que o transplante de bactérias “saudáveis” para o intestino de portadores da doença pode um dia ajudar na terapia.
A descoberta, feita por cientistas da Universidade Técnica de Munique, na Alemanha, não implica que a fauna microbiana seja a única causa da doença, mas sugere que ela seja um fator importante entre aqueles que a desencadeiam.
“Apesar de termos usado camundongos que já tinham uma predisposição genética maior para desenvolver uma inflamação do tipo Crohn, eles não desenvolveram os sintomas até implantarmos bactérias intestinais tiradas dos animais afetados”, afirmou Dirk Haller, líder do estudo, em comunicado à imprensa.
Os cientistas buscam agora maneiras de conseguir reverter a condição em experimentos com o procedimento inverso, transplantando bactérias de animais saudáveis para os doentes. A técnica requer que se extraia bolo fecal de um indivíduo e se implante em outro.
A doença de Crohn ainda é um problema difícil de tratar. Em muitos casos, os medicamentos produzem um alívio apenas temporário. “Na maioria dos casos, a inflamação retorna após algum tempo”, afirma Haller. “O transplante de bolo fecal já se mostrou efetivo para várias doenças intestinais. Esse tratamento inusitado, porém, ainda precisa obter resultados conclusivos em pacientes com doença de Crohn e colite ulcerativa.”
Os resultados da pesquisa do grupo alemão foram descritos em estudo publicado na revista científica “Gut”.

Fonte: g1.globo.com/
 
 
 Hospital de SP desmente rumor de mortes por causa de feijão com larva
Boato divulgado na internet afirma que 10 teriam morrido por diarreia.
Hospital citado divulgou nota esclarecendo que história não é verdadeira.

O Hospital e Maternidade Santa Joana, de São Paulo, afirmou que não é verdadeiro o relato que tem circulado na internet de que 10 pessoas teriam morrido devido a uma contaminação por feijão com larva, incluindo uma médica da instituição.
O boato – que tem sido divulgado nas redes sociais e em mensagens de WhatsApp – afirma que “feijões com bichos” estariam provocando uma “epidemia de diarreia” e alerta as pessoas a deixarem o feijão de molho no vinagre antes de cozinhá-lo. Na mensagem que tem circulado, a autora cita que o caso foi relatado por uma cunhada que trabalharia no “Hospital Santa Joana”.

Nesta quinta-feira (24), a instituição publicou uma nota de esclarecimento sobre o assunto: “O Hospital e Maternidade Santa Joana esclarece que a informação que está circulando nas redes sociais sobre um possível problema com consumo de feijão dentro da instituição não é verdadeira. Não há nenhuma morte de colaborador fora ou dentro do hospital relacionada a qualquer surto de gastroenterite.”
A mesma imagem usada para ilustrar a mensagem sobre a falsa epidemia foi usada em 2013 associada a outro boato: o de que pessoas estariam contraindo doença de Chagas ao consumir feijão.
O médico nutrólogo Carlos Alberto Nogueira, diretor da Associação Brasileria de Nutrologia (Abran) afirma que, caso a história fosse verdadeira, seria uma situação de muita exceção. "Uma larva qualquer, a pessoa vai mastigar, engolir e ela vai virar comida. Comemos larvinhas de goiaba, por exemplo, a vida inteira e não acontece nada. Se existe algum tipo de larva que carregue em si uma bactéria nociva, não tenho conhecimento. Trabalho com alimentos há 18 anos e para mim seria uma coisa nova, ainda que teoricamente possível."

Dois tipos de contaminação possíveis
Ele esclarece que existem basicamente dois tipos de contaminação por alimentos que podem causar diarreia e vômito. Ela pode ser provocada pela ingestão de toxinas produzidas por bactérias ou fungos presentes nos alimentos. É o caso da maionese estragada, por exemplo. Nessas situações, o paciente começa a apresentar os sintomas pouco tempo depois de ingerir o alimento, pois a toxina já está pronta.
O outro tipo de intoxicação é quando o alimento contém micro-organismos patogênicos que, quando ingeridos, se instalam no organismo do paciente, onde se multiplicam e começam a produzir toxinas que provocam os sintomas. Nesses casos, a reação ocorre até dois dias depois da ingestão do alimento. É o caso das contaminações por Escherichia coli, por exemplo.

Fonte: g1.globo.com/
 
 
 Windows 10 build 10547 permite mudar conta de usuário ou tirar férias do Insider
Microsoft liberou o pacote de atualização Windows 10 build 10547 há apenas um dia, mas já deu para perceber algumas mudanças interessantes, além daquelas que já foram devidamente catalogadas e publicadas pela gigante de Redmond. E uma dessas novidades está relacionada com o programa insider.
Todos os usuários inscritos no programa Insider e que receberam a compilação 10547 por meio do ciclo rápido (“fast ring”) agora contam com novas opções no menu do programa de testes do Windows 10. Especificamente, por meio da seção “Configuração, Windows Update, Opções avançadas” é possível mudar a conta de usuário clicando na opção “Alterar” ao lado da conta ativa.
Outra novidade interessante, como demonstra a imagem abaixo, é a possibilidade de escolher deixar o programa Insider por um pequeno período de tempo. Ao escolher a opção para abandonar o programa Insider são dadas três opções de férias, um, dois ou três dias, e após esse período o sistema volta novamente a receber quaisquer novas atualizações lançadas pela Microsoft.
Apesar de ter lançado seu sistema operacional para computadores há pouco mais de um mês e contar com uma adesão maior do que esperava, acumulando mais de 75 milhões de instalações, a Microsoft sabe que precisa da ajuda dos usuários para continuar testando recursos que serão lançados futuramente para todos os demais, daí a necessidade de oferecer mais opções que tornem o programa Insider atrativo para novos participantes e que mantenha os atuais.
 
 
 Windows 10 Insider, Saiba como retirar a marca d'água
Microsoft lançou o Windows 10 há quase dois meses depois de esclarecer uma grande polêmica envolvendo o programa Insider. Como muitos devem lembrar, a gigante de Redmond deu a entender que todos os participantes de seu programa de teste teriam uma versão do novo sistema operacional totalmente gratuita, mesmo que esses usuários não possuíssem uma licença original. Pois bem, a verdade é que todos os que se encaixam nesse grupo perceberam que após a atualização para a build 10532 a marca d’água identificando as cópias de avaliação passou a ser exibida no canto inferior direito do desktop. E se isso te incomoda, nós apresentamos uma solução.
É importante recordar que não são apenas os usuários piratas que ficam incomodados com a marca d’água “Cópia de avaliação”, existem aqueles que fizeram instalações limpas e acabaram perdendo a chave original que fica na BIOS do equipamento e só pode ser aproveitada se primeiramente for feita uma atualização por cima do Windows 7/8/8.1.
Considerando a explicação do parágrafo anterior existem pelo menos duas formas para sumir com essa mensagem indesejável, uma mais complicada por meio de modificações no registro do sistema e outra mais simples recorrendo a um pequeno aplicativo. Vamos começar pela forma mais fácil. Ambas as formas valem para o Windows 10 build 10547 ou versões anteriores até o Windows 8 build 7850.

Remover a marca d'água com Universal Watermark Disabler
Recorrer ao aplicativo Universal Watermark Disabler é um método mais simples e também mais seguro, já que você não precisará brincar com o registro do Windows. E essa ferramenta remove a marca d'água em segundos e permite desfazer o procedimento com a mesma praticidade.
1. Baixe o aplicativo Watermark Universal Disabler (clicando aqui)
2. Descompacte o arquivo baixado e execute o uwd.exe
3. Clique em Install e confirme
4. Aguarde o aplicativo fechar o processo explorer.exe (por alguns segundos) confirmando as solicitações para salvar arquivos abertos.
5. Reinicie o equipamento. Pronto!

Remover a marca d'água com alteração do Registro
Aqui o processo não é realmente difícil, mas requer atenção redobrada.
1. Pressione a tecla Windows + R, digite regedit e clique em OK
2. Siga para o caminho: HKEY_LOCAL_MACHINE -> SOFTWARE -> Microsoft -> ​​Windows NT -> CurrentVersion -> Windows
3. Em seguida, no lado direito da janela, clique com o botão direito do mouse e selecione “New” ou “Novo” “DWORD (32-bit)” e renomeie para DisplayNotRet
4. Reinicie o computador para que as alterações sejam aplicadas
Soluções simples para um “problema” também simples e que não atrapalha o funcionamento do sistema de forma alguma, mas de qualquer forma, se você é um dos incomodados, fica a dica para ficar novamente feliz com seu Windows.
 
 
 Windows 10 Mobile: Microsoft publica especificações recomendadas para smartphones
Windows 10 Mobile está cada vez mais próximo de ser finalmente revelado para o público, os recentes vazamentos de imagens com os novos dispositivos Lumia 950 e 550 corroboram esse pensamento. Diante disso, a gigante de Redmond liberou um documento, voltado para as fabricantes, com a pretensão de ajudá-las no desenvolvimento de dispositivos que possam tirar o máximo proveito do novo sistema.
A Microsoft separou as especificações recomendadas em três diferentes níveis, batizando-os de “Value Phone”, “Premium Phone”, e “Value Phablet”. Esses termos poderiam ser traduzidos como dispositivos low-end, high-end e phablet midrange. Quanto às recomendações de cada um dos segmentos nós temos as características listadas abaixo:

Especificações recomendadas para Value Phone:
-Processador de baixo custo ou intermediário
-1GB de memória RAM
-4GB a 8GB de espaço para armazenamento interno (expansão via microSD)
-Tela de 3,5 a 4,5 polegadas com resolução WVGA (480x8XX pixels) até QHD (960×540 pixels)
-Espessura menor do que 10,5 mm e peso inferior a 135 gramas
-Bateria superior a 1400 mAh para garantir um dia de uso
-Duas câmeras, uma traseira de 5 megapixels e frontal de 0,3 megapixels
-3G (LTE / Cat 3), WiFi 802.11b/g/n, microUSB, conector de 3,5 mm, Bluetooth LE

Especificações recomendadas para Premium Phone:
-Processador high-end
-2GB até 4GB de memória RAM
-32GB a 64GB de espaço para armazenamento interno (expansão via microSD)
-Tela de 4,5 até 5,5 polegadas com resolução FullHD (1920x1080 pixels) até WQHD (2560×1440 pixels).
-Espessura menor do que 7,5 mm e peso inferior a 160 gramas
-Bateria superior a 2500 mAh para garantir um dia de uso
-Câmera traseira de 20 megapixels com flash e OIS, e uma frontal de 5 megapixels
-LTE / Cat 4+, WiFi 802.11b/g/n/ac 2 × 2, USB, conector de 3,5 mm, Bluetooth LE, NFC

Especificações recomendadas para Phablet Value:
-Processador intermediário
-2GB de memória RAM
-16GB de espaço para armazenamento interno (expansão via microSD)
-Tela de 5,5 até 7 polegadas com uma resolução superior a 720p (1280x720 pixels)
-Espessura menor do que 10 mm e peso inferior a 175 gramas
-Bateria superior a 3000 mAh para garantir um dia de uso
-Câmera traseira de 5 megapixels e frontal de 3 megapixels
-LTE / Cat 3, WiFi 802.11b/g/n/ac 2 × 2, USB 3.0 Type-C, conector de 3,5 mm, Bluetooth LE, NFC

As especificações listadas pela gigante de Redmond estão compatíveis com os dispositivos que temos visto no mercado atualmente, mas vale recordar que essas são recomendações mínimas para um desempenho satisfatório e poderemos ver aparelhos tanto superiores como inferiores. É claro que a linha Lumia, sendo da própria Microsoft, deve seguir essa linha proposta pela empresa.
Dentro de mais uma semana apenas teremos maiores detalhes, quando a Microsoft der início ao evento agendado para o dia 6 de outubro em Nova York, EUA, quando se espera que sejam revelados não apenas os novos Lumia 950, 950XL, 550 e 750, como também o tablet Surface 4 Pro e a Microsoft Band 2.
 
 
 Microsoft pode lançar nova build do Windows 10 para Insiders em breve
Já faz algum tempo que a Microsoft liberou o Windows 10 para os consumidores que estavam esperando pela novidade. Infelizmente os usuários de dispositivos móveis ainda devem esperar mais algum tempo para receberem a versão mobile, de qualquer forma, a companhia já está trabalhando para lançar as novidades. Apesar de já ter disponibilizado a versão completa do software, ainda estão sendo testadas novas builds.
A Microsoft está constantemente testando as novas possibilidades do sistema, é justamente por isso que ela ainda permite que alguns Insiders usufruam das novas builds. Até há pouco os consumidores que continuam no programa de teste receberam a build 10547, que permite mudar a conta do usuário e até tirar férias do Insider.
De qualquer forma, foi revelado que uma nova build deve ser lançada para os Insiders em breve, possibilitando os testes das novidades que devem chegar ao sistema. Foi o próprio profissional da Microsoft, Gabriel Aul, que revelou sobre a nova build.
Provavelmente a atualização não trará muitas novidades a mais que a build 10547, que foi lançada há pouquíssimo tempo. Novidades são sempre ótimas, e de qualquer forma, será interessante visualizar os novos recursos que a Microsoft propõe lançar para o Windows 10 em algum momento no futuro.
 
 
 Minecraft já suporta partidas entre jogadores das versões PE e Windows 10
Microsoft presenteou os usuários do Windows 10 que já haviam comprado o jogo Minecraft para computadores com uma nova versão gratuita. Minecraft Windows 10 Edição Beta é a nova aposta gigante de Redmond para reunir os principais elementos da versão desktop com os pontos positivos da versão mobile. E temos uma importante atualização que dá importantes passos nesse caminho.
No início do mês de julho a Mojang disse que sua intenção era permitir que jogadores do Minecraft em dispositivos móveis pudessem desfrutar de partidas com aqueles que preferem a versão para computadores. Faltava apenas melhorar as características da versão mobile presentes na que fora lançada para o Windows 10, o que acaba de acontecer. Abaixo você confere a lista de recursos na versão 0.12.1 do Minecraft Pocket Edition:
-O Nether e todos os seus habitantes. Lute contra Ghasts e faça amigos entre os Homens-porco
-Jogabilidade multiplataforma para até cinco jogadores, entre o Pocket Edition e o Windows 10
-Controles de toque renovados, suporte ao controle e ainda uma tela de mapeamento do controle
-Efeitos de clima aprimorados! Acúmulo de neve e tudo o mais
-Jaguatiricas! Tente domesticar uma com um peixinho
-Experiência, Bigornas, Poções e feitiços. Hora de subir o nível do seu jogo, crafter
-Golens. Recomendamos cautela ao se aproximar
-Vasos de flores. Recomendamos que os encham com floradas
-Agachar e sair em disparada! Use os movimentos para se expressar!
-Diversas correções de erros
Inicialmente a atualização está disponível apenas para na Amazon Appstore, mas deve chegar às demais lojas de aplicativos das principais plataformas dentre em breve.
 
 
 Microsoft informa grandes avanços para aprimorar a Internet das Coisas com o Windows 10
Em agosto, Microsoft liberou o primeiro kit de desenvolvimento do Windows 10 para dispositivos que irão fazer parte da ‘Internet das Coisas’. A empresa veio recebendo vários comentários animadores, não apenas dos desenvolvedores, mas também dos usuários que estão curiosos para saber tudo que o sistema terá a oferecer em qualquer equipamento.
Toda esta animação tem incentivado a companhia a melhorar a qualidade e integridade deste comunicado, e eles estam incluindo muitas das mudanças e solicitações feitas por todos, como adicionar suporte para modulação por largura de pulso (PWM) e conversores analógico-digitais (ADC) através de uma API integrada e provedor extensível, abordando questões em torno do driver classe HID USB, e muitas correções de bugs.
A companhia também já está ciente que os usuários estão preocupados em ter uma a interface de gerenciamento de dispositivo baseada na web de forma mais simples, por isso Microsoft está dando continuidade ao investimento e entregando novas funcionalidades para alterar o nome do dispositivo, a senha e a capacidade de iniciar processos.
Foi informado que a gigante de Redmond está preocupada em oferecer uma plataforma altamente segura para você construir aplicações da ‘Internet das Coisas’ de forma fácil, e pretendem continuar esse compromisso nas próximas versões. Todos os equipamentos contarão com suporte ao Secure Boot e criptografia BitLocker dentro de um kernel unificado. Ao construir isso em uma estrutura única, você poderá obter esses recursos de segurança de alto valor sem a necessidade de construir suas próprias implementações que significa que você pode começar seu projeto de forma mais rápida e ainda ser mais seguro.
O núcleo unificado do Windows 10 para a ‘Internet das Coisas’ já está disponível através do Programa de Insider Windows, que também lhe dará acesso a todas as versões encontradas dentro do programa da empresa, e não apenas ao núcleo IoT, e você será notificado automaticamente quando uma nova versão estiver disponível. Os interessados também podem ir para ao site dedicado e seguir os passos por lá para obter a liberação.
Microsoft também informou que irá distribuir novos kits de desenvolvimento nos Estados Unidos nos próximos dias 26 e 27. Esta medida visa atrair ainda mais desenvolvedores a criarem aplicações para qualquer dispositivo conectado na internet usando o Windows 10 como sistema operacional. Vamos torcer para que tudo der certo, pois ter um único sistema totalmente integrado em qualquer tipo de equipamento, seja TVs, consoles, smartphones ou PCs, traria um grande diferencial para a empresa.
 
 
 Microsoft atrasa mas diz que continua trabalhando no Skype Universal para Windows 10
No início deste ano, a Microsoft revelou que está trabalhando em uma nova experiência universal no Skype para Windows 10 e Windows 10 Mobile. A companhia anunciou que estaria entregando as novidades do serviço para os usuários do novo sistema operacional no "final deste verão" - que para os norte-americanos terminou ontem - como uma pré-visualização.
Assim, como o verão acaba de terminar nos EUA, os usuários mais empolados já poderiam se perguntar: onde estão as novas experiências Universais do Skype? Bem, parece que o pessoal de Redmond ainda está trabalhando nisso.
O site Microsoft News já entrou em contato com a Microsoft pedindo uma atualização sobre a novidades do Skype Universal, e um porta-voz da gigante de Redmond respondeu o seguinte:
"Queremos ter certeza de que o Skype embutido no Windows 10 é a melhor experiência possível, por isso estamos tomando um pouco mais de tempo para nos certificar de que estará pronto para os usuários. Nesse meio tempo, você pode continuar a usar o Skype para Windows desktop, o Skype para Windows Phone e Skype para Web no Edge"
Por enquanto, não há nenhuma data específica de lançamento para a experiência universal do Skype para Windows 10. É importante notar que as experiências Universal do Skype para Windows 10 Mobile foi divulgada - e suspeitamos que a Microsoft estará entregando as novidades do Skype Universal com Threshold 2 em novembro.
 
 
 Microsoft ainda pode estar trabalhando em interface 3D em cubos para o Windows
Há alguns anos, a Microsoft solicitou uma patente com elementos em 3D para uma interface de usuário baseada em cubos com base em sua teoria Live Tile. A patente traz os blocos dinâmicos que estamos acostumados a ver só não no Windows Phone, mas também em outras versões do sistema, mas permitindo girar no espaço tridimensional com incorporação de cubos menores ou subpastas dentro do maior.
Após a empresa deixar para trás esta ideia de blocos dinâmicos no Windows 8 e 8,1, é compreensível esperar que o projeto tivesse sido abandonado. No entanto, parece que a Microsoft desistiu completamente da ideia. Os rumores sobre a Microsoft estar trabalhando em uma nova interface de toque 3D para o seu carro-chefe Lumia ainda não anunciado, mostra que novidades podem surgir em breve.
O aparelho de misterioso codinome McLaren, também conhecido como Lumia 1030, foi alvo de vários rumores e seria o escolhido para trazer uma evolução da tela inicial do sistema, permitindo interagir de uma maior forma com o conteúdo dinâmico exibido por cada bloco desencadeando uma "explosão" de informações na tela inicial do sistema. Mini blocos de informações relativas trariam uma experiência próxima ao que vemos no Zune para desktop. Embora não seja idêntica à patente, a ideia ainda abrange as camadas de informação fundamental da patente de cubos em três dimensões.
Ao ver as imagens acima, podemos notar um conceito básico utilizado e que será o de um volume tridimensional com faces. Um volume ou as suas faces podem corresponder a aplicações ou elementos (sub aplicações) do mesmo, com ícones apropriados ou representações gráficas exibidas nela. Um volume pode ser de qualquer forma volumétrica e tridimensional, tal como uma pirâmide, cubo, poliedro, etc. Quando apresentado, o volume pode ter as faces gráficas e arestas, ou alternativamente, faces semi transparentes sem arestas.“
Claro, nada indica que realmente podemos estar diante de uma nova interface para o Windows 10 Mobile. A empresa trabalha fortemente na implementação da realidade aumentada com o projeto HoloLens que será gerenciado pelo Windows 10 3D. Essa patente da Microsoft poderá ser uma interface “palpável” que permitirá aos usuários tocarem nos elementos gráficos com as próprias mãos e interagir com tudo o que o Windows 10 tem a oferecer. Também não podemos esquecer que a primeira patente surgiu em 2013 e nunca vimos nada ser lançado – o que pode indicar que ainda deve demorar para algo surgir disso aqui.
 
 
 Windows 10, veja os problemas do Windows 8 que foram resolvidos
O Windows 8 foi uma mudança drástica quando comparado aos sistemas anteriores: ele adicionou a nova tela com live tiles, alterou a maneira como usamos os nossos computadores e ainda tirou o botão Iniciar — algo que é amado por muitos usuários.
Com prós e contras, o sistema operacional ainda divide corações: ele tem uma legião de fãs enquanto também tem uma legião de haters. Tanto que muitas pessoas simplesmente não atualizaram os próprios computadores e ainda usam o Windows 7 e até o XP — ok, vamos deixar o Vista fora dessa.
Se você acompanha o TecMundo, deve saber que o Windows 10 foi lançado ontem e muitos usuários já correram para baixar a nova versão. Entre problemas pontuais e falhas de download, a maioria já está usando o sistema.
Com isso, vamos lhe mostrar alguns pontos positivos do Windows 10, principalmente os problemas que foram corrigidos e as capacidades melhoradas presentes no novo produto da Microsoft. Acompanhe.

Tela inicial
As live tiles simplesmente não agradam a todos. Talvez, 99,9% dos usuários do Windows 8 não gostam dessa tela inicial. Então, a Microsoft ouviu os consumidores e levou os quadrados interativos ao antigo botão Iniciar. Ao que parece, a mudança deixou tudo mais prático e bonito.

Tablets e smartphones
A maior jogada da Microsoft com o Windows 10 foi desenvolver um sistema que roda em desktops, notebooks, tablets e smartphones. Sim, é apenas um OS que funciona em todos estes gadgets e seus hardwares diferentes — é economia de programação e até um alinhamento funcional.

Janelas!
Como era horrível abrir apps nas live tiles do Windows 8, lembram? Ele tomava a tela inteira e te forçava a ficar alternando entre programas a todo momento. Pois bem, isso acabou — urra!
Agora, o Windows 10 abre os apps em janelas que podem ser arrastadas e redimensionadas. Afinal, estamos em um computador e queremos usar o processamento em multitarefa.

Edge
Um velho amigo está morrendo: o nome dele é Internet Explorer. Enquanto ele está na UTI, ninguém deve estar muito preocupado com isso, principalmente agora, que o Windows 10 traz o Edge, um browser muito mais rápido, liso e com um design agradável.
Só para lhe trazer más lembranças: o Windows 8 tinha dois IE. Dois navegadores iguais no mesmo sistema. Triste.

Centro de Ações
O Centro de Ações (Action Center) é simplesmente um grande passo dentro do sistema: em vez de ter a dolorosa experiência de pegar informações nas live tiles, ele adiciona um botão que mostra todas as novidades que você configurar — como mensagens, redes sociais, clima, etc. 
 
 
 Windows 10 Mobile já está em 4.7% dos smartphones e vendas do Lumia 640 continuam crescendo
A Microsoft revelou há alguns meses que os usuários em breve não utilizarão mais apenas o Windows Phone, a companhia atualizará os dispositivos Lumia com Windows 10 Mobile futuramente. Apesar da versão do novo sistema para computadores já ser atualizada em milhares de computadores ao redor do mundo, poucos consumidores de dispositivos móveis da fabricante contam com a novidade.
Recentemente a companhia de pesquisa AdDuplex realizou um relatório sobre o uso da plataforma mobile da Microsoft ao redor do mundo, revelando alguns números interessantes. Um dos maiores crescimentos registrados foi do Windows 10 Mobile, que aumentou consideravelmente em comparação ao mês anterior. Antes o sistema estava rodando em 3.3% dos aparelhos, agora o número aumentou para 4.7%.
Ou seja, se consideramos um crescimento 'mês a mês' foi um aumento de 40%, levando em consideração que a companhia ainda nem terminou de desenvolver o sistema. As instalações são da versão preview. Além dos dispositivos da Microsoft, outra fabricante que está vendendo relativamente bem produtos com Windows Phone é a BLU.
Uma surpresa interessante é o crescimento do Lumia 640, atualmente um dos dispositivos mais potentes de baixo custo. Até o último mês ele registrou 8.8% dos dispositivos Windows Phone dos Estados Unidos, pouco mais de um mês o número aumentou para 11.2%. O crescimento é ótimo, ainda mais considerando que o aparelho só foi colocado à venda há quatro meses. Apesar disso, é o Lumia 635 que continua com o maior crescimento, com 14.6%.
A AdDuplex também revelou que irá monitorar os novos dispositivos que serão anunciados no dia 6 de outubro no evento da Microsoft. Entre as novidades devem ser revelados os Lumia 950, 950 XL, Lumia 750, Surface Pro 4 e Microsoft Band 2. É claro que não há confirmação oficial do anúncio de nenhum dos aparelhos, mas diversos rumores saíram nas últimas semanas, indicando as informações.
 
 
 Bibi Ferreira canta Frank Sinatra em musical em Ribeirão Preto, SP
Orquestra de 18 músicos acompanhará a cantora no Theatro no Pedro II.
Ingressos estão a venda e os preços variam de R$ 80 a R$ 200.

Famosa por interpretar o repertório da francesa Edith Piaf e da portuguesa Amália Rodrigues, é com canções que ficaram marcadas na voz de Frank Sinatra que a cantora e atriz Bibi Ferreira subirá ao palco do Theatro Pedro II, em Ribeirão Preto (SP), com seu mais novo musical. A apresentação será no dia 10 de outubro, às 21h, com ingressos com preços que variam entre R$ 80 e R$ 200.
Aos 93 anos, Bibi Ferreira faz uma homenagem ao centenário do cantor norte-americano, conhecido como "A Voz", apelido que motivou também o interesse de Bibi em interpretar Sinatra nos palcos. Segundo a produção do espetáculo, a ideia do show surgiu de uma brincadeira nos bastidores sobre o medo do cantor de abrir a boca para cantar e a voz não sair.

Na apresentação, Bibi irá interpretar músicas que marcaram a carreira de Sinatra, como “Cheek To Cheek”, “All the way”, “Nature boy", “You make me feel so Young”, além de canções compostas por Tom Jobim e cantadas pelo cantor norte-americano, grande admiridor da bossa nova. Uma orquestra de 18 músicos acompanhará a cantora.
O valor dos ingressos varia de R$ 80 (galeria) e R$ 200 (plateia) e incluem meia entrada. Os ingressos já estão a venda na bilheteria do Theatro Pedro II e também pela internet, no endereço www.ingressorapido.com.br/compras/?id=42272#!/.
Bibi Ferreira
Em 74 anos de carreira, Bibi já realizou diversos espetáculos musicais interpretando canções de Edith Piaf, Amália Rodrigues, Dolores Duran, entre outros. A artista também trabalhou como atriz e dirigiu peças de dramaturgia sofisticada como “Toalhas quentes”, de Marc Camoletti e “Um rubi no umbigo”, de Ferreira Gullar. O espetáculo em homenagem a Frank Sinatra estreou em agosto.

Serviço:
Bibi Ferreira canta Sinatra
Quando: 10 de outubro
Horário: 21 horas
Local: Theatro Pedro II – Rua Álvares Cabral, nº 370, Centro
Ingressos: R$ 80 (Galeria), R$ 120 (Balcão simples) e R$ 200 (Plateia, frisa e balcão nobre)
 
 
 Volkswagen pode ser risco maior para a economia alemã que crise grega
Volkswagen pode ser risco maior para a economia alemã que crise grega
Crise na montadora pode evoluir para ameaça à economia, dizem analistas.
Volkswagen é um dos maiores empregadores da Alemanha.

O escândalo de fraude em testes de emissões de poluentes que envolveu veículos da Volkswagen nos Estados Unidos abalou o establishment corporativo e político da Alemanha e analistas alertam que a crise na montadora pode evoluir para uma ameaça à maior economia da Europa.
A Volkswagen é a maior fabricante de automóveis da Alemanha e um dos maiores empregadores do país, com mais de 270 mil funcionários empregados diretos, sem contar os postos de trabalho nas empresas fornecedoras.

O presidente-executivo da Volkswagen, Martin Winterkorn, após o escândalo sobre os testes manipulados de emissão de poluentes, renunciou ao cargo nesta quarta-feira (23), e agora os economistas estão avaliando o impacto sobre até agora saudável economia alemã.
"De repente, a Volkswagen tornou-se um risco para a economia alemã maior do que a crise da dívida grega", disse à Reuters o economista-chefe do ING, Carsten Brzeski. "Se as vendas da Volkswagen na América do Norte afundarem nos próximos meses, isso causará um impacto não somente para a empresa, mas para a economia alemã como um todo", acrescentou.

A Volkswagen vendeu quase 600 mil automóveis nos Estados Unidos no ano passado, cerca de 6 por cento das 9,5 milhões de unidades vendidas globalmente.

A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) disse que a companhia pode ser multada em até US$ 18 bilhões, mais do que todo seu lucro operacional do ano passado.

Embora tal multa possa ser coberta com os € 21 bilhões (US$ 24 bilhões) que a companhia tem em caixa, o escândalo tem gerado temores de grandes cortes de empregos.
A preocupação mais ampla para o governo alemão é que outras montadoras como a Daimler e BMW possam sofrer consequências da catástrofe da Volkswagen. Não há nenhuma indicação de má conduta por parte das duas empresas e alguns analistas dizem que um impacto maior seria limitado.

O governo alemão disse na quarta-feira que a indústria automotiva permanece um "pilar importante" para a economia, apesar do agravamento da crise em torno Volkswagen.
Mas analistas alertam que é exatamente essa dependência do setor automotivo que pode gerar uma ameaça para uma economia que deve crescer 1,8% este ano. A Alemanha já está tendo que enfrentar a desaceleração da economia chinesa.

"Se as vendas de automóveis caírem, os fornecedores também seriam afetados e com eles toda a economia", disse à Reuters o especialista do setor automotivo do instituto DIW, Martin Gornig.

Em 2014, cerca de 775 mil pessoas trabalhavam no setor automotivo alemão -- quase 2% de toda a força de trabalho do país.
Além disso, automóveis e autopeça sãos os produtos de exportação de maior sucesso da Alemanha. O setor exportou no ano passado US$ 225 bilhões, sendo responsável por quase um quinto do total das exportações alemãs.

"É por isso que este escândalo não é uma ninharia. A economia alemã foi atingida na sua essência", disse Michael Huether, chefe do instituto econômico IW da Alemanha.
 
 
 Veja quem perde e quem ganha com a alta do dólar
Real mais fraco ajuda exportações e turismo nacional, mas eleva inflação.
Dólar bateu recorde histórico e passou de R$ 4.

Nem as projeções mais ousadas deram conta de que o dólar subiria tanto em 2015. Nesta terça-feira (22), a cotação da moeda passou de R$ 4 e bateu recorde histórico. Mas enquanto uns lamentam, outros comemoram. O real mais fraco beneficia a indústria que exporta, mas também pressiona a inflação com o encarecimento dos produtos importados, reduzindo o poder de compra do brasileiro.

Diante do rebaixamento da nota de crédito do Brasil e das dificuldades do governo em cumprir o ajuste fiscal, ninguém aposta em uma baixa da moeda.

Entre perdedores e vencedores, a alta do dólar mais ajuda do que prejudica a economia, na opinião do economista Gesner Oliveira, da consultoria Go Associados.

“O efeito positivo do estímulo às exportações parece dominante num quadro recessivo, porque é um dos componentes da demanda que pode melhorar o consumo e porque seria desejável melhorar a balança comercial”, diz.


QUEM GANHA

Empresas exportadoras
A indústria que gasta em reais para produzir e vende em dólares é a que mais se beneficia com o avanço da moeda, explica o economista Jason Vieira. A lógica é simples: os preços dos produtos ficam mais competitivos lá fora e a margem de lucro sobe. “Os dois exportadores mais favorecidos no momento são os setores de carne e papel e celulose”, comenta o analista. As vendas das commodities brasileiras também melhoram, mesmo com a recente queda no preço de matérias-primas como o petróleo e o minério de ferro, que atingiu o menor valor em uma década.

Empresas que produzem e vendem no Brasil
A indústria nacional – especialmente a que não precisa importar matérias-primas –, se fortalece porque fica mais competitiva frente aos produtos estrangeiros, que se tornam mais caros. Ela se beneficia com a queda nas vendas desses produtos e pode praticar preços mais altos no mercado interno. A varejista de moda Lojas Renner teve um lucro 30% maior no segundo trimestre, atribuído em parte ao câmbio.

Turismo nacional
Com os preços de passagens e a fatura do cartão de crédito em dólar, ficou mais caro viajar para o exterior. O salário do brasileiro, que continua o mesmo em reais, cabe mais nos destinos nacionais. O turista tem trocado a viagem que faria ao Caribe por uma praia no Nordeste. Assim, o dinheiro circula mais em hotéis, restaurantes, agências de turismo e empresas aéreas que operam voos domésticos. A vinda de turistas estrangeiros, atraídos pelo real mais baixo, também ajuda o turismo interno.


QUEM PERDE
Poder de compra do brasileiro
O avanço da moeda norte-americana é mais um ingrediente que eleva a inflação, que está bem acima do teto da meta (6,5%) em 12 meses. “A matriz de custos da indústria brasileira é toda dolarizada, e isso ajuda a pressionar a inflação com a alta da moeda”, conclui Vieira. “Num cenário de custo mais alto, não tem como não repassar o preço para o consumidor”,  acrescenta.

Indústria que importa peças e matéria-prima
Mesmo que a indústria produza para vender no mercado interno, muitos setores dependem de itens que são comprados na moeda norte-americana, o que encarece o custo de produção Como efeito, isso obriga o produtor a elevar os preços para não ter perdas, o que também ajuda a pressionar a inflação.

Empresas com dívidas em dólar
Mesmo que muitas companhias sejam beneficiadas com a valorização da moeda norte-americana, quando maior for seu endividamento em moeda estrangeira, mais difícil será pagar sua dívida. “As variações do dólar têm impacto patrimonial no balanço das empresas endividadas em dólar”, diz Oliveira, da Go Associados.

Turistas com viagem ao exterior
Os preços das passagens aéreas, dos hotéis e das compras do brasileiro lá fora ficam mais caros. A fatura do cartão de crédito ou pré-pago também aumenta, além da cobrança do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) de 6,38% e incerteza da cotação a ser paga. Tanto que os gastos do brasileiro no exterior caíram 20,1% no primeiro semestre, frente ao mesmo período de 2014.

Produtos chineses
Para Jason Vieira, mesmo que a alta do dólar impacte nos preços dos produtos chineses, a relação custo/benefício ainda é alta frente aos produtos nacionais tributados. “A valorização da moeda não foi suficiente para afetar as vendas dos produtos chineses, mais impactadas pelo quadro recessivo da economia”, analisa Vieira.

Importadores
As empresas que importam produtos vão pagar mais por eles e, por consequência, esse custo precisa ser repassado para o consumidor. No entanto, com o real fraco os importados se tornam menos competitivos frente aos produtos nacionais. Assim, a margem de lucro dos importadores tende a cair quanto maior for a cotação da moeda norte-americana.
 
 
 Papa pede às autoridades que trabalhem pelo meio ambiente
O papa Francisco defendeu ontem (23) a agenda para conter as mudanças climáticas no Planeta. 

Foi em sua primeira atividade política após ter desembarcado nos Estados Unidos e ser recebido por uma multidão. Ele fez um rápido discurso nos jardins da Casa Branca ao lado do presidente Barack Obama. “Temos que aceitar a urgência de iniciativas para conter as mudanças climáticas e esse é um problema que não pode ser deixado para as gerações futuras. Nós estamos vivendo um momento crítico da história”, disse. 

Francisco elogiou a iniciativa de Obama de ter proposto a diminuição na emissão de carbono no país em um momento em que a Casa Branca enfrenta dificuldades para aprovar no Congresso um plano para reduzir em 32% a emissão de gás carbono pelas centrais termoelétricas até 2030. Parte da bancada de deputados e senadores é contrária argumentando que o custo econômico será muito alto.

Papa fala hoje no Congresso Americano – O papa Francisco será o primeiro líder religioso a discursar perante o Congresso dos Estados Unidos. Segundo historiadores, a ocasião tem espaço garantido na história. O encontro acontece em um ano pré eleitoral quando Republicanos e Democratas estão realizando debates para escolher o candidato oficial do partido para concorrer nas eleições do ano que vem. Na agenda dos dois estão a questão das mudanças climáticas e a proteção da indústria ainda dependente dos combustíveis fósseis.

Fonte: gazeta.inf.br
 
 
 ONU premia indígenas brasileiros por proteção ao meio ambiente
Varias comunidades indígenas da América Latina figuram entre os ganhadores do prêmio Equator 2015, segundo anunciou nesta segunda-feira a ONU, que distingue com este prêmio iniciativas cidadãs para reduzir a pobreza, proteger o meio ambiente e conter os efeitos da mudança climática.

Entre os ganhadores figuram grupos da Colômbia, Bolívia, Brasil, Belize e Honduras, que receberão um prêmio de US$ 10 mil e que poderão enviar representantes a uma reunião comunitária que será realizada durante a cúpula sobre mudança climática de Paris em dezembro.

"Os ganhadores deste prêmio Equator são um pequeno grupo de projetos e iniciativas inspiradoras ao redor do mundo. São um pequeno exemplo da grande quantidade de iniciativas que estão dando certo", disse em entrevista coletiva o responsável de Mudança Climática das Nações Unidas, Christiana Figueres.

No anúncio dos 21 premiados participou também, entre outros, o ator americano Alec Baldwin, que colabora habitualmente com a ONU em distintas iniciativas.

Os dois premiados do Brasil são o Instituto Raoni, uma organização fundada pelo povo indígena Kayapó que protegeu 2,5 milhões de hectares de floresta utilizando inovadoras campanhas.

Junto a ele, foi agraciado o Movimento Ipereg Ayu do povo Munduruku que bloqueou a construção de uma represa que teria submergido seus territórios.

Na Colômbia, a organização reconheceu o trabalho do povo Inga ao recuperar 22.283 hectares de território no qual durante décadas operaram guerrilhas, paramilitares e narcotraficantes, pondo em perigo o meio ambiente.

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), que entrega os prêmios, destacou que 17,5 mil desses hectares foram protegidos como lugar "sagrado".

Baldwin, na mesma entrevista coletiva, quis transmitir suas "mais sinceras felicitações ao povo Inga" por sua luta.

"As florestas e a fauna são protegidos, as paisagens administrados para dar segurança de alimento e água, se achem postos de trabalho e se reforça à comunidade local", destacou a administradora do Pnud, Helen Clark.

Entre os ganhadores, 21 no total, figuram também iniciativas em países como China, Afeganistão, a República Democrática do Congo ou Indonésia.
 
 
 Grife exagera na transparência durante semana de moda de Milão
Modelos ficaram com os seios à mostra durante desfile primavera-verão 2016 da Gucci, que aconteceu na tarde desta quarta-feira, 23, na Itália.

Tudo bem que a temperatura não para de subir e os termômetros registram calor recorde em pleno inverno nos trópicos e em parte da Europa. Abusar da transparência e dos tecidos leves foram as apostas da grife italiana Gucci para o próxima temporada.

Nesta quarta-feira, 23, a marca apresentou sua coleção primavera-verão 2016 durante a semana de moda de Milão e causou a maior polêmica. É que boa parte dos look deixa à mostra os seios das modelos. Será que essa moda livre, leve e solta vai pegar?


Fonte: ego.globo.com/
 
 
 Make azul vira tendência na semana de moda de Nova York. Inspire-se
Em estilos que vão do romântico ao ultrassexy, as sombras e delineadores nesta cor foram aposta em pelo menos três desfiles diferentes. Confira.

Por um longo tempo, sombra azul era algo banido aos anos 1980. Mas, como tudo na moda é cíclico, parece que a tendência está de volta! Durante a semana de moda de Nova York, as grifes Diane von Furstenberg, 3.1 Phillip Lim e Jenny Packham foram algumas das que apostaram na cor, que apareceu em forma de sombra ou delineador, puro ou mais esverdeado, e em versões que vão do romântico ao ultrassexy.
No desfile de Diane von Furstenberg, modelos como Kendall Jenner, Karlie Kloss e Gigi Hadid usaram uma make com foco total nos olhos, com sombra metalizada e delineadores azuis e verdes, criando um efeito dramático, meio sereia, meio anos 70. Se quiser seguir o estilo sem corrrer o risco de exagerar, opte por uma boca bem neutra.

Na versão da estilista Jenny Packham - que é a mais fácil de copiar, a tendência veio na forma de um delineador azul claro aplicado na pálpebra móvel e com puxada no estilo gatinho, que dá um ar mais romântico ao visual.
A mais discreta e conceitual foi a make desfilada pela grife 3.1 Phillip Lim, que consistia apenas em pequenos traços de delineador azul no canto externo do olho (no caso da pálpebra superior) e no canto interno do olho (no caso da pálpebra inferior). Gostou do visual? Então aproveite que a primavera está chegando e já pode ir treinando em casa!
 
 
 Brasil financia tecnologia para pessoas com deficiência
Com apoio do MCTI, grupos em universidades criam equipamentos que ampliam habilidades funcionais da pessoa com deficiência

O Brasil tem, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais de 45 milhões de habitantes com algum tipo de deficiência, seja visual, auditiva, motora ou mental. Mas a rotina desses brasileiros pode ser melhorada com o uso da tecnologia assistiva (TA), como são chamados os equipamentos, recursos e serviços que contribuem para proporcionar ou ampliar as habilidades funcionais da pessoa com deficiência. 

Parte da tecnologia assistiva desenvolvida no Brasil é resultado de pesquisas financiadas pelo Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação (MCTI) e órgãos e instituições parceiras. Dentro desse contexto, foram catalogados mais de 1.500 produtos tecnológicos nos últimos anos.

Atualmente, o MCTI, o Ministério da Educação (MEC), o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Finep (Financiadora de Estudos e Projetos) e a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH-PR) custeiam 71 grupos de pesquisa em Tecnologia Assistiva.

Juntos, os dois primeiros editais para tecnologia assistiva somam R$ 40 milhões, sendo que um deles distribuiu bolsas para mestrandos e doutorandos em 45 instituições de pesquisa e ensino superior.

Agora, um terceiro edital, que será lançado até o final de 2015, contará com aporte de R$ 25 milhões. “Será priorizado na seleção quem tiver produtos em desenvolvimento”, adianta Eron Bezerra, Secretário de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social (Secis/MCTI).

“Não se trata de um assunto marginal, que diz respeito a uma camada minoritária da população”, reforça o secretário sobre a importância do desenvolvimento em assistividade. Tanto que, em julho, foi instituída a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, que visa a igualdade de condições e direitos.

Laboratório

Na Universidade de Brasília (UnB) pode ser encontrado um dos grupos contemplados por edital do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq-MCTI) para a consolidação de Núcleos em Tecnologia Assistiva.

Coordenado pelo Professor Dr. Emerson Fachin Martins, o Núcleo de Tecnologia Assistiva, Acessibilidade e Inovação (NTAAI) é formado por estudantes de diferentes cursos que trabalham numa série de projetos.

Na avaliação do professor, graduado em fisioterapia e com mestrado e doutorado em neurociência, o Brasil tem grande potencial de crescer em Tecnologia Assistiva. “O que temos de melhor é a criatividade e a determinação dos pesquisadores brasileiros”, afirma.

Entres os desafios, conta Emerson, está fazer a manutenção das atividades. “Temos que captar recursos e administrar a gestão para garantir os trabalhos de pesquisa.”

Outra questão é fazer com que essa tecnologia saia dos laboratórios das universidades e chegue às pessoas. “Precisamos de mais parcerias com as indústrias, são elas que transformam os projetos em produtos disponíveis no mercado”, comenta.

Uma das próximas iniciativas da Secretária de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social é um seminário, em Brasília, que será realizado entre 23 e 26 de novembro, com local ainda não definido.

“Será uma oportunidade de os pesquisadores se encontrarem e a sociedade conhecer os projetos e produtos que estão sendo desenvolvidos pelos contemplados nos editais”, comenta Eron Bezerra.

Também até o final do ano, será realizada reunião do Comitê Internacional de Tecnologia Assistiva, grupo comandado pela Secis e integrado pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e pelos ministérios da Saúde, da Educação, da Fazenda, do Desenvolvimento, da Indústria e Comércio Exterior e do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Fonte: Portal Brasil com informações do Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação e Universidade de Brasília
 
 
 Tecnologia para contaminar sem deixar rastros
Como a Volkswagen criou motores que simulam ser ecológicos em testes mas emitem, nas ruas, quarenta vezes mais poluentes. Suspeita: descoberta é ponta de iceberg; outras marcas praticam fraudes iguais

No mundo mágico da publicidade, os automóveis são tão inofensivos e contemporâneos como era o tabaco, há quinze anos. Os motoristas deslizam por ruas e avenidas sempre vazias. Dirigir nas cidades é relaxante e aprazível. Os carros oferecem potência a seus condutores, mas os convertem, ao mesmo tempo, em defensores da natureza. Porque os motores, tecnologicamente muito avançados, adequam-se a todas as normas de proteção ambientais. Há uma semana, mais um sustentáculo desta narrativa infantilizante está desmoronando.

Descobriu-se que a Volkswagen, segunda maior empresa global em seu ramo, não emprega a tecnologia para aperfeiçoar seus produtos, mas para criar a ilusão de que são bons. Pelo menos onze milhões de motores da marca foram programados para simular, quando submetidos a testes, que emitem entre cinco e quarenta vezes menos poluentes que em condições de tráfego. O artifício – uma espécie de malandragemhigh-tech, com sotaque alemão – permitiu até agora burlar as normas que deveriam inibir a emissão de um composto altamente nocivo, tanto para o equilíbrio climático quanto para a saúde humana. A Volkswagen – cujo presidente mundial acaba de renunciar, numa tentativa de encerrar o caso oferecendo ao público um bode expiatório – não está sozinha. Tudo indica que a indústria automobilística pratica, de modo generalizado, fraudes deste tipo.

Os fatos começaram a vir à tona na sexta-feira, 18/9. A Agência de Proteção Ambiental (EPA, em inglês) norte-americana, anunciou ter descoberto que o motor EA189 a Diesel, utilizado em carros de passeio pela Volks, Audi e possivelmente outras das nove empresas do grupo1, estão equipados com um software que lhes permite, em condições de teste de poluição, emitir níveis abruptamente reduzidos de óxidos de nitrogênio.

Este grupo de compostos gasosos destaca-se, entre as dezenas de contaminantes emitidos pelos motores a explosão, por contribuir de modo especialmente intenso para o aquecimento global, e por favorecer o surgimento de doenças respiratórias como asma, bronquite e mesmo enfizema.

A descoberta foi feita de modo involuntário, quase por acidente – o que reforça a hipótese de que fraudes semelhantes sejam comuns. Há meses, o pequeno braço norte-americano de uma OnG europeia que reivindica automóveis menos poluentes2,verificou que, nas estradas, os carros equipados com o EA189 emitiam entre cinco e quarenta vezes mais óxidos de nitrogênio que nos testes certificados pela EPA.

Imaginando que se tratasse de uma falha ocasional nos motores testados, a OnG pediu que a EPA submetesse os propulsores a novos testes. Surpresa: em condições de laboratório, os motores voltaram a aparentar emissões reduzidas. A disparidade extrema entre os resultados levou a uma investigação mais profunda. Ela constatou: o EA 189 é capaz de detectar que está sendo submetido a testes. Nestas condições, funciona em regime de baixa emissão.

Já na estrada, volta ao padrão normal (veja no diagrama ao lado, produzido pela Reuters, em inglês). Mas é então, poluindo descontroladamente, que realiza o que a propaganda da Volkswagen promete: ser um motor Diesel econômico, porém potente, de alto torque, capaz de proporcionar velocidade e arrancadas. Viril, portanto. Nestas condições, é como se o EA189 resolvesse um dos grandes dramas da alma humana imersa no capitalismo: ele permite desejar potência sem limites, em meio a um planeta finito. Mas atenção: só no modo carochinha, de realidade virtual…

Será uma obsessão restrita à germânica Volkswagen? Tudo indica que não. O escândalo atual é, provavelmente, “a ponta de um iceberg”, diz o siteBusiness Insider. Fraudes idênticas podem ocorrer também com motores a gasolina, completa The Guardian. As regras e checagens, supostamente “rigorosas”, que deveriam limitar os efeitos devastadores da indústria automobilística são frouxas. As norte-americanas, consideradas as mais severas do mundo, foram facilmente dribladas pelo software da Volkswagen. Na Europa, burlá-las é ainda mais fácil, conta Greg Archer, líder do thinktank britânico Transport and Environment, sobre veículos limpos. No Velho Continente, explica ele, os testes são feitos apenas em protótipos, antes de os carros serem produzidos em massa; e por empresas pagas pela própria indústria automobilística. Não surpreende que sempre aprovem os carros. Seria conveniente perguntar: e no Brasil?

A descoberta das fraudes da Volkswagen produziu um pequeno terremoto financeiro. O valor de mercado da empresa – considerada um pilar da economia alemã – reduziu-se em 1/3, em apenas quatro dias. Mas tudo indica, reconhece a própria revistaEconomist, pró-capitalista, que a maior parte das montadoras globais de automóveis promove manipulações idênticas às da VW. Foi certamente esta consciência – e o medo de futuras revelações – que provocaram, ontem, desvalorizações expressivas nas ações da Renault (-4%), Peugeot (-2,5%), Nissan (-2,5%) e BMW (-1,5%).

Os amantes brasileiros da indústria automobilística podem, ainda assim, dormir despreocupados. Embora o escândalo tenha estourado há cinco dias e ocupe deste então muitas páginas, em dezenas de jornais em todo o mundo, nem Folha, Globo ouEstadão haviam dedicado uma linha ao tema até esta tarde – quando ele tornou-se obrigatório devido a renúncia de Martin Winterkorn, presidente da Volks. Agora, os três diários brasileiros mais vendidos, assim como as revistas e TVs aceitam sem críticas a versão segundo a qual tudo se passou de um erro pessoal de Winterkorn. Ao avaliar o volume de publicidade da indústria automobilística nestes meios, você certamente compreenderá as razõe$.

Fonte: cartacapital.com.br
 
 
 Presidente mundial da Volkswagen renuncia após escândalo de motores manipulados
Marca alemã é acusada de instalar um dispositivo que adultera os controles de poluição de motores a diesel

O CEO mundial do Grupo Volkswagen, Martin Winterkorn, anunciou nesta quarta-feira à presidência da empresa devido ao escândalo envolvendo as emissões de poluentes de veículos diesel. A Volkswagen é acusada pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos de alterar testes dos seus propulsores.

"Estou consternado pelos acontecimentos dos últimos dias. Estou chocado com o fato de que condutas impróprias tenha ocorrido em tal escala dentro Grupo Volkswagen", indicou Winterkorn em um comunicado.

Nessa terça-feira, a marca alemã admitiu que cerca de 11 milhões de veículos no mundo contêm um dispositivo manipulador, que permite que os veículos sejam aprovados em testes de emissão de poluentes. 

O alemão Martin Winterkorn tem 68 anos e está na Volkswagen desde 1993. Ele assumiu o comando em janeiro de 2007 da Volkswagen AG, grupo que comanda as marcas Audi, Bentley, Bugatti, Porsche, Ducati, Man, Scania, Seat, Skoda e, é claro, Volkswagen.

Em comunicado oficial, o Comitê Executivo da Volks aceitou a renúncia de Winterkorn, porém quis afastar do executivo a culpa pelo escândalo. “O Comité Executivo constata que o Professor Dr. Winterkorn não tinha conhecimento da manipulação dos dados relativos às emissões”. A empresa assumiu a falha e vai colaborar nas investigações.

A justiça alemã abriu uma investigação preliminar ligada às acusações de manipulação das emissões de veículos, segundo um comunicado na promotoria de Brunswick, no Norte do país. O substituto de Winterkorn será escolhido na sexta-feira, segundo o Conselho de Fiscalização.

Fonte: estadodeminas.vrum.com.br/
 
 
 Pão, remédio e maquiagem são os primeiros a ficar mais caros por causa da alta do dólar
Farinha de trigo, comprada da Argentina e EUA, fez pãozinho subir 8,1% de janeiro a agosto

RIO - Dependentes de muita mercadoria importada e com estoque de giro rápido, produtos farmacêuticos e o pãozinho de cada dia não têm como adiar o repasse da alta do dólar e já estão pesando mais no bolso do consumidor. Os alimentos à base de trigo, grupo que inclui também biscoitos e macarrão, já vêm subindo desde março, quando a moeda americana ultrapassou a barreira dos R$ 3, porque grande parte da farinha usada no Brasil é importada da Argentina e dos EUA.

Segundo a Abimap, a entidade que representa o setor, há um aumento médio de custos da ordem de 5% decorrente do câmbio. Com isso, o pãozinho francês ficou 8,1% mais caro de janeiro a agosto, quando a inflação medida pelo IPCA foi de 7,06%.

— Mas a tendência é que os fabricantes segurem ao máximo essa alta, porque não querem perder vendas. Por enquanto, dá para segurar, mas, se o dólar continuar subindo além dos R$ 4, não haverá como — diz Cláudio Zanão, presidente da Abimap, que não descarta que alguns repasses ocorram.

Nesta terça-feira, o dólar fechou a R$ 4,054, a maior cotação desde a criação do Plano Real, em 1994, ultrapassando a barreira dos R$ 4. Desde o fim de dezembro, a divisa americana acumula alta de 52,3%. Em 12 meses, avança 69,3%.

Na indústria farmacêutica, que tem 95% das matérias-primas importadas, o efeito imediato será na redução dos descontos oferecidos pela indústria ao varejo. Os preços da maioria dos medicamentos são controlados pelo governo, que autoriza um aumento por ano. Preços de perfumes e maquiagem também devem subir.

— A escalada do dólar reduz drasticamente a rentabilidade das empresas e o que deve acontecer é uma mudança nas condições comerciais com atacadistas e farmácias, que, para os consumidores, significa menos descontos nos preços — diz Nelson Mussolini, diretor-presidente da Sindusfarma.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) considerado a prévia da inflação oficial, fechou setembro em 0,39%, contra 0,43% em agosto. Em 12 meses, o IPCA-15 chega a 9,57%, o maior desde dezembro de 2003 (9,86%).

ESTOQUES ALTOS ADIAM REPASSE EM ALGUNS SETORES

Já em outros segmentos, como o de eletroeletrônicos, os custos estão pressionados por causa do dólar, mas a recessão, os juros altos e o crédito escasso impedem o impacto imediato no bolso do consumidor.

— A recessão posterga o impacto porque as indústrias estão com estoques elevados, e esses produtos chegarão ao mercado sem necessidade de repasse. Quando o consumo é alto, e as empresas precisam repor estoques rapidamente, o efeito é imediato. Mas hoje, as pessoas já não estão comprando, se o fabricante repassar esse custo, aí é que não vende mesmo — explica Luís Otávio Leal, economista-chefe do banco ABC Brasil.

A produção de televisores, por exemplo, usa 80% de componentes importados e de motos, 70%. Mas, segundo a Associação Nacional de Fabricantes de produtos eletroeletrônicos (Eletros), no primeiro semestre, as vendas de fogões, refrigeradores e máquinas de lavar caíram 10%, as de micro-ondas, 16%, e de televisores, 37%.

— Assim que os custos com os insumos aumentarem, será repassado. Se já estava difícil, vai ficar mais complicado. A alta do dólar vai refletir, com toda certeza, nas vendas do fim do ano — lamenta Lourival Kiçula, presidente da Associação Nacional de Fabricantes de produtos eletroeletrônicos (Eletros).

Fonte: oglobo.globo.com/
 
 
 Remédio muito usado por soropositivos sobe e farmacêutica acha justo
É justo uma empresa subir preço de um remédio em 5000%? Seu presidente defende que sim.

A farmacêutica Turing diz ter aumentado o preço do Daraprim, usado contra toxoplasmose, para torná-lo lucrativo; medida gerou protestos de órgãos de saúde nos EUA e levantou debate sobre como valores são estipulados no país.


Você acharia justo um aumento de 5000% no preço de um medicamento usado por pacientes com Aids da noite para o dia?
Martin Shkreli, presidente da Turing, uma farmacêutica americana, acredita que é. Ele está no centro da controvérsia após uma reportagem do jornal "The New York Times" revelar o aumento do preço dessa magnitude para uma dose de Daraprim.
A droga é usada em tratamentos contra toxoplasmose, doença infecciosa causada por um protozoário encontrado nas fezes de felinos e que afeta pessoas que estão com seu sistema imunológico comprometido (por exemplo, por culpa da Aids ou de alguns tipos de câncer). É uma doença rara, porém potencialmente fatal.

O comprimido do Daraprim passou de US$ 13,50 (R$ 54) para US$ 750 (R$ 3 mil) após a Turing comprar, em agosto passado, os direitos para fabricar o medicamento, que está há 62 anos no mercado. O comprimido custa cerca de US$ 1 para ser produzido.
Mas Shkreli, um ex-gerente de fundos de investimento, diz que esse valor não inclui outros custos, como marketing e distribuição, que teriam aumentado drasticamente nos últimos anos e que a receita obtida será usada em pesquisas de novos tratamentos para a toxoplasmose.
"Precisamos ter lucro com essa droga. Antes de nós, as empresas estavam praticamente dando-a de graça", afirmou ele em entrevista à emissora Bloomberg.

Prática 'comum' ou 'revoltante'?
Martin Shkreli, da Turing, defende que aumento de preço é necessário para tornar Daraprim lucrativo
O executivo afirma que essa prática é comum na indústria: "Hoje em dia, medicamentos modernos, como drogas para câncer, podem custar US$ 100 mil ou mais. O Daraprim ainda está mais barato em relação a esses medicamentos."

A Sociedade para Doenças Infecciosas dos EUA, a Associação de Medicamentos para HIV (HMA, na sigla em inglês) e outros órgãos da área de saúde dos Estados Unidos publicaram uma carta aberta para a Turning, demandando que a empresa reconsidere o aumento.
"O custo é injustificável para pacientes vulneráveis que precisam do medicamento e insustentável para o sistema de saúde", disse o grupo no documento.
Wendy Armstrong, da HMA, ainda questionou a necessidade de novos tratamentos para toxoplasmose. "Essa não é uma infecção para a qual buscamos medicamentos mais eficazes", disse ela ao site Infectious Disease News.
Na Bolsa de Nova York, as ações de empresas de biotecnologia caíram na segunda-feira após Hillary Clinton, pré-candidata à Presidência pelo Partido Democrata, dizer que o aumento é "revoltante".
Caso seja eleita, Clinton prometeu tomar medidas contra empresas que elevem demais os preços de medicamentos especializados, como é o caso do Daraprim.

(Des)controle de preços
Determinar o preço de um medicamento é uma questão delicada, e as regras para isso variam de acordo com cada país.
No Brasil, por exemplo, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) age nesse mercado pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), um órgão interministerial.

A CMED é responsável por monitorar os preços cobrados por drogas que já estão no mercado e auxiliar no estabelecimento dos preços para novos medicamentos.
Ainda determina os índices de ajuste anual de preços de acordo com critérios estabelecidos na lei federal 10.742, de 2003, como produtividade da indústria, variação dos custos de insumos e a concorrência no setor.
Em março deste ano, o índice aplicado a 9.120 medicamentos variou entre 5% e 7,7%, seguindo a inflação registrada nos 12 meses anteriores, de acordo com o tipo de droga.
Os preços máximos para o consumidor, já incluídos os impostos, são informados pela Anvisa em seu site. Uma empresa podem ser multada caso descumpra essa determinação.
Mas não é assim que funciona nos Estados Unidos. Os principais compradores de medicamentos no país são as seguradoras de saúde e o governo. Nesse mercado, os preços variam de acordo com o que as pessoas estão dispostas a pagar.
Doenças raras, lucro difícil
No entanto, casos como o do Daraprim vêm despertando a atenção de consumidores e autoridades americanas para a forma como são determinados os preços de medicamentos no país.
Houve nas últimas semanas uma polêmica parecida quando subiu o preço de um medicamento para tuberculose. Sua fabricante, a Rodelis Therapeutics, voltou atrás e devolveu os direitos de fabricação para sua dona anterior, uma ONG associada a uma universidade.
No caso da Turing, Shkreli alegou que, nos últimos anos, a pesquisa e desenvolvimento de novas drogas desacelerou, e empresas precisam pensar com cuidado no que investirão.
Medicamentos muito bem-sucedidos, como o Viagra, geram bastante dinheiro, mas drogas para doença raras são menos atraentes, porque menos pessoas as usam e torná-las lucrativas é mais difícil.
Segundo Shkreli, o aumento de preço não foi feito por ganância desmedida, mas por razões justificáveis do ponto de vista de seu negócio. Com isso, diz esperar criar um mercado que atrairá outras empresas para a busca por novos tratamentos para enfermidades raras.
Ele ainda afirma ter criado formas para dar a droga de graça para quem não puder pagar por ela.
Recuo
Shkreli chegou a dar sinais de que não recuaria do aumento, mas não resistiu à repercussão do caso. Ele afirmou nesta terça-feira à imprensa norte-americana que reduziria o preço do medicamento – sem, porém, informar quanto – e acusou os críticos de não entenderem o funcionamento da indústria farmacêutica.
"Nós concordamos em diminuir o preço do Daraprim até um patamar mais acessível e ao mesmo capaz de permitir à companhia ter lucro, embora bem pequeno", disse o presidente da Turing à ABC News.


Fonte:g1.globo.com/
 
 
 Dilma oferece Ministério da Saúde ao PMDB para ampliar apoio
Brasília - A presidente Dilma Rousseff ofereceu o Ministério da Saúde para o PMDB em uma tentativa de ampliar o apoio do partido ao governo e, depois de um debate interno na bancada da Câmara, os deputados decidiram aceitar a pasta, em um movimento que deverá deixar a legenda com cinco ministérios após a reforma administrativa planejada pela presidente.

De acordo com um ministro com trânsito no Palácio do Planalto e no partido, os nomes mais cotados para o lugar de Arthur Chioro – que já foi chamado na Casa Civil para ser avisado que perderá o cargo – são os dos deputados Marcelo Castro (PB) e Manoel Júnior (PI).

Ambos médicos, Castro é vice-líder do governo na Câmara. Já Júnior é próximo ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Outros nomes chegaram a ser cogitados, mas o partido na Câmara fechou em torno desses nomes, que devem ser apresentados à presidente.

Na reconfiguração do governo, o PMDB perderá, em princípio, duas cadeiras: a Secretaria de Ações Estratégicas, que ficará sem o status de ministério, e Pesca, que deverá ser incorporada à Agricultura.

Mas Dilma garantiu ao partido cinco pastas, sendo duas para a Câmara dos Deputados, duas para o Senado e uma quinta, que seria a manutenção do ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha, indicado pelo vice-presidente Michel Temer e que se tornou bastante próximo da presidente.

Do Senado ficam Eduardo Braga, nas Minas e Energia, e Kátia Abreu, na Agricultura.

Candidato à sucessão de Renan Calheiros na presidência da Casa, o líder do partido, Eunício Oliveira (CE), optou por não criar atritos dentro da Casa, disse à Reuters um assessor próximo a Michel Temer. A segunda vaga da Câmara deve ficar com o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, que teria conseguido apoio de mais da metade da bancada de deputados e garantido sua permanência.

De acordo com um ministro que tem participado das negociações, o formato da reforma já está praticamente definido. Perdem o status de ministério a SAE e o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que cuida da segurança da Presidência da República e deverá ser incorporado à Casa Civil como uma Casa Militar. Os Ministérios do Trabalho e Previdência serão fundidos em um só e continuarão nas mãos de Carlos Gabbas, homem de confiança de Dilma, segundo essa fonte.

Também deverão ser fundidas em um só ministério as Secretarias de Promoção da Igualdade Racial, Políticas para as Mulheres e Direitos Humanos, ficando nas mãos de Eleonora Menicucci.

O Ministério de Portos e de Aviação Civil seriam unidos, com Eliseu Padilha à frente, Pesca voltaria para o Ministério da Agricultura. Existe ainda a possibilidade da união de Desenvolvimento Social com Desenvolvimento Agrário. Patrus Ananias, ministro do MDA, seria o titular, com Tereza Campello, atual titular do MDS, como secretária-executiva.

Nas demais pastas, não deve haver grandes movimentos partidários, pelo menos por enquanto. Atualmente são 39 ministérios e o governo ao anunciar a reforma administrativa prometeu cortar 10.

A intenção da presidente era anunciar toda a reforma até esta quarta-feira, mas auxiliares próximos afirmam que, apesar de nas últimas horas os acordos terem se acelerado, ainda faltam peças do xadrez partidário.

A expectativa é que Dilma entregue todas as mudanças até quinta-feira, quando embarca para participar da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York.  


Fonte: exame.abril.com.br/
 
 
 'Nós ferramos tudo', diz chefe da Volkswagen nos EUA, sobre fraude
Montadora é acusada de usar software que altera dados de poluição.
Em comunicado, grupo disse que 11 milhões de veículos têm o dispositivo

Nós ferramos tudo", resumiu o presidente da Volkswagen nos Estados Unidos, Michael Horn, ao comentar o escândalo que envolve a montadora, acusada de fraudar dados de emissão de poluentes de seus carros a diesel. A má prática atinge 11 milhões de unidades em todo o mundo, número divulgado pela própria montadora.

Durante o lançamento do Passat, na última segunda-feira (21), em Nova York, o Horn afirmou: "Nossa empresa foi desonesta com a EPA (agência ambiental americana) e com todos vocês".
O escândalo veio à tona na última quinta (17), quando o governo americano, por meio da EPA, denunciou a fraude em 500 mil veículos vendidos no país. Segundo a investigação, o software burla os dados de emissão de poluentes apenas no momento em que os carros são testados, para que sejam atendidos os níveis exigidos nos EUA.

A montadora falou sobre o caso pela primeira vez no domingo, quando o presidente mundial se desculpou.

Nesta terça (22), a Volkswagen informou que a má prática atinge, na verdade, 11 milhões de veículos a diesel em todo o mundo, em modelos de várias marcas pertencentes ao grupo.


Ações em baixa
A montadora anunciou ainda que reservou 6,5 bilhões de euros (cerca de R$ 29 bilhões) para solucionar o problema e enfrentar as potenciais consequências do escândalo, como multas.
O valor corresponde a cerca de metade do lucro global previsto para este ano. Nesta terça, as ações do grupo caíram 19% na Bolsa de Frankfurt.

"Precisamos consertar esses carros, cuidar para isso não se repita e fazer as coisas direito para o governo, o público, nossos clientes e, muito importante, nossos concessionários", disse Horn. A montadora ainda não confirmou se fará um recall mundial.


Pouca informação
Apesar de admitir que a falha atinge outros mercados, a Volkswagen não especificou em que outros países estão esses carros nem quais são os modelos e marcas. Disse apenas que eles utilizam o motor Esses carros usam o motor EA 189, que é 2.0 litro.

No Brasil, a lei não permite veículos leves com motores a diesel. Apenas picapes e SUVs podem rodar com esse combustível, além de caminhões e ônibus. O único carro vendido pela Volkswagen no país com motor a diesel é a picape Amarok.

Procurada pelo G1, a Volkswagen do Brasil não respondeu se o modelo está envolvido, apenas divulgou a nota emitida pela matriz.

Como surgiu a denúncia
Segundo a Agência de Proteção Ambiental (EPA) norte-americana, 482 mil veículos com motores a diesel vendidos no país violaram os padrões federais, entre eles os modelos Jetta, Beetle (chamado de Fusca no Brasil), Golf, Passat e o Audi A3 --da marca que pertence ao grupo Volkswagen. Eles foram fabricados entre 2009 e 2015.
A desconfiança partiu da diferença entre níveis de emissão encontrados em testes de rodagem e os oficiais. Após investigar, a EPA concluiu que um software instalado pela montadora detecta quando o carro está sendo inspecionado para verificar o nível de emissão de poluentes e só então passa a controlar os gases que o veículo solta na atmosfera.
Esse controle fica desligado em situações normais de rodagem, fazendo com que os carros poluam muito além do nível exigido no país.

O que diz a marca
No comunicado, a Volkswagen assumiu que há distorções entre os números de testes em laboratório e os de testes de rodagem "especificamente" para os motores EA 189. Segundo a montadora, outros veículos possuem o software, mas sem que ele provoque qualquer efeito.
"A Volkswagen está trabalhando intensamente para eliminar essas distorções, por meio de medidas técnicas", disse a montadora nesta terça. "A Volkswagen não tolera nenhum tipo de violação da lei."
Nos EUA, a Volkswagen será obrigada a consertar os veículos gratuitamente, convocando um recall. A montadora disse que também está em contato com o governo alemão, que pediu uma apuração do caso.
A investigação nos EUA é a mesma que multou Hyundai e Kia por fraude nas informações sobre o consumo médio de combustível de 1,2 milhão de carros, em 2012.
 
 
 Saiba como cuidar da sua saúde em dias de muito calor
Primavera começa nesta quarta-feira e estação é marcada pelas altas temperaturas; calor em excesso pode desidratar o corpo e provocar doenças

A primavera começa nesta quarta-feira (23) e com ela chegam as temperaturas altas, comuns para esta estação do ano, de acordo com meteorologistas, deixando o clima seco e com baixa umidade do ar.

Essa combinação pode provocar problemas de saúde como coriza, febre e chiado. Em situações extremas, até insuficiência respiratória com necessidade de internação hospitalar. Mas saiba que com medidas simples de prevenção é possível minimizar os problemas.

De acordo com o médico Fábio Muchão, pneumologista do Ambulatório Médico de Especialidades (AME) "Dr. Luiz Roberto Barradas Barata", para aliviar os sintomas é necessário ingerir bastante líquido e lavar o nariz e os olhos com soro fisiológico.

Ele recomenda ainda evitar exercícios físicos ao ar livre, principalmente entre 10h e 17h em dias com baixa umidade do ar e não frequentar lugares fechados com grande aglomeração.


Veja dicas importantes da Secretaria de Estado da Saúde para prevenção das doenças:

- Ingerir bastante líquido (a não ser em caso de alguma restrição);

- Não faça exercícios físicos entre as 10h e 17h quando a umidade do ar estiver baixa;

- Deixe um recipiente com água ou um pano molhado no quarto antes de dormir;

- Não use o umidificador elétrico por muitas horas seguidas. O ambiente pode ficar muito úmido e causar mofo e bolor;

- Lave as narinas com soro fisiológico e/ou faça inalações com o mesmo produto;

- Mantenha os ambientes arejados e livres de tabaco e poeira;

- Evite frequentar lugares fechados em que haja grande concentração de pessoas, como shoppings, supermercados e cinemas.


Fonte: saopaulo.sp.gov.br/
 
 
 Primavera, que começa nesta quarta-feira, tem influência do El Niño
Estação começou nesta quarta-feira (23) às 5h20 e vai até 22 de dezembro.
Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste passam a ter chuvas mais intensas.

A primavera do hemisfério sul começa nesta quarta-feira (23) às 5h20, mas há mais de duas semanas o clima já tem seguido os padrões dessa estação no Brasil, segundo a meteorologista Olivia Nunes, da empresa Somar Meteorologia. O padrão de primavera já tem sido observado, de acordo com a especialista, desde que ocorreram as primeiras chuvas depois do período seco de agosto.
A estação que começa deve sofrer a influência do El Niño, fenômeno caracterizado pelo aquecimento das águas do Oceano Pacífico. Olivia explica que o setor do Pacífico cuja variação da temperatura mais tem impacto no Brasil é a próxima ao Peru. Hoje, esta região não apresenta temperaturas tão altas quanto a região central do oceano, mas ainda assim o fenômeno deve afetar o regime de chuvas no Brasil.


Chuvas
Segundo o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC/Inpe), a primavera deve ser caracterizada por pancadas de chuva no final da tarde ou noite devido ao aumento do calor e da umidade. Podem ocorrer raios, ventos fortes e queda de granizo.
A região Sudeste deve ter uma quantidade razoável de chuva, segundo a meteorologista Olivia Nunes, com algumas áreas recebendo chuva acima da média esperada para os meses de primavera. “As chuvas ainda não devem resolver o problema dos reservatórios, embora ajudem.” Nesta região, o El Niño deve provocar chuvas em forma de pancada, associadas ao calor. “A chuva vem forte e pode trazer problemas para a defesa civil como alagamento e deslizamento de encostas”

No Sul, as chuvas devem se concentrar nos meses de outubro e novembro, diminuindo em dezembro, segundo Olivia. De acordo com o CPTEC/Inpe, deve haver pouca alteração nos totais mensais de chuva esperados para a época, mas podem ocorrer raios e grandes quantidades de chuvas em curtos períodos de tempo.
No Centro-Oeste, o sul de Goiás e de Mato Grosso e de Mato Grosso do Sul devem ter chuvas mais recorrentes. Já o norte de Goiás e de Mato Grosso devem ter chuvas menos constantes em comparação ao restante da região.

A porção mais ao norte do Nordeste e dos estados de Pará e Amapá devem ter menos chuvas do que o esperado para o período. Segundo o CPTEC/Inpe, há uma maior probabilidade de que as chuvas fiquem abaixo da média para a época nesses locais do extremo norte do país.


Temperatura
A partir de agora, a temperatura deve aumentar gradativamente no Sul, Sudeste e Centro-Oeste, segundo o CPTEC. Porém, ainda não é o momento de guardar os agasalhos, segundo Olivia.

"Na primeira semana de outubro, pode ter um onda de frio avançando pelo Sul do país. Não deve ser tão intensa, mas como a primavera é uma estação de transição, ainda pode apresentar temperaturas mais baixas e tempo mais seco, principalmente no início da estação, no centro-sul do país", diz a meteorologista.

Na porção central do Brasil, as temperaturas máximas podem atingir valores muito elevados, segundo o CPTEC, principalmente devido à maior frequência de dias com céu claro.

Fonte: g1.globo.com/
 
 
 Calor deixa o mosquito da dengue mais 'acelerado', aponta pesquisa
Aedes pica mais pessoas e bota número maior de ovos em dias quentes.
Secretaria afirma que infecções acontecem agora durante o ano todo.

O calor altera o comportamento do mosquito da dengue, revela pesquisa da Unicamp. As altas temperaturas deixam o Aedes Aegypti mais "acelerado", ele pica mais pessoas e bota maior número de ovos. Além disso, a replicação do vírus também é mais rápida.
No entanto, as pessoas também mudam de comportamento com o calor. Elas usam menos roupas e com isso, ficam mais expostas ao mosquito. Em 2015, por exemplo, na região de Campinas (SP), foram apenas seis dias com temperaturas menores que 10ºC.
Para a Secretaria Estadual de Saúde, as características da dengue vem mudando e por isso, ela não pode ser mais considerada uma doença de época, já que as infecções acontecem durante o ano todo.

Infestação
Segundo Dalton Fonseca Júnior, da Superintendência de Controle de Endemias (Sucen), mesmo nos períodos que deveriam ser de baixa incidência, a dengue está elevada.
"Em agosto, no início do ano dengue 2015/2016, nós já registramos 200 municípios no estado de São Paulo com transmissão. Isso significa que nós ainda temos uma infestação muito elevada num mês que deveria ser de infestação minimizada", afirma.
Em julho, os agentes de saúde calcularam a quantidade de larvas por domicílio e seis municípios já estavam em situação de risco e 87 em alerta. Um resultado que só foi registrado no mês de outubro no ano passado, depois do período de estiagem.
Batalha difícil
Mesmo com os avanços da ciência, com o mosquito modificado geneticamente e a vacina em estudo, a dengue continua sendo uma batalha difícil, segundo o infectologista Luis Fernando Waib, já que a pessoa quando pega um tipo do vírus, produz anticorpos apenas para uma variação da doença, que tem quatro.

"Você tem uma população que já teve dengue, mas que não tem imunidade para aquele sorotipo e portanto, a transmissão vai acontecer livremente", explica.
O infectologista ressalta ainda que as pessoas só lembram da dengue quando chega o período chuvoso. " Quando chega outubro, novembro, a gente vai se preocupar, corre e põe tela. É uma falha de estratégia do órgão público. Mas, não dá para responsabilizar o órgão público pelo que acontece dentro da sua residência", finaliza.

Casos de dengue
Campinas registrava 61,4 mil casos de dengue, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, até o dia 3 de setembro. No total, 11 pessoas morreram este ano no município em decorrência da doença. É pior epidemia da história da cidade.
Em Piracicaba (SP) este ano já são 3.254 casos da doença.Três pessoas morreram em decorrência da dengue.

Aedes do Bem
Três meses após a soltura do mosquito Aedes Aegypti transgênico, que não pica e nem transmite a dengue, os primeiros testes apontaram que a cada 100 larvas coletadas no bairro Cecap, com maior incidência da doença em Piracicaba (SP), 70 são ovos com genes produzidos em laboratórios, chamados de Aedes do Bem. Os dados foram divulgados no dia 21 de julho pela Prefeitura e Oxitec, empresa responsável pelo projeto. No entanto, os resultados efetivos da redução dos mosquitos transmissores só serão divulgados a partir de outubro.
Desde abril, foram lançados cerca de 8 milhões de insetos transgênicos no bairro Cecap. A liberação dos mosquitos na região deverá ocorrer até março de 2016, segundo a Prefeitura. Através da coleta, é possível saber que 70% das larvas são de Aedes do Bem e morrerão antes de chegar até a fase adulta, mas a administração e a empresa ainda não têm o resultado do número de transmissores que serão eliminados no bairro.

Os técnicos da Oxitec instalaram 20 armadilhas em casas do bairro e, por meio delas, é possível identificar a taxa de cópula. A estratégia consiste em deixar um pote com água e uma paleta, de onde os ovos são coletados para análise, para saber como anda a proporção dos mosquitos modificados e os selvagens. Há ainda outras 95 armadilhas distribuídas no bairro para recolher os ovos.


Fonte: g1.globo.com/
 
 
 Em Holambra, produtor aposta na tecnologia para irrigar vasos
Irrigação por alagamento é uma das técnicas mais avançadas do mundo e economia até 75% mais água que os sistemas convencionais

Novas técnicas de irrigação estão sendo utilizadas por produtores de flores e plantas ornamentais de Holambra, no interior de São Paulo,  para reduzir o consumo de água e aumentar a produtividade da floricultura.

A Jan de Wit Lírios, que tem cerca de 1 500 hectares de estufas de cultivo de flores, adotou o sistema de irrigação por alagamento combinado a um método de piso de cultivo. A tecnologia é uma das mais avançadas do mundo.

Wit conheceu a metodologia quando realizou uma série de visitas a produtores na Holanda, no ano passado. Ao retornar ao Brasil, tratou de adequar a propriedade para implantar o sistema o mais rápido possível. “Em menos de um ano, a economia de água já é de 75% e houve também um expressivo ganho de produção por metro quadrado”, diz Wit.

Para pôr o projeto em prática, o primeiro passo foi construir em um grande reservatório, com capacidade para 30 milhões de litros de água. “Ter um tanque desse tamanho é muito importante porque, mesmo que haja uma estiagem de 10 meses , um ano, a produção não será prejudicada”, diz ele.

Nas estufas da propriedade, Wit investiu na colocação de um piso especial, feito de ráfia, basalto e filme plástico, capaz de represar a água durante o processo de irrigação. 

Os vasos têm pequenos furos, por onde entra a água. Uma série de drenos, controlados por uma máquina, regulam a irrigação nas estufas. A água que sobra é encaminhada para o reservatório, onde é tratada e, em seguida, reutilizada. “É um sistema inteligente e ambientalmente correto, que permite inclusive uma melhor qualidade na produção”.

Fonte: tecnologia.ig.com.br/
 
 
 Mochila vira o acessório da vez na moda
Mochila vira o acessório da vez na moda: veja modelos de R$ 170 a R$ 12.500

Considerada bolsa de segunda categoria por muito tempo, só perdendo em prestígio para a polêmica pochete (que, aliás, está por aí em versões da Louis Vuitton, Gucci e Chanel, mas, definitivamente, não veio para ficar), a mochila recebeu tratamento especial de nove entre dez marcas de high fashion nesta temporada. Com algumas exceções menos interessantes, em que a peça mais parece uma bolsa de mão com duas alças atrás, o modelo em si não muda muito: a diferença é o material (o couro é a maneira mais eficaz de elevá-la a um outro status) e, principalmente, as estampas e acabamentos.  No último desfile da Burberry, nesta segunda (21), a marca inglesa apresentou uma mochila (batizada de Rucksack) feita de náilon com gabardine, o mesmo tecido de seu famoso trenchcoat, que pode ser customizada com as iniciais do nome do cliente bordadas (Cara Delevingne apareceu na mesma noite usando uma). Foi uma das peças mais comentadas da coleção.

Em alta, a influência do streetwear na moda é antiga, e desde que ele atravessou a rua e pisou na passarela, o high fashion nunca mais foi o mesmo. Fonte de inspiração do estilo das ruas no mundo das marcas de luxo, o hip hop empresta, desde o começo dos anos 80, seus principais códigos de estilo para as versões com design assinado de calças baggy, t-shirts, tênis de basquete, bonés, agasalhos esportivos. Na mesma época, os movimentos do surf e do skate na Califórnia faziam o mesmo. Em Londres, Vivienne Westwood radicalizava a relação da moda com o gueto e colocava o punk para sempre no mainstream fashion (uma outra cultura, mas também vindo das ruas).
Nos anos 2000, o streetwear ganhou a companhia do streetstyle, elevado ao status de influenciador do high fashion graças a registros de fotógrafos  como Scott Shchuman e seu blog The Sartorialist.

A relação, aí, já era simbiótica, e as versões fashionistas do streetwear (não mais as roupas e acessórios originais, sem interferência de um designer de moda conhecido) eram usadas pelas pessoas comuns das ruas, cada vez menos comuns e mais produzidas para serem fotografadas. Num passado bem recente, as peças de streetwear hits da moda foram muitas: primeiro surgiu a febre da camiseta, com interpretações variadas, das intencionalmente surradas com o melhor dos algodões às bordadas e luxuosas. Depois chegou a vez do tênis, com direito até a versões couture, como os modelos da Dior e da Chanel desfilados há dois anos. Agora, o acessório da vez é a mochila.


Fonte: ffw.com.br/
 
 
 Ribeirão desiste dos Jogos Abertos
Justiça mantém proibição do uso de escolas e creches para alojar atletas

Acabou, de forma melancólica, a novela envolvendo Ribeirão Preto e a realização dos Jogos Abertos do Interior.

Faltando um pouco mais de um mês para o início da competição, o pedido de efeito suspensivo enviado para o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) foi indeferido mais uma vez, forçando a Secretaria de Esportes da cidade a desistir da organização da “Olimpíada Caipira”.

Com o imbróglio judicial iniciado por uma ação civil pública proferida pelo promotor Ramon Lopes Neto e confirmado pelo juiz da Vara da Infância e Juventude, Paulo César Gentile, Ribeirão não poderá utilizar escolas municipais e estaduais, e também creches, como alojamento para os mais de 20 mil atletas oriundos de 240 municípios.

Com isso, no dia 17, quinta-feira passada, o secretário de Esportes do Estado de São Paulo, Jean Madeira da Silva, já havia envia entrado em contato com a prefeita Dárcy Vera (PSD), por meio de um comunicado, “entendendo ser desaconselhável, por hora, a manutenção do município como sede dos 79º Jogos Abertos”.

“Recebi um ofício avisando que, se desrespeitarmos a ação, deveríamos pagar multa diária de R$ 50 mil. Já havia conversado com o Luchesi Júnior [secretário de Esportes de Ribeirão] e o deputado Campos Machado (PTB) sobre a possibilidade de transferir os Jogos para outra cidade, pois estávamos em cima da hora e, desde a semana passada, conseguimos com o prefeito Luiz Marinho, de São Bernardo do Campo, para não correr o risco de ficar brigando e buscando liminares e, com isso, emperrar ainda mais uma competição tão importante”, disse a prefeita Dárcy, durante entrevista coletiva nesta segunda-feira (21).

Assim, o Estado de São Paulo articulou com a Prefeitura de São Bernardo do Campo para antecipar a organização dos Jogos no Grande ABC, que aconteceria apenas no ano que vem. A expectativa, porém, é que o evento seja adiado, para que a cidade tenha condições de fazer as adequações finais, como alterar o calendário escolar estadual.

“As tratativas entre a Prefeitura de São Bernardo do Campo e o Estado de São Paulo já definiram a nossa cidade como a sede para os Jogos Abertos deste ano. A única pendência fica por conta da liberação das escolas estaduais para alojar os atletas. O parque esportivo, que seria utilizado na edição de 2016, não está 100% pronto, mas está em excelentes condições de receber as disputas”, comentou o secretário de Esportes de São Bernardo do Campo, José Alexandre Pena Devesa. Com a solução desta questão, os Jogos devem ser adiados para o dia 23 de novembro.

Autor da ação civil pública, o promotor Ramon Lopes Neto comemorou mais uma vitória do seu processo, garantindo que pensa exclusivamente na educação da população de Ribeirão Preto.

“A Justiça indeferiu os efeitos suspensivos dos agravos enviados pelo Estado e por Ribeirão Preto. O desembargador vai definir o julgamento nos próximos dias. Fiz e vou continuar fazendo a minha parte de defender a educação dos jovens ribeirão-pretanos”, declarou.


Fonte: jornalacidade.com.br
 
 
 Ciência Sem Fronteiras terá mil bolsas para Rússia
Novidade foi anunciada pelo vice-presidente Michel Temer em visita oficial a Moscou.

Em visita oficial à capital russa para a sétima Comissão de Alto Nível Brasil-Rússia, o vice presidente Michel Temer fechou seu discurso de conclusão do encontro na quarta-feira (16) com fala a favor Ciência sem Fronteiras.

O incremento do programa pode ter sido uma das maiores vitórias da viagem. Por meio dele, agora 1.000 estudantes brasileiros deverão receber bolsas para estudar em Moscou, segundo o vice-presidente.

"Tive a satisfação de receber apoio aqui na Rússia, que abre um campo para mil estudantes."

Outros avanços
 
Entre outros acordos tratados durante a visita, que teve em sua comitiva ainda cinco ministros, houve avanços em setores que vão desde a cooperação espacial com o Roscosmos para a busca de detritos espaciais, a instalação da terceira estação do sistema de navegação Glonass no Brasil e o incremento das relações com a agência de energia atômica Rosatom até a abertura de escritório por essa no Rio de Janeiro e o intercâmbio na realização de eventos esportivos.


Fonte: gazetarussa.com.br/
 
 
 Eles querem medalhas
Todos os anos, olimpíadas de ciências engajam estudantes do Brasil em diferentes áreas da ciência – uma maneira divertida e eficaz de envolver os jovens em disciplinas como matemática e física, entre outras.

Das muitas iniciativas que estimulam o contato de estudantes com a ciência, talvez possamos colocar as olimpíadas científicas entre as mais importantes e divertidas. Matemática, história, neurociência: no Brasil e no mundo, esses eventos cobrem as mais diversas áreas de pesquisa para despertar, desde cedo, o interesse de jovens de escolas públicas e privadas pelo conhecimento científico. Não raro, revelam entre os estudantes um talento especial para esta ou aquela área da ciência – um exemplo recente foi a performance da equipe brasileira na IX Olimpíada Internacional de Astronomia e Astrofísica (IOAA, na sigla em inglês). Em agosto, o grupo voltou da Indonésia, que sediou a competição, com quatro menções honrosas.

A IOAA é uma competição de astronomia que reúne alunos do ensino médio com até 21 anos. Após resolver exercícios sobre temas como a astronomia do Sistema Solar, os participantes investigam o céu com a ajuda de grandes telescópios e avaliam os dados colhidos por esses equipamentos, em tarefas que incluem identificar a localização de corpos celestes específicos.

Acostumada a retornar da competição com prêmios na mochila, a delegação brasileira comemorou duplamente as menções honrosas, já que, segundo o astrônomo Gustavo Rojas, pesquisador da Universidade Federal de São Carlos e um dos líderes da equipe, a disputa deste ano foi mais difícil do que as anteriores. “As menções honrosas vieram como prova de que nossos alunos são destaque na competição: mesmo com um nível mais elevado das provas, não nos decepcionaram”, conta Rojas. “Alguns países que geralmente fazem bonito na Olimpíada não se saíram tão bem desta vez devido à maior dificuldade dos exercícios”, completa. O Brasil terminou a competição no 20º lugar entre os 41 países participantes.

 
Olimpíadas no Brasil
Todos os anos, olimpíadas científicas movem centenas de milhares de estudantes brasileiros, de escolas públicas e privadas. Além de participar de eventos internacionais, os estudantes tomam parte nas muitas competições realizadas em âmbito nacional, estadual ou municipal. Este movimento não é novo – a Olimpíada Paulista de Matemática, uma das mais antigas, foi criada em 1977 –, mas parece estar ganhando cada vez mais força por aqui. O portal Olimpíadas Científicas, organizado por estudantes de graduação, lista 26 competições principais. No entanto, é difícil mapear com precisão todas as iniciativas.

Uma das mais conhecidas é a Olimpíada Brasileira de Matemática, organizada pelo Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada, em que alunos a partir do 6º ano do ensino fundamental tentam resolver problemas criativos que cubram as áreas de álgebra, geometria, análise combinatória e teoria dos números. Para preparar os 500 mil estudantes que se inscrevem todos os anos, a revista Eureka distribui nas escolas participantes material de auxílio aos alunos, com exercícios e provas anteriores corrigidas.

“Nosso objetivo é aliar a matemática a temas do cotidiano, estimulando um ensino menos burocrático, como o que geralmente se vê nas escolas”, aposta Carlos Gustavo Moreira, coordenador do evento. “Não queremos repetição de fórmulas e nem memorização de ‘macetes’ – a ideia é fazer o aluno pensar”.
 

Pensar fora da caixa
Para o neurocientista Alfred Sholl, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, o maior mérito deste tipo de competição é incentivar a curiosidade científica além dos conteúdos curriculares. “As olimpíadas querem criar o interesse pela descoberta, tratando de uma ciência que não é vista em sala de aula”, afirma. “Por isso, as provas dessas competições geralmente são práticas ou possuem problemas criativos, que abordem temas estimulantes”, explica.

Sholl é coordenador nacional e um dos criadores da Olimpíada Brasileira de Neurociência, cuja primeira edição foi realizada  em 2013. A competição aborda conteúdos interdisciplinares, que tratam de temas nem sempre estudados na escola – nas provas, os alunos devem, por exemplo, descrever as partes do cérebro responsáveis pela linguagem e comunicação. Para o neurocientista, o grande desafio de se criar comitês olímpicos sobre ciência no Brasil é a falta de investimento. “O que existe é um grande interesse e esforço por parte de professores e pesquisadores, que esbarra com o pouco recurso financeiro oferecido para tirar do papel projetos como esses”, aponta.


Fonte: cienciahoje.uol.com.br/
 
 
 Preocupações globais com economia podem ir além de outubro, diz Fed
BC dos EUA decidiu manter taxas de juros perto de zero na última semana.
Próxima reunião do órgão acontece daqui a 37 dias.

O presidente do Federal Reserve de Atlanta, Dennis Lockhart, disse nesta segunda-feira (21) que as seis semanas até a próxima reunião do Fed, em outubro, talvez não sejam suficientes debelar as preocupações com a economia global e possíveis riscos à recuperação dos Estados Unidos.

"Depende se e quão rapidamente nós vamos ver alguma calmaria. Em segundo lugar, detectar um efeito sobre o lado real obviamente depende de um fluxo de dados e 37 dias pode ser um período apertado para se ter evidência suficiente", disse Lockhart, possivelmente sinalizando para uma alta em dezembro.
Na semana passada, o Comitê de Política Monetária do Federal Reserve (banco central dos Estados Unidos) decidiu manter a taxa de juros do país próxima a zero, informou após reunião com seus membros. A possível alta dos juros seria a primeira no país em quase uma década e era amplamente aguardada pelo mercado.


Fonte: G1.globo.com
 
 
 A economia nunca antes vivida na história do país
Em poucos meses o Brasil conseguiu reunir fatos suficientes para marcar a história com o jargão preferido do ex-presidente Luíz Inácio Lula da Silva, quando falava de seu governo. Nunca antes na história do país alcançamos o atual nível de degradação e desmantelamento dos fundamentos econômicos e da capacidade de gestão do dinheiro público.

O desafio das comparações é o “com o quê?”. Por isso alguém pode sempre lembrar que tivemos uma moratória na década de 80, essa sim uma passagem inesquecível. Ah, também tivemos a hiperinflação, que corroía o valor da moeda ao ritmo de 80% ao mês. E o confisco da poupança, então? Este é imbatível, podem dizer. Os traumas vividos pelos brasileiros foram fortes o suficiente para justificar as mudanças alcançadas a partir do Plano Real, em 1994.

Até lá, praticamente não andávamos para frente. O compasso econômico era retardado e improdutivo. A partir da estabilidade da moeda, ou melhor, da criação de uma moeda forte no Brasil, o país encontrou espaço para estabelecer novos parâmetros, alguns duros demais até. Por exemplo, a carga tributária que mais que dobrou desde então. O endividamento público escondido por anos de conturbação política, social e econômica exigiu um aumento gigantesco da arrecadação aos cofres públicos.

Entre tantas mudanças, quero destacar a entrada do Brasil no mercado mundial – tanto financeiro, quanto comercial – como um país emergente, no sentido literal da expressão, e promissor a partir dos anos 2000. A evolução foi tanta que em 2008 conseguimos a nota mínima para virar um ativo respeitado e mais seguro – o já saudoso grau de investimento. Mesmo com tantas conquistas, a lista de lições de casa ainda era enorme e não poderia ser adiada, já que a sustentabilidade e a manutenção dos avanços dependiam delas. Caso das reformas estruturais como da previdência, a tributária, a trabalhista e a reforma da administração pública.

O controle da inflação, a quantidade de investimentos estrangeiros, a formação de uma gorda conta de reservas internacionais (US$ 370 bilhões atuais), a manutenção do baixo endividamento e da geração de caixa para o pagamento dos juros da dívida pública (superávits primários) não tiveram a capacidade de transformar o Brasil num país poupador, produtivo, competitivo, bem preparado para o mercado de trabalho e, acima de tudo, um país mais barato e previsível. Depois da crise mundial entre 2008 e 2011, essa realidade se impôs.

E foi aí que batemos na ponta do nosso iceberg composto de ego, autoengano e falsas bondades (os casos de corrupção estavam numa segunda trombada com iceberg nacional). O Brasil não só não se preparou para a nova etapa de mudanças, como passou a consumir todas as conquistas alcançadas até então. Os erros e abusos do roteiro recente estão agora escancarados e, ao mesmo tempo, cobrando sua altíssima fatura.

Mesmo com tantos episódios traumáticos na sua formação econômica, nunca antes na história do Brasil estivemos a ponto de viver dois anos sob uma recessão braba, com Estado pesadíssimo no meio do caminho, uma crise política sem precedentes na cegueira e na desonestidade, uma incompetência em gerir o orçamento público e com o governo mais impopular da democracia.

A semana que começa nesta segunda-feira (21) não deve trazer alívio ao cenário presente. O processo que segue em curso é o de reavaliação do “preço” do Brasil diante do “produto” que se revela sem dó nem piedade. E junto com ele, a deterioração das expectativas – vide relatório Focus divulgado há pouco – vai conduzir a divulgação dos indicadores aguardados, entre eles, o IPCA-15 de setembro. A inflação no período deve perder força, mas não vai relaxar o aperto agudo já sentido no bolso das famílias. 

Fonte: g1.globo.com/economia
 
 
 Ministério da Saúde seleciona projetos de plantas medicinais e fitoterápicos
Secretarias municipais e estaduais de saúde podem participar do processo seletivo que apoia a estruturação de projetos de assistência farmacêutica em plantas medicinais e fitoterápicos.
 
Com o objetivo de ofertar, no Sistema Único de Saúde (SUS), plantas medicinais e fitoterápicos com segurança, eficácia e qualidade, o Ministério da Saúde vem implementando uma série de ações. Entre elas está o lançamento do edital nº 2 que prevê a realização de um processo seletivo para apoiar secretarias municipais e estaduais de saúde na estruturação de projetos de assistência farmacêutica em plantas medicinais e fitoterápicos no SUS. Para a ação está previsto o investimento de R$ 4 milhões, que serão distribuídos entre os projetos selecionados. Os interessados devem enviar suas propostas até o dia 27 de setembro para o endereço www.saude.gov.br/fitoterapicos. Os projetos escolhidos serão divulgados a partir da primeira quinzena de outubro.
 
Os gestores interessados poderão inscrever seus projetos em três modalidades: para Assistência Farmacêutica em Plantas Medicinais e Fitoterápicos com propostas no valor entre R$ 50 mil e R$ 300 mil. Para Arranjos Produtivos Locais, com valores que podem  variar de R$ 400 mil a R$ 1 milhão e para projetos de desenvolvimento e registro de fitoterápicos da Relação Nacional de Medicamentos (Rename) por laboratórios oficiais públicos com valores de R$ 1 milhão a R$ 1,5 milhão.
 
O Ministério da Saúde também dá assistência na elaboração desses projetos. Para isso, elaborou um curso online com orientações técnicas que auxiliem estados e municípios na elaboração das propostas. O curso pode ser acessado gratuitamente por meio do preenchimento de formulário de inscrição na página do Programa.
 
“Com esta ação, o objetivo é dar continuidade às seleções de projetos que impulsionem a produção de fitoterápicos, porque entendemos a importância desta produção para o país. Quando o Ministério da Saúde apoia um Arranjo Produtivo Local, por exemplo, ele está apoiando o desenvolvimento de toda uma cadeira produtiva e isso é uma grande conquista para todo o programa”, explica o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Adriano Massuda.
 
POLÍTICA NACIONAL - Em 2006 foi publicada a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, cujas diretrizes foram detalhadas no Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos de 2008. No Plano Plurianual – PPA 2012-2015 do Governo Federal –, foi destinado recurso específico para apoio ao uso de plantas medicinais e fitoterápicos no âmbito do SUS. Desde 2012, são 66 projetos apoiados, totalizando investimento superior a R$ 26 milhões.
 
Esses projetos visam a fortalecer a cadeia produtiva nos municípios, estados e DF, especialmente a oferta de fitoterápicos aos usuários do SUS. Os 66 projetos, que já receberam recursos federais, encontram-se em todas as regiões do país e foram estruturados a partir dos editais do Ministério da Saúde. São 28 iniciativas de arranjo produtivo local, 36 de assistência farmacêutica e duas de desenvolvimento e registro sanitário de medicamentos fitoterápicos da Rename por laboratórios oficiais públicos.


Fonte: segs.com.br
 
 
 Vacina contra poliomielite continua disponível nos postos saúde do Piauí
PI não atingiu meta de imunizar 95% das crianças entre 6 meses e 5 anos.
Vacinação continua no estado e mais 11 unidades que não baterem a meta.

A Campanha Nacional contra a poliomielite deste ano vacinou 194.220 crianças entre seis meses e cinco anos incompletos no Piauí, o que corresponde a 88,2% do público alvo. A meta era vacinar 95%. Com isso o Ministério da Saúde decidiu manter a campanha em todas as unidades da federação que não atingiram a meta de imunização (Piauí e mais 11 estados).

"É importante lembrar que a vacina contra poliomielite faz parte do calendário de vacinação da criança e, por isso, continua disponível nos postos”, disse a coordenadora estadual de Imunização da Secretaria de Saúde do Piauí, Jurema Chaves.

Para ter o esquema vacinal completo, é preciso que as crianças sejam imunizadas com quatro doses, administradas aos dois e quatro e seis meses de idade e mais dois reforços aos 15 meses e aos quatro anos. Depois disso, a criança deve comparecer aos postos de saúde para tomar a dose de campanha anualmente, até completar cinco anos de idade.

Poliomielite
É uma doença infectocontagiosa grave. Na maioria dos casos, a criança não vai a óbito quando infectada, mas adquire sérias lesões que afetam o sistema nervoso, provocando paralisia irreversível, principalmente nos membros inferiores. A doença é causada pelo poliovírus e a infecção se dá, principalmente, por via oral.

O Brasil é referência mundial em vacinação e o Sistema Único de Saúde (SUS) garante à população brasileira acesso gratuito a todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Atualmente, são disponibilizadas pela rede pública de saúde, de todo o país, 17 vacinas que integram o Calendário Nacional e combatem mais de 20 doenças, em diversas faixas etárias.


Fonte: g1.globo.com
 
 
 Jovem cria neto de aluguel para ensinar idosos a usar tecnologia
Através de aulas particulares, ele ajuda essas pessoas a serem independentes digitais

Muitos idosos tem dificuldade em usar o celular touchscreen, o tablet, as redes sociais, tirar fotos, enviar e-mails. Para ajudar essas pessoas a lidar com as novas tecnologias, o professor Ramon Miranda, de 27 anos, se tornou um "neto de aluguel". Com um material didático específico e muita paciência, ele dá aula particulares em Belo Horizonte, com o objetivo de tornar idosos independentes digitais. 

A ideia surgiu quando ele observou a dificuldade de uma tia. 

— Ela me perguntou como salvar números na agenda. Outras pessoas já haviam ensinado, mas ela não conseguiu entender. Então eu sentei, anotei, expliquei direitinho passo a passo e ela aprendeu. 

 artesã Márcia Pompeu,de 60 anos, sentiu necessidade de entrar no mundo digital. 

— Hoje todo mundo só faz contato através da internet, se você não usa, acaba ficando excluído. 

Ela explica que os familiares, muitas vezes, não tem tempo e nem paciência para ensinar os mais velhos como lidar com as novidades tecnológicas. Por isso, ela contratou os serviços do "neto de aluguel". 

— Ele está sempre disponível, é bem-humorado, e nos deixa tranquilos, porque nós não vamos estar ocupando ninguém. Estamos pagando para isso, e podemos ficar à vontade para tirar todas as dúvidas. 

Fonte: noticias.r7.com/
 
 
 Estudo mostra que adolescentes sofrem de dependência de tecnologia
Um estudo realizado na cidade de São Paulo avaliou o perfil dos adolescentes usuários de internet e mídias digitais e a possível influência desse comportamento na qualidade de vida dos jovens. Trate-se de uma tese de mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação e Saúde na Infância e na Adolescência da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Para a pesquisa, foram consultados 264 estudantes entre 13 e 17 anos.

Orientado por Denise De Micheli, chefe da disciplina de Medicina e Sociologia do Abuso de Drogas do Departamento de Psicobiologia da Unifesp, o estudo avaliou 159 estudantes de escolas públicas e 95 de colégios particulares sediados na cidade de São Paulo. Para obter as informações, foi utilizado um inventário elaborado na Universidade do Texas e validado para o Brasil, com objetivo de medir a qualidade de vida e saúde de crianças e adolescentes.

Uma das conclusões geradas pelo estudo é a de que a tecnologia foi definitivamente implementada nos hábitos do dia a dia dos jovens. A pesquisa revelou dados bastante interessantes sobre o comportamento dos adolescentes em relação aos seus smartphones e tablets. Cerca de 33% afirmaram que utilizam os aparelhos quando vão ao banheiro; 51% durante as refeições; 90% antes de dormir; e 92% disseram que checam seus eletrônicos assim que acordam, antes de levantar da cama. Além disso, em caso de esquecimento, 80% confessaram que voltam para apanhar o smartphone ou tablet, mesmo que isso cause atrasos em compromissos ou alguma outro prejuízo.
De acordo com as pesquisadoras, 82% dos estudantes se preocupam com o que pode estar acontecendo nas redes sociais enquanto estão ausentes. Isso mostra que tal familiaridade com as tecnologias de hoje podem causar dependência. Cerca de 65% resistem ao sono ou dormem pouco para poderem continuar conectados. Para 61% os aplicativos de mensagens os deixam menos tímidos e mais seguros para conversarem. Quanto estão conectados, 45% dos jovens pesquisados afirmam se sentir aliviados no dia a dia; 30% sentem-se menos ansiosos; e 23% menos sozinhos.

A falta de supervisão dos pais é um grande indicativo para o abuso das tecnologias pelos jovens, segundo mostra a pesquisa. Nas escolas particulares, 82% dos adolescentes mencionaram não ter limites de uso definidos por seus responsáveis. Já nas escolas públicas, 30% do estudantes afirmaram que possuem limites de uso bem definidos. “No entanto, essa limitação imposta aos jovens do ensino público está relacionada mais ao custo do plano de internet do que a uma preocupação genuína com o uso excessivo”, lembra Denise.

Apesar do relacionamento ruim dos jovens com os pais não ter associação muito clara a respeito do uso abusivo da internet e dos eletrônicos, o estudo mostra que todos os adolescentes classificados como dependentes leves mencionaram ter um bom relacionamento com seus pais. Já 44% dos adolescentes avaliados como dependentes substanciais mostraram algum tipo significativo de problema em várias áreas de sua vida, incluindo uma relação regular com seus responsáveis.

Os jovens enquadrados com dependência leve apresentaram média mais alta de qualidade de vida nas áreas sentimental, social e física, do que os demais grupos. Por outro lado, os dependentes substanciais apresentaram menores médias nas áreas sentimental, social, física e escolar. Sendo assim, Denise concluiu dizendo que "as informações auferidas nesse estudo denotam as dificuldades no controle de impulsos entre os jovens; possivelmente, estamos diante de uma geração que utiliza os meios tecnológicos como recurso principal para lidar, superficialmente, com os problemas de relacionamento".

Fonte: canaltech.com.br/
 
 
 Tecnologia permite que pais imprimam ultrassom de bebê em faceta 3D
Novidade permitiu que uma mãe, deficiente visual, conhecesse o rosto da filha dela antes do nascimento

Carlise e Jorge Vieira, a exemplo de outros casais à espera do primeiro filho, se prepararam com ansiedade para receber a pequena Natália, com a diferença de que eles não poderiam ver a filha no ultrassom - os dois têm deficiência visual. Assim, o casal sonhava com a criança com base apenas no relato da médica. Mas, durante o sexto mês de gravidez, eles ganharam uma surpresa. Através do exame de ultrassom impresso em 3D puderam finalmente conhecer o rosto da filha.

“Foi muito importante porque tive noção de como era o rostinho da Natália antes dela nascer e pude ver como ela era parecida comigo e com o pai. Como não posso enxergar como as demais mães, isso me supriu a falta de visão”, relatou a mãe, Carlise, que acredita que o serviço mostra que a inclusão social está chegando à medicina.

“O médico não altera nada do que ele normalmente já faz. A diferença é que ele precisa salvar o exame com um protocolo próprio para trabalharmos com nossa tecnologia”, explica Fernando Flores, fundador da startup 3D Portos. A empresa, que tem sede em Porto Alegre, busca inclusão social para pais com deficiência visual durante a gravidez. Be4Birth é o nome do serviço que converte exames de ultrassom obstétricos em objetos impressos.

Por enquanto, a empresa presta o serviço em duas clínicas obstétricas em Porto Alegre, mas a ideia é ampliar a oferta para outros estabelecimentos do tipo. “Conseguimos atender o país todo daqui”, planeja Flores.

O serviço da empresa não é limitado para o público com deficiência visual e qualquer pessoa pode adquirir artigos decorativos com o ultrassom 3D.

Fonte: em.com.br
 
 
 Chega a Ribeirão Preto a Backstage Pole Dance e Espaço Cultural
Chega a Ribeirão Preto a Backstage Pole Dance & Espaço Cultural
Fonte: Tríade Assessoria

Integrar cultura, música e valorizar cada vez mais o pole dance como esporte.  É essa a proposta do novo espaço Backstage Pole Dance & Espaço Cultural, pioneiro em Ribeirão Preto e região em oferecer como carro-chefe o pole fitness. E já no novo endereço, mais uma novidade para os adeptos e admiradores da modalidade: o projeto Aquapole Brasil e Hidropole, uma exclusividade do premiado estúdio, que criou uma metodologia única desenvolvida por uma equipe multidisciplinar.

Localizado na Rua Ayrton Roxo, 538, no Alto da Boa Vista, o Backstage ampliou sua estrutura e investiu em conforto. Além de estúdio para as atividades e diferentes módulos de pole dance, o local tornou-se um espaço cultural com a parceria do projeto Garimpo Hypado, que também está instalado na parte superior do espaço.

O Garimpo apresenta um conceito de moda, arte, comportamento e responsabilidade social. O novo formato do espaço conta com as edições da "Feirinha do Garimpo", que apresentarão eventos de artistas da região. Desde artesanato até música e poesia.

“O Backstage iniciou-se artisticamente em 2009 com o pole dance e as artes circenses. Durante o caminho percorrido outras linguagens artísticas foram chegando e fundindo-se, tornando o Backstage um centralizador de cultura”, define Pâmela Gomes.

Considerado um dos mais conceituados estúdio de pole dance do Brasil, o Backstage diversifica as modalidades e traz novidades, mas sem perder o foco de proporcionar bem-estar e em formar alunos em atletas. Além do pole dance tradicional haverá também pole fitness, pole balé, acrobático, duo, artes circenses com lira, trapézio e tecido, além de outras técnicas como alongamento e contorção e yoga tradicional (hatha).

Nova fase

Para integrar o Backstage Pole Dance & Espaço Cultural e o projeto Aquapole Brasil, Pâmela Gomes contou com a parceria da sócia Mariana Kuboiama, psiquiatra formada pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto.

Mariana é uma das primeiras alunas de pole, desde o início do Backstage, há nove anos. Ela também ministra aulas de yoga no local. O convite para fazer parte do estúdio foi ao encontro de uma vontade que Mariana já tinha, em investir em outro segmento, paralelamente à medicina.

Aquapole Brasil e Hidropole

Ligada nas últimas tendências e modalidades do pole dance, Pâmela acompanhou o surgimento do pole dance aquático na Itália. Ao observar a falta de iniciativa para a difusão do esporte no Brasil, a empresária investiu no desenvolvimento da metodologia para profissionalizar e vigorar a nova modalidade no país. Toda a técnica foi desenvolvida, há mais de um ano, por uma equipe multidisciplinar.

O primeiro módulo será realizado nos dias 26 e 27 de setembro, no Backstage Pole Dance & Espaço Cultural, em parceria com a Mundo Hidro Brasil. O evento reunirá participantes de várias cidades, estados e países como, por exemplo, Argentina. Oportunidade para grandes redes e academias profissionalizarem as equipes e incluírem em suas grades o Aquapole Brasil.

De acordo com Pâmela, o projeto é composto por oito módulos. “A perspectiva é que o Aquapole Brasil vire uma tendência nacional, criamos a metodologia brasileira e estamos em negociação com as maiores academias do país para incluir esta nova modalidade nas piscinas”, explica.

Como a ideia para o Aquapole Brasil/Hidropole é atender e levar o esporte para todo o país, o Backstage firmou parceria com a equipe da Mundo Hidro Brasil, composta por profissionais nacionais e internacionais, com certificados reconhecidos e importantes no segmento esportivo de atividades aquáticas. A equipe é dirigida pelas profissionais Roxana Brasil e Maria Cristina Darahem.
 
 
 Ribeirão Preto terá terceira edição da Restaurant Week a partir do dia 28
Ribeirão Preto está mais uma vez no calendário do maior festival gastronômico brasileiro. Começa dia 28 de setembro a terceira edição local da Restaurant Week, que terá três semanas – até dia 18 de outubro, com a participação dos melhores restaurantes e bistrôs da cidade.

O tema do festival não poderia ser mais instigante: “Gastronomia afetiva”. Os chefs já criaram os menus que incluem entrada, prato principal e sobremesa a preço fixo de R$ 39,90 + R$ 1 da doação para o Hospital de Câncer de Ribeirão Preto (total R$ 40,90) no almoço e no R$ 51,90 + R$ 1 da doação para o Hospital de Câncer de Ribeirão Preto (total R$ 52,90) no jantar.

O público poderá fazer sua reserva de mesas pela internet e nos próximos dias, os organizadores divulgarão todos os menus de todas as casas participantes.

A Ribeirão Preto Restaurant Week realizada no primeiro semestre – de 19 de abril a 30 de março – superou os números do ano passado: cerca de 37 mil pessoas degustaram os menus oferecidos pelos 25 restaurantes participantes.

Fonte: TEXTO & CIA Comunicação

 
 
 Carreira de Tecnologia da Informação (TI) cresce no exterior
Países da Europa, América e Oceania buscam profissionais de Tecnologia da Informação com salário médio de R$ 15 mil

Trabalhar fora do Brasil parece um sonho distante. Mas a oportunidade de emigrar para outros países é mais fácil do que muitos imaginam. Tecnologia da Informação é uma das áreas em contínuo crescimento e que mais exporta brasileiros. Formados em ciências ou engenharia da computação e profissionais de sistema da informação têm muitas portas abertas. Os destinos mais escolhidos são: Austrália, Bélgica, Canadá e Nova Zelândia.

O Canadá é um dos países que está no topo da lista de oferta de emprego no exterior para Tecnologia da Informação. Algumas profissões chegam a ganhar 50% acima da média nacional, algo em torno dos R$ 15 mil. Dentre os perfis procurados estão analistas de dados, analistas de informática e gerentes de sistemas de informática.

Há apenas dois meses, Luis Victor Coutinho, 25, deixou Manaus para fazer doutorado em informática, na área de segurança, na cidade alemã de Siegen. Ele conta que entrou no país como turista e, depois, deu entrada na documentação necessária para morar, estudar e trabalhar legalmente. “O processo para entrar foi bem tranquilo. Para obter permissão de residência foi necessário apenas levar os documentos à prefeitura e ao escritório de registro de estrangeiros”, explica.

“Poderia ter escolhido outros países, como, por exemplo, a Bélgica, onde tenho família. Mas optei pela Alemanha por toda a infraestrutura para trabalho e pesquisa, cujo investimento aqui é muito alto”, afirma o bacharel em Ciência da Computação e mestre em informática (ambos pela Universidade Federal do Amazonas - Ufam). “No caso da Alemanha, para áreas com muita demanda, como TI, existe a opção de fazer um visto só para procurar emprego no país, com validade de 6 meses”, completa.

Nascido e criado em Manaus, Filipe Mesquita, 33, chegou em Edmonton, Canadá, para fazer doutorado. Isso foi há sete anos. Hoje, ele é vice-presidente de Ciência de Dados da Mitre Media e está em busca de compatriotas para trabalhar na empresa. “Há uma demanda muito grande por bons programadores. Procuro brasileiros que tenham experiência na linguagem Ruby e queiram vir morar no Canadá. Podem mandar e-mail para mesquita@mitremedia.com”, revela.

Funções diversas

Desenvolvedores de web, analistas de sistemas, web designers e programadores são alguns dos mais procurados pela Austrália, com salários que chegam a R$ 220 mil por ano. Países como a Alemanha, Noruega, Reino Unido e Luxemburgo também.

Das vagas disponíveis, 22% de Tecnologia da Informação serão preenchidas por imigrantes no Canadá, é uma estimativa para os próximos anos. Empresas como Ericsson, IBM, Intel, Kodak, Microsoft e Nokia estão no país.

Bélgica: boa opção para viver

Mestre em informática pela Ufam e cursando doutorado na Université de Mons, na Bélgica,  o amazonense Nilo Menezes, 39, ressalta que é preciso investir no currículo para ter sucesso na carreira internacional. “As empresas exigem um bom conhecimento técnico, curso superior completo — mestrado é importante na Europa — e inglês. A média salarial é de 3,5 mil a 5 mil euros”, enfatiza. “O mais difícil é encontrar uma empresa que financie ou patrocine a permissão de trabalho”, completa.

De acordo com ele, que vive com a esposa e três filhos, desde 2006, na cidade belga de Wasmes, o país tem um processo relativamente simples: basta estar com boa saúde e não ter antecedentes criminais. Este ano, Nilo abriu uma empresa própria e presta consultoria para uma firma norte-americana no ramo de Internet, em Chicago.

Canadá procura brasileiros

Atualmente, a maior demanda de empregos no Canadá é de engenheiros de software, cujo salário cresceu 11% em cinco anos. De acordo com a revista canadense Macleans a área de TI  está entre as 26 mais bem pagas, com salário médio anual é de 82 mil dólares canadenses.

Filipe Mesquita disse que a parte mais difícil do processo foi a burocracia. Bacharel e mestre em Ciências da Computação na Universidade Federal do Amazonas (Ufam), ele passou por um longo processo para ser aceito na Universidade de Alberta. “Precisei publicar artigos científicos, fazer uma série de testes, como o TOEFL [avalia a capacidade de usar e compreender inglês no nível universitário] e o GRE [Graduate Record Examination - critério de admissão] e achar um professor no Canadá disposto a me aceitar como aluno”, lembra.
 
 
 Aplicativos de celular incentivam pessoas a estabelecer cultura da prevenção da saúde
Aplicativos de celular incentivam pessoas a estabelecer cultura da prevenção da saúde.

Foi-se o tempo em que cuidar da saúde significava apenas ir ao médico. Hoje, “monitorar” o próprio corpo está cada vez mais ao alcance das mãos. Das pontas dos dedos, para ser mais preciso. Centenas de aplicativos lembram datas de exames, calculam calorias consumidas ao longo do dia e até checam batimentos cardíacos.

Para as mulheres, as maiores aliadas são as ferramentas para não esquecer de tomar a pílula anticoncepcional, acompanhar o ciclo menstrual e agendar a mamografia e o exame preventivo.

Seguindo essa tendência e inspirada no modelo norte-americano – onde médicos e pacientes interagem virtualmente com frequência –, a Associação de Ginecologistas e Obstetras de Minas Gerais (Sogimig) criou, no final do ano passado, um aplicativo voltado para a prevenção dos cânceres de colo de útero e de mama. A iniciativa foi desenvolvida em parceria com a LifeRank (rede social gratuita de cuidados com a saúde e armazenamento de exames).

Sintonia

Agora, o app LifeRank está em fase de divulgação. “A cultura da prevenção precisa estar na rotina do brasileiro. E é aí que entra o aplicativo. Ele funciona como uma agenda pessoal e vai avisando a paciente repetidamente. Por ele, também é possível o médico entrar em contato se notar que há exames em atraso”, explica o diretor de informática da Sogimig, Sandro Magnavita Sabino.

Para a publicitária Bruna Gobbi, de 33 anos, os aplicativos são verdadeiros aliados e permitiram que ela conhecesse melhor os sinais do próprio corpo. Há cerca de quatro meses ela utiliza um app de acompanhamento do ciclo menstrual. “Tenho muitas alterações quando fico menstruada. Meu corpo muda, fico mais inchada e sinto mais dor. Tem mulheres que percebem quando isso vai acontecer, mas eu não. Por isso, jogo no aplicativo. Para mim foi importante, porque agora consigo me preparar para esse período”, afirma.

Segundo ela, um dos maiores benefícios é ter todo ciclo registrado, inclusive o de meses anteriores. “Recentemente, fui a uma consulta e o médico me perguntou a data da minha última menstruação. Fiquei orgulhosa de saber a resposta exata, porque sempre falamos algo aproximado”.


Facilidades

De acordo com Sandro Sabino, além de facilitar a vida das mulheres, as plataformas online têm criado um meio de comunicação facilitada entre profissionais de saúde e pacientes, aproveitando um dos equipamentos mais utilizados pela população, atualmente.

“A medicina está caminhando para isso em todas as áreas. Esse é um caminho inevitável e não temos dúvida de que o futuro seja esse. Não há como fugir”, aposta o diretor de informática.

E, ao que tudo indica, as próximas gerações já nascerão íntimas desses recursos. Grávida de 17 semanas, a terapeuta ocupacional Camila Fontes, de 35 anos, já acompanha as etapas da gestação pela tela do celular. “Acho ótimo, porque dá para saber se está tudo bem, dentro do previsto, ou se precisamos de procurar o médico. Às vezes, o aplicativo até adianta coisas que vão acontecer apenas quando o bebê nascer”.


O uso de apps, aliás, já faz parte da rotina de Camila e do marido. Antes da gravidez, as alterações de humor eram acompanhadas por outra plataforma online. “Às vezes, a gente brigava e percebia que tinha a ver com a mudança hormonal”, diverte-se.

WhatsApp facilita interação entre médico e paciente

Não são só os aplicativos voltados para a saúde das mulheres que estão facilitando a vida delas. Baixado por aproximadamente um bilhão de pessoas em todo o mundo, o WhatsApp é um dos meios mais utilizados na relação contemporânea entre médicos e pacientes. Muitas vezes, a ideia parte dos próprios profissionais, que conseguem prestar auxílio imediato e dar orientações em casos urgentes.

“Para pacientes que precisam de fazer dosagem hormonal para começar um tratamento já prescrito em consulta, funciona maravilhosamente bem. Se não fosse assim, seria impossível começar o processo no mesmo dia”, explica o diretor da Clínica Vilara, Marco Melo, especialista em reprodução assistida.

De acordo com ele, o aplicativo também ajuda a diminuir a ansiedade das pacientes que tentam engravidar. “Ele nos auxilia muito na interpretação de testes de gravidez. Se fôssemos esperar a consulta para dar o diagnóstico positivo, haveria mais ansiedade ainda”, diz.

Atalho

No caso da advogada Emilly de Lourdes Vieira Gomes, de 28 anos, o contato via WhatsApp com Marco evita deslocamentos desnecessários, já que ela mora em Itamarandiba, no Vale do Jequitinhonha, e vem a Belo Horizonte apenas para fazer o tratamento. “Como moro no interior, nem tinha esses recursos. Comprei um celular novo só para poder me comunicar pelo aplicativo. Hoje, acredito que não fico mais sem ele, porque a gente se acostuma”, confessa Emilly.

O médico alerta apenas para o uso moderado. “Temos que colocar regras, senão, vira bagunça. E é importante ressaltar que não fazemos atendimento online, apenas orientações pontuais”.

Fonte: hojeemdia.com.br
 
 
 Alzheimer: como preservar a memória e a saúde na velhice
Doença que leva à demência pode ser evitada com atividades que desafiam o cérebro

Rio - A memória vai enfraquecendo, e o raciocínio já não é mais o mesmo. Fatores que para muita gente são características normais do envelhecimento são também os sintomas iniciais de uma das doenças mais comuns entre idosos no mundo todo. Comemorado hoje, o Dia Mundial da Conscientização sobre a Doença de Alzheimer traz à discussão o tema que ocorre em aproximadamente 60% dos casos de demência entre idosos.

Troca de nomes, esquecimento de fatos e objetos guardados em lugares inusitados alertaram Verônica Machado, de 56 anos. “Quando minha tia começou a manifestar o sintoma, achamos que era algo normal da idade, e demoramos mais de um ano para perceber a doença. Quando o diagnóstico veio, não sabíamos muito o que fazer, era tudo novo”, lembra. Ela ajudou a cuidar da tia, que tinha Alzheimer e faleceu há oito anos. “Foi um processo muito triste para toda a família”, concluiu.

O Alzheimer é uma doença degenerativa do cérebro que leva à perda progressiva de memória, especialmente a recente. O brasileiro com Alzheimer leva mais de três anos para obter o diagnóstico, já que seus sintomas são associados ao processo natural de envelhecimento. Estima-se que cerca de 35,6 milhões de idosos sofrem com o mal em todo o mundo, 1,2 milhão apenas no Brasil. O estilo de vida é determinante para a doença: entre os fatores de risco, estão obesidade, diabetes, hipertensão, sedentarismo e tabagismo. 

Estudos revelam ainda que a manutenção das atividades intelectuais e sociais, assim como o nível de escolaridade, reduzem os riscos de ter a doença. “As atividades físicas aeróbicas, a cafeína, a leitura, o pensamento positivo e uma boa noite de sono são pequenas atitudes que podem contribuir para prevenir a doença”, afirma Leonardo Souza, médico formado pela UFF e pós-graduado em Ciências da Fisiologia Humana.

Estudo recupera células que morrem

Após décadas de pesquisas, um estudo feito pela Universidade da Califórnia (EUA) tem se mostrado inovador. Através da terapia genética, pacientes com Alzheimer em fase inicial tiveram injetada em uma parte de seu cérebro uma substância chamada fator de crescimento neuronal (NGF). Os exames, realizados após a morte dos participantes, mostraram que a terapia não só conseguiu recuperar as células que estavam morrendo, como também aumentou seu crescimento, induzindo-as a ‘fabricar’ fibras. O estudo está ainda em fase de teste em pacientes.

Fonte: http://odia.ig.com.br/
 
 
 Cientistas desenvolvem pequena capa de invisibilidade
Aparato manipula luz, mudando como raios de luz incidem sobre um objeto.
Capa microscópica pode envolver um objeto do tamanho de células.

Uma pequena capa de invisibilidade foi inventada por cientistas norte-americanos que estão chegando cada vez mais perto de uma versão real do que até era agora um elemento de ficção científica - anunciaram os pesquisadores nesta quinta-feira (18).
A capa, apresentada na revista "Science", é microscópica no tamanho, mas poderia aumentar de tamanho no futuro - segundo físicos do Departamento de Energia do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley e a Universidade da Califórnia em Berkeley.

O aparato funciona com a manipulação da luminosidade, mudando como os raios de luz incidem sobre um objeto para que ele não possa ser detectado pelo olho.
"Esta é a primeira vez que um objeto 3D de forma arbitrária foi mascarado da luz visível", afirmou o principal autor do estudo, Xiang Zhang, diretor do Laboratório de Ciências dos Matériais de Berkeley.

"Nossa capa ultra-fina parece um casaco. É fácil de desenhar e implementar, e é potencialmente escalável para esconder objetos macroscópicos.

Nanoantenas
Usando pequenas fibras de ouro conhecidas como nanoantenas, os pesquisadores fizeram uma capa de 80 nanômetros de espessura e pode envolver um objeto tridimensional do tamanho de algumas células biológicas.

"A superfície da capa foi construída para redirecionar as ondas de luz de forma que o objeto ficou invisível para detecção ótica quando a capa é ativada", disse o estudo.

No entanto, a pequena capa ainda tem grandes limitações. Por exemplo, os padrões das nanoantenas devem ser projetados precisamente para coincidir com as saliências da superfície do objeto que está por baixo, o que significa que o objeto não pode mexer - caso contrário, perde a camada invisível.

Nem as características a serem escondidas podem ser muito grandes ou pontudas em comparação ao comprimento das ondas luminosas, porque as sombras não conseguem ser apagadas - explica Zeno Gaburro, físico da Universidade de Trento, na Itália.
"O lado que está escuro não vê a luz, então não tem jeito de corrigir (a sombra) usando essa técnica", afirma Gaburro em artigo complementar publicado na Science.

Mas Zhang está confiante de que a tecnologia possa ser eventualmente feita numa escala maior. "Não vejo obstáculos", disse.
 
 
 Economia deve ter queda este ano, preveem instituições financeiras
A projeção de instituições financeiras para a retração da economia este ano passou piorou pela décima vez seguida. Desta vez, a estimativa para a queda do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, passou de 2,55% para 2,70%. Para 2016, a expectativa de retração também foi alterada: de 0,60% para 0,80%, no sétimo ajuste consecutivo.

Essas estimativas são do boletim Focus, publicação semanal elaborada pelo Banco Central (BC), com base em projeções de instituições financeiras para os principais indicadores da economia.

Na avaliação do mercado financeiro, a produção industrial deve apresentar retração de 6,45%, este ano. Na semana passada, a projeção de queda era 6,20%. Em 2016, o setor deve se recuperar, mas a projeção de crescimento está cada vez menor: passou de 0,50% para 0,20%, no quarto ajuste seguido.

O encolhimento da economia vem acompanhado de inflação acima da meta, este ano. A meta é 4,5%, com limite superior de 6,5%. A estimativa das instituições financeiras para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), este ano, foi ajustada de 9,28% para 9,34%. Para o próximo ano, a expectativa é que a inflação fique abaixo do limite superior, mas ainda distante do centro da meta, em 5,70%, contra 5,64% previstos na semana passada. Esse foi o sétimo aumento seguido na projeção para inflação em 2016.

Para tentar trazer a inflação para a meta, o BC elevou a taxa básica de juros, a Selic, por sete vezes seguidas. Depois desse ciclo de alta, na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), no início do mês, a Selic foi mantida em 14,25% ao ano.

Para as instituições financeiras, a Selic deve permanecer em 14,25% ao ano até o fim de 2015 e ser reduzida em 2016. A projeção mediana (desconsidera os extremos da estimativa) para o fim de 2016 passou de 12% para 12,25% ao ano.

A taxa é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve como referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o BC contém o excesso de demanda que pressiona os preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando reduz os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas alivia o controle sobre a inflação.

Ao manter a Selic, o BC indica que ajustes anteriores foram suficiente para produzir os efeitos esperados na economia. O BC costuma dizer que os efeitos de elevação da Selic se acumulam e levam tempo para aparecer.

A pesquisa do BC também traz a projeção para a inflação medida pelo Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), que foi alterada de 7,77% para 8,25%, este ano. Para o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), a estimativa passou de 7,77% para 7,86%, em 2015. A estimativa para o Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe) foi alterada de 9,30% para 9,46%, este ano.

A projeção para a cotação do dólar, ao final este ano foi ajustada de R$ 3,70 para R$ 3,86. Para o fim de 2016, a projeção chegou a R$ 4, ante a estimativa anterior de R$ 3,80.


Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br/
 
 
 Elton John e Rod Stewart dão toque romântico ao Rock in Rio
Elton John e Rod Stewart protagonizaram neste domingo (20) uma noite de baladas, canções românticas e canções clássicas no terceiro dia da edição brasileira do Rock in Rio.

Nesta edição de 30º aniversário do evento, com aspectos nostálgicos, há muito poucas caras novas e quase todos os artistas convidados são velhos conhecidos do público carioca.

Foi o caso das três principais atrações deste domingo: Elton John esteve neste mesmo palco em 2011, Seal fez o mesmo dois anos depois e Rod Stewart esteve por aqui na primeira edição do festival em 1985.

Elton John, que se apresentou antes de Rod Stewart, subiu ao palco Mundo, o principal da Cidade do Rock, vestido com um terno azul cheio de lantejoulas, com a palavra "Fantastic" escrita nas costas e usando óculos escuros.

O cantor inglês se comunicou com o público brasileiro, se sentou no piano e se atreveu a falar algumas palavras em português.

Elton John fez uma festa de grande energia e ofereceu um show com muitas canções novas embora também, como não podia deixar de ser, intercalando suas clássicas baladas e mostrando sua mestria ao teclado com vários solos de piano.

A primeira canção da noite foi uma versão bem animada de "The Bitch Is Back", seguida de "Candle In The Wind", tema que o público acompanhou maciçamente com o celular na mão.

Os 85 mil presentes na Cidade do Rock também cantaram "Rocket Man" e outros sucessos como "I Guess That's Why They Call It The Blues".

E como ponto final em sua apresentação, Elton John surpreendeu com a romântica "Your Song", que não tinha sido incluída na setlist previamente divulgada à imprensa.

Rod Stewart aproveitou as boas vibrações de Elton e convidou o público a se divertir com "Having a Party", música que elegeu para começar sua atuação.

O cantor britânico de voz rouca, que já completou 70 anos, dois mais que Elton John, também brincou no palco, mudou várias vezes de roupa, passando de uma camisa com gravata para um terno dourado.

Ele foi acompanhado de uma orquestra completa, com harpa, violinos, contrabaixo e saxofone, além de um grupo de dançarinas, e para despedida reservou dois de seus maiores sucessos, "Da Ya Think I'm Sexy?" e "Sailing".

Os dois artistas veteranos foram precedidos por Seal, que em sua atuação misturou músicas românticas que lhe deram fama nos anos 90 e também canções de seu novo disco, o primeiro desde 2011 e que lançará em novembro próximo.

O momento alto da apresentação de Seal foi seu tema "Kiss From a Rose", popularizado como trilha sonora do filme "Batman Eternamente" e que deixou para o final, junto com "Life on The Dance Floor", canção que deu um encerramento de disco music a sua segunda passagem pelo Rock in Rio.

Abrindo a noite, os Paralamas do Sucesso deram a pitada de rock à terceira noite do festival com suas músicas próprias e de outras bandas dos anos 80 e 90, como "Que País é Esse", do Legião Urbana, um hino contra a ditadura e que serviu para encerrar o show.

O Rock in Rio começou na sexta-feira passada e terá quatro dias mais de shows entre próxima quinta-feira e domingo.

Quinta e sexta-feira próximos serão dois dias dedicados ao rock pesado, com bandas como System of a Down e Slipknot, enquanto os dois últimos dias do festival serão dedicados ao pop, com Rihanna e Katy Perry.

Fonte: Terra
 
 
 Elton John volta ao Rock in Rio mais à vontade em noite de veteranos
Em 2011, ele tocou para fãs de Rihanna; agora voltou com público mais velho.
Ele focou setlist em faixas do início dos anos 70 e fechou com 'Your song'.

Aos 68 anos, Elton John achou sua turma no Rock in Rio. No show deste domingo (20), depois de Seal e antes de Rod Stewart, no Palco Mundo, o inglês ficou mais à vontade do que há quatro anos. Em 2011, ele cantou entre as novinhas Katy Perry e Rihanna. Não deu muito certo. Além disso, ele chegou atrasado e cortou o bis do show. Neste retorno, ele não deixou de fora "Your song", seu primeiro hit. 

Todo de azul com brilhantes e uma inscrição "Fantastic" nas costas, Elton brilhava especialmente nos momentos sozinho ao piano, como no início de "Rocket man". O público curtia tranquilo, sem a histeria que se espera de uma noite "teen". Músicas mais soturnas, como "Sorry seems to be the hardest word" e "Don't Let the Sun Go Down on Me" funcionaram bem.

Apesar dos quase 50 anos de carreira, metade do repertório vem do período de quatro anos do início da década de 70 entre os discos "Madman across the water" (1971) a "Caribou" (1974), com destaque para "Goodbye Yellow Brick Road" (1973).

"Toda vez que vamos ao Brasil temos a melhor experiência , então obrigado por todos esses anos de gentileza", elogiou Elton. Ele também foi generoso com o tempo: o show estava programado para durar uma hora e quinze minutos e durou cerca de vinte minutos a mais que o esperado.

O setlist divulgado antes do show não tinha "Your song" - música que ele deixou de fora em 2011. Era uma pegadinha do Elton. Mesmo em um bis apressado, ele tocou seu primeiro hit. Cobre daqui, descobre de lá: para isso, ele teve que deixar de fora "Crocodile rock". "Daniel" foi outra de fora. Tarefa ingrata, afinal, enfiar 46 anos de sucessos em menos de duas horas.

Entre um hit e outro, ele não se cansa de repetir seu gesto preferido (o/). O cantor reina absoluto à frente da banda, também experiente e competente. O único instrumento desafinado foi a tirolesa. Nas partes mais suaves do show, o efeito sonoro da fricção entre o gancho e a corda atrapalhava periodicamente. Vale uma lubrificada.
 
 
 Aposentado cuida do meio ambiente plantando árvores no Paraná
Na data em que se comemora o Dia da Árvore, neste 21 de abril, um aposentado de Paranavaí, município do noroeste do Paraná, dá exemplo de conscientização e cuidado com o meio ambiente. Desde 2001, Osvaldo Oliveira coleciona árvores e já tem cerca 700 exemplares de 106 espécies.

Ele conta que é eletrotécnico e durante o tempo em que trabalhou para a concessionária de energia elétrica do estado, na inspeção de linhas de transmissão, viu diversas áreas de florestas e nascentes de água serem extintas, ou pela especulação imobiliária ou pelas plantações de cana. “Fico indignado com a maneira com que as pessoas tratam o meio ambiente. E fiquei pensando: tenho que fazer alguma coisa. Já que todo mundo corta, então vou fazer o contrário: vou plantar”.

A chácara Recanto Peroba Rosa tem 5 mil metros quadrados e para irrigar o bosque, Osvaldo fez uma parceria com a empresa instalada no sítio vizinho, de captação da água da chuva. Toda a água que atinge o pátio da empresa é direcionada a valetas cavadas entre as árvores.

“Aprendi que o que faz com que o ar se torne mais fresco é água, e a única coisa que segura água no ar de forma natural é árvore. Então, se as pessoas querem um ambiente mais úmido, com mais qualidade de vida, têm que plantar árvores”, disse.

Osvaldo conta ainda que sempre mantém mudas para doar a pessoas que o procuram e que é possível entrar em contato pela página da chácara no Facebook. “Meu interesse é estimular o debate sobre o assunto, fazer com que as pessoas gostem da ideia e também plantem árvores, melhorando a qualidade do meio ambiente”, disse.

Apesar de exemplos como o de Osvaldo, pesquisa recente conduzida pela Universidade de Yale, em Connecticut, nos Estados Unidos, mostrou que o número total de árvores no planeta caiu 46% desde o princípio da civilização. O estudo indica que há mais de 3 trilhões de árvores em todo o mundo. Pesquisadores de 15 países colaboraram com o estudo, que foi publicado na revista Nature.

As maiores densidades foram encontradas nas florestas boreais, onde estão 24% (740 bilhões) das árvores do planeta, como as regiões subárticas: Rússia, Escandinávia e América do Norte. Mas as maiores áreas florestais, segundo o estudo, ficam nos trópicos, com 43% (1,39 trilhão) das árvores. Mais 22% (610 bilhões) estão em zonas temperadas.

Os pesquisadores descobriram que o clima pode ajudar a prever a densidade de árvores na maioria dos biomas. De acordo com o levantamento, nas zonas mais úmidas, por exemplo, mais árvores são capazes de crescer. No entanto, os efeitos positivos da umidade foram invertidos em algumas regiões, porque as pessoas normalmente preferem as áreas úmidas para se instalar porque são produtivas para a agricultura.

O estudo mostrou também que a densidade de árvores geralmente cai com o aumento da população e que o desmatamento, as mudanças no uso da terra e o manejo florestal são responsáveis por uma perda de mais de 15 bilhões de árvores a cada ano.

Edição: Graça Adjuto
Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br/
 
 
 Xbox App para Windows 10 ganha novidades e programa de preview
O Xbox App para Windows 10 recebeu atualização que adicionou no aplicativo muitas funções requisitadas pelos usuários, entre elas a capacidade de ver o que seus amigos estão jogando em tempo real e digitar texto. Além disso, a Microsoft também iniciou um programa de preview, semelhante ao do Xbox One, para jogadores se inscreverem e testarem as novidades.
Confira cinco ótimos motivos para você amar o seu Xbox One
A atualização de setembro para o Xbox App trouxe funções muito úteis, como uma lista de seus amigos online completa com o que eles estão fazendo, o progresso em jogos e capacidade de comparar como você está em relação a eles. 
Um dos recursos mais pedidos, no entanto, era a possibilidade de digitar no App. A partir de um PC ou Tablet com o Xbox App será possível teclar diretamente no console, para buscas ou chat.
O programa de preview será semelhante ao do Xbox One e garantirá que usuários recebam uma versão beta do Xbox App com funções que ainda serão lançadas, para experimentarem e fornecer feedback à empresa. A primeira versão beta do Xbox App para participantes do programa será lançada no final de setembro.
 
 
 Este top de linha vai rodar com Android e Windows 10! Conheça a nova aposta dual-boot
Windows Phone (ou agora apenas Windows 10) é em si um sistema operacional interessante. Contudo, abrir mão do Android e comprar um dispositivo que rode exclusivamente o sistema da Microsoft é inimaginável para alguns usuários. Finalmente, uma fabricante decidiu apostar num meio-termo premium.
O Elephone Vowey será um smartphone high end como sistema dual boot (ao menos é o que promete a fabricante chinesa). Vamos aos fatos até agora conhecidos: o Elephone Vowey deve chegar em duas variantes com hardwares diferentes.
O modelo mais potente virá com 3 GB de memória RAM, 5,5 polegadas de tela 2K (densidade de 535 ppp), 64 GB de armazenamento interno e entrada para microSD. Além disso, sua câmera traseira será de 21 megapixels com flash duplo, seu sensor frontal terá 8MP, a bateria contará com impressionantes 4.000 mAh, e o dispositivo ainda terá integrado um escâner de impressão digital. O procesador dessa versão será um Octa-Core da MediaTek (MTK6795) com tecnologia de 64 bits. Seu preço inicial será de 299 dólares. Se esse preço se confirmar, pode valer a pena importar o Elephone Vowey.
Mas o que chama mais a atenção no dispositivo é obviamente sua opção de dual-boot. Ainda não existem informações sobre o lançamento dessa variante. A Elephone ainda não a disponibilizou na lista de produtos do seu site. Contudo, a companhia já anunciou o aparelho, que deve rodar com Android 5.1 ou com Windows 10.
Essa seria a opção ideal para quem não deseja abandonar o Android mas se mostra curioso a respeito do sistema operacional da Microsoft. Resta saber quão boa será a experiência de usuário no top de linha dual-boot.
 
 
 Skype para Windows 10 Mobile recebe atualização com novas opções de configuração
O Skype, tanto na sua versão para Windows Phone 8.1 quanto para Windows 10 Mobile, é o mais novo na lista de atualizações de aplicativos da Microsoft. Enquanto não há nada de novo para relatar na versão Windows Phone 8.1, há algumas mudanças interessantes para o Windows 10 versão Mobile.
As mudanças que merecem algum destaque são principalmente a respeito de algumas novas opções. Para os usuários que estão testando o novo Messaging Skype e Video preview, há agora uma opção para tornar o aplicativo Skype como padrão. Isso pode ser bem útil se o usuário quiser usar como padrão toda a experiência completa do serviço em um único app.
Além disso, estão presentes outras duas novas opções de configuração que permitem que os usuários possam sincronizar contatos com o app People e alternar as notificações de chamadas Skype, respectivamente.
O Skype recentemente tem inovado ao implementar os 'Mojis, as novas formas de interagir com os amigos na aplicação, através de GIFs animados de seus filmes e programas de TV favoritos. Segundo a Microsoft, os Mojis incluem amostras de filmes populares como Jurassic Park.
Os que desejam instalar o serviço em sua nova versão para dispositivos que rodam o sistema da Microsoft já podem acessar a página do Skype para Windows Phone na Windows Store.
 
 
 7 recursos interessantes do Windows 10 que quase passam despercebidos
Diferente de outros sistemas operacionais, o Windows não ganha novas versões o tempo todo — pelo menos não até agora, quando a Microsoft pretende adotar um novo esquema de distribuição de atualizações que devem ser menores e mais constantes.
Então, quando um novo Windows chega, é sempre aquela correria para encontrar as principais novidades do sistema. Desta vez, muita coisa mudou e está visível logo de cara, como novos detalhes visuais, o retorno do Menu Iniciar, um novo navegador, novo player de música e por aí vai.
Porém, por outro lado, há sempre aquelas novidades que não ganham tanto destaque e passam quase sem serem percebidas pela maior parte do público. Nós selecionamos alguns desses recursos que podem ser bem valiosos para um determinado público, mas que não receberam tanta propaganda da Microsoft.
Confira:
1. Captura nativa de vídeos da Área de Trabalho
Uma das novidades mais legais do Windows 10 é a possibilidade de capturar vídeos para fazer fins de gameplay. A partir de agora, o sistema operacional da Microsoft conta com uma ferramenta nativa para isso, que é acionada por meio de um atalho do teclado e é bem fácil de ser usada.
Apesar do foco da novidade ser a gravação de suas jogatinas, você pode utilizá-la para capturar basicamente qualquer coisa a partir da Área de Trabalho. Isso significa que você conta com um ótimo auxiliar para criar tutoriais em vídeo, por exemplo, com qualidade e precisão.
Para acionar a ferramenta de captura de vídeo, utilize o atalho Tecla do Windows + G. Aguarde alguns instantes até que uma pequena janelinha apareça em seu monitor, então marque a opção “Sim, isso é um jogo”.Depois disso, uma nova barra aparece em sua tela:
Esta é a barra de jogos do Windows, por meio da qual você pode capturar imagens estáticas (os famosos screenshots), bem como criar vídeos. Agora, é só usar a imaginação e gravar o que quiser.
2. Edição de fotos nativa
Às vezes, o máximo de edição que você quer fazer em uma imagem é apenas realizar alguns retoques e ajustes. O brilho não está ideal, o contraste poderia ser melhor, aqueles olhos vermelhos não estão legais ou, em tempos de redes sociais, alguns filtros e efeitos cairiam muito bem.
Até o Windows 8.1, para fazer isso você precisaria baixar algum programa de terceiros. As opções são bem variadas e qualificadas, então isso não era exatamente um problema, mas não deixava de ser inconveniente, afinal você precisaria fazer o download e a instalação de um novo programa.
No Windows 10, isso não é necessário. O novo visualizador de fotos do Windows traz um editor embutido de forma nativa. Para isso, basta abrir a imagem e clicar sobre o botão cujo ícone é um lápis, presente no canto superior direito da tela.
Depois, novas ferramentas aparecem à sua disposição. Você pode controlar cor e luminosidade, aplicar correções básicas ou aprimorar de forma automática, retocar, remover olhos vermelhos, recortar, girar ou endireitar uma imagem. Além disso, filtros e efeitos também estão ali, então deixe suas fotos ainda mais belas.
3. Acesso rápido a partir da barra de ferramentas
Esta não é uma das funções mais bonitas do ponto de vista estético, mas não deixa de ser um ganho em praticidade. No Windows 10, é possível adicionar inúmeros atalhos diretamente à barra de ferramentas, tornando mais prático o acesso a páginas da web e a recursos do sistema.
Clique com o botão direito do mouse sobre a barra de ferramentas, vá em “Barras de Ferramentas” e escolha uma das funções para adicionar a ela.
As opções são:
Endereço – Campo de endereço no qual você pode digitar a URL de um site da web ou então o caminho para uma pasta ou arquivo do sistema;
Links – Uma espécie de menu de favoritos ao qual você adiciona links para páginas da internet. É um jeito fácil e prático para reunir os sites mais acessados;
Área de trabalho – Atalho direto para a Área de trabalho com acesso a todos os ícones e arquivos presentes nela.
Eventualmente, alguns programas também podem figurar como opções ali — como é o caso do iTunes na imagem acima. Escolha as opções mais desejadas e torne o sistema ainda mais acessível e controlável sem muito esforço.
4. Suporte aprimorado e nativo para fontes especiais
O Windows trazia muitos problemas para quem precisava usar idiomas com caracteres especiais, como chineses, armênios ou árabes. A partir de agora, esse suporte nativo foi aprimorado e está mais funcional, permitindo a você adicionar e utilizar idiomas sem grandes dificuldades.
Para isso, siga o caminho Menu Iniciar > Configurações > Hora e idioma > Região e idioma para chegar à tela abaixo:Ali, basta adicionar um novo idioma que o sistema irá reconhecer e carregá-lo de forma precisa. Note que é possível definir um idioma exclusivo para a sua conta de usuário, mantendo o sistema organizado e funcional mesmo quando ele é compartilhado com mais de uma pessoa.
5. Impressão para documento PDF
Recurso já antigo em distribuições Linux, a possibilidade de imprimir para PDF finalmente chegou ao Windows de forma nativa. Agora, em qualquer programa rodando dentro do sistema operacional é possível imprimi-lo virtualmente, transformando-o em um documento PDF.
Para tal, abra a função imprimir em um aplicativo e selecione a opção “Microsoft Print to PDF”. Depois é só clicar em “OK” e mandar ver, em instantes um arquivo PDF estará à sua disposição.Tal função é bastante valiosa em diversos momentos distintos, como para salvar um boleto bancário para imprimi-lo posteriormente (ou mesmo para pagamento digital), bem como para transformar um arquivo do Word ou Excel em PDF sem precisar de um conversor ou algo do gênero.
6. Compartilhamento de imagens nas redes sociais
Todo mundo posta coisas nas redes sociais, especialmente fotos. O Windows conta com versões oficiais de aplicativos do Facebook e do Twitter, por exemplo, e também oferece um recurso que facilita o envio de suas fotos para essas plataformas - ou mesmo o compartilhamento via e-mail.
Quando você abre uma imagem no PC, basta usar o atalho Tecla do Windows + H para abrir o menu de compartilhamento. Ali, é só selecionar qual aplicativo você vai usar (lembre-se de que o app deve estar instalado no seu computador) e prosseguir com o compartilhamento.
7. Downgrade para Windows 7 ou 8/8.1
Rejeição é algo relativamente comum quando um sistema operacional ganha uma versão nova. Assim, quem fez a atualização gratuita para o Windows 10 pode se arrepender da ação e retornar o sistema à versão anterior, seja ela o Windows 7 ou 8/8.1. Isso funciona de um jeito simples: siga o caminho Menu Iniciar > Configurações > Atualização e segurança > Recuperação e utilize a opção “Voltar para o Windows 8.1”.O processo leva algum tempo para ser concluído e, então, você tem seu computador com a versão anterior do sistema da Microsoft.
Tem algum outro recurso discreto do Windows 10 que você quer compartilhar com o mundo? Então não deixe de registrar sua opinião nos comentários aqui embaixo.
 
 
 Lista com as mudanças no Windows 10 Build 10540 vaza na Web
O grupo russo Wzor divulgou nesta semana a documentação contendo uma lista com as mudanças no Windows 10 build 10540. Esta documentação foi disponibilizada pela Microsoft apenas para seus parceiros, já que eles recebem novos builds com maior frequência dos que os participantes no Windows Insider Program.
Mudanças no Windows 10 build 10540
Além das correções de bugs, a documentação mostra que o Windows 10 build 10540 traz suporte para Jump Lists em aplicativos da Windows Store.
No caso do navegador Microsoft Edge, ele recebeu uma nova user-agent string:
Mozilla/5.0 (Windows NT 10.0; Win64; x64) AppleWebKit/537.36 (KHTML, Gecko) Chrome/46.0.2486.0 Safari/537.36 Edge/13.10528
Um detalhe sobre específico sobre o Windows 10 build 10540 é que não é possível criar um pendrive bootável caso ele esteja formatado em FAT32. Isto ocorre porque o tamanho do arquivo Install.wim é maior do que o tamanho máximo suportado por este sistema de arquivos.
Windows 10
O Windows 10 foi lançado oficialmente no dia 29 de julho e entre as novidades trazidas pelo sistema operacional estão o novo menu Iniciar, a assistente pessoal Cortana*, o novo navegador Microsoft Edge, novos aplicativos do Office otimizados parta uso com telas sensíveis ao toque, Xbox LIVE e aplicativo Xbox e novos aplicativos universais Fotos, Vídeos, Música, Mapas, Pessoas, Email e Calendário.
*Disponibilidade na época do lançamento varia dependendo da região.
Além disso, o sistema operacional trouxe o modo Continuum, a nova Windows Store unificada e o sistema de autenticação biométrica Windows Hello.
O modo Continuum foi criado para uso em aparelhos híbridos que combinam tablet e notebook. Com este modo o usuário pode alternar facilmente entre o uso do híbrido como tablet e como notebook, basicamente combinando a simplicidade do tablet com a experiência de uso tradicional.
Em smartphones e tablets pequenos, o modo Continuum permitirá que os usuários conectem teclados sem fio e monitores para maior produtividade. Basicamente, o smartphone se transforma em um PC.
Artigos Relacionados Microsoft lança o app Translator 10 Beta para Windows 10 e Windows 10 Mobile eBook gratuito: Criando um espaço de trabalho do Windows To Go com o Windows 10 Toshiba lança o híbrido Satellite Click 10 Imagens do Windows 10 build 10537 Windows 10 build 10537 vaza na Web Microsoft confirma suporte para tab preview no Microsoft Edge Como salvar em PDF no Windows 10 sem software adicional Detalhes da atualização de novembro do Xbox One.
 
 
 Windows 10 já está próximo de ultrapassar o Windows 8.1 em cota de mercado
Windows 10 está muito perto de alcançar 100 milhões de instalações, um número realmente expressivo, considerando que está no mercado há apenas um mês. E esses números também indicam que as versões anteriores do sistema da Microsoft estão cedendo lugar, fato corroborado pelos dados da AdDuplex.
No início do mês outra empresa de análises, a StatCounter, apontou que o mais novo sistema operacional da gigante de Redmond já acumulava uma cota de mercado de 5,21 por cento. Diante do fato de que muitas dessas instalações estão sendo realizadas em equipamentos com as versões 7 e 8/8.1, era inevitável que o Windows 10 encostasse e até ultrapassasse os antecessores. E é exatamente isso o que está acontecendo, pelo menos em relação ao Windows 8/8.1.
O Windows 10 está muito próximo em cota de mercado em relação ao antecessor. Especificamente, são 39% contra 61% quando analisados todos os equipamentos com alguma versão do sistema operacional, subindo para 41,2% contra 58,8% quando não são contados os equipamentos com Windows RT (que não terão a atualização).
Um dado importante que ainda não temos acesso é se a venda de novos equipamentos aumentou após o lançamento do Windows 10, ajudando a recuperar um pouco o mercado de computadores, algo que já aconteceu em lançamentos de versões anteriores do Windows.
De qualquer forma, o novo sistema da Microsoft é um sucesso inegável e tem tudo para alcançar o objetivo da Microsoft de estar presente com o Windows 10 em 1 bilhão de equipamentos dentro de 2 ou 3 anos. Lembrando que a atualização gratuita garantida para usuários do Windows 7/8/8.1 é uma grande ajuda nesse sentido.
 
 
 Windows 10, descubra quais programas e apps ocupam espaço no HD
O Windows 10, novo sistema operacional da Microsoft, ajuda o usuário a descobrir quais programas ou aplicativos estão ocupando espaço o armazenamento do computador. Dessa forma, é possível desinstalar os softwares que não precisar mais.
Como ativar ou desativar o corretor ortográfico do Windows 10
Confira como acessar os filtros do sistema, encontrar os apps que estão lotando o armazenamento e disponibilizar espaço no HD do computador. O processo é simples e rápido. Ao final da ação, confira quantos megabytes serão liberados.

Passo 1. Clique no Menu Iniciar e selecione “Configurações”;
Passo 2. Em seguida, selecione o botão de “Sistema”;
Passo 3. Selecione o item “Aplicativos e recursos” no menu lateral e aguarde todos os programas carregarem na tela;
Passo 4. No topo estão filtros para exibir os programas e apps: é possível buscar por um app determinado, filtrar por tamanho, nome ou data de instalação, além de escolher a unidade de disco para a pesquisa;
Passo 5. O ideal é marcar a classificação por “Tamanho” no filtro. Dessa forma serão exibidos os programas pelo espaço que ocupam no HD, do maior para o menor. Role a tela e veja quais programas estão lotando seu computador.

Pronto, agora basta deletar os itens que não precisar e conferir quanto espaço será disponibilizado após a ação. Para ajudar, confira uma lista de programas para fazer uma limpeza no PC.
 
 
 Dez coisas que você precisa saber sobre o fim do suporte ao Windows XP e mudança para Windows 10
O suporte ao Windows XP termina no dia 8 de abril. Isso significa que o sistema operacional da Microsoft não receberá mais atualizações de proteção ou correções de falhas de segurança no código do sistema. Isso expõe seu PC a riscos - é preciso decidir se quer manter o sistema antigo funcionando ou atualizá-lo para uma versão mais recente.
Antes, duas perguntas básicas sobre o fim do suporte ao Windows XP precisam ser respondidas:
Por quê?
Em 2002, a Microsoft apresentou a chamada política de Ciclo de Vida do Suporte, que prevê que os produtos para empresas e desenvolvedores Microsoft, incluindo produtos Windows e Office, receberão um mínimo de dez anos de suporte (cinco anos de suporte base e cinco anos de suporte estendido). Portanto, este é um passo previsto no ciclo de vida do produto.
O que isso significa?
Depois de 8 de abril de 2014, não haverá mais atualizações de segurança, hotfixes, opções gratuitas ou pagas de suporte assistido e atualizações de conteúdo técnico online, informa a Microsoft.
Mas será que é só isso? Veja outros dez fatos que você precisa saber sobre o assunto.
1) O Windows XP continua funcionando
Na prática, tudo continua igual depois do dia 8 de abril. O usuário vai receber uma notificação mensal sugerindo que troque de sistema operacional. Mas tenha em mente que o Microsoft Security Essentials não será mais atualizado, aumentando os riscos de segurança do computador.
2) A atualização não será fácil
Migrar para o Windows 8.1 a partir do XP não será simples. O usuário vai precisar fazer um backup dos seus dados, já que a instalação precisa ser “limpa” e não recupera seus arquivos automaticamente. 
Além disso, se escolher o caminho da compra de arquivo digital na Microsoft Store, vai precisar migrar primeiro para o Windows 8 e, em seguida, fazer uma atualização gratuita para o Windows 8.1. Provavelmente, alguns computadores jurássicos de 13 anos não irão suportar o novo Windows. Cheque sempre os requisitos do sistema. Quem sabe não é hora de comprar um computador novo?
3) Com um pouco de sorte, comece pelo Windows 7
Se você ainda não foi com a cara do Windows 8.1, com a nova interface Modern, pode tentar a sorte e comprar um DVD com o Windows 7 para fazer a migração parcial para um sistema mais novo. Porém, os usuários não vão conseguir fazer isso pela loja online da Microsoft. Assim como a versão 8.1, a instalação do Windows 7 também precisa ser limpa, então, será preciso fazer um backup completo.
4) Adeus, Security Essentials
O Microsoft Security Essentials é o antimalware do próprio Windows XP. Se você já tem o software instalado, vai continuar recebendo atualizações até dia 14 de julho de 2015. Mas não fique achando que está plenamente protegido: a Microsoft vai parar de corrigir falhas de segurança do XP e o internauta ficará por sua própria conta e risco. Portanto, usar um computador com o XP para acessar a internet será uma opção arriscada.
5) O Modo XP no Windows 7 também acaba
Se você era um dos saudosistas que usava o Modo XP para fazer seu Windows 7 se comportar como o sistema mais antigo, saiba que o suporte a esta funcionalidade acaba também no próximo 8 de abril.
6) Adeus, Office e Exchange 2003
O suporte ao Office 2003 e ao Exchange 2003 também será encerrado na mesma data. Assim como o Windows XP, estes dois pacotes continuarão funcionando mas não terão mais atualizações de segurança, o que aumenta os riscos de invasão.
7) Tente primeiro uma limpeza de disco
Lembra quando os HDs tinham pouco espaço? Pois é, um disco rígido maior é uma das primeiras providências a serem tomadas para instalar um novo sistema operacional da Microsoft, pois as versões mais recentes do Windows são mais pesadas. Se preferir, use um programa como o CCleaner para ajudar a liberar espaço.
8) Não arranquem os cabelos, pequenos e médios empresários
Se você tem uma pequena ou média empresa com alguns computadores que ainda rodam o XP, deve estar em pânico. Além de trazer riscos para a segurança, ficar com o XP pode ser uma má ideia, financeiramente falando. Um estudo da Microsoft estima que, para usuários corporativos, o custo de suporte dos computadores mais antigos com XP é US$ 701 (R$ 1584) maior do que com o Windows 7. Não se preocupe – a Microsoft tem uma seção especial no site para ajudar a migração.
9) Mude de navegador
Casa de ferreiro, espeto de pau. Se escolher continuar com o Windows XP, não use o Internet Explorer, já que o navegador também não receberá mais atualizações para este sistema operacional. Escolha um outro browser como o Google Chrome (que terá suporte pelo menos até 2015) ou o Opera (que não tem planos de terminar o suporte para XP).
10) Você vai precisar de um antivírus novo
Instalar um antivírus é uma solução alternativa para contornar o fim do Microsoft Security Essentials. A consultoria independente AV Test listou os antivírus que continuarão a receber atualizações para o Windows XP. Instale-os sem medo. Entre eles estão os populares AVG, Avast e McAfee.
 
 
 Microsoft permite usar o Edge como ferramenta
Vimos ainda hoje (19/09) que a Microsoft inseriu a possibilidade de visualizar suas gravações de chamadas diretamente no app Gravador de Voz do Windows 10 Mobile, indicando assim que o recurso pode de fato estar prestes a chegar à plataforma. Mais interessante, entretanto, foi o meio disponibilizado para que esta função pudesse ser acessada, pois é necessário ir até o navegador Microsoft Edge e digitar o comando "ms-callrecording:".
Caso você conheça algumas ferramentas do Windows, certamente conhece o "executar", sendo ele uma útil caixa de texto onde podem ser digitados comandos para acessar diversos setores do sistema. Ao que parece a Microsoft está disposta a inserir algo semelhante no Windows 10 Mobile, pois o tipo de comando utilizado para abrir o Gravador de Voz é basicamente o mesmo que temos na plataforma para desktops há anos.
Devido a isto, é possível abrir outros aplicativos apenas sabendo o "nome real" do mesmo, algo que em alguns casos deve ser bastante complicado. Para quem quiser realizar o teste, basta digitar comandos já conhecidos como "ms-word:", "ms-excel:" ou "ms-powerpoint:" para abrir os aplicativos correspondentes da suíte Office. Caso o app digitado não esteja instalado no aparelho, será aberta uma janela perguntando se o usuário deseja ir até a loja para procurar por ele, o que demonstra um pouco do uso que a ferramenta pode ter no futuro.
A Microsoft ainda não se pronunciou oficialmente sobre a chegada desta novidade ao Edge, logo não é possível sabermos ainda qual é o real potencial para ela, restando aguardarmos que desenvolvedores comecem a testá-la para realizar alterações mais profundas na plataforma e ver assim até onde ela pode chegar. Ainda que seja possível apenas abrir apps, isto já é algo bastante interessante, pois facilitará o acesso aos mesmos durante a navegação em sites, evitando que seja preciso voltar à tela inicial ou à lista de aplicativos do sistema para isso.
E você, descobriu o nome de algum outro aplicativo? Deixe-nos seu comentário abaixo para que outros usuários possam utilizar o Edge para abri-los de maneira mais rápida durante a navegação.
 
 
 Gravação de chamadas do Windows 10 Mobile aparece agora no app Gravador de Voz
Recentemente vimos que a possibilidade de gravar ligações chegará ao Windows 10 Mobile por meio do novo aplicativo Telefone integrado ao Skype, algo que irá agradar muitos usuários ao mesmo tempo que levanta inúmeras questões sobre privacidade e segurança de dados. Até o momento, entretanto, não tínhamos muitas informações sobre como seria feito para que estas conversas gravadas pudessem ser ouvidas pelo usuário, sendo apenas exibida a pasta em que ela seria salva de maneira padrão.
Na época, foi mostrado que o aplicativo nativo gravador de voz do Windows 10 Mobile seria utilizado como um meio de organizar as gravações feitas no dispositivo, permitindo que você visualize todos os arquivos de maneira bastante clara, podendo até mesmo acessar o local em que ele estivesse armazenado. Ao que parece, a Microsoft já adicionou o recurso de visualizar as gravações de chamadas feitas, pois já é possível acessar a página equivalente no app desde a última atualização liberada para ele recentemente.
Como esta função ainda não foi disponibilizada oficialmente a companhia decidiu por mantê-la oculta por padrão, sendo necessário abrir o navegador Edge e digitar o comando "ms-callrecording:", sem as aspas. Vale notar que isto nos indica também que o novo browser do sistema pode ser utilizado da mesma forma que a ferramenta "executar" presente nos desktops, algo que pode ser explorado profundamente no futuro e se tornar uma ótima opção caso receba a devida atenção.
Como a Microsoft não se pronunciou oficialmente sobre o assunto até o momento, não há como sabermos exatamente como a empresa planeja disponibilizar a gravação de chamadas em seus dispositivos, sendo necessário aguardarmos para vermos quais restrições serão utilizadas em prol de garantir a privacidade de ambos os envolvidos e também a segurança dos dados obtidos.
Caso você não tenha recebido a atualização para o Gravador de Voz, basta acessar diretamente a Windows Store com o seu dispositivo e realizar o download, lembrando que ele é compatível apenas com modelos que estejam utilizando o Windows 10 Mobile.
 
 
 2 anos de Mais Médicos: ministro diz que Brasil trará estrangeiros até 2026
Estrangeiros começaram a atender nas cidades em setembro de 2013.
G1 visitou cidades onde faltavam médicos para verificar se situação mudou.

Há dois anos, os primeiros estrangeiros bolsistas do Mais Médicos começaram a chegar aos municípios onde atuariam. O programa federal propunha aumentar o número de médicos atuando na rede de atenção básica do Sistema Único de Súde (SUS) em regiões carentes desses profissionais.

Anunciado no dia 8 de julho de 2013, o programa previa inicialmente a criação de 10 mil novos postos de trabalho para médicos. Os primeiros estrangeiros recrutados pelo governo começaram a atender a partir de 23 de setembro e a lei do Mais Médicos foi promulgada em 22 de outubro daquele ano.
Hoje, há 18.240 médicos atuando no programa, sendo 11.429 cubanos contratados via convênio com a Organização Pan-americana da Saúde (Opas), 1.537 formados no exterior e 5.274 brasileiros.
Em entrevista ao G1, o ministro da Saúde, Arthur Chioro, diz ter a expectativa de que o país deixe de depender de médicos estrangeiros em 2026, quando devem ter concluído a residência as primeiras turmas formadas em cursos já adaptados às mudanças estabelecidas pelo programa, que visam a priorizar a formação generalista para atuação na atenção básica.

Dois anos depois do início do programa, há cidades no Brasil que passaram a ter, pela primeira vez, um médico do SUS residindo e atendendo no local. Em outras regiões, a presença dos bolsistas não proporcionou uma melhora perceptível do atendimento, segundo a população. Mesmo em localidades em que os moradores comemoram a chegada dos médicos do programa, a falta de medicamentos e estrutura para exames continua comprometendo a qualidade do atendimento.
O G1 revisitou cidades em todas as cinco regiões do Brasil que, em 2013, apresentavam problemas devido à falta de médicos e questionou a população e os profissionais do Mais Médicos sobre como o programa impactou a saúde dos moradores da região.

Programa chegou a 73% dos municípios
No início do programa, 700 municípios brasileiros não tinham nenhum médico na rede pública, segundo estimativa apresentada na época pela ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti. O Ministério da Saúde não soube informar se continua havendo municípios sem médicos no país, apenas que os integrantes do programa chegaram a 4.058 municípios, 73% do total de cidades brasileiras. "Não obrigamos ninguém a aderir ao Mais Médicos, foi uma adesão voluntária", disse o ministro.


Municípios falhavam em fixar médicos
Um dos problemas relatados por municípios do interior dos estados era a falta de interesse dos médicos em viver na cidade e lá atender com exclusividade. "Havia uma desistência dos médicos, que ficavam pouco tempo na cidade. A maioria tinha que voltar para a capital ou atender em outros municípios. Com o programa Mais Médicos, os profissionais passaram a residir na cidade", diz o prefeito de Careiro Castanho, no Amazonas, Hamilton Alves Villar.
Com o programa, a moradora de Careiro Castanho Gelcilane Nascimento Paiva, de 39 anos, pôde fazer seu pré-natal de gravidez de risco perto de casa. Se não fosse por isso, teria de ter enfrentado mensalmente mais de 40 km de rios e estradas para comparecer às consultas.

Sobre a dificuldade que os municípios tinham de fixar médicos antes do programa federal, o vice-presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Mauro Ribeiro, observa que o médico é um profissional que, como outro qualquer, tem seu interesse regulado pelo mercado. “Nesses locais onde o mercado não permite ao médico ter renda suficiente para sustentar sua família, defendemos que o estado brasileiro, através do governo, faça a mesma coisa que faz para promotores e juízes: uma carreira de estado.”

Antes carente de profissionais para a atenção básica, Cachoreiro de Itapemirim, no Espírito Santo, foi uma das cidades beneficiadas pelo programa. Hoje, o pastor Geilson Meireles, que vive no distrito de Pacotuba, não precisa andar grandes distâncias para levar a filha ao médico. "O médico está sempre aqui, em horário integral e isso nos dá um conforto, uma tranquilidade, em saber que a gente pode chegar a qualquer momento e ser atendido. Antes, tínhamos essa dificuldade."
Em Roraima, a Comunidade Indígena Malacacheta deixou de depender da capital, Boa Vista, para atendimentos médicos básicos com a vinda do cubano Ricardo Viota. "Ajudou muito. Nossa população vem crescendo e em Boa Vista não é diferente, onde os hospitais estão sempre lotados. Com o médico na comunidade, as doenças mais simples podem ser tratadas por aqui", disse o líder indígena Simeão Mecias.

Muito crítico ao programa Mais Médicos, o CFM defende que a solução para atrair médicos para as regiões mais distantes do país seria criar um plano de carreira atrativo ao qual os médicos poderiam se candidatar por meio de concurso, em vez de trazer médicos estrangeiros ao país.
Para médicos, estrutura é maior problema
Um dos problemas relatados por médicos do programa federal ouvidos pelo G1 foi a falta de medicamentos e de estrutura para atender os pacientes de forma adequada. O casal de cubanos Osmayki Martin Junco e Arianna Mallea Garcia, que chegou ao Brasil em 2013 para trabalhar em Cocal, no Piauí, conta que até os exames mais simples precisam ser feitos na cidade mais próxima, que fica a 64 km.

O médico espanhol Rafael de Quinta Frutos, que chegou em 2013 à Baía da Traição, na Paraíba, vive uma situação parecida. Ele descreveu a infraestrutura do local onde atende como precária. "Na Espanha, eu só pegava na caneta para assinar, era tudo no computador. Não era necessário nem imprimir a receita, ela ficava registrada no cartão do ‘SUS’ de lá. Aqui não tem nem computador." Outra queixa foi a falta de remédios.
Segundo o ministro Arthur Chioro, o Mais Médicos também tem a meta de melhorar a infraestrutura da saúde básica. O plano é construir ou reformar 26 mil unidades básicas de saúde, das quais 11 mil já estão concluídas. Ao todo, o país tem 40 mil unidades desse tipo.


18/09/2015 07h18 - Atualizado em 18/09/2015 07h39
2 anos de Mais Médicos: ministro diz que Brasil trará estrangeiros até 2026
Estrangeiros começaram a atender nas cidades em setembro de 2013.
G1 visitou cidades onde faltavam médicos para verificar se situação mudou.
Mariana Lenharo
Do G1, em São Paulo*
FACEBOOK
 Gelcilane agradeceu atenção do médico cubano durante o pré-natal da filha Laura Nascimento (Foto: Adneison Severiano/G1 AM)
Gelcilane agradeceu atenção do médico cubano durante o pré-natal da filha Laura Nascimento, no município de Careiro Castanho, no Amazonas (Foto: Adneison Severiano/G1 AM)
Há dois anos, os primeiros estrangeiros bolsistas do Mais Médicos começaram a chegar aos municípios onde atuariam. O programa federal propunha aumentar o número de médicos atuando na rede de atenção básica do Sistema Único de Súde (SUS) em regiões carentes desses profissionais.
Mais Médicos - Selo 1  (Foto: G1)
Anunciado no dia 8 de julho de 2013, o programa previa inicialmente a criação de 10 mil novos postos de trabalho para médicos. Os primeiros estrangeiros recrutados pelo governo começaram a atender a partir de 23 de setembro e a lei do Mais Médicos foi promulgada em 22 de outubro daquele ano.
Hoje, há 18.240 médicos atuando no programa, sendo 11.429 cubanos contratados via convênio com a Organização Pan-americana da Saúde (Opas), 1.537 formados no exterior e 5.274 brasileiros.
Em entrevista ao G1, o ministro da Saúde, Arthur Chioro, diz ter a expectativa de que o país deixe de depender de médicos estrangeiros em 2026, quando devem ter concluído a residência as primeiras turmas formadas em cursos já adaptados às mudanças estabelecidas pelo programa, que visam a priorizar a formação generalista para atuação na atenção básica.
 Mais Médicos - Selo3 (Foto: G1)
Dois anos depois do início do programa, há cidades no Brasil que passaram a ter, pela primeira vez, um médico do SUS residindo e atendendo no local. Em outras regiões, a presença dos bolsistas não proporcionou uma melhora perceptível do atendimento, segundo a população. Mesmo em localidades em que os moradores comemoram a chegada dos médicos do programa, a falta de medicamentos e estrutura para exames continua comprometendo a qualidade do atendimento.
O G1 revisitou cidades em todas as cinco regiões do Brasil que, em 2013, apresentavam problemas devido à falta de médicos e questionou a população e os profissionais do Mais Médicos sobre como o programa impactou a saúde dos moradores da região.
Programa chegou a 73% dos municípios
No início do programa, 700 municípios brasileiros não tinham nenhum médico na rede pública, segundo estimativa apresentada na época pela ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti. O Ministério da Saúde não soube informar se continua havendo municípios sem médicos no país, apenas que os integrantes do programa chegaram a 4.058 municípios, 73% do total de cidades brasileiras. "Não obrigamos ninguém a aderir ao Mais Médicos, foi uma adesão voluntária", disse o ministro.
Mais Médicos - Selo 2 (Foto: G1)
Antes carente de profissionais para a atenção básica, Cachoreiro de Itapemirim, no Espírito Santo, foi uma das cidades beneficiadas pelo programa. Hoje, o pastor Geilson Meireles, que vive no distrito de Pacotuba, não precisa andar grandes distâncias para levar a filha ao médico. "O médico está sempre aqui, em horário integral e isso nos dá um conforto, uma tranquilidade, em saber que a gente pode chegar a qualquer momento e ser atendido. Antes, tínhamos essa dificuldade."
Em Roraima, a Comunidade Indígena Malacacheta deixou de depender da capital, Boa Vista, para atendimentos médicos básicos com a vinda do cubano Ricardo Viota. "Ajudou muito. Nossa população vem crescendo e em Boa Vista não é diferente, onde os hospitais estão sempre lotados. Com o médico na comunidade, as doenças mais simples podem ser tratadas por aqui", disse o líder indígena Simeão Mecias.
Equipe médica da comunida indígena da Malacacheta (Foto: Valéria Oliveira/ G1)
Equipe médica da comunida indígena da Malacacheta, em Roraima (Foto: Valéria Oliveira/ G1)
Municípios falhavam em fixar médicos
Um dos problemas relatados por municípios do interior dos estados era a falta de interesse dos médicos em viver na cidade e lá atender com exclusividade. "Havia uma desistência dos médicos, que ficavam pouco tempo na cidade. A maioria tinha que voltar para a capital ou atender em outros municípios. Com o programa Mais Médicos, os profissionais passaram a residir na cidade", diz o prefeito de Careiro Castanho, no Amazonas, Hamilton Alves Villar.
Com o programa, a moradora de Careiro Castanho Gelcilane Nascimento Paiva, de 39 anos, pôde fazer seu pré-natal de gravidez de risco perto de casa. Se não fosse por isso, teria de ter enfrentado mensalmente mais de 40 km de rios e estradas para comparecer às consultas.
Sobre a dificuldade que os municípios tinham de fixar médicos antes do programa federal, o vice-presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Mauro Ribeiro, observa que o médico é um profissional que, como outro qualquer, tem seu interesse regulado pelo mercado. “Nesses locais onde o mercado não permite ao médico ter renda suficiente para sustentar sua família, defendemos que o estado brasileiro, através do governo, faça a mesma coisa que faz para promotores e juízes: uma carreira de estado.”
Osmayki Martin examina gestante em comunidade Olho D’Água em Cocal (Foto: Gilcilene Araújo/G1)
Osmayki Martin examina gestante em comunidade Olho D’Água em Cocal, no Piauí (Foto: Gilcilene Araújo/G1)
Muito crítico ao programa Mais Médicos, o CFM defende que a solução para atrair médicos para as regiões mais distantes do país seria criar um plano de carreira atrativo ao qual os médicos poderiam se candidatar por meio de concurso, em vez de trazer médicos estrangeiros ao país.
Para médicos, estrutura é maior problema
Um dos problemas relatados por médicos do programa federal ouvidos pelo G1 foi a falta de medicamentos e de estrutura para atender os pacientes de forma adequada. O casal de cubanos Osmayki Martin Junco e Arianna Mallea Garcia, que chegou ao Brasil em 2013 para trabalhar em Cocal, no Piauí, conta que até os exames mais simples precisam ser feitos na cidade mais próxima, que fica a 64 km.
Mais Médicos (Foto: G1)
O médico espanhol Rafael de Quinta Frutos, que chegou em 2013 à Baía da Traição, na Paraíba, vive uma situação parecida. Ele descreveu a infraestrutura do local onde atende como precária. "Na Espanha, eu só pegava na caneta para assinar, era tudo no computador. Não era necessário nem imprimir a receita, ela ficava registrada no cartão do ‘SUS’ de lá. Aqui não tem nem computador." Outra queixa foi a falta de remédios.
Segundo o ministro Arthur Chioro, o Mais Médicos também tem a meta de melhorar a infraestrutura da saúde básica. O plano é construir ou reformar 26 mil unidades básicas de saúde, das quais 11 mil já estão concluídas. Ao todo, o país tem 40 mil unidades desse tipo.
Ezequiel e Shiley com a filha Heloísa de 40 dias em um posto de saúde em Suzano (Foto: Douglas Pires / G1)
Ezequiel e Shiley com a filha Heloísa de 40 dias em um posto de saúde em Suzano, interior de São Paulo (Foto: Douglas Pires / G1)
A falta de estrutura de saúde no interior do país é um dos principais pontos criticados pelo CFM em relação ao Mais Médicos. "Não adianta querer interiorizar o médico, tem que interiorizar o sistema de saúde do qual o médico é apenas um componente. É preciso ter médico, enfermeiro, técnico de enfermagem, laboratório básico e uma estrutura mínima de atendimento de forma que possam ter resolutividade", diz Mauro Ribeiro.
População aprova, mas continua esperando por consultas
Nas cidades visitadas pelo G1, os pacientes atendidos pelos profissionais do Mais Médicos contaram estarem satisfeitos com a atenção recebida: eles citam um atendimento mais humanizado e mais cuidadoso do que aquele com que estavam acostumados. Porém, em muitas regiões, grande parte da população nunca teve a experiência de se consultar com um desses médicos e continua esperando muito tempo para conseguir uma consulta.
É a situação observada na periferia de Suzano, no interior de São Paulo, que desde 2013 tinha problemas com a falta de médicos. "Eu não sinto diferença nenhuma nestes últimos dois anos, com a implantação do Mais Médicos. (...) Eles [o posto] abrem a agenda para marcar consultas apenas uma vez por mês, isso quando abrem. Não podemos esperar tanto tempo para receber atendimento assim", diz o aposentado Francisco Lucas.

Em Goiânia, que enfrentava uma crise no atendimento básico no final de 2012, um clínico geral que não é do Mais Médicos e que atua em uma UBS da cidade disse que a chegada do programa "deu um fôlego" na atenção básica, já que os profissionais do programa ficam mais tempo nos postos. Mas isso não foi suficiente para eliminar as longas esperas dos pacientes.
A pensionista Almezina Santos Cabral, de 70 anos, está entre os pacientes que fazem uma peregrinação para conseguir atendimento. Com sintomas de depressão e precisando de uma cirurgia de hérnia, ela conta que estava há mais de um mês em busca de uma consulta com um clínico geral.
Outra cidade em que faltavam médicos antes do início do programa é Porto Velho, em Rondônia. Lá, o impacto do Mais Médicos não foi sentido por todos: o casal Max Ferreira e Alana de Souza, por exemplo, nem sabia sobre a existência do programa federal. Insatisfeitos com o SUS, resolveram migrar para o atendimento particular recentemente. A aposentada Arlete Viturini conta que continua esperando até 40 dias para conseguir ser atendida por um médico.
Mais Médicos determina mudanças em educação
Apesar de a importação de médicos estrangeiros ter sido o aspecto mais debatido na época do anúncio do programa (as entidades médicas brasileiras contestam o fato de os estrangeiros não terem de revalidar o diploma no país e criticam o regime de trabalho diferenciado dos profissionais cubanos), o Mais Médicos também determinou várias mudanças na educação médica no Brasil.


Além de propor o aumento de vagas de graduação em medicina e de residência médica, o programa determina a mudança do perfil dos cursos, que devem passar a priorizar a formação de médicos generalistas, voltados para a atenção básica em saúde, segundo Vinicius Ximenes Muricy da Rocha, médico sanitarista e diretor de Desenvovlimento da Educação em Saúde do Ministério da Educação (MEC). Ele observa que as mudanças têm o objetivo de que "todo médico brasileiro, independentemente de ser um superespecialista, tenha uma forte base de medicina geral".

Desde o início do programa, foram criadas 5.306 novas vagas de graduação em medicina, tanto em cursos privados e públicos já existentes quanto em 20 novos cursos em universidades federais que foram autorizados nesse período e já estão em funcionamento. Outros três cursos federais já foram autorizados, mas ainda não iniciaram as aulas.
Além disso, 36 municípios já foram selecionados para receber novos cursos privados de medicina. A previsão é que eles possam abrir vagas já em 2016. Outros 22 municípios pré-selecionados ainda passam por avaliação para verificar se têm estrutura adequada para receber os cursos.
As instituições devem oferecer 10% das vagas para alunos de baixa renda, que terão bolsa integral. Somado a outros programas do governo como o Prouni e o Fies, o benefício deve garantir que uma grande parcela dos estudantes venham de famílias mais pobres, segundo Rocha. Existe uma meta de que, até 2017, o programa tenha criado um total de 11,5 mil vagas de graduação.

Residência em saúde da família gera polêmica
Outra mudança determinada pelo programa foi tornar obrigatória para quase todos os formandos a residência em Medicina Geral de Família e Comunidade, cuja duração pode variar de um a dois anos dependendo da especialidade que será buscada pelo profissional posteriormente. A medida deve ser implementada em 2018, quando o programa espera ter criado 12,4 mil novas vagas de residência no país, e foi recebida com críticas pelo CFM.

O conselho avalia, segundo Mauro Ribeiro, que a medida tem o interesse de colocar o médico recém-formado na assistência e não priorizar o processo de ensino de qualidade.
Já o médico Roberto Queiroz Padilha, superintendente de Ensino do Hospital Sírio-Libanês, avalia que a mudança tende a ter resultados positivos. “A mudança de cenário, sair dos muros da escola para trabalhar com a realidade e, a partir dela, construir as competências que o médico deve ter para atender as necessidades da população, é uma mudança fundamental para a formação médica no Brasil.”
Estrangeiros até 2026
Chioro enfatiza que o principal objetivo do programa, a longo prazo, é que o país seja autossuficiente em profissionais com perfil voltado para atendimento em atenção básica. “Como demoram 6 anos para formar e mais 2 anos na residência, não podemos pensar que isso vá ocorrer antes da segunda metade de 2026”, disse o ministro, levando em conta que a obrigatoriedade da residência em Medicina Geral de Família e Comunidade passará a valer a partir de 2018.
Mesmo com o cenário de crise econômica, Chioro afirma que o programa não deve ser afetado. “A presidente diz o tempo inteiro a mim que não mexerá no programa Mais Médicos”, diz o ministro. “O programa mudou a história da atenção básica no Brasil. Pela primeira vez, atenção básica passou a ser ofertada em todo o país.”


Fonte: g1.globo
 
 
 Supremo proíbe doação de empresas para campanhas eleitorais
Dos 11 ministros, 8 entenderam que contribuição contraria Constituição.
Dilma terá de decidir se veta ou sanciona lei que libera doação a partidos.

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira (17), por 8 votos a 3, declarar inconstitucionais normas que permitem a empresas doar para campanhas eleitorais.
Com isso, perdem validade regras da atual legislação que permitem essas contribuições empresariais em eleições.
A decisão do STF não proíbe que pessoas físicas doem às campanhas. Pela lei, cada indivíduo pode contribuir com até 10% de seu rendimento no anterior ao pleito.

Ao final da sessão, o presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, afirmou que a decisão valerá já a partir das eleições de 2016 e não invalida eleições passadas (veja no vídeo acima).
A decisão também dá à presidente Dilma Rousseff respaldo para vetar trecho de uma proposta recém-aprovada pelo Congresso Nacional que permite a doação de empresas para partidos políticos.

Se a nova lei for sancionada sem vetos, outra ação poderá ser apresentada ao STF para invalidar o financiamento político por pessoas jurídicas.
No julgamento, votaram a favor da proibição o relator do caso, Luiz Fux, e os ministros Joaquim Barbosa, Dias Tofffoli e Luís Roberto Barroso (em dezembro de 2013); Marco Aurélio Mello e Ricardo Lewandowski (em abril do ano passado); além de Rosa Weber e Cármen Lúcia, que votaram nesta quinta.

A favor da manutenção das doações por empresas votaram somente Gilmar Mendes (em voto lido nesta quarta), Teori Zavascki, que já havia se manifestado em abril do ano passado, e Celso de Mello.

Na sessão desta quinta, Fux, como relator, relembrou seu entendimento sobre as doações por empresas, argumentando que a proibição levaria à maior igualdade na disputa eleitoral.
"Chegamos a um quadro absolutamente caótico, em que o poder econômico captura de maneira ilícita o poder político", afirmou na sessão.
Rosa Weber, por sua vez, argumentou que a influência do poder econômico compromete a "normalidade e a legitimidade das eleições".
"A influência do poder econômico culmina por transformar o processo eleitoral em jogo político de cartas marcadas, odiosa pantomima que faz do eleitor um fantoche, esboroando a um só tempo a cidadania, a democracia e a soberania popular", afirmou a ministra.

Ao votar, e citando a Constituição, Cármen Lúcia afirmou que o poder emana do povo. "Há uma influência que eu considero contrária à Constituição, é essa influência que desiguala não apenas os candidatos, mas desiguala até dentro dos partidos. Aquele que detém maior soma de recursos, é aquele que tem melhores contatos com empresas e representa esses interesses, e não o interesse de todo o povo, que seria o interesse legitimo", disse.

Apesar de já ter votado, Teori Zavascki complementou seu voto, no sentido de limitar as empresas que poderiam contribuir.
Para ele, deveriam ser impedidas aquelas que possuem contratos com a administração pública. Ele também propôs que, caso pudesse doar, a empresa escolhesse somente um dos candidatos que disputam determinado cargo.

Celso de Mello, o último a votar, entendeu, por sua vez, não haver incompatibilidade com a Constituição a doação por pessoa juridica, desde que não haja abuso de poder econômico.
Entendo que não contraria a Constituição o reconhecimento da possibilidade de pessoas jurídicas de direito privado contribuírem mediante doações para partidos políticos e candidatos, desde que sob sistema de efetivo controle que impeça o abuso do poder econômico", afirmou.
Nesta quarta, em longo voto, o ministro Gilmar Mendes se posicionou contra a proibição, argumentando que ela beneficiaria só o PT, prejudicando a disputa eleitoral. Ele argumentou que as doações privadas viabilizam uma efetiva competição eleitoral no país, já que, para ele, o PT não precisaria mais das contribuições, por ser financiado com desvio de dinheiro público.
Em nota, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcus Vinicius Furtado Coêlho, saudou a decisão do Supremo.
“A partir de agora, os mandatos dos políticos pertencerão efetivamente a seus eleitores, e as empresas poderão se dedicar integralmente àquilo que sabem fazer de melhor: gerar empregos para a população”, disse.


Nova lei
Na semana passada, a Câmara dos Deputados aprovou a permissão para que empresas doem a partidos políticos, porém não mais diretamente a candidatos, como atualmente.
Para valer e virar lei, no entanto, a regra ainda depende da sanção da presidente Dilma Rousseff.
A decisão do STF de derrubar as doações por empresas não afeta diretamente a permissão dada pelo Congresso, mas, na prática, deverá invalidá-la no futuro.
Se a permissão dada pelo Legislativo for sancionada por Dilma, bastará que outra ação seja impetrada no STF para derrubá-la com base no novo entendimento do tribunal.
De outro modo, a própria presidente poderá vetar o trecho que permite as doações empresariais, com base no entendimento dos ministros.
Atualmente, o financiamento de campanha no Brasil é público e privado. Políticos e partidos recebem dinheiro do Fundo Partidário (formado por recursos do Orçamento, multas, penalidades e doações) e de pessoas físicas (até o limite de 10% do rendimento) ou de empresas (limitadas a 2% do faturamento bruto do ano anterior ao da eleição).


Fonte: G1.globo
 
 
 Petrobras cortará 5 mil terceirizados, investirá menos e venderá mais ativos
Petroleira reage à queda do preço do petróleo, alta do dólar, perda de grau de investimento e efeitos da Lava-Jato

RIO - A Petrobras está refazendo as contas. Diante da queda do preço do petróleo no mercado internacional, da alta do dólar, dos efeitos da Operação Lava-Jato e da perda do grau de investimento pela Standard & Poor’s, a segunda agência a classificar a estatal como grau especulativo, a petroleira pretende cortar terceirizados, investir menos do que o previsto e vender mais ativos para fazer caixa. Uma das metas é cortar 30% dos terceirizados ligados à área administrativa, o equivalente a 5 mil pessoas.

Em algumas áreas foram encontrados mais terceirizados que funcionários próprios. O processo de desligamento já começou com a não renovação de alguns contratos e o cancelamento de outros. Segundo um dos principais executivos da estatal, a Petrobras já trabalha numa forte redução de investimentos com um ajuste em seu Plano de Negócios 2015-2019 em razão da piora do cenário.


‘AGORA É CORTAR NO OSSO’

Em 2015, o investimento será inferior aos US$ 27 bilhões previstos no plano, que já havia sido revisto para baixo em junho. Em 2016, ficará abaixo dos US$ 25 bilhões anunciados, informa o executivo. Não é só. Diante da desvalorização dos ativos, a companhia terá de vender mais bens para atingir a meta de US$ 15,1 bilhões até 2019. Os recursos são necessários para investir e pagar vencimentos da dívida em 2016, estimados em US$ 20 bilhões.

— Não dá mais para cortar na carne, agora é cortar no osso — resumiu um executivo da estatal, que pediu para não ser identificado.

Os cortes adicionais nos investimentos e nos custos administrativos serão discutidos em reunião do Conselho de Administração da estatal, no próximo dia 30. A revisão, segundo fontes, se faz necessária diante da mudança nas premissas do plano, que considerava a taxa de câmbio a R$ 3,10 neste ano e o barril do petróleo a US$ 60 (atualmente, está abaixo de US$ 50).

Na prática, o dia a dia da companhia já mudou. A empresa está renegociando contratos com todos os fornecedores e tem conseguido redução significativa de valores. Em outra iniciativa, a Petrobras tem paralisado equipamentos, como sondas de perfuração que começam a ser desativadas. Um dos sinais dessa necessidade de mais cortes de gastos é a demora para a assinatura do contrato renegociado com a Sete Brasil para o afretamento de sondas do pré-sal. No fim do mês passado, as partes teriam chegado a um acordo para a encomenda de 15 sondas contra as 28 previstas no contrato anterior. Nesta semana, a Petrobras informou a Sete, porém, que o assunto ainda está em avaliação pela área técnica.

VENDA DE FATIA DA BR DISTRIBUIDORA

Outra ação no horizonte da empresa é a venda de 25% das ações da BR Distribuidora, iniciativa que foi suspensa diante da piora do mercado. O conselho vai analisar de novo o assunto na reunião do dia 30. Caso não haja apoio à venda de uma fatia ao mercado, a estatal pode optar por buscar um sócio estratégico. O processo mais adiantado de venda de ativos em discussão é o da subsidiária Gaspetro.

As mudanças na Petrobras esbarram em resistências internas. A empresa pretende reduzir em cerca de 30% o número de gerências. Até agora, porém, o número aumentou. Segundo informou a própria companhia, existem 7.115 funcionários próprios em funções de gerência, um aumento de cerca de 3% em relação aos 6.897 registrados em julho. Segundo o executivo da estatal, mesmo assim, o corte nos cargos de gerente será feito. Em nota, a Petrobras informou que “a otimização das funções gerenciais se dará conforme o andamento do processo de reestruturação da companhia”.

Segundo um executivo da estatal, não se descarta impacto até mesmo na meta de produção de petróleo para os próximos anos. A deste ano, de 2,1 milhões de barris por dia, não deve ser afetada porque os projetos previstos já estão em operação.

— Se as metas de produção de petróleo para os próximos anos forem afetadas por causa dos cortes, isso será comunicado. Agora, na Petrobras, a vida é como ela é, não se vende ilusão — explicou o executivo.

EM BUSCA DE INVESTIDOR DE LONGO PRAZO

O encolhimento da Petrobras já resultou numa drástica redução das metas de produção de petróleo. Se antes a companhia sonhava dobrar de tamanho em cinco anos e pular de uma produção da ordem de 2 milhões de barris de petróleo por dia para 4,2 milhões de barris em 2020, a expectativa atual é mais modesta. Até agora, a previsão é chegar a 2020 com 2,8 milhões de barris diários. A produção conjunta de petróleo e gás já soma 2,88 milhões de barris por dia no segundo trimestre deste ano.

Em diversos aspectos, os números mostram que a estatal vive uma volta ao passado. Desde 2014 até agora, a empresa diminuiu drasticamente sua previsão de investimentos. Antes dos cortes adicionais em estudo, a Petrobras já havia reduzido US$ 90 bilhões de sua previsão para o período 2015-2019. Até agora, a estimativa para este ano soma US$ 130,3 bilhões, o menor nível desde 2008, quando o plano para cinco anos totalizava US$ 112,4 bilhões. O movimento também é visível no valor de mercado da companhia, que vale atualmente US$ 29 bilhões, o que significa uma volta aos patamares de 2003.

A situação da companhia ganha ainda mais peso diante do elevado nível de endividamento, de R$ 323,9 bilhões em 30 de junho, dos quais 81% são em dólar. Segundo uma fonte, a Petrobras não precisará recorrer ao mercado externo este ano para obter novos financiamentos além dos US$ 11 bilhões levantados no primeiro semestre. No entanto, a área financeira da estatal está estudando estruturas que poderão ser “desenhadas” para acessar um universo maior de investidores. Entre as alternativas em estudo estão instituições chinesas, como bancos de desenvolvimento e instituições financeiras comerciais e agências de fomento, entre outras.

Nos termos de um executivo, a Petrobras intensificará as buscas por um “investidor frio e profissional”, que enxergue o momento do país como oportunidade de investimento a longo prazo.

Fonte: oglobo.globo.com/
 
 
 Software desenvolvido em Ribeirão Preto ganha premiação da ONU
Sistema CleverCare foi desenvolvido pela Kidopi - empresa ligada ao Supera

Ter uma boa ideia, acreditar nela e investir em inovação. Foi assim que o sistema CleverCare, desenvolvido pela Kidopi - empresa ligada ao Supera Parque de Ribeirão - foi premiado pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o melhor software do Brasil.

O World Summit Award (WSA) é uma premiação global que tem como objetivo reconhecer o melhor em conteúdo e aplicativos para celulares e dispositivos móveis. “Investir em tecnologia para impactar na área da Saúde é gratificante, assim como receber esse reconhecimento”, afirma Mário Adolfi Júnior, diretor executivo da Kidopi.

Essa é a segunda premiação concedida pela ONU à empresa. Em 2013, a Kidopi venceu a etapa nacional com o sistema HealthBI, que oferece aos gestores hospitalares o acesso, em tempo real, à indicadores e ferramentas de gestão inteligente.

“O prêmio reforça o compromisso que as empresas ligadas à Supera têm em desenvolver soluções inovadoras”, diz Saulo Rodrigues, gerente da Supera. “Mostra também que o grau de inovação de Ribeirão é muito elevado e a cidade já desponta como polo em tecnologia.”

Etapa mundial

Além de ser eleito como o melhor software de informática em saúde do Brasil, o CleverCare será o representante brasileiro na etapa mundial da premiação, que tem início hoje e segue até domingo, dia 20, em Baku, no Azerbaijão, data em que será divulgado os finalistas.

Para Rodrigues, na etapa internacional a Kidopi é uma forte candidata. “Pelo belo trabalho que vem desenvolvendo”, frisa.

Já Junior afirma que a expectativa de estar entre os finalistas é grande. “Queremos ficar entre os quatro melhores, dentre 86 países, e ir para a China no final do ano para a premiação final”, conclui. 

Ambiente ‘respira inovação’

Segundo levantamento da Associação Brasileira de Startups, o estado de São Paulo é o que mais concentra startups no País, com 28% de participação.

Além disso, há 30 iniciativas para implantação de parques tecnológicos, em que cinco estão em operação. Um deles é Supera Parque Ribeirão, que atende 50 empresas e está em processo de seleção para mais nove. “Estar incubado no Supera é um diferencial, pois é um ambiente que respira inovação e é cercado de empresas e pessoas geniais que nos fazem querer ser melhores”, diz Mário Adolfi Júnior, da Kidopi.


Fonte: jornalacidade.com.br
 
 
 Será que a tecnologia pode ser parceira da natureza?
É muito fácil pensar na natureza e na tecnologia como duas entidades imersas em uma luta de boxe que já dura séculos e que está para terminar em nocaute a qualquer instante.
Selfies atrapalham a vista de um belo pôr do sol. Centenas de milhares de toneladas de "e-lixo" tóxico são despejadas em rios e pântanos a cada ano. Nomes de plantas e animais perdem protagonismo nos dicionários para dar lugar a termos como "banda larga" e… "selfie".

Reclamamos da invasão do wi-fi nos lugares mais remotos, mas declaramos o acesso à internet como um direito humano. Repudiamos a caça ilegal, mas acabamos ajudando bandidos a encontrar animais raros através de nossas postagens nas mídias sociais. Sonhamos em relaxar uma tranquila praia das Maldivas, mas exigimos voos baratos e nada ecológicos para chegar até lá.

Não há dúvidas dos motivos por trás desses conflitos. Como o filósofo científico Christopher Potter afirma, em seu livro How To Make a Human Being (Como fazer um ser humano, em tradução literal): "O ser humano nunca fez parte da natureza. Sempre fizemos parte da tecnologia".

Desejo natural por inovação
A partir do momento em que o homem moderno conseguiu controlar o fogo, ele nos colocou no caminho de dominar o mundo. E nunca mais olhamos para trás.
A tecnologia é simplesmente um conjunto de estratégias que nossa espécie desenvolveu para poder lidar com o fato de ser uma criatura consciente de si mesma em um planeta caótico e frequentemente hostil.
Isso torna nossa vontade de inovar algo tão "natural" quanto a estrutura de nossos cérebros.
Cada vez mais sacrificamos nosso habitat natural em prol da satisfação instantânea da mudança e da solução rápida para problemas econômicos e políticos.

Natureza inspiradora
Mas apesar de muitas de nossas invenções digitais servirem para nos distanciar do mundo que elas deveriam melhorar, a tecnologia e a natureza também estão continuamente se alimentando mutuamente, de maneiras altamente positivas.
Pensemos, por exemplo, no campo da biomimética, em que elementos e processos naturais são usados como modelo para o desenvolvimento de novos materiais, equipamentos e ferramentas.
Um famoso exemplo é a invenção do velcro pelo engenheiro suíço Georges de Mestral, em 1941, depois que ele observou como algumas plantas das montanhas se agarravam a suas roupas e aos pelos de seu cão.
Entre os avanços mais recentes nessa área estão: a criação de um fita adesiva cirúrgica pós-parto que se molda na estrutura das teias de aranha; a imitação do vírus para criar nanopartículas que se rearranjam sozinhas e levam medicamentos diretamente a células cancerígenas; ou ainda uma supereficiente tela para livros eletrônicos, refletiva e colorida baseada na maneira como as asas de borboleta cintilam sob a luz forte.

Tecnologia para preservação
Além disso, a tecnologia é cada vez mais utilizada para ajudar projetos de preservação e sustentabilidade. Um deles é o Technology for Nature, idealizado pela Universidade de Londres, a Sociedade Zoológica de Londres e a Microsoft.
Entre as iniciativas do projeto estão um serviço de "nuvem" digital gratuito e rápido que permite que especialistas acessem dados precisos de mudanças climáticas de qualquer região do mundo, ou ainda o desenvolvimento de novos aparelhos para registrar o comportamento de animais em seus habitats.
Lucas Joppa, um dos gerentes do projeto, admite que ainda há desafios em se unir cientistas de disciplinas tradicionalmente vistas como opostas. "A linguagem, a terminologia e as motivações são diferentes. Praticamente tudo", brinca.
"Mas temos questões de preservação ambiental que precisam ser combatidas imediatamente, como o monitoramento de áreas protegidas, o rastreamento de espécies de alto valor comercial e a detecção online do comércio ilegal de plantas e animais", explica.

Para Joppa, a tecnologia teve mais impacto positivo do que negativo sobre a natureza nos últimos dez anos.
Obviamente, a natureza não é só pandas e florestas, e a tecnologia está também ajudando a domar seu lado mais cruel. Tuítes e fotos do Instagram com hashtags e geotags se tornaram uma maneira valiosa de compartilhar atualizações em tempo real sobre desastres naturais.
O Person Finder, do Google, criado para reunir parentes durante o tsunami de 2011 no Japão, está atualmente ativo no Nepal. E nos Estados Unidos o aplicativo da Agência Federal de Gerenciamento de Emergências permite que comunidades atingidas por catástrofes consigam fazer um financiamento coletivo para obter mantimentos.
Fora tudo isso, ainda temos o conceito das "cidades verdes". Imagine arranha-céus transformados em lavouras verticais, com plantações forrando o teto e as paredes; metros quadrados vazios sendo usados para cultivar biocombustíveis à base de algas; e árvores capazes de iluminar ruas à noite como resultado de genes bioluminescentes.

Apreço pessoal pelo planeta
Claramente, as notícias não são ruins em matéria de unir tecnologia e natureza em grande escala. Mas como esse cabo de guerra está nos atingindo pessoalmente?
Considerando a natureza viciante das plataformas digitais, é difícil às vezes contestar a crença de Potter de que "a tecnologia evolui para uma vida entre quatro paredes". E quando nós finalmente nos aventuramos lá fora, celulares e outros aparelhinhos conseguem nos manter presos em nosso próprio mundo, mesmo diante da mais bela paisagem.
Mas, na realidade, está surgindo todo um ecossistema de softwares que têm por objetivo intensificar nosso apreço pelo planeta em que vivemos: de aplicativos que usam tecnologia de reconhecimento facial para identificar espécies de árvores a outros que nos ensinam a nos reconectarmos com o meio ambiente.
A tecnologia também nos ajuda a contribuir com a preservação ambiental. Serviços de compartilhamento de carros ou aparelhos que monitoram o gasto energético de uma casa são apenas o começo.
O tecnologista Kevin Kelly acredita que a tecnologia é "uma força da natureza", que evolui seguindo os mesmos princípios de qualquer espécie viva.
Talvez ele esteja certo. Ou talvez a natureza, assim como a humanidade, seja uma espécie de tecnologia misteriosa.
De qualquer forma, precisamos parar de ver as duas coisas como rivais e nos concentrarmos em fazer com que eles se tornem parceiros.


Fonte: bbc.com
 
 
 Mouse Diamonback da Razer está de volta com melhorias e tecnologia Chroma
O Diamondback, um dos mouses mais aclamados da Razer, ganhou uma nova versão com sensor mais preciso e tecnologia Chroma. O modelo estará disponível no Brasil a partir de novembro, com o preço sugerido de R$ 699.

O Diamondback Chroma herdou algumas características do seu irmão mais velho, como o design ambidestro e o ajuste de sensibilidade on-the-fly. Mas o periférico ganhou algumas melhorias, como o sensor a laser 5G com 16 mil DPI e a lateral emborrachada.

Desde quando foi lançado em 2004, o Diamondback é considerado um dos mouses mais bonitos de todos os tempos, por conta do seu design e as cores fortes. Agora, o modelo traz iluminação em led de até 16 mil cores - por meio do sistema Chroma, que pode ser configurada via Razer Synapse.

São nove botões customizáveis com a tecnologia Hyperesponse, 1.000 Hz de Ultrapolling, o que garante um tempo de resposta de 1ms, e uma velocidade de 210 polegadas por segundo com 50G de aceleração. Ao todo, o mouse pesa apenas 90g e conta com cabo de 2.1m com reforço em nylon.

Fonte: Techtudo
 
 
 Cinco coisas que você precisa saber sobre o smartphone da Asus, o Zenfone 2
O Zenfone 2 chegou ao Brasil chamando muita atenção. Com configurações para bater de frente com tops de linha como Galaxy S6 e iPhone 6, o celular da Asus se destaca pelo preço baixo: R$ 1.299. Por dentro, ele conta com 4 GB de RAM e bateria de 3.000 mAh. 

Pouca gente sabe que o smartphone não chegou sozinho e foi lançado com outros quatro aparelhos Zenfone no Brasil. Cada um tem um público-alvo distinto e por isso, configurações diferentes. Confira essas e outras informações sobre o celular da Asus. 

1) Modelos 'secretos'
O Zenfone 2 foi lançado no Brasil em agosto de 2015 com design fino e hardware top da Asus. Mas, ele não foi o único: a fabricante revelou detalhes de mais quatro celulares da linha, o Zenfone 2 Deluxe, Zenfone 2 Lasere  Zenfone Selfie. Já o ZenFone Zoom foi anunciado na feira de tecnologia de Berlim, a IFA 2015.
O Deluxe é uma versão aprimorada do celular, com design exclusivo e sofisticado que lembra a superfície de um cristal. A tampa traseira foi projetada ergonomicamente para dar mais conforto para o usuário e está disponível nas cores roxo e branco.

Ele tem tela de 5,5 polegadas com resolução Full HD e câmera traseira de 13 e frontal de 5 megapixels. Por dentro está o processador Intel Atom de 2,3 GHz, 4 GB de RAM e armazenamento interno de até 128 GB. Para concluir, o preço é de R$ 1.999.
Já o Zenfone 2 Laser tem como destaque o preço, bem menor que seus "irmãos". Por R$899, o usuário pode comprar um celular com tela HD de 5,5 polegadas, proteção Gorilla Glass 4 e processador Qualcomm Snapdragon 410, acompanhado de 2 GB de RAM. Ele chega às lojas brasileiras no início de outubro de 2015.

A câmera, que dá o nome do aparelho, tem tecnologia PixelMaster, com foco laser automático e sensor de 13 megapixels. A lente frontal (para selfies) tem 5 megapixels e o armazenamento interno é de 16 GB, com suporte para MicroSD de até 128 GB. O modelo vem nas cores preto, branco e vermelho. 
O Zenfone Selfie, como o nome antecipa, tem destaque para a câmera frontal, que oferece impressionantes 13 megapixels. Ela ainda é equipada com flash duplo LED Real Tone, para ambientes mais escuros. A lente traseira também vem com 13 megapixels, flash duplo de LED e foco automático.

A tela de 5,5 polegadas Full HD vem com Gorilla Glass 4 e no hardware está um processador Qualcomm Snapdragon 615, com 3 GB de RAM e 32 GB de armazenamento. Há suporte para cartão externo MicroSD de até 64 GB e o modelo está disponível nas cores branco, azul e rosa, com preço a partir de R$ 1.299.
Por fim, o Zenfone Zoom é um celular-câmera que vem com sensor (fabricado pela Panasonic) de 13 megapixels, que combina imagens para chegar até 52 megapixels de qualidade, a chamada “Super Resolution”, com zoom óptico.

O modelo vem com tela de 5,5 polegadas Full HD (1080p), 4 GB de RAM e armazenamento de 64 ou 128 GB. O processador é um Atom de 1,3 GHz, mas ainda não há informações sobre preço e disponibilidade no Brasil. 

2) Configurações
O Zenfone 2 chega com configurações que devem agradar tanto os usuários intermediários como os avançados. Por dentro, ele é equipado com um processador Intel Atom quad-core de 2,3 GHz (compatível com 64 bits), acompanhado de uma memória RAM de 4 GB.
A capacidade da memória RAM merece destaque por deixar o funcionamento do smartphone mais fluído e rápido. Principalmente quando comparado com concorrentes como o iPhone 6 que tem apenas 1 GB de RAM e o iPhone 6S, com 2 GB de RAM. Por outro lado, a maior potência pode resultar em um gasto maior de energia. 

No armazenamento interno, o Zenfone 2 oferece opções de 16 GB e 32 GB , com expansão de até 64 GB. O celular tem conexão Wi-Fi, Bluetooth 4.0,  NFC, além do chip 3G/4G. Suas dimensões são de 152,5 mm x 77,2 mm x 10,9 mm e peso de 170 g.
Quando o assunto é foto, o Zenfone 2 vem com duas lentes: uma traseira de 13 megapixels e outra frontal de 5 MP com ângulo maior de visão. A bateria vem com potência de 3.000 mAh e acompanha um carregador rápido, que promete suprir 60% da bateria em cerca de 39 minutos.
3) Preço e disponibilidade
O Zenfone 2 pode ser encontrado em diversas lojas nacionais – tanto físicas quanto online, inclusive no site da própria Asus. O modelo está disponível nas cores preto, dourado, prata, e vermelho. A versão com armazenamento interno de 16 GB tem preço sugerido de R$ 1.299 e o Zenfone 2 com espaço maior, de 32 GB, é vendido por R$ 1.499.

4) Tela e Interface exclusiva
O Zenfone 2 oferece uma tela de IPS Full HD (1080p) de 5,5 polegadas, com tecnologia Corning Gorilla Glass 3, para evitar arranhões ou danos. O celular tem ainda um revestimento para reduzir marcas de dedos durante o uso. O ângulo de visão do display é de 178º, o que permite uma exibição ampla de vídeos e fotos, e a densidade de pixels de 403 ppi.  

O Zenfone 2 roda a interface Asus ZenUI, uma personalização do Android somente para celulares da fabricante. Por isso, o Zenfone conta com algumas ferramentas extras, não disponíveis no Android "puro". Dentre elas está o ZenMotion, tecnologia de gestos intuitivos para acesso rápido de ações recorrentes.

O celular tem também tecnologia de segurança da Trend Micro, tradicional empresa deste setor. Já as atualizações dos aplicativos ficam por conta do ZenUI Instant Updates. A interface também permite personalizações dos usuários com temas, fontes e launchers, além de dois modos de visualização especiais – simplificado e infantil. Entretanto, quem está acostumado com o Android “puro” pode ter dificuldades de se adaptar à interface da Asus. 
5) Smartphones concorrentes
O Zenfone 2 possui algumas configurações potentes, que o colocam no mesmo nível tops de linha, como a sua memória RAM. O Galaxy S6, o Moto X Style, o LG G4 e o  Xperia Z4 oferecem algo aproximado, com seus 3 GB de RAM.

No entanto, esses celulares são mais avançados em outros quesitos, com câmeras mais poderosas, tela com resolução maior e processador top de linha. A câmera do Zenfone 2, por outro lado, tem a mesma qualidade do Moto G 3: 13 na traseira e 5 megapixels na frontal.
Levando em consideração o preço e as configurações, o Zenfone 2 fica na faixa do Moto X Play: o modelo de 32 GB custa R$ 1.499, enquanto o modelo da Motorola fica por R$ 1.489 com mesmo armazenamento.

Fonte: Techtudo
 
 
 Ministério prorroga prazo para Lei de Incentivo ao Esporte
Atletas, empresários e entidades interessadas em apoiar o esporte têm até 31 de outubro para apresentar propostas

O ministro do Esporte, George Hilton, assinou uma portaria que prolonga o prazo para a utilização de um dos programas que mais têm ajudado na evolução esportiva no País: a Lei de Incentivo ao Esporte (LIE). O prazo para apresentar projetos era até esta terça (15), mas foi prorrogado para 31 de outubro, aumentando a possibilidade de ingressar na LIE ainda este ano. O diretor do Departamento da Lei de Incentivo ao Esporte, Marcos Cesar Ponce Garcia, elogiou a postura do ministério. 

“O ministro George Hilton foi muito feliz ao estender o prazo para entrada dos projetos, já que neste ano passamos por uma prorrogação da própria lei, com a aprovação do PROFUT. O ministro pessoalmente conduziu a MP do Futebol, em que estava inserida a LIE”, resumiu.

Ponce Garcia ainda falou da importância da prorrogação para as entidades que estão conhecendo a Lei de Incentivo de forma mais aprofundada, por meio de seminários que o Ministério do Esporte vem realizando.

“Estou recebendo ligações sem parar justamente porque seria o último dia. São centenas de projetos entrando hoje. Agora, os proponentes que estavam com o projeto quase pronto, mas haviam desistido por conta do fim do prazo, poderão retomar o trabalho.”

Segundo o diretor, essa ampliação do período de envio de projetos poderá influenciar em um melhor resultado do Brasil nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

“A lei tem colaborado bastante com o êxito do esporte brasileiro. Os Jogos Pan-Americanos foram uma prova disso. Vários atletas começaram com a Lei de Incentivo. Temos entidades, confederações, clubes que a usam justamente para isso. Essa prorrogação dará mais um fôlego para que os atletas consigam estrutura ainda melhor”, concluiu ele.

Fonte: Ministério do Esporte
 
 
 Estratégias para substituir lixões serão discutidas na Comissão de Meio Ambiente
Por sugestão do senador Jorge Viana (PT-AC), a Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor, Fiscalização e Controle (CMA) promoverá audiência pública para discutir saídas para o fechamento de lixões. O prazo para substituição de lixões por aterros sanitários se esgotou em agosto de 2014, conforme a lei que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010).

Naquela data, quase três mil municípios e o Distrito Federal não haviam cumprido a determinação, o que motivou a aprovação, pelo Congresso, da prorrogação do prazo, com datas escalonadas entre 2018 e 2021.

Demandada pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), a prorrogação foi proposta pela Subcomissão Temporária de Resíduos Sólidos, encerrada em 2014.

— Precisamos debater em que estágio nós estamos, causas do atraso e riscos de termos de prorrogar novamente. Vamos adiar até quando? Fui prefeito de Rio Branco e, com esforço, conseguimos resolver o problema. Temos que cobrar explicações e colaborar na construção de uma estratégia para acabar com os lixões — frisou Jorge Viana.

Ele sugere que o tema seja discutido com o secretário Nacional de Saneamento do Ministério das Cidades, Paulo Ferreira; o presidente da Confederação Nacional dos Municípios, Paulo Ziulkoski; e o presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária, Dante Ragazzi Pauli. Por sugestão do senador Donizeti Nogueira (PT-TO), será também convidado o presidente da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Antonio Henrique de Carvalho Pires.

Encíclica

A comissão realizará ainda debate sobre a encíclica lançada em junho pelo Papa Francisco, na qual ele expressa sua preocupação com as mudanças no clima e responsabiliza o ser humano pela poluição e aquecimento global.

A audiência pública foi proposta pelo senador João Capiberibe (PSB-AP) e será realizada quinta-feira (17), em conjunto com a Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas (CMMC).

Alimentos

Também foi aprovado requerimento de Flexa Ribeiro (PSDB-PA) para realização de audiência pública sobre projeto (PLS 489/2008) que inclui nas embalagens de alimentos selos em cores diferentes, de acordo com sua composição nutricional.

De acordo com o autor do projeto, senador Cristovam Buarque (PDT-DF), o texto visa estimular a população a escolher alimentos mais saudáveis e conter o avanço da obesidade e de doenças a ela associadas.

A relatora na CMA, Regina Sousa (PT-PI), apresentou voto favorável, com emenda determinando que os órgãos competentes definam as cores mais adequadas para a rotulagem. A votação do projeto fica suspensa até a realização do debate.

Flexa Ribeiro sugere que sejam convidados representantes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), da Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação e do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec).

Contaminação

Na mesma reunião, foi aprovado requerimento de Ataídes Oliveira (PSDB-TO) convidando o presidente da estatal Indústrias Nucleares do Brasil, Aquilino Senra Martinez, a esclarecer notícias de contaminação de água potável por urânio no interior da Bahia.

Região de Matopiba

A comissão acolheu também requerimento de Donizeti Nogueira (PT-TO) para realização de seminário em Palmas, no dia 25 de setembro, para debater o Plano Nacional de Recuperação da Vegetação Nativa (Planaveg) e os Programas de Regularização Ambiental (PRAs) na região conhecida como Matopiba, que envolve os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia.

O debate terá a participação de representantes do Ministério do Meio Ambiente, da Agricultura, e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), entre outros.


Fonte: 12.senado.leg.br
 
 
 Semana da Árvore estimula boas práticas ambientais
Dia da árvore é comemorado em 21 de setembro 
Mais do que conservar os seus 185 mil hectares de mata atlântica, o Parque Nacional do Iguaçu realiza diariamente diversas ações de informação, sensibilização e educação ambiental. Uma delas é a “Semana da Árvore”, que ocorrerá de 21 a 25 de setembro. As atividades proporcionarão aos participantes – estudantes e comunidade em geral –  práticas de conhecimento e plantio de mudas nativas e um bom exemplo de recuperação de uma nascente de rio.

A programação estará centralizada, em sua maior parte, na sede da Escola Parque, localizada dentro da unidade de conservação. Na terça-feira, 22, a atividade será realizada na cidade de Matelândia, com a recuperação de uma nascente de rio. Todas as ações serão coordenadas pela Escola Parque.

A ação é promovida pelo Parque Nacional do Iguaçu e conta com o apoio das concessionárias Helisul, Macuco Safari, Macuco Ecoaventura, Ecocataratas e Cataratas do Iguaçu S.A.


Fonte: meioambienterio.com/
 
 
 Microsoft trabalha em novos recursos para a loja de aplicativos do Windows 10
Microsoft lançou o Windows 10 oficialmente no final de julho e acompanhando o novo sistema operacional também estava a versão atualizada da Windows Store, com a promessa de mais e melhores recursos disponíveis para desenvolvedores de aplicativos e os próprios usuários. Durante esta semana a gigante de Redmond publicou algumas informações interessantes sobre o avanço de sua plataforma para computadores, com destaque para a loja de aplicativos.
O novo relatório da Microsoft inicia relembrando que o Windows 10 já ultrapassou 75 milhões de instalações e conta com um média de download de aplicativos seis vezes maior em comparação com os números do Windows 8/8.1. E a empresa pretende aumentar ainda mais esses números.
“À medida que os clientes utilizem o Windows 10 ele fará melhores sugestões de informações e conteúdo para ajudar as pessoas a realizarem mais. Por exemplo, Cortana fornece recomendações de aplicativos baseados nos interesses pessoais dos usuários. Além disso, o Menu Iniciar, Microsoft Edge e a Central de Ações também irão sugerir aplicativos que os clientes possam desfrutar”.
Outra novidade que chega para tornar a Windows Store ainda mais robusta é a disponibilidade de ferramentas para facilitar a conversão de um aplicativo Windows Phone em uma versão universal que suporte às versões mobile e desktop do Windows 10. Isso já é possível graças a uma extensão para o Visual Studio 2015. Mas as novidades não param por aí, como a Microsoft comenta em outro parágrafo do comunicado.
“Nós já liberamos atualizações para adicionar na loja de aplicativos a filtragem de dispositivos de acordo com as classificações e comentários e corrigir as restrições iniciais da pesquisa. E você pode esperar pela liberação de novos recursos nos próximos meses, incluindo suporte para o pagamento de aplicativos via conta de telefone da operadora em computadores e tablets, para alcançar clientes que não têm cartão de crédito ou métodos de pagamento tradicionais, além de permitir oferecer operações dentro dos aplicativos”.
Finalmente, a Microsoft também aponta que seu próximo lançamento oficial, o Windows 10 Mobile, também trará a mesma Windows Store universal. Como vemos, a gigante de Redmond está empenhada em unificar suas plataformas.
 
 
 Vídeo e arquivos de instalação do Windows 10 build 10537 já estão na internet
Windows 10 está próximo de alcançar 100 milhões de instalações e a Microsoft continua trabalhando para aperfeiçoar seu novo e exitoso sistema operacional para computadores. Há uma semana vimos algumas imagens da compilação 10537, agora temos acesso há um vídeo e não apenas isso, já que a própria ISO de instalação vazou na grande rede.
O conhecido grupo hacker Wzór publicou em sua conta no Twitter que todos os interessados na mais nova compilação do Windows 10 podem fazer o download agora mesmo. É importante lembrar que, apesar de estar disponível extraoficialmente, a build 10537 pode não ser a versão que a gigante de Redmond liberará em breve.
Esta nova compilação inclui mudanças no aspecto gráfico da interface de usuário, bastante perceptíveis nos menus contextuais, ícones e animações. Apesar de recomendações para que os usuários não façam a instalação de arquivos vazados na grande rede, há sempre os corajosos de plantão, que acabam testando essas novidades e compartilhando com os demais suas impressões.
Aqueles que estiverem curiosos sobre as mudanças na build 10537 podem matar um pouco da ansiedade pela atualização graças ao vídeo publicado pelo pessoal do Neowin, confira a seguir.
Veja o vídeo no: https://www.youtube.com/watch?v=b9IPMqlEGeY&feature=youtu.be
 
 
 Menu iniciar do Windows 10 tem limite de itens
Certamente o Windows 10 é, sem dúvida, o melhor sistema operacional da Microsoft lançado até hoje, com uma grande diversidade de novas funcionalidades e melhorias. Ele também não deixa nada a desejar para seus rivais de outras empresas, embora isso não signifique que ele seja perfeito. O Tudocelular já relatou diversos problemas desde seu lançamento desde o final de julho. Pequeno erros e incompatibilidades que foram encontrados neste período inicial, mas coisas novas continuam a aparecer.
A Microsoft vem sendo pressionada para lançar atualizações regulares para corrigir bugs no Windows 10 desde o seu lançamento, mas um erro incomum foi salientada por um redator do site Neowin, Brad Sams. Segundo ele, o menu Iniciar do Windows 10 - provavelmente o componente mais óbvio do sistema operacional - tem uma limitação bastante curiosa: ele não consegue lidar com mais de 512 itens. Isso é, não são 512 programas, logos pastas e subpastas também contam, assim como arquivos e atalhos. A limitação pode ser catastrófica se não for resolvida em breve.
Além desse número limitado de itens na barra, ele descobriu também que com a proximidade deste limite, o desempenho do menu Iniciar tornou-se bastante aleatório, com longos períodos de lag para a abertura de aplicativos e links. A única maneira de resolver o problema é diminuir o número total de itens no menu de volta para abaixo dos 500 itens
A Microsoft reconheceu o problema e diz que está trabalhando em uma correção, embora ainda não tenha oferecido qualquer prazo para a solução.
 
 
 Função vazada nas notas do Windows 10 build 10540 pode ser uma prévia das tiles explosivas
Já faz um tempo desde que vimos as últimas notícias a respeito das chamadas "tiles explosivas", que utilizariam da função MixView para prover uma experiência de uso muito mais completa e intuitiva para os blocos dinâmicos da tela inicial. Segundo informado na época, o sistema de gestos 3D seria capaz de reconhecer até mesmo o ângulo dos dedos do usuário, o que permitiria a configuração de inúmeras funções diferentes para um mesmo gesto.
Com o recente vazamento das notas de atualização do Windows 10 para a build 10540, que seria liberada como Threshold 2, vimos que a plataforma ganhará as chamadas "listas de atalhos". De acordo com o que foi visto, esta função será especialmente útil caso funcione da maneira esperada também com ícones (algo que já foi visto na barra de ferramentas), pois isto poderia ser facilmente expandido também para as live tiles.
Para quem não está por dentro do assunto, a funcionalidade consiste em prover algumas ferramentas relacionadas ao aplicativo quando for realizado um clique com o botão direito do mouse sobre seu ícone, permitindo que você crie uma nova anotação rápida no OneNote sem nem mesmo precisar abri-lo, por exemplo. Isto é basicamente o mesmo que vimos inúmeras vezes nos rumores sobre o MixView e que foi utilizado recentemente pela Apple com seu 3D Touch, porém no caso do Windows 10 Mobile seria preciso apenas posicionar o seu dedo sobre as tiles para que as opções relacionadas fossem exibidas.
Como nada foi liberado de maneira oficial, não havendo um pronunciamento da Microsoft sobre o assunto, teremos que esperar que a build 10540 seja de fato liberada para os usuários para só então sabermos como a função poderá ser utilizada. Vale lembrar, entretanto, que Satya Nadella afirmou durante uma entrevista há algum tempo que o investimento em gestos 3D seria essencial para garantir o sucesso do Windows 10 Mobile, logo é bastante provável que vejamos mais novidades sobre o assunto conforme a plataforma fique mais próxima de seu lançamento oficial.
 
 
 Instalar apps do Android no Windows 10 Mobile requer novo procedimento
Windows 10 Mobile build 10536 chegou há poucos dias com soluções para alguns problemas graves, como a falha na loja de aplicativos, liberou soluções para problemas menores algumas horas depois, a exemplo dos pacotes de idiomas, e há outro problema envolvendo aplicativos portados do Android que ficou a cargo dos usuários correrem atrás de uma solução.
Como a maioria está ciente, as novas compilações do sistema móvel da Microsoft permitem a instalação de alguns aplicativos Android mediante o projeto Astoria. Há um mês nós publicamos o passo a passo para transformar um arquivo .APK do sistema do robozinho verde para uma versão instalável no Windows 10 Mobile, graças a ferramentas que agora estão sendo atualizadas para contornar os novos erros.
Aqueles que estão com a build 10536.1004 e possuíam aplicativos Android estavam sem conseguir executá-los e nem mesmo conseguiam realizar a reinstalação. Problema que desenvolvedores do XDA identificaram o problema e atualizaram a ferramenta para portar os aplicativos de maneira compatível com a nova compilação do sistema. Se você faz parte do grupo de usuários que já estão testando aplicativos Android basta realizar o download da ferramenta WindowsBridge (link abaixo) e seguir passos indicados (lembrando que não substitui o método anterior, apenas o atualiza):
Download do aplicativo WindowsBridge7z
1. Extraia (usando WinRAR ou 7zip) o arquivo WindowsBridge.7z baixado;
2. Copie todos os arquivos da pasta “Tools” para a pasta em que está o wconnect no computador;
3. No smartphone, acesse as configurações de desenvolvedor, habilite a opção “Device discovery” e escolha “Unpair all” para remover as informações de emparelhamento anterior;
4. Use a nova ferramenta wconnect e emparelhe o smartphone novamente;
5. Desinstale os aplicativos do Android atualmente instalados no dispositivo;
6. Faça a reinstalação dos aplicativos portados usando a nova ferramenta wconnect;
Mais uma vez alertamos que a Microsoft não se responsabiliza por avarias em dispositivos participantes do programa de testes Insider, muito menos os que estão realizando experiências com aplicativos portados do Android.
Finalmente, vale lembrar que a gigante de Redmond já está testando de forma oficial os aplicativos portados do Android para a Windows Store e que ainda há alguns recursos que não serão suportados, como indicam alguns documentos vazados.
 
 
 Novo vídeo da Microsoft em parceria com a Salesforce exalta funções do Surface com Windows 10
A Microsoft segue buscando meios de divulgar o Windows 10 e seus dispositivos, algo que tem rendido alguns vídeos interessantes nas últimas semanas. Agora, a empresa resolveu apresentar algo produzido em conjunto com a sua parceira Salesforce, demonstrando como a linha Surface podem ser uma ótima opção para quem possui uma vida agitada e utiliza serviços de CRM para se comunicar com clientes em todo o mundo.
Como pode ser visto, o software integrado pela companhia no Windows 10 disponibiliza uma gama de funções bastante ampla, algo que trabalhando em conjunto com a Cortana e todas as suas vantagens é capaz de prover uma experiência realmente impecável e voltada para a produtividade. O vídeo publicado se inicia com o funcionário se arrumando em um quarto de hotel enquanto fala com a sua filha por vídeo-conferência, passando então para a assistente pessoal controlada por voz para visualizar a agenda do dia, quando recebe uma dica de que um artigo interessante está disponível para leitura no painel de sua companhia.
Já no táxi, ele pede para a Cortana abrir o artigo mencionado anteriormente, tudo feito de maneira bastante natural e intuitiva por meio de comandos simples de voz. Ele então realiza algumas alterações no que julga necessário e envia para seus colegas de trabalho há quilômetros de distância, que prontamente recebem um aviso sobre a modificação e marcam uma reunião na sala com o enorme Surface Hub.
O vídeo continua mostrando vários diferenciais para produtividade e trabalho em equipe, mostrando que a linha Surface com Windows 10 em parceria com os softwares da Salesforce podem ser uma opção realmente interessante para quem busca formas mais práticas e amigáveis de interagir com seus funcionários e clientes. Como tudo está em inglês, é necessário um certo domínio do idioma para pleno entendimento, porém mesmo que este não seja o caso é possível visualizar sem problemas o que a Microsoft está buscando passar.
Ainda não há qualquer previsão para a chegada do Surface Pro 3 ou qualquer outro modelo da linha ao nosso país, restando aguardarmos que a companhia dê algum foco no Brasil em sua nova política de revenda dos dispositivos ao redor do mundo.
Veja o vídeo no: https://www.youtube.com/watch?v=eZHsvG-uPYQ&feature=youtu.be
 
 
 Só 14% dos usuários do Windows 10 utilizam o navegador Edge
O navegador Microsoft Edge, substituto do Internet Explorer, ainda é explorado por uma parcela tímida de usuários do Windows 10: apenas 14%. Apesar de ter crescido 20% no fim de julho, o número de pessoas que usam o navegador voltou a cair, indicando a preferência do público por Google Chrome e Firefox.
Outro ponto preocupante relacionado ao Edge se refere à cota de tráfego. De acordo com o site NetMarketShare, o browser registra apenas 2% de particpação entre todas as plataformas. Considerando que o o Windows 10 está em mais de 75 milhões de computadores, o desempenho é discreto.
 
 
 Microsoft explica situação de quem instalou o Windows 10 Preview
A Microsoft foi forçada a esclarecer a situação de quem instalou o Windows 10 Preview e como eles ficarão quando a versão final do software for liberada. Um post publicado no blog dava a entender que qualquer um poderia instalar a versão de testes do sistema e ter uma cópia legítima do software assim que a edição final fosse liberada.
A publicação dúbia dava a entender que se você tivesse um PC com Windows XP ou Vista, ou uma cópia pirata, bastava formatar o PC e instalar o Windows 10 Preview para obter uma cópia genuína do sistema quando ela fosse liberada.
Não é bem assim. Quem se cadastrou no Windows Insider pode ter algumas regalias, mas não será a casa da Mãe Joana. Explicando:
Cenário 1: Você tem a versão de Preview do Windows 10 e quer permanecer um Insider
Se você quiser continuar colaborando com o programa de testes da Microsoft, você terá uma cópia legítima do Windows 10, e continuará recebendo updates antes de todo mundo. É como se usasse eternamente uma versão beta do Windows, tendo acesso às novidades antes do público geral, mas também correndo mais riscos de encontrar bugs inesperados, problemas de incompatibilidade, e etc.
Cenário 2: Você atualizou seu PC com Windows 7 ou 8.1 para o Preview do Windows 10 sem formatar seu PC, mas quer sair do programa de Insider
Assim que o Windows 10 chegar à sua versão final, você irá recebê-la. Se você optar pela versão normal do sistema e deixar de receber updates de teste, você pode. Se sua versão do Windows 7 ou 8.1 era genuína, ela continua genuína com o Windows 10.
Ou seja: a oferta de atualização grátis do Windows 7 ou 8.1 também vale para quem fez a atualização do Windows 10 Preview pelo caminho oficial. Se você formatou sua máquina e instalou o W10 por uma imagem ISO, a sua situação fica mais difícil.
Cenário 3: Você formatou seu PC e instalou o Preview do Windows 10, mas quer sair do programa de Insider
Enquanto você fizer parte do programa de Insiders, você continuará recebendo atualizações de preview, como descrito no Cenário 1, e continuará com uma edição genuína do sistema. Se optar por sair do programa e parar de receber estas atualizações de testes, estas versões irão expirar, e a Microsoft irá notificá-lo para adquirir uma licença genuína do Windows 10 para continuar utilizando, ou solicitar que você reinstale uma versão anterior do sistema.
 
 
 Microsoft detalha o que você perde ao atualizar para o Windows 10
Depois de confirmada data de lançamento do Windows 10, a Microsoft começou a liberar todos os avisos técnicos sobre a atualização do sistema operacional. Entre eles estão os recursos que o usuário deverá perder ao fazer o upgrade para versão nova do software da Microsoft.
As perdas não são muitas, é necessário observar, mas elas existem. A primeira é o fim do Windows Media Center, inexistente na versão 10. O jogo “Copas” também será extinto, enquanto “Campo Minado” e “Paciência” serão reformulados.
Os gadgets do Windows, complementos do desktop que exibiam informações como a previsão do tempo, também não existirão mais. Quem ainda usa leitores de disquetes via USB precisará baixar novos drivers para que o dispositivo funcione no Windows 10.
Se alguém tentar assistir a um DVD no Windows 10, será surpreendido com a incapacidade do sistema em reproduzi-lo. A Microsoft diz que a opção existirá no futuro, mas por enquanto será necessário um software adicional e externo para fazer isso, como o VLC.

Limitações
Além das perdas, no lançamento do sistema, ainda haverá recursos que não estarão completos. A assistente Cortana, por exemplo, estará disponível apenas dos Estados Unidos, Reino Unido, China, França, Itália, Alemanha e Espanha no lançamento.
A plataforma Windows Hello, que utiliza autenticação biométrica para login no sistema, necessitará de equipamento especial, incluindo uma câmera infravermelha para reconhecimento facial, ou um leitor de impressões digitais suportado.
Finalmente, os serviços Xbox Music e Xbox Video serão limitados, como já é tradicional, pelas licenças regionais, que podem valer para uma parte do mundo, mas não para outra.
 
 
 Windows 10 reconhece atualizações de versões piratas como originais
Alguns usuários do Reddit dizem ter conseguido atualizar suas versões piratas do windows 7 e 8.1 para Windows 10. Apesar de possuírem versões irregulares do sistema operacional, os usuários alegam que, após a atualização, o Windows 10 aparece como "ativado" para eles.
De acordo com os usuários, eles não usaram nenhum tipo de arquivo crack durante o processo de atualização. Isso implicaria que o procedimento de falsificação de suas versões do Windows 7 e 8.1 era suficientemente consistente para enganar os servidores da Microsoft.

Problemas
Apesar do êxito declarado por alguns internautas, outros também disseram que, ao atualizar suas versões piratas, não conseguiram fazê-las serem reconhecidas como autênticas pela Microsoft. No Reddit, porém, os usuários discutiam maneiras de crackear o sistema operacional após a atualização.
Para outros usuários, ainda, a tentativa de atualizar versões piratas para Windows 10 fez com que seus computadores simplesmente parassem de funcionar. Com isso, foi necessário reinstalar a versão pirata do Windows que eles tinham.

Microsoft
Essa provavelmente não era a intenção da Microsoft. Após afirmar inicialmente que usuários piratas do Windows teriam acesso á atualização gratuita para a nova versão de seu sistema operacional, a empresa voltou atrás e disse que as versões piratas continuariam irregulares mesmo após a atualização. 
Ao VentureBeat, porém, a empresa disse ontem que não ofereceria a atualização grátis para máquinas que estivessem rodando versões reconhecidamente piratas de seu sistema operacional.
 
 
 Brasil cai 12 posições e fica em 118º lugar em ranking de liberdade econômica
País figura no grupo de nações "menos livres", segundo levantamento do centro de pesquisas canadense Fraser Institute, que avaliou 157 países

O Brasil caiu 12 posições e agora figura em 118º lugar no ranking sobre liberdade econômica elaborado pelo centro de pesquisas canadense Fraser Institute, que avaliou 157 países. Com nota 6,34, em uma escala de zero a dez, o país se encaixou no grupo mais baixo, dos "menos livres". A lista é liderada por Hong Kong, Singapura, Nova Zelândia, Suíça e Emirados Árabes. A Venezuela é a última colocada, precedida por Congo, Líbia, Chade e Síria.

O ranking é elaborado a partir de 42 variáveis, divididas em cinco áreas, com base em dados de 2013, os mais recentes disponíveis. Na edição anterior, o Brasil estava em 106º lugar, com nota 6,54. Das cinco áreas analisadas, a melhor avaliação do Brasil é em tamanho do governo, na qual obteve a 66ª colocação, com nota 6,8. No quesito solidez do dinheiro (que leva em conta itens como inflação e base monetária), o país ficou na 87ª posição, com nota 8,1. Em Liberdade para o comércio internacional, o lugar no ranking foi o 97º, com nota 6,9. A mesma posição foi atingida em Sistema judiciário e direitos de propriedade, mas com nota 4,9.
A pior classificação foi em Regulação, na qual o Brasil ficou na 155ª posição. Essa área é dividida em três componentes: mercados de crédito (135º lugar); mercado de trabalho (147º) e regulação empresarial (155º).

O estudo aponta que existe uma forte correlação entre o grau de liberdade econômica e o nível de satisfação dos cidadãos com sua vida pessoal. Entretanto, mesmo com a nota ruim do Brasil na questão de liberdade econômica, o país aparece no 7º lugar no ranking elaborado pelo World Values Survey de satisfação com a vida pessoal, com nota 7,8.

Fonte: Veja.abril
 
 
 Cunha diz que CPMF está fadada a derrota fragorosa mesmo com apoio de governadores
Presidente da Câmara fez a declaração depois de encontro com o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, que defende a volta do tributo, com alíquota ainda mais alta


O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou nesta quarta-feira que a proposta do governo federal de recriar a CPMF está "fadada a uma derrota fragorosa", mesmo com o apoio de governadores que foram ao Congresso nesta quarta defender o tributo, com uma alíquota ainda maior do que a proposta pelo governo.

O grupo de governadores, encabeçado por Luiz Fernando Pezão (PMDB), do Rio de Janeiro, tem defendido o apoio à recriação da CPMF desde que ela seja compartilhada com Estados e municípios. O bloco é composto basicamente por governadores de partidos da base aliada do governo federal, mas já conta também com nomes da oposição, como Marconi Perillo (PSDB).
O conjunto de medidas fiscais anunciado pelo governo na última segunda-feira prevê a proposta de recriação da CPMF com alíquota de 0,2%. O grupo de governadores defende que o tributo tenha alíquota de 0,38%, com 0,2% para o governo federal e 0,18% para Estados e municípios.

Impeachment - Em entrevista a jornalistas depois de se reunir com Pezão, Cunha também disse que analisará dentro do "prazo da razoabilidade" um pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, a ser protocolado na quinta-feira.

Fonte: Veja.abril
 
 
 População de peixes nos oceanos está à beira do colapso, diz estudo
De acordo com relatório da ONG WWF e da Sociedade Zoológica de Londres (ZSL), a quantidade de peixes nos oceanos caiu pela metade desde 1970. O número de peixes usados para a alimentação, como atum e cavala, diminuiu 74%


A quantidade de peixes, mamíferos, pássaros e répteis que vivem nos mares e oceanos caiu pela metade desde 1970. É uma queda considerada "catastrófica", de acordo com estudo feito pela a ONG WWF e a Sociedade Zoológica de Londres (ZSL, na sigla em inglês) e divulgado nesta quarta-feira (16). A população de peixes usados para o consumo, como atum, cavala e bonito, diminuiu ainda mais: 74%. A análise revela que a redução foi causada pela pesca excessiva e outras ameaças ambientais.
"Os oceanos estão à beira do colapso. Eles são resistentes, mas há um limite", afirmou Marco Lambertini, diretor-geral do WWF Internacional. "Há uma diminuição enorme de espécies essenciais tanto para o ecossistema dos oceanos quanto para a segurança alimentar de bilhões de pessoas."

Para elaborar o relatório, os pesquisadores monitoraram 5.829 populações de 1.234 espécies, como focas, tartarugas, golfinhos e tubarões entre 1970 e 2012. "A análise aponta que bilhões de animais desapareceram dos oceanos de todo o mundo só no meu tempo de vida", declarou Ken Norris, diretor de ciência do ZSL, em um comunicado. "Este é um legado terrível e perigoso para deixar para os nossos netos".

O estudo afirma que as frotas de pesca do mundo são grandes demais e apoiadas por subsídios que ficam entre 14 e 35 bilhões de dólares por ano. Os danos a recifes de coral e mangues, que são berçários de muitos peixes, aumentam os problemas causados pela pesca em excesso. Outras ameaças são o desenvolvimento costeiro, a poluição e a mudança climática, que está elevando as temperaturas e tornando as águas mais ácidas.

Novas metas - No final deste mês, governos de todo o mundo devem adotar novos objetivos de desenvolvimento sustentável propostos pela Organização das Nações Unidas (ONU), entre eles o fim da pesca predatória e das práticas destrutivas de pesca até 2020 e o restabelecimento das populações de peixes "no menor prazo factível".


Fonte: Veja.abril
 
 
 Terremoto mata 5 no Chile; saiba como a ciência mede um tremor
Um terremoto de magnitude 8,3 atingiu a região central do Chile na noite de quarta-feira, deixando pelo menos cinco mortos.

O epicentro do tremor, que ocorreu às 19h54 locais (20h45 em Brasília), foi a 232 km da capital, Santiago, e a 55 km a oeste da cidade de Illapel.

Um milhão de pessoas tiveram que deixar áreas da costa após um alerta de tsunami - as ondas chegaram a 4,5 metros.
Também houve alerta de tsunami no Peru, Havaí, partes dos Estados Unidos (Califórnia) e até na Nova Zelândia, do outro lado do Oceano Pacífico.

Os reflexos do tremor, cuja magnitude de 8,3 foi medida pelo órgão americano US Geological Survey, chegaram a ser sentidos em São Paulo e em Buenos Aires.

Mas como se mede a intensidade de um terremoto?
Existem escalas criadas por geólogos para descrever o que se conhece como a "magnitude" deste tipo de evento.

A mais usada delas é a MW, que se baseia na energia liberada por um terremoto. Trata-se de uma escala aberta (não de zero a dez), que começa em 2,5. Esta é a magnitude da maioria dos tremores que ocorrem a cada ano - insignificante para ser percebida por pessoas, mas que é captada por instrumentos que medem as vibrações causadas pelos terremotos (sismógrafos).

Momento do tremor
Para fazer este cálculo, cientistas levam em consideração variáveis como o movimento de uma falha geológica e a força requerida para movê-la.

A escala é logarítmica. Isso significa que para cada número inteiro "aumentado", a diferença de força de um terremoto cresce consideravelmente: um tremor 6, por exemplo, libera 32 vezes mais energia que um 5. Um tremor de magnitude 7, em que começa a destruição mais severa por terremotos, é mil vezes mais "forte" que um 5.

Um terremoto de magnitude 8, mais fraco do que este do Chile, por exemplo, libera força equivalente a seis milhões de toneladas de dinamite.

O tremor que causou o catastrófico tsunami de 2004 na Ásia foi o terceiro mais forte desde 1900 - mediu 9,3.

Segundo o Serviço Geológico Americano, há pelo menos 20 grandes terremotos no mundo a cada ano.

Mas a devastação causada por terremotos não depende somente de sua magnitude, mas sim do planejamento das autoridades e mesmo das condições socioeconômicas das regiões afetadas.

Em fevereiro de 2010, por exemplo, o Chile foi atingido por um terremoto de 8,8. Menos de mil pessoas morreram, pois o país tem um sistema de resposta para emergências desenvolvido por causa de uma longa história de tremores, o que inclui o maior já registrado (9,5, em 1960).

No entanto, também em 2010, mais de 200 mil pessoas morreram no Haiti quando um tremor de magnitude 7,0 atingiu a capital, Porto Príncipe.

Já o Nepal, em apenas três semanas neste ano, foi atingido por dois tremores. O primeiro, de 7,8 de magnitude, matou mais de 8 mil pessoas no final de abril.

No início de maio, o país foi atingido por um tremor de magnitude 7,3 que deixou dezenas de mortos e centenas de feridos.

Segundo o Serviço Geológico Americano, há pelo menos 20 grandes terremotos no mundo a cada ano.
 
 
 Moradora de Ribeirão Preto ganha R$ 50 mil em sorteio da Nota Fiscal Paulista
Uma moradora de Ribeirão Preto foi contemplada com o prêmio principal do sorteio de setembro da Nota Fiscal Paulista. Ela participou da 82ª extração do programa com 840 bilhetes eletrônicos e vai receber R$ 50 mil.

O segundo prêmio, no valor de R$ 30 mil, saiu para uma consumidora de Pindamonhangaba, que concorreu com 8 bilhetes. O valor de R$ 20 mil ficou com uma entidade assistencial de Limeira, que participou do sorteio com 60.057 bilhetes eletrônicos.

Essa é a 13ª vez que uma instituição é sorteada com um dos prêmios especiais da Nota Fiscal Paulista.

 Veja na lista as entidades já contempladas:

- Santa Casa de Misericórdia (São Paulo): Sorteio 19 - Jun/10 - R$ 80 mil;

- Promoção Humana e Moradia da Capelinha (Franca): Sorteio 34 - Set/11 - R$ 20 mil;

- Projeto Casulo (São Paulo): Sorteio 35 - Out/11 - R$ 200 mil;

- Associação Congregação de Santa Catarina (São Paulo): Sorteio 41 - Abr/12 - R$ 50 mil;

- Lar Galeão Coutinho (Jundiaí): Sorteio 47 - Out/12 - R$ 120 mil;

- Instituto Verdescola (São Paulo): Sorteio 50 - Jan/13 - R$ 20 mil;

- AME Amoroso (São Paulo): Sorteio 58 - Set/13 - R$ 50 mil;

- Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência - Avape (São Bernardo do Campo): Sorteio 62 - Jan/14 - R$ 30 mil;

- Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto (São José do Rio Preto): Sorteio 69 - Ago/14 - R$ 200 mil;

- Associação Assindes Sermig - Arsenal da Esperança (São Paulo): Sorteio 71 - Out/14 - R$ 200 mil;

- Fundação Civil Casa de Misericórdia de Franca (Franca): Sorteio 78 - Mai/15 - R$ 80 mil;

- Fraternidade de Triângulo Ramatis (Limeira): Sorteio 79 - Jun/15 - R$ 80 mil.

Participaram da extração de setembro da Nota Fiscal Paulista os consumidores que efetuaram compras no mês de maio de 2015 e solicitaram a inclusão do CPF/CNPJ no documento fiscal. Além dos prêmios principais, os consumidores também concorreram a mais 300 prêmios de R$ 1.000; mil de R$ 250, 15 mil de R$ 50, 76.303 de R$ 20 e 1.407.394 de R$ 10. O resultado do sorteio está disponível no site da Nota Fiscal Paulista.

Nova escala de premiação a partir de novembro

Em outubro, devido ao Dia das Crianças, ainda haverá o sorteio especial com premiação de R$ 200 mil, R$ 120 mil e R$ 80 mil.

O primeiro sorteio com valores maiores conforme medidas publicadas no Diário Oficial de 4 de julho, ocorrerá em novembro a partir de bilhetes decorrentes das compras realizadas em julho. Os consumidores serão sorteados com prêmios especiais de R$ 500 mil, R$ 300 mil e R$ 200 mil, dez vezes maiores que os atuais.

Sobre o programa Nota Fiscal Paulista

A Nota Fiscal Paulista, criada em outubro de 2007, integra o Programa de Estímulo à Cidadania Fiscal do governo do Estado de São Paulo e reduz, de fato, a carga tributária individual dos cidadãos, que recebem créditos ao efetuar compras de mercadorias em São Paulo. O sistema distribui até 20% do ICMS efetivamente recolhido pelo estabelecimento comercial aos consumidores que solicitam o documento fiscal e informam CPF ou CNPJ, proporcional ao valor da nota.

A devolução é feita em créditos que podem ser acompanhados pela internet e utilizados para pagamento do IPVA ou resgatados em dinheiro. O consumidor também pode solicitar o documento fiscal sem a indicação do CPF/CNPJ e doá-lo a uma entidade de assistência social ou de saúde cadastradas no programa Nota Fiscal Paulista, se assim desejar. Essa é uma decisão pessoal e exclusiva do consumidor.

O programa conta com 17,7 milhões de participantes cadastrados e, desde seu início, soma mais de 39 bilhões de documentos fiscais processados na Fazenda. No total, a Nota Fiscal Paulista devolveu aos participantes do programa R$ 12,8 bilhões, sendo R$ 11,5 bilhões em créditos e R$ 1,3 bilhão em prêmios nos 82 sorteios já realizados.

Para conferir os créditos, aderir ao sorteio ou obter mais informações sobre a Nota Fiscal Paulista, basta acessar o site do programa.

Fonte: Portal Governo do Estado de SP
 
 
 Atleta de Ribeirão Preto vai ao Mundial do Chile
Mesa-tenista Heverton Guedes já está em Santiago

O mesa-tenista ribeirã-pretano Heverton Guedes embarcou nesta terça-feira (15) para Santiago, no Chile, onde defenderá a Seleção Brasileira que participará do Campeonato Mundial adulto da modalidade entre os dias 23 e 27 deste mês. Mesmo atuando pela equipe de Jundiaí, o atleta de 22 anos utilizou a estrutura da Recreativa de Ribeirão Preto, a Recra, para intensificar os treinamentos para a disputa desta temporada.

No Chile, Guedes passará os dias que antecedem as disputas enfrentando os principais mesa-tenistas do continente, para adquirir ritmo de jogo e como forma de ambientação para a competição. “Vou treinar com algumas seleções da América Latina para ganhar mais ritmo de competição e conhecer alguns dos adversários. Será uma boa chance de se preparar ainda mais para o torneio, pois serão os países que com certeza vão se destacar na competição”, afirmou, destacando a qualidade dos competidores argentinos, peruanos e chilenos.

“Hoje em dia, eles são referência no esporte e ter o contato direto com atletas deste nível será muito importante para desenvolver ainda mais minhas habilidades. Será uma grande experiência e espero colocá-las em prática”, disse.

O ribeirão-pretano garante que está preparado para conquistar bons resultados em Santiago e vislumbra fazer carreira no tênis de mesa. “Estou fazendo uma preparação muito intensa para o Mundial, que é o meu principal foco deste ano. Tenho me exigido muito para conseguir um bom resultado. Esse é o terceiro mundial consecutivo que disputo na vida, mas neste ano estou no meu auge, primeiro colocado do Estado e com uma expectativa muito boa. Estou trabalhando duro para marcar o nome no esporte”, afirmou.

Equipe do Brasil

Além de Heverton Guedes, a Seleção Brasileira masculina de tênis de mesa é composta por Massao Kohatsu e Thiago Monteiro. Na equipe feminina, o Brasil estará representado por Bruna Takahashi, Lígia Silva e Letícia Nakada.
 
 
 Mendes: PT instalou financiamento público com dinheiro do petrolão
Em voto favorável ao financiamento privado de campanhas, ministro do Supremo afirma que o petrolão 'foi um método criminoso de governança que visava à perpetuação de um partido no poder'

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), proferiu nesta quarta-feira um duríssimo voto contra a possibilidade de a Justiça impedir as doações de empresas a partidos políticos e candidatos. Em cinco horas de fala, Mendes criticou o propinoduto montado na Petrobras para perpetuação do Partido dos Trabalhadores e seus aliados no poder.

Foi o segundo voto contrário na Corte no julgamento sobre o financiamento de campanhas eleitorais e partidos por empresas privadas. O ministro Teori Zavascki adotou posição similar. Os ministros Luiz Fux, Marco Aurélio Mello, Ricardo Lewandowski, Luis Roberto Barroso, Dias Toffoli e Joaquim Barbosa - já aposentado - se manifestaram contrários à possibilidade de pessoas jurídicas repassarem recursos a candidatos e partidos. O ministro Edson Fachin, por ter sucedido Barbosa, não participa do julgamento.
O STF analisa uma ação direta de inconstitucionalidade apresentada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que contesta trechos da Lei Eleitoral (9.504/1997) e da Lei dos Partidos Políticos (9.096/1995) e que pede que a Corte, além de declarar como inconstitucional a doação de pessoas jurídicas, delimite um teto individual e per capita para que os cidadãos possam fazer doações eleitorais e para os gastos de campanha pelos candidatos. 

Pelas regras atuais, empresas podem doar até 2% do seu faturamento bruto do ano anterior à eleição. No caso de pessoas físicas, a limitação é 10% do rendimento do ano anterior ao pleito.
A Câmara dos Deputados concluiu recentemente uma votação que autoriza doações de empresas a partidos políticos limitadas a 20 milhões de reais, mas como o tema ainda não foi sancionado pela presidente Dilma Rousseff, hoje ainda valem as regras atuais e o julgamento do STF ganha contornos mais relevantes.

Em seu voto, Gilmar Mendes disse que barrar a possibilidade de empresas repassarem recursos a candidatos institucionalizaria o caixa dois em campanhas. Mais: uma outra alternativa, a de um teto único para doações de pessoas físicas, abriria, segundo ele, caminho para políticos utilizarem nomes de eleitores que não querem doar para lavar dinheiro de doações fictícias. "Barrar [doações de empresas] seria oficializar a clandestinidade de doações de pessoas jurídicas por meio de caixa dois. Seria praticamente a institucionalização do caixa dois. Se fixar um limite, certamente teríamos beneficiários do Bolsa Família fazendo doação", disse ao cogitar a hipótese da instituição de um "doador laranja".

Em seu voto, o ministro atacou a OAB por supostamente estar defendendo interesses petistas no Supremo e disse que os atuais escândalos de corrupção não podem ser atribuídos à possibilidade de doações empresariais a campanhas, e sim a atitudes individuais de agentes públicos que optaram por cometer crimes. "O que tem, de uma certa forma, maculado o processo democrático brasileiro são os abusos perpetrados pelos candidatos, que podem usam a máquina administrativa em seu favor, cometendo ilícitos que podem ser evitados com o aperfeiçoamento da legislação", disse ele.

Criticado por setores do governo e partidos aliados por ter interrompido o julgamento sobre o tema em abril do ano passado, Mendes disse que se "regozijava" de ter pedido vista porque agora, com os desdobramentos da Operação Lava Jato, sabe-se dos métodos que agremiações governistas usam para engordar os caixas. "As revelações feitas pela mídia dessa Operação Lava Jato dão a dimensão da corrupção do aparato brasileiro. Na verdade, está a indicar um modo de governança em relação a não só uma empresa, mas da maior empresa do Brasil, a Petrobras", afirmou.
"A investigação revela que o patrimônio público estaria sendo saqueado pelas forças políticas. Os recursos serviriam para manter a boa vida dos mandatários, mas não só isso. O esquema é um verdadeiro método de governo: de um lado recursos do Estado fluiriam para as forças políticas, financiando campanhas e, como ninguém é de ferro, o luxo dos atores envolvido, casas, iates, reforma de apartamento de namoradas, amantes, mães e tudo mais. Foi um método criminoso de governança que visava à perpetuação de um partido no poder", completou ele.

Em seu voto, o ministro também apresentou a tese de que o fim do financiamento privado de campanha tiraria a paridade de armas entre candidatos governistas e de oposição e "aniquilaria" os oposicionistas. E disse que, ao contrário do que defenderam os seis ministros que já votaram contra o financiamento privado de campanha, não se poderia invocar neste julgamento princípios gerais previstos na Constituição, como a tese de que as doações de empresas colocariam em xeque a soberania popular ou o direito de cada eleitor à cidadania. Isso porque, disse ele, "no Brasil o constituinte decidiu não disciplinar a matéria [de financiamento de campanha] em âmbito constitucional", e sim deu liberdade ao Congresso para discutir o tema. Por isso, não haveria violações à Constituição nas doações empresariais de campanha. "A Constituição apenas vedou aos partidos o recebimento de recursos financeiros de entidades ou governos estrangeiros. A Constituição deixou para a legislação ordinária a regulação para o financiamento de eleições", declarou.

Mensalão - Gilmar Mendes voltou a comparar o escândalo da Petrobras ao esquema do mensalão, até então o mais significativo propinoduto da história recente, e ironizou: "o mensalão foi rebaixado no rating de soberania dos escândalos". "O partido político [PT] já se locupletou ao limite e aí quer proibir a doação a outros partidos. O partido do poder já independe de doações eleitorais".

Em forte tom de crítica, o ministro disse ainda que doações individuais de pessoas físicas, se passarem a ser as únicas possíveis, estimulariam uma indústria de alugueis de CPFs para fraudar repasses de eleitores a políticos. Gilmar Mendes ainda voltou a atacar o discurso do PT favorável ao financiamento público exclusivo para campanhas.

"A Petrobras não pode ser assaltada por um grupo de pessoas. A rigor, esse partido é vanguarda porque instalou o financiamento público antes de sue aprovação, com recursos diretamente de estatais para o partido. É um modelo vanguardista. O financiamento público já tinha sido instalado para financiar as atividades partidárias. Dinheiro da Petrobras é dinheiro público", disse. E continuou: "O partido que mais leva vantagem na captação de recursos das empresas privadas agora, como Madre Teresa de Calcutá, defende o encerramento do financiamento privado. Quase me emociona, quase vou às lagrimas. É uma conversão que certamente merece algum tipo de canonização. Será que nos tomam por idiotas? O partido consegue captar recursos na faixa de bilhões dos reais continuamente e passa a agora defende bravamente o julgamento da inconstitucionalidade da doação de empresas privadas?", disse.

"Agora entendo o discurso de que a Petrobras é nossa. A Petrobras é nossa no sentido de que nós nos apropriamos da Petrobras. Não é que é nossa do povo brasileiro. E entendo agora porque determinados segmentos partidários fazem defesa tão ferrenha de estatais. É para sua manipulação. É para transforma-la em propriedade própria", atacou o ministro. Gilmar Mendes foi o único votar na sessão plenária de hoje.

Bate-boca - No final da sessão, o secretário-geral da OAB, Cláudio Pereira de Souza, ocupou a tribuna para contestar a afirmação de Gilmar de que a entidade esteja alinhada ao PT ao defender o fim do financiamento privado de campanhas. Souza começou a expor dados de uma pesquisa Datafolha segundo a qual 74% da população seria contra o financiamento privado quando foi interrompido pelo próprio Gilmar Mendes.

O presidente do STF, Ricardo Lewandowski, interrompeu: "Vossa Excelência falou por quase cinco horas. Vamos garantir a palavra ao advogado", disse a Gilmar Mendes. "Eu sou ministro desta Corte. Advogado é advogado", retrucou o magistrado. "Quem preside esta sessão sou eu", replicou Lewandowski, dando a palavra ao representante da OAB. Irritado, Gilmar Mendes deixou a sessão plenária na sequência.
 
 
 Após VEJA mostrar queda no Bolsa Família, governo altera dados oficiais
Números no site da Caixa foram modificados depois da publicação de reportagem mostrando que o governo excluiu quase 800 000 famílias do seu principal programa social

O governo alterou dados oficiais, públicos, depois que uma reportagem de VEJA mostrou que quase 800 000 famílias perderam o Bolsa Família entre dezembro do ano passado e julho deste ano. Além disso, retirou do site do Ministério do Desenvolvimento Social o link para a consulta desses dados. O link só voltou ao ar depois de a revista ter questionado o motivo do sumiço.

Até a semana passada, uma página do site do Ministério do Desenvolvimento Social direcionava para o site da Caixa quem quisesse consultar o número oficial de famílias beneficiadas pelo Bolsa Família. O banco é o responsável por fazer o pagamento do benefício. No site da Caixa, os dados referentes a julho deste ano mostravam um total de 13 221 128 famílias beneficiadas - essa informação foi utilizada na reportagem de VEJA, que mostrou a queda nos beneficiários baseada na informação, também fornecida pelo ministério, de que eram 14 003 441 as famílias autorizadas a receber o dinheiro em dezembro.

Ontem, no entanto, o governo - que divulgou nota na segunda-feira contestando a reportagem de VEJA -- alterou os dados sem nenhuma explicação. Depois de ficar fora do ar por algumas horas, o site da Caixa voltou exibindo um número diferente de beneficiados em julho: 13 827 369 (veja nesta página as duas imagens do site, antes e depois da publicação da reportagem). Com esse novo dado, o número de famílias favorecidas pelo programa se mantém praticamente estável, em vez de diminuir.


Fonte: Veja.Abril
 
 
 MEC lança currículo único para a educação básica
A proposta, considerada crucial para o avanço da educação brasileira, irá finalmente trazer orientações diretas e precisas sobre o conteúdo do ensino básico

O Ministério da Educação (MEC) lançou nesta quarta-feira a proposta de um currículo nacional único para a educação básica. Esse é um ponto crucial para o avanço da educação brasileira pois, apesar de ter Parâmetros Nacionais Curriculares desde 1996, o país ainda carece de um conjunto organizado de orientações diretas e precisas sobre os conteúdos do ensino básico. A Base Nacional Comum Curricular (BCN) vai determinar um currículo mínimo para os alunos das 190 000 escolas do país. Ela trará objetivos de aprendizagem para todas as matérias, divididos de acordo com o contexto de experiências dos alunos - de uma abordagem mais lúdica nos primeiros anos até conceitos mais abstratos no ensino médio.

O material preliminar disponibilizado pelo MEC mantém uma divisão em quatro categorias: linguagens, matemática, ciências da natureza e ciências humanas - mesma divisão adotada no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) - adaptadas para a educação infantil, o ensino fundamental e o ensino médio.
A área de linguagens reúne quatro componentes curriculares: línguas portuguesa e estrangeira moderna, além de arte e educação física. A diversidade sexual e de gênero, que causou discussões nos planos estaduais e municipais de educação, é contemplada no ensino de ética, direitos humanos e cidadania, temas transversais.

Nas ciências humanas há a previsão de ensino religioso do 1º ao 9º ano escolar. Pelo programa, a disciplina assume a responsabilidade de "oportunizar o acesso aos saberes e aos conhecimentos produzidos pelas diferentes culturas, cosmovisões e tradições religiosas, sem proselitismo. O estudo dos conhecimentos religiosos na escola laica, a partir de pressupostos científicos, estéticos, éticos, culturais e linguísticos, visa à formação de cidadãos e cidadãs capazes de compreender as diferentes vivências, percepções e elaborações relacionadas ao religioso e ao não religioso, que integram e estabelecem interfaces com o substrato cultural da humanidade", diz o documento.

Articulação - A reforma curricular, com disciplinas comuns para toda a educação básica, é uma exigência do Plano Nacional de Educação (PNE), sancionado no ano passado. A ideia do BCN é que 60% do currículo seja unificado pelo MEC, enquanto o restante seja definido pelos Estados conforme critérios regionais.
"Um número maior de disciplinas articuladas é muito mais produtivo que poucas disciplinas desarticuladas para cobrir aspectos variados do conhecimento", disse o ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, durante o lançamento, em Brasília. Janine ainda exaltou as peculiaridades regionais e citou como exemplo a valorização de escritores de uma região específica que, embora estejam fora da bibliografia nacional, podem ser importantes para a cultura local.

Para Janine, a base disciplinar comum trará melhorias para o ensino, pois orientará a formação de professores (haverá parâmetros específicos para as licenciaturas) e também o desenvolvimento do material didático.

O texto ainda representa uma versão preliminar e está à disposição das secretariais estaduais, da sociedade civil e de conselhos de educação para receber sugestões, no site do MEC. A ideia do ministério é que ele seja colocado em prática a partir de meados do ano que vem. Contudo, de acordo com experiências internacionais, a implementação de um currículo nacional costuma levar entre cinco e dez anos.
 
 
 Europa apoia terrorismo e é responsável por refugiados, diz Assad
Presidente sírio criticou europeus por classificar rebeldes de 'moderados'.
Ele deu entrevista a canais russos.

O presidente da Síria, Bashar al-Assad, atribuiu à Europa a responsabilidade pela crise dos refugiados, já que "apoiou, apoia e dá cobertura ao terrorismo", em uma entrevista divulgada nesta quarta-feira (16) por vários meios da imprensa da Rússia.
"A Europa é responsável, porque apoiou, apoia e dá cobertura ao terrorismo", disse o líder sírio, que acrescentou que "a Europa chama de 'moderados' os terroristas e os divide em grupos, quando, na realidade, são todos extremistas".

Assad comentou que agora a Europa tenta "apresentar o assunto como se sua culpa fosse apenas não ter disponibilizado os recursos necessários para garantir uma migração organizada, o que fez com que refugiados morressem afogados em sua tentativa de cruzar o Mediterrâneo".
"Sentimos dor por todas as vítimas inocentes, mas por acaso a vida de uma pessoa afogada no mar tem mais valor que a de uma morta na Síria? Como se pode lamentar a morte de uma criança no mar e fazer pouco caso de milhares de crianças, mulheres e idosos vítimas do terrorismo na Síria?", questionou o líder sírio.
Para Assad, isto é uma demonstração clara e "vergonhosa" de "dois pesos e duas medidas" da União Europeia.
O presidente sírio afirmou que a Europa apenas conseguirá diminuir a "avalanche" de refugiados "se deixar de apoiar os terroristas", que são a "origem do problema".
"Se os europeus estão preocupados com o destino dos refugiados, que deixem de apoiar os terroristas", insistiu Assad.
Além disso, o líder do regime fez um pedido a todos os sírios "para que se unam na luta contra o terrorismo, porque é o caminho para se conseguir os objetivos políticos que os sírios querem, através do diálogo e de um processo político".

"Se hoje perguntamos a qualquer sírio o que ele quer, sua primeira resposta será: segurança e estabilidade para todos e cada um de nós. Desta maneira, todas as forças políticas, tanto no governo como fora dele, devem se unir em torno das exigências do povo sírio", ressaltou o presidente.

Permanência no poder
Assad reiterou que sua permanência ou não no poder é um assunto que cabe ao povo da Síria, através de eleições, "e não aos Estados Unidos, ao Conselho de Segurança da ONU e à Convenção de Genebra".
"Sobre o presidente, ele chega ao poder com o consentimento do povo por meio de eleições, e se ele sair, ele sai se o povo quiser isso, não por causa do julgamento dos Estados Unidos, do Conselho de Segurança da ONU, da Conferência de Genebra ou do Comunicado de Genebra", disse Assad nesta quarta-feira.
"Se o povo quiser que ele fique, o presidente fica. Do contrário, ele deve renunciar logo", acrescentou.
O presidente sírio negou que unidades militares iranianas estejam combatendo ao lado das forças governamentais, mas assinalou que Teerã lhe fornece armamento.
A ajuda do Irã, que tem fornecido tecnologia militar, tem sido crucial no combate ao terrorismo na Síria, segundo Assad. Mas Teerã não enviou unidades militares a Damasco, acrescentou.
Assad disse ainda que a coalizão liderada pelos EUA não tem sido capaz de enfraquecer os militantes islâmico até o momento.
O presidente sírio enfrenta uma guerra civil há mais de quatro anos e meio contra seu regime.
Nesta terça, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, declarou que Moscou seguirá apoiando o regime sírio com ajuda militar em sua luta contra grupos terroristas, como o Estado Islâmico.
O chefe do Kremlin negou que o apoio de Moscou ao regime de Assad seja a causa da crise dos refugiados e, por outro lado, ressaltou que, se estivesse apoiado Damasco, o número de deslocados seria ainda maior.
 
 
 Novo recurso para celulares carrega seu smart em alguns instantes
Quick Charge 3.0 carrega 80% da bateria do celular em 35 minutos

A Qualcomm anunciou a chegada da terceira geração do Quick Charge, recurso que permite recarregar a bateria do celular ou tablet com maior velocidade. De acordo com a fabricante, em dispositivos equipados com o Quick Charge 3.0 a bateria vai passar de 0% a 80% em apenas 35 minutos.

O Quick Charge 3.0 é 27% mais rápido que o 2.0, com aumento de 38% na eficiência energética e com redução de 45% na dissipação. Ou seja, quanto menos calor dissipado, menor é o consumo de eletricidade e desgaste dos seus componentes.

Esses saltos de performance foram conquistados empregando um novo tipo de gerenciamento de energia. Se no Quick Charge 2.0 o sistema dependia de voltagens fixas de 5, 9, 12 e 20 volts para funcionar de forma correta, o Quick Charge 3.0 opera com incrementos de 0,2 volts (a partir de 3,6 até 20 volts no total).
Na prática, isso significa que o sistema é capaz de determinar a voltagem de saída do carregador do seu celular e adaptar o modo de carregamento da bateria para aproveitar o máximo dessa energia. O Quick Charge funciona acelerando a recarga para que o seu aparelho “sugue” o máximo de energia que os materiais químicos na bateria podem suportar de forma segura.

Sem o Quick Charge, por exemplo, alguma oscilação na quantidade de voltagem poderia representar energia desperdiçada e demora no processo de carregamento.

O Quick Charge 3.0 deverá estrear nos dispositivos com processadores Snapdragon 820, que deve controlar boa parte dos smartphones top de linha a serem lançados ao longo de 2016. Contudo, a Qualcomm licencia o uso dessa tecnologia para outros fabricantes de processadores, baterias e carregadores, o que deve tornar o padrão de recarga bastante popular.
Via Qualcomm, Android Police

Fonte: techtudo.com
 
 
 Jovens 'apagam' Facebook, Twitter e WhatsApp para passar no vestibular
Vestibulandos excluem redes sociais para intensificar preparação.
Jovens querem ganhar tempo de estudo sem a distração da internet.

Estudantes não estão poupando esforços para conseguir êxito na difícil missão de passar em uma universidade pública. Para intensificar os estudos, jovens estão se desconectando das redes sociais na reta final de preparação para o Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) e para os vestibulares das instituições de ensino mais concorridas do país.

A jovem Amanda Jéssica Pereira, de 18 anos, é uma das que adotou a tática. Estudante de escola pública, ela nasceu e cresceu no Maranhão. Em 2013, veio a São Paulo morar na casa da avó para cursar o último ano do ensino médio e prestar medicina na Fuvest. Nas duas primeiras tentativas, não conseguiu. Agora, espera melhor sorte sem a distração das conversas pelo WhatsApp.

“No primeiro vestibular fui muito mal. Primeira Fuvest da vida. Não tinha ideia do que era. Em 2014, fiz cursinho e tava confiante de que passaria... Saí chorando quando conferi meu resultado”, contou.
Em seu terceiro vestibular, Amanda garante estar mais preparada muito por conta da exclusão do aplicativo de seu celular.

“Não que ter ou não rede social vá definir quem passa. São casos e casos. Tem gente que usa normalmente e passa, mas pra mim tava atrapalhando muito. Eu ia dormir tarde porque à noite ficava no WhatsApp. Depois que exclui, achei mais tempo pra ler e estudar o que faltou durante o dia no cursinho”.

Quem não gostou muito da ideia foram os pais da estudante. Separados da filha por mais de 2 mil km, eles tinham no aplicativo uma forma prática e econômica de manter contato e amenizar a saudade.
“Meus pais reclamam que não têm crédito e que fica difícil conversar, mas falo pra eles que infelizmente não dá”. Segundo ela, os amigos do Maranhão também compartilham da reclamação. “Eles falam que eu sou louca e que não gosto deles”, lamentou.

Adeus, Facebook
O estudante Mauro César Oliveira, de 17 anos, é outro que resolveu se desconectar do mundo virtual para aumentar os estudos. O adolescente divide seu tempo entre as aulas do ensino médio regular e do cursinho pré-vestibular. Com foco no curso de engenharia ambiental da Univerisidade Federal do ABC (UFABC), ele decidiu apagar as contas do Twitter e do Facebook para ganhar horas de preparação para seu primeiro vestibular.

“Resolvi excluir porque sei que não conseguiria conciliar. Eu deixaria de estudar pra ficar no Facebook. Hoje, em vez de chegar em casa e pegar o celular, eu vou ler alguma coisa”, disse.
Perguntado se sente falta de acessar as redes, ele não titubeou: “Falta nenhuma. No começo, sentia um pouco, mas agora fico o tempo inteiro ocupado estudando”.

O jovem conta que, nas poucas vezes em que vê a namorada ou amigos durante a semana, os encontros são marcados pela boa e velha ligação telefônica. Além do maior tempo de estudo, Mauro também comemora outro “benefício” de ter saído das redes: “Meu pai enche o saco no Facebook. Ele vivia mandando coisas. Tinha até bloqueado”, confessou aos risos.

Exemplo de sucesso
A mineira Rúbia Resende, de 18 anos, é um exemplo de que a "abstinência digital" pode render frutos. Em seu primeiro vestibular, ela passou em 7º lugar no curso de letras da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG) e garante: abandonar as redes sociais foi imprescindível para alcançar o resultado.
A jovem excluiu Facebook, Twitter e Instagram. Em seu smartphone, restou apenas o Whatsapp. O vício no aplicativo era tão grande que, para não cair na tentação de verificar as notificações, ela conta que adotou uma tática inusitada. "Em casa, eu sabia que iria ficar olhando, então pedia pra minha mãe esconder a bateria do celular. Quando a rede social está do lado, fica muito fácil cair na distração".
Rúbia tomou a decisão ao fim do primeiro trimestre do 3º ano do ensino médio. De acordo com ela, os três meses foram mais do que suficientes para perceber que não se concentraria nos estudos caso seguisse tão conectada à internet.

"Meus amigos falavam que era besteira, que eu sou boba, que estava perdendo um monte de festa, que tinha de viver... mas eu fazia as coisas. Só não perdia tempo nas redes sociais. A gente não percebe quanto tempo gasta nisso. Muitas vezes deixamos de viver os acontecimentos para poder ler sobre eles no Facebook", acrescentou.
Depois de ser aprovada no vestibular, a estudante resolveu voltar às redes. Ela, no entanto, afirma que sofreu menos do que esperava com a "abstinência" e que a decisão de retornar ao mundo digital só aconteceu porque queria divulgar seu trabalho de escritora em um site de crônicas.
"O primeiro dia [desconectada] é terrível, mas vai ficando mais fácil com o tempo. Hoje, eu tento evitar ao máximo utilizar. Só pra divulgação, mesmo. As pessoas ficam tão viciadas que deixam de interagir na vida real. Parece papo de velho, mas é verdade", completou.


Fonte: Globo.com
 
 
 Facebook quer tornar impossível se livrar de eventos mostrando quem viu
Uma das desculpas mais comuns para evitar confirmar presença em eventos ou recusar convites criados no Facebook é dizer que não viu a notificação, mas a rede social parece estar disposta a acabar com esta estratégia. Para isto, está testando um novo recurso que permite que os usuários vejam quais amigos visualizaram as mensagens em seus feed de notícias. Sendo assim, vai ficar parecido com o climão do WhatsApp, o famoso "visualizou e não respondeu". 

Nesta terça-feira (15), o Facebook também afirmou que está desenvolvendo o botão Não Curti (Dislike), recurso aguardado há anos por muitos usuários. 

Na versão em inglês, quando um usuário convida os amigos para um evento, a plataforma passa a mostrar quais deles visualizaram o convite. Seu objetivo é fazer com que o criador do link tenha mais controle sobre seu alcance e possa tomar medidas para torná-lo mais popular.

A função é semelhante à que é usada em vários programas de bate-papo, como o WhatsApp e também no próprio Facebook, que o integrou ao Facebook Messenger e ao sistema de grupos. O grande problema é que este recurso é obrigatório e não pode ser desabilitado pelo usuário, o que o deixa pressionado a responder a todas as interações na hora em que acontecem.

Fonte: Techtudo.com
 
 
 Nova câmera 4K lota espaço dos iPhones 6S e 6S Plus em pouco tempo
O iPhone 6S, assim como o iPhone 6S Plus, ganhou uma câmera de 12 megapixels capaz de gravar vídeos em 4K. O formato de alta resolução, porém, gera arquivos muito grandes que podem consumir com facilidade todo o espaço disponível para dados na versão de 16 GB dos novos tops de linha da Apple.

Um minuto de vídeo em 4K, por exemplo, gravado a 30 quadros por segundo, gera um arquivo de, pelo menos, 375 MB. Para comparação, um vídeo com a mesma duração e taxa de quadros, mas com resolução Full HD, consumiria 130 MB. Em 4K, portanto, os vídeos são quase duas vezes maiores.

Ao considerar que o iOS deve consumir cerca de 4 GB do espaço disponível no celular, é possível calcular quanto tempo de vídeo seria necessário para ocupar os 12 GB que restam ao 6S. Se o usuário não tiver nenhum aplicativo ou mídias extras, a conclusão é a seguinte: em apenas 32 minutos de gravação, toda a memória do aparelho é ocupada.
No fim das contas, a ideia de ter uma câmera para gravar vídeos em 4K no celular pode não ser uma opção interessante na versão de 16 GB do novo smartphone da Apple. Vale lembrar que os novos iPhones 6S e 6S Plus têm versões de 64 GB e 128 GB, que podem ser as ideais para quem quer aproveitar bastante a nova câmera.

Via Phonearena


Fonte: Techtudo.com
 
 
 Delineador desce para pálpebra inferior na NYFW de verão 2016
Se depender da semana de moda de Nova York, o delineador que você usará no verão 2016 será diferente no quesito localização. Ao invés do tradicional risquinho logo acima dos cílios, dessa vez as marcas optaram por descer com o traçado até a pálpebra inferior. 

Na apresentação de Derek Lam, por exemplo, Tom Pecheux escolheu um tom de amarelo quase ocre para fazer um traço opaco de expessura generosa nos olhos das modelos. O mesmo recurso foi aplicado na beleza da Tracy Reese, só que com bronze metálico.

Já na Ohne Titel, o make up artist Kabuki usou quatro tons do Chromaline, da M.A.C, para enfeitar os olhos: o pink foi criado a partir da mistura do Process Magenta com o Pure White, enquanto o azul foi feito com mix de Hi-Def Cyan e Marine Ultra.

Na passarela de Tadashi Shoji a proposta foi outra: ao invés de cores fortes como nos shows de Derek Lam e Ohne Titel, o maquiador Pep Gay usou finas lâminas metálicas para dar vida à beleza de um desfile inspirado em memórias antigas do Japão.

Na 3.1 Phillip Lim, a make up artist Francelle Daly usou apenas o canto interno inferior (e o externo superior) para destacar os olhos do casting.


Fonte: vogue.globo.com/
 
 
 Ribeirão Preto teve 94 casos de dengue confirmados em agosto
Fonte: Prefeitura de Ribeirão Preto

Pelo quarto mês consecutivo, a Secretaria da Saúde divulga queda no número de casos confirmados de dengue em Ribeirão Preto. Segundo dados do Boletim Epidemiológico, emitido pela Divisão de Vigilância Epidemiológica no mês de agosto, foram registrados 94 casos contra 152 confirmados no mês anterior.

De um total de 3.596 casos confirmados no ano, a região oeste é a que concentra o maior número, com 1.153 pessoas contaminadas, seguida pela região leste com 818 e norte com 750. A região central registrou 509 e a sul 322. Outros 44 casos confirmados não têm indicação de distrito (região).

chikungunya

Ainda no mês de agosto foi registrado um caso suspeito de febre chikungunya. O paciente é um homem, atendido na rede pública municipal, e que apresentou os sintomas após voltar de uma viagem à Bahia. Este é o quinto caso suspeito de febre chikungunya no ano. Até o momento, nenhum caso foi confirmado.

 
 
 Modelo com Síndrome de Down desfila na Semana da Moda de NY
A modelo tem outros sete desfiles agendados para 2015 nos Estados Unidos, na Austrália e também na Suécia.

Uma adolescente com Síndrome de Down foi a estrela de um dos palcos mais importantes da moda.
“Não vou aceitar pessimismo”, disse Rosanne quando a filha nasceu com síndrome de Down, 18 anos atrás.
Madeline passou por uma cirurgia do coração na Austrália e os médicos disseram que ela tinha poucas chances de sobreviver.
Hoje, fala pouco. Em compensação, pega onda, treina pesado, faz ginástica. Um ano atrás, ela decidiu que queria ser modelo. Entrou em forma, aprendeu as manhas da passarela. E acaba de desfilar na Semana da Moda de Nova York, uma das mais importantes do mundo.
Ela começou meio tímida, mas depois se soltou. Cumprimentou o público. E recebeu os aplausos ao lado do estilista. A comemoração antecipada do aniversário foi no topo de um dos prédios mais altos da cidade.
Nova York é só um trampolim para a carreira de Madeleine, que tem outros sete desfiles agendados para 2015 nos Estados Unidos, na Austrália e também na Suécia. E assim, nas ruas, e também nas passarelas, ela vai fazendo o mundo repensar o conceito de beleza.
Entre uma pose e uma parada pra atender os fãs, ela diz que desfilar é a coisa que mais gosta. E conta que tem um namorado, o Robi.
Nas redes sociais, Madeline tem mais de 400 mil seguidores. Muitos são parentes de pessoas com algum tipo de deficiência, que agradecem a ela pela coragem e pelo exemplo.
O dinheiro que ganha com os desfiles profissionais, Madeleine usa para participar de eventos de caridade e conscientizar as pessoas sobre a Síndrome de Down.
"As coisas mais importantes da vida eu aprendi com ela", diz a mãe. "Não é um carro novo, uma casa. É amor e compaixão”.
E quem conhece a Madie retribui.
 
 
 'CPMF é imposto pequenininho' e 'não bate na inflação', diz Levy
Ministro da Fazenda falou à NBR sobre medidas de ajuste fiscal.
Levy mencionou quadro externo e ressaltou necessidade de ajuste.

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, explicou nesta terça-feira (15) em entrevista à NBR que a CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras) foi escolhida como parte das medidas para aumentar a arrecadação do governo por ser “um imposto pequenininho”. "Se você vai comprar alguma coisa que custa R$ 100, vai pagar R$ 0,20”, disse Levy.

O ministro voltou a afirmar que a proposta é que o imposto seja temporário. "A CPMF é um imposto para enfrentar um momento especial", diz Levy. "É mais fácil de cobrar, todo mundo paga - um pouquinho, mas paga -, não bate na inflação porque você coloca ali R$ 0,02 a cada R$ 10 que você gasta".

Na segunda-feira, Levy anunciou, ao lado do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, medidas fiscais de R$ 64,9 bilhões para garantir a meta de superávit primário de 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016.

Desse total, R$ 26 bilhões referem-se a corte de gastos do governo. Outros R$ 38,9 bilhões referem-se ao aumento de arrecadação, entre elas a proposta de retorno da CPMF.

"O que a gente fez ontem foi criar as condições para sair desse momento de travessia e conseguir chegar aonde a gente quer em segurança", afirmou Levy nesta terça sobre o ajuste fiscal, depois de ressaltar a importância de "ter a casa em ordem". "Um país que tem rombo no orçamento não é um país que cresce, um país que tem confiança."

economia da China e da queda dos preços das commodities. "O Brasil vai ter que se adaptar", afirmou ele, dizendo que o país terá que mudar seu "esquema tático" neste "ambiente diferente".

Entre as medidas de corte de gastos do governo, o ministro citou o adiamento do reajuste dos servidores, que deve reduzir as despesas em R$ 7 bilhões. "É um gasto importante que a gente deixa de fazer", disse Levy, apontando a necessidade de "distribuir" as medidas de corte.

Sobre perspectivas de melhora na economia, Levy disse que "tem várias áreas que já estão dando respostas, as exportações já estão melhorando". O ministro apontou também que a agricultura "é um setor que vai continuar dando boas notícias".

Cenário político
O ministro falou sobre as discussões políticas para que as medidas do ajuste fiscal sejam aprovadas pelo Congresso.

"Tem um pouquinho de incertezas, tem um pouquinho o lado que não é econômico, um pouquinho político, muita discussão. Algumas pessoas dizem que isso tem atrapalhado a economia porque tem levado as pessoas a ficarem com um pouco mais de dúvida e aí a economia anda mais devagar", afirmou.

"Se não tivesse tanta discussão em algumas coisas a gente já estaria sentindo a recuperação de uma maneira mais forte. Mas a democracia é isso, todo mundo tem o direito de falar."


Fonte: Globo.com
 
 
 Exportação de milho está longe de atingir projeção, avalia Cepea
Estimativa da Conab de exportação é de 26,4 milhões de toneladas.
Cepea diz que chuvas atrapalharam o carregamento do grão nos portos.

A estimativa de exportação de milho pelo Brasil - de 26,4 milhões de toneladas, na projeção da Conab - está cada vez mais longe de ser atingida, na avaliação do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). Segundo o instituto, as chuvas registradas na semana passada no Centro-Sul do País atrapalharam o carregamento do grão nos portos e o volume embarcado foi considerado baixo. O total exportado nas duas primeiras semanas de setembro (oito dias úteis) foi de 1,061 milhão de toneladas (média diária de 132,7 mil t), segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Segundo o Cepea, nos 4,5 meses que faltam para o fechamento da atual temporada, seria necessário embarcar 4,4 milhões de toneladas por mês - o que requereria média diária por volta de 220 mil toneladas, para 20 dias úteis. Neste ano, o melhor resultado foi obtido em janeiro, quando 3,4 milhões de toneladas de milho saíram de portos brasileiros - média diária de 152,2 mil toneladas.
A analista do Cepea, Ana Paula Silva Ponchio, avalia ainda que, se a estimativa de vendas externas não for atingida, o excedente de grão ao fim da safra deverá ser maior do que o projetado pela Conab. A companhia estimou o estoque final em 14,7 milhões de toneladas.

Apesar disso, os preços no mercado doméstico do grão seguem em alta. A cotação da saca de 60 quilos para retirada imediata no Porto de Paranaguá atingiu na segunda-feira, 14, o maior nível desde janeiro de 2013, fechando a R$ 32,36, segundo o Cepea. "O câmbio, de fato, tem favorecido cada vez mais a competitividade do grão brasileiro. Por outro lado, os Estados Unidos iniciaram a colheita - será a terceira maior produção de sua história -, o que acentua a concorrência internacional", afirma a analista em relatório.
 
 
 'Não são histórias de sucesso', diz ministro sobre dados de alfabetização
'Não são histórias de sucesso', diz ministro sobre dados de alfabetização
Renato Janine comentou resultado da Avaliação Nacional de Alfabetização.
Ministro da Educação afirmou que dados serão divulgados na quinta (17).

O ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, afirmou, nesta terça-feira (15), que os resultados da Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA) “não são uma história de sucesso”. A declaração foi dada durante uma palestra em um fórum de educação promovido pela editora Abril, na Zona Oeste de São Paulo.

Janine também confirmou que os dados serão divulgados na quinta-feira (17). Esta será a primeira divulgação de resultados da ANA após o Pacto pela Alfabetização na Idade Certa (Pnaic), assinado pela presidente Dilma Rousseff, em 2013. “Vamos ter a condição de comparar com o anterior e vamos dizer que os dados não são uma história de sucesso”, lamentou.
"O bom é que eles [dados] apontam o que devemos fazer. Apontam onde estão os problemas", amenizou o ministro. De acordo com ele, o número de crianças brasileiras de até 8 anos que se enquadra apenas nos níveis 1 e 2 de alfabetização, em uma escala que vai até 4, é preocupante.
"Nós temos desafios enormes. Temos um país que tem uma deficiência nesse tocante que é muito grande. Porém, nós temos as condições de ir, mesmo num período de recursos econômicos limitados, construindo os fundamentos para quando os recursos voltarem a bombar", completou.


Meta preocupa
Segundo Janine, a meta 5 do Plano Nacional de Educação (PNE), justamente a que trata sobre a alfabetização de crianças, é a que mais preocupa devido a sua "aparente falta de ambição", como classificou o ministro. 
A meta 5 determina que as crianças brasileiras têm de alcançar a alfabetização, que inclui também o conhecimento básico dos numerais, até o 3º ano do ensino fundametal. Ou seja, até a idade média de 8 anos. A estimativa foi definida como "modesta" por Janine.
"Basicamente, as pessoas de classe média e classe rica colocam seus filhos em escolas que alfabetizam bem antes dos 8 anos", explicou.


Edição de 2015 cancelada
Alegando motivos econômicos, o Ministério da Educação (MEC) resolveu cancelar a edição deste ano da ANA. O anúncio foi feito em julho. Em 2014, aproximadamente 2,9 milhões de alunos do 3º ano do fundamental realizaram a prova que avalia a qualidade do ensino na rede pública nacional. O custo da aplicação aos cofres públicos foi de R$150 milhões.
Criada em 2013, a ANA seria realizada anualmente, fazendo um diagnóstico da alfabetização dos alunos com testes de português e matemática. Diferentemente da Prova Brasil, a avaliação não é levada em conta no Índice de Desenvolvimento de Educação Básica (Ideb).


Fonte: g1.globo
 
 
 Alunos brasileiros estão na lanterna em ranking de habilidades digitais, diz OCDE
Estudo avaliou compreensão de leituras na internet e destreza para navegar em sites em jovens de 31 países; Cingapura fica em 1º lugar.

Os alunos brasileiros estão nas últimas posições em um ranking de 31 países que avaliou a habilidade de navegar em sites e compreender leituras na internet elaborado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

O relatório "Estudantes, Computadores e Aprendizado: Fazendo a Conexão", realizado no âmbito do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA) da OCDE de 2012, resultou do primeiro estudo da organização que analisa as competências de alunos na área digital.

O Brasil ficou na antepenúltima posição no ranking, à frente apenas dos Emirados Árabes e da Colômbia.

Os melhores resultados foram obtidos pelos alunos de Cingapura, Coreia do Sul, Hong Kong, Japão, Canadá e Xangai.


Computador na escola
Os resultados desses países (ou cidades) refletem os que foram obtidos no PISA de 2012 para avaliação de leitura em papel, "o que parece indicar que um bom número de habilidades úteis para navegar na internet pode também ser ensinada e adquirida por meio de técnicas de leitura clássicas", diz a OCDE.

O estudo sugere que o acesso e uso de computador importa menos no desenvolvimento da capacidade de navegação e leitura online do que um bom preparo básico. Sugere também que a habilidade para navegar na internet pode ser ensinada e adquirida com a ajuda de pedagogias e ferramentas tradicionais.

Os dois primeiros do ranking, os alunos de Cingapura e da Coreia do Sul, utilizam menos computadores na escola - apenas 70% dos alunos usam computador, no caso de Cingapura, e 42% na Coreia do Sul - do que a média dos países da OCDE - de 72%. Não há esse dado sobre o Brasil no estudo.

Segundo a organização, "o fato de assegurar que cada aluno atinja um nível de competências de base em leitura e matemática contribuirá mais para a igualdade em um mundo digital do que o simples fato de ampliar ou subvencionar o acesso a serviços e aparelhos de alta tecnologia".

"A leitura online solicita as mesmas competências que a leitura em papel. No entanto, é preciso acrescentar uma capacidade suplementar, que não é das menores: a de saber navegar entre páginas de texto e discernir as fontes pertinentes e dignas de confiança entre um número de informações aparentemente infinito", afirma o estudo.

Navegação
Para avaliar as habilidades na internet, os alunos - de 15 anos - tiveram de navegar por textos online através de links, atalhos e comandos de navegação para ter acesso à informação solicitada, além de criar um gráfico a partir de dados ou utilizar calculadoras na tela do computador.

Os pesquisadores analisaram o número de etapas para buscar informações e também a capacidade para navegar de maneira focada na busca por determinados assuntos (clicando corretamente, por exemplo, na sequência de páginas que permitiam realizar a tarefa solicitada).

O documento revela que mesmo os países que investiram consideravelmente nas tecnologias da informação no sistema educacional não tiveram nenhuma melhoria notável dos resultados nas avaliações de compreensão da escrita, matemáticas e ciências do PISA.

"Os sistemas escolares devem encontrar soluções mais eficazes para integrar as novas tecnologias no ensino e no aprendizado", afirma Andreas Schleicher, da direção de educação e competências da OCDE.


Fonte: g1.globo
 
 
 Faltam 45 dias para o Enem. Veja roteiro com dicas para boa redação
Faltam 45 dias para o Enem: veja roteiro com dicas para boa redação
Título da redação é opcional, mas saber defender ideias é obrigatório.
No ano passado, exame teve publicidade infantil como tema; veja lista.

Fazer um texto dissertativo-argumentativo capaz de receber nota 1.000 no Exame Nacional do Exame Médio (Enem) é um desafio: em 2014, somente 250 alunos de todo o país conseguiram a façanha. Faltando 45 dias para a edição 2015, o G1 reúne dicas de especialistas para aproveitar bem o tempo até a prova do Enem.

Abaixo, em passos, veja 15 dicas de como se prepar para a prova:

1 - Leia artigos de opinião
Colunista do G1 e autora do livro "Redação Excelente! Para Enem e Vestibulares", a educadora Andrea Ramal aponta que é preciso investir na leitura.
"Leia muito, sobretudo artigos de opinião de jornais e sites de notícias. Os artigos de opinião são textos dissertativo-argumentativos: exatamente o estilo que você terá que usar na prova do Enem e da maioria dos vestibulares. Quanto mais você ler, mais vai ampliar seus conhecimentos e, além disso, fixar a estrutura correta de um texto, reparando como o autor liga as ideias na introdução, desenvolvimento e conclusão."

2 - Perfil dos temas
Para Lilio Paoliello, diretor pedagógico do Cursinho da Poli, gênero, religião e política têm chances menores de aparecer como tema. "Como a prova é preparada com muita antecedência, assuntos recentes têm pouca chance de aparecer. Tradicionalmente, trata-se de temas que discutem problemas da comunidade, focados em ambiente, sociedade e cultura, mas sem tocar diretamente em questões como gênero, religião e política."

3 - Treine o tempo: uma hora
Para Andrea Ramal, é hora de treinar o bom uso do tempo. "Escolha temas relevantes e escreva sobre eles como se fosse no dia da prova. Você tem uma hora para escrever seu texto, certo? Faça primeiro um rascunho, descanse alguns minutinhos e, depois, releia e passe a limpo fazendo as alterações finais. Sabe os atletas, que treinam tanto para ganhar medalha nas competições? Redação também é assim. Quanto mais você treinar, melhor."

4 - Seja seguro e preciso
"Seja preciso nas palavras. Se você não tiver certeza sobre o significado de um termo, ou não lembrar da grafia correta, consulte o dicionário. Se tiver dúvida na regência ou concordância verbal e nominal, consulte a gramática. Assim você dominará cada vez mais a norma culta da língua portuguesa. E na hora da prova, que não pode consultar nada? Se tiver dúvida, troque a expressão por outra, sobre a qual você tenha certeza", aponta Andrea Ramal.

O diretor do Cursinho da Poli complementa: "O candidato deve sempre pensar que está escrevendo para outra pessoa ler. Por isso, é recomendável evitar palavras de grafia ou significado não conhecido e, caso seja necessário, optar por termos substitutos que não envolvam tantas dúvidas."

5 - Lembre de fugir do pleonasmo
"Evite pleonasmos, ou seja, repetições que revelam mau uso da linguagem. Por exemplo: subir para cima, protagonista principal, ver com seus próprios olhos, surpresa inesperada, retomar de novo e assim por diante. Não faça generalizações, como por exemplo: “A economia sempre cresce quando...” ou “Esta é a melhor solução”... Em vez dessas frases, é mais adequado dizer: “A economia costuma crescer quando...” ou “Esta pode ser uma das soluções mais indicadas”.

6 - Refaça redações com temas já abordados
"Faça redações de vestibulares de anos anteriores e, sempre que possível, peça a seu professor para corrigir e sugerir melhorias. Ao escrever, leia o enunciado com atenção. Uma das maiores causas de perda de pontos é fugir ao tema. Nesse ponto, os textos de apoio, que aparecem na proposta de redação, podem ajudar bastante: num tema muito amplo, eles dão o foco que você deve seguir."

7 - Entenda as competências exigidas
A correção da prova é baseada, sobretudo, no domínio de 5 competências:

- COMPETÊNCIA 1: Demonstrar domínio da norma padrão da língua escrita.
- COMPETÊNCIA 2: Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.
- COMPETÊNCIA 3: Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.
- COMPETÊNCIA 4: Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários à construção da argumentação.
- COMPETÊNCIA 5: Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

8 - Sem medo de intervir
"A temida proposta de intervenção pode ser facilmente guiada pelas seguintes perguntas: quem faria essa intervenção? Quando? Como? Lembrando, claro, que o plano deve estar dentro da lei e deve respeitar os direitos humanos", pontua Lilio Paoliello, diretor pedagógico do Cursinho da Poli.

9 - Leia de forma frequente
É difícil escrever bem ser ler constantemente. "São comuns os erros ortográficos e a falta de informação, que resultam em problemas de coesão e coerência no texto. Essas dificuldades podem ser evitadas com leitura constante e frequente, que familiariza o candidato com as palavras em seu sentido correto, a norma culta de nossa língua e com o formato do texto dissertativo-argumentativo", explica o diretor do Cursinho da Poli.

10 – Pense no que pode dar em ZERO
Há algumas práticas que resultam em zero imediato. São elas: - Não atender a proposta solicitada ou desenvolver outra estrutura textual que não seja a do tipo dissertativo-argumentativo; - Entregar a folha de redação sem texto escrito; - Escrever até 7 (sete) linhas, qualquer que seja o conteúdo; - Impropérios, desenhos e outras formas propositais de anulação; - Desrespeito aos direitos humanos; - Parte do texto deliberadamente desconectada com o tema proposto.


11 - Não comece pela redação
Para o Professor Jacson Andrade, mestre em linguística aplicada e ex-colunista da TV Rio Sul, afiliada da Globo no Sul do Rio, os estudantes devem evitar começar o Enem pela redação:
“Leia atentamente a proposta de redação, mas jamais comece por ela. Embora isso possa causar uma sensação de perda de tempo, estimulará o subconsciente a buscar soluções para resolver o tema e você poderá encontrar outros fragmentos motivadores durante a execução da prova”, afirmou.

12 - Dê um tempo ao texto
De acordo com o docente, também é importante que o candidato “se afaste” do texto por um tempo após concluí-lo para facilitar a identificação de possíveis erros que tenha cometido.

“É uma das melhores estratégias para se evitar erros. Entre o rascunho e a passada a limpo, vá ao banheiro, lave o rosto e coma uma barra de cereais. Você ganhará aproximadamente trinta minutos de ‘tempo psicológico’ e identificará com mais precisão os pequenos equívocos na escrita”.

13 - Introdução de sucesso
Começar a redação demonstrando conhecimento dos principais fatos históricos pode ser um ingrediente importante na receita para um texto bem avaliado no exame.

“Há quase dez formas de se iniciar uma redação, mas aproximadamente 70% das que obtiveram nota mil contemplaram a ‘alusão histórica’. A razão é bem simples: a alusão encanta o leitor, permite melhor contextualização e evita o temível ’branco’ durante a escrita”, conta o Professor Andrade.

14 - Citação de matérias escolares
Segundo o educador, outro ponto que costuma alavancar as notas da redação no Enem é a utilização de conhecimentos adquiridos em outras disciplinas escolares durante a elaboração do texto.

"Numa proposta que trate da questão do lixo, por exemplo, convém trazer Antonie Lavoisier, o pai da química moderna, que definiu que na natureza tudo se transforma. Já para o tema falta d’água, não deixe de apontar que para toda ação do homem há uma reação da natureza, o que sintetiza a terceira Lei do físico Isaac Newton", exemplificou.

15 - Tema não é assunto
Entender a diferença entre tema e assunto pode evitar o que os avaliadores classificam como “tangenciamento ao tema”, que nada mais é do que o desenvolvimento textual apenas nos limites do assunto, sem a abordagem do problema social temático, conforme explica Andrade.
"Assunto é o que se discute de forma ampla, genérica ou restrita. Já o tema deve ser considerado como sinônimo vulgar de 'problema de amplitude social'", explica. O docente deu exemplos de cada um. "Jogos Olímpicos" seria assunto e "A falta de estrutura durante os Jogos", tema.

Temas que já caíram no Enem
Relembre os temas e avalie sobretudo a linha adotada mais recentemente pelos responsáveis pela elaboração da prova:

1998:  Viver e aprender
1999:  Cidadania e participação social
2000:  Direitos da criança e do adolescente: como enfrentar esse desafio nacional
2001:  Desenvolvimento e preservação ambiental: como conciliar os interesses em conflito?
2002:  O direito de votar: como fazer dessa conquista um meio para promover as transformações sociais que o Brasil necessita?
2003:  A violência na sociedade brasileira: como mudar as regras desse jogo
2004:  Como garantir a liberdade de informação e evitar abusos nos meios de comunicação
2005:  O trabalho infantil na sociedade brasileira
2006:  O poder de transformação da leitura
2007:  O desafio de se conviver com as diferenças
2008  Como preservar a floresta Amazônica: suspender imediatamente o desmatamento; dar incentivo financeiros a proprietários que deixarem de desmatar; ou aumentar a fiscalização e aplicar multas a quem desmatar
2009:  O indivíduo frente à ética nacional
2010:  O trabalho na construção da dignidade humana
2011:  Viver em rede no século 21: os limites entre o público e o privado
2012:  Movimento imigratório para o Brasil no século 21
2013: Efeitos da implantação da Lei Seca no Brasil
2014: Publicidade infantil em questão no Brasil


Fonte: G1.globo
 
 
 Vendas do comércio recuam e têm pior julho desde 2000
Vendas do comércio recuam 1% e têm pior julho desde 2000
Essa é a sexta queda consecutiva do varejo, segundo o IBGE.
No ano, as vendas acumulam queda de 2,4%.

Pelo sexto mês consecutivo, as vendas do varejo brasileiro recuaram. Em julho, na comparação com junho, a baixa foi de 1%, a maior, considerando o mês, desde 2000, quando teve início da série histórica do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (16).

Em relação ao mesmo mês de 2014, a retração foi ainda maior, de 3,5%. No ano, as vendas acumulam queda de 2,4% - a quinta taxa negativa e o pior resultado desde março de 2003, quando a baixa foi de 6,1%. Nos últimos 12 meses, o índice acmula queda de de 1%.

"As vendas do comércio varejista estão 7,2% abaixo do ponto mais alto da série, alcançado em novembro de 2014", informou Isabella Nunes, gerente de serviços e comércio do IBGE.
A gerente explicou que apesar de julho do ano passado ter sido impactado pelo "efeito Copa do Mundo", quando ocorreram feriados por causa dos jogos, em 2015, o mês teve o mesmo número de dias úteis do que em 2014. "Isso torna resultado negativo mais relevante."

De junho para julho, a maioria dos segmentos do varejo registrou queda, com destaque para equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-5,5%) e móveis e eletrodomésticos (-1,7%).

Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que têm maior peso no indicador, teve queda igual à média nacional, de 1,0%. Segundo o IBGE, pesaram nesse resultado os salários menores e o aumento dos preços de alimentos.
Ao considerar o comércio varejista ampliado, que inclui as vendas de veículos e material de construção, o volume de vendas cresceu 0,6%.

Móveis e eletrodomésticos
Em relação a julho do ano passado, o varejo caiu na maioria dos ramos pesquisados e ainda remontou aos anos de 2002 e 2003, período ruim para o setor, segundo Isabela Nunes.
As baixas mais expressivas foram vistas nos segmentos de móveis e eletrodomésticos (-12,8%); hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-2,1%) e  tecidos, vestuário e calçados (-8,1%).

De acordo com o IBGE, a queda das vendas de móveis e eletrodomésticos foi o que mais impactou a taxa geral do comércio. "Por se tratar de uma atividade cujas vendas são associadas, especialmente, às condições de crédito, seu comportamento este ano vem sendo afetado pelo aumento dos custos de financiamento, evidenciado pela elevação da taxa de juros", disse o IBGE.

Segundo Isabela, as principais influências sobre a queda de 3,5% em julho, em relação ao ano anterior, são restrição de crédito, redução da massa salarial, evolução dos preços de alimentos em domicílio e baixo nível de confiança do consumidor

"Essa combinação para o consumo doméstico é bastante impactante. E é o que a gente vem observando no cenário atual. Isso tudo leva a um quadro inibidor para o consumo doméstico. A inflação também, porque a inflação reduz o salário real". ‎ "Mesmo que você não tenha sido demitido,o colega foi, então, você vai adiar aquela compra."

Comércio por estado
A maioria dos estados registrou queda nas vendas do varejo. De junho para julho, as maiores quedas partiram do Amapá (-4,9%) e Minas Gerais (-0,3%). Na outra ponta, cresceu o comércio de Roraima (2,7%), do Pará (1,6%), da Paraíba (1,3%) e do Amazonas (0,3%).

Nos estados do Maranhão, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal, o volume de vendas não variou.

Já na comparação com julho de 2014, as quedas foram vistas no varejo do Amapá (-17,4%) e Ade lagoas (-11,7%).


Fonte: G1.globo
 
 
 Ações chinesas têm forte alta em meio a suspeitas de intervenção
Pequim estaria convocando bancos ligados ao governo a comprarem ações.
Avanço das ações foi de quase 5% nesta quarta-feira.

As ações chinesas saltaram quase 5% nesta quarta-feira (16) em meio a suspeitas de intervenção do governo, com uma enxurrada de compras logo antes de o mercado fechar ajudando a reverter muitas das perdas do começo da semana.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, subiu 4,98% para 3.309 pontos, enquanto o índice de Xangai teve alta de 4,91%, para 3.152 pontos.

O rali incluiu as ações da CITIC Securities, maior corretora chinesa, que disse na terça-feira que alguns de seus gerentes sêniores estavam sob investigação policial como parte do processo sobre possíveis manipulações do mercado.

A alta já no final das operações elevou os principais índices acionários chineses, um fenômeno que os mercados geralmente interpretam como intervenção do governo para elevar os valores antes do fechamento.

Pequim está tentando elevar seus mercados de ações debilitados, que tiveram perdas de cerca de 40%desde meados de junho, convocando o seu chamado "time nacional" de bancos, fundos e corretoras ligadas ao governo para comprar ações.


Fonte: globo.com
 
 
 Dólar comercial opera em queda e é negociado a R$ 3,851
SÃO PAULO - Em meio ao cenário político conturbado e às vésperas da decisão sobre a taxa de juros nos Estados Unidos, o dólar comercial opera em queda nesta quarta-feira. Às 9h58, a moeda americana era cotada a R$ 3,849 na compra e a R$ 3,851 na venda, recuo de 0,28% ante o real.

Na terça-feira, a divisa subiu 1,15%, a R$ 3,862, com investidores questionando se o governo federal será capaz de implementar as medidas de cortes de gastos e aumento de impostos propostas na segunda-feira com o objetivo de evitar um déficit nas contas públicas em 2016 e, assim, não piorar ainda mais o perfil da dívida do país - um dos motivos que pode fazer com que as agências de classificação de risco rebaixem a nota (rating) do Brasil.

Além do cenário político, que irá determinar o avanço dessas medidas, os investidores estão de olho na reunião do comitê de política monetária do Federal Reserve (Fed, o bc americano) que irá se reunir nesta quarta e quinta-feira. A decisão sobre a elevação ou manutenção dos juros será divulgada no último dia do encontro. “Aqui deveremos ter uma sessão independente do exterior. Lá fora o dólar ganha das moedas fortes e perde para a maioria das emergentes e, internamente, o conturbado cenário político é que vai guiar a moeda”, avaliou Guilherme França Esquelbek, analista da Correparti Corretora de Câmbio.


Fonte: oglobo.com
 
 
 'Usar crise para chegar ao poder é versão moderna do golpe', diz Dilma
'Usar crise para chegar ao poder é versão moderna do golpe', diz Dilma
Presidente falou a rádio de Presidente Prudente na manhã desta quarta.
Ela ainda criticou aqueles que preferem o 'quanto pior melhor'.


A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quarta-feira (16), em entrevista a rádio de Presidente Prudente (SP), que usar a crise pela qual o país passa para chegar ao poder é uma "versão moderna do golpe".

"Todos os países que passaram por dificuldades, você não viu nenhum país propondo a ruptura democrática como forma de saída da crise. Esse método que é querer utilizar a crise como um mecanismo para você chegar ao poder é uma versão moderna do golpe", afirmou a presidente.

Para ela, há no país pessoas que não se "conformam" com o fato de o Brasil ser uma "democracia sólida", que tem a legitimidade dada pelo "voto popular". Ela disse que essas pessoas torcem pelo quanto pior melhor para depois poderem "pescar em águas turvas".

"Eu acredito que tenham ainda no Brasil infelizmente pessoas que não se conformam que nós sejamos uma democracia sólida, cujo fundamento maior é a legitimidade dada pelo voto popular. Essas pessoas geralmente torcem pro quanto pior, melhor. E aí é em todas as áreas. Quanto pior, melhor, na área da economia. Quanto pior, melhor na área da política. Todas elas esperando uma oportunidade para pescar em águas turvas", completou Dilma.
Perda do grau de investimento

Ela também comentou o rebaixamento da nota de crédito do país pela agência Standard & Poor´s. Com o rebaixamento, anunciado na semana passada, o Brasil perdeu o selo de "bom pagador", na avaliação da agência.

"Muitos países nesta década passaram por situações difíceis e tiveram suas notas de risco rebaixadas. Isso aconteceu tanto com os Estados Unidos, em 2011, como também com a França, com a Itália e com a Espanha, em 2012. E agora aconteceu conosco. Todos os países foram muito maiores do que as suas notas. O Brasil é muito maior do que a sua nota também. Todos voltaram a crescer e assim vai ser com o Brasil também", afirmou a presidente.

Dilma afirmou ainda que o país não tem problema de crédito internacional nem de investimento e ressaltou medidas que o governo vem tomando para a retomada do crescimento.
"Estamos honrando nossos compromissos e contratos. Não temos problemas de crédito internacional nem tão pouco problema para atrair investimento para o Brasil. Aliás, somos um dos países em que mais há entrada de capital pra isso. Nós também estamos tomando dois tipos de medida: uma é de controle da inflação e de equilíbrio fiscal do nosso orçamento federal e as outras são de estímulo ao crescimento, como o programa de rodovias, ferrovias, portos e aeroportos", continuou a presidente.

Para Dilma, o Brasil é uma economia "grande e diversificada", que vai conseguir "atravessar o período de crise".

"Nós somos a sétima economia do mundo e por isso vamos atravessar esse período de crise que muitos países passaram, que nós inclusive procuramos de todos os meios evitar, não foi possível. E vamos fazer todas essas medidas, tanto as de reequilíbrio ou ajuste fiscal e as de estímulo ao investimento, à agricultura para voltar a crescer e gerar emprego", afirmou a presidente.

Fonte: g1.globo

 
 
 Exposição espanhola desembarca no Brasil unindo gastronomia e design
Cozinhar é desenhar pratos", diz o chef espanhol Ferran Adrià: a fusão entre a gastronomia e a criatividade é exatamente a proposta da mostra "Tapas: Spanish Design for Food", que ficará em exibição em São Paulo até o próximo dia 8 de novembro, no Museu Casa Brasileira.

Após um périplo que a levou por Tóquio, Madri, Estados Unidos e México, a exposição agora apresenta ao público brasileiro a importância do design na evolução da gastronomia espanhola através de mais de 200 objetos usados para preparar ou desfrutar de uma refeição.

A melhor almotolia do mundo, projetada por Rafael Marquina em 1969; um alguidar construído com sedimentos do café e um totó transformado em mesa são alguns dos objetos que ilustram na exposição o "desenvolvimento da cultura gastronômica" na Espanha.

"O design se colocou a serviço da experiência de comer", explicou à Agência Efe o arquiteto e designer Juli Capella, curador da exposição, que foi aberta na terça-feira pelo embaixador da Espanha no Brasil, Manuel de La Camara Hermoso.

É nessa união entre a comida e o design na qual Adrià, nomeado cinco vezes o melhor chef do mundo, teve um papel fundamental.

"Ferran Adrià marcou um antes e depois do ponto de vista criativo. Ele volta a interpretar o passado acrescentando distintas disciplinas, entre elas o design", destacou Capella.

A mostra apresenta alguns dos objetos planejados por Adrià, mas também deixa espaço para a criação de outros dos grandes da culinária espanhola, como Joan Roca e Juan Mari Arzak, nomes de peso que a "Tapas" coloca ao lado de artistas como Antoni Miralda e Javier Mariscal.

A exposição, que pela primeira vez é realizada na América do Sul, é dividida em três espaços. No primeiro, "Tapas" abre as portas da cozinha e apresenta a evolução dos recipientes, entre eles a famosa moringa, tão apreciada pelo diretor de cinema espanhol Josep Joan Bigas Luna.

No segundo, o protagonista é a mesa, e nela o design chega pelos talheres, como os idealizados pelo restaurante El Bulli, de Ferran Adrià, em colaboração com o projetista industrial suíço Luki Huber, que vive na Espanha.

No terceiro é prestada uma homenagem à comida espanhola: os "chupa-chups" - cujo logo foi desenhado por Salvador Dali -, a paella, o chocolate e também as tapas espanholas, "o santo e a senha" da cozinha do país.

Suas origens remontam à Idade Média, quando nas tavernas eram utilizadas rabanadas de pão para tapar uma jarra, evitando, portanto, a entrada de migalhas no recipiente. Porém, o tempo deu espaço a uma versão mais sofisticada, na qual se fundem o design e a gastronomia.

Para o curador, a mostra, apresentada pela Ação Cultural Espanhola, não serve só para "divertir e instruir", mas também pode inspirar o Brasil, "um país rico em gastronomia".

"O Brasil é uma sociedade em rápida evolução, uma grande tradição e muito cuidado com o design, tem grandes arquitetos. Essa mostra vai servir de revulsivo", ressaltou Capella.

Por causa da exposição, a embaixada da Espanha no Brasil lançará em outubro a "Tapas Week", uma semana na qual o tira-gosto será oferecido em diferentes restaurantes de São Paulo.

Fonte: culinaria.terra.com.br
 
 
 ONG compra cães que iriam virar comida na Coreia do Sul
Para um ocidental vivendo na Coreia do Sul, umas das coisas mais difíceis de se acostumar é com o hábito local de se comer cachorro.

Grupo de ativistas acredita que há maneiras de colocar fim ao consumo de carne canina.

A prática, nauseante para muitos, faz parte da tradição culinária de alguns países asiáticos.

Mas o choque é tão grande que muitos ocidentais que vivem nesses países se tornam ativistas contra o consumo de carne de cachorro.

Esses ativistas são cada vez mais vistos em mercados da China, Vietnã e Coreia do Sul protestando contra a venda de cães para virarem comida.

Segundo tradição local, comer carne canina é algo assiciado à virilidade

Mas do outro lado estão os criadores e comerciantes de cachorros ou de sua carne, que sentem sua subsistência ameaçada. Muitos asiáticos acusam o Ocidente de hipocrisia. "Vocês comem carneiro, vaca, galinha. Então, qual a diferença?", questionam.

Mas se normalmente esse é um debate que não chega a lugar nenhum, nesta semana, ele resultou em um inusitado acordo.

Um fazendeiro libertou mais de 100 de seus cães e, em troca, os ativistas das ONGs Humane Society International e Change For Animals Foundations lhes deram dinheiro e um plano que lhe permitiria mudar de ramo de negócios.

Os cachorros foram vacinados há um mês e voarão nesta semana para a Califórnia, onde serão adotados.

ONGs pagam fazendeiros para que eles parem de criar cães para o consumo
O fazendeiro agora será monitorado para não voltar a vender cães para negócios envolvendo o comércio da carne do animal.

Ele também concordou em conversar com outros fazendeiros para encorajá-los a deixar de vender cães para consumo.

As ONGs não divulgaram o valor pago ao fazendeiro nesse caso específico, mas normalmente as compensações giram em torno de 2 mil a 60 mil dólares.

Porta entreaberta
"Nosso objetivo é colocar um fim à indústria de consumo de carne de cachorro na Coreia do Sul. E, para isso, estamos trabalhando com os integrantes dessa indústria", diz Lola Webber, britânica fundadora do Change for Animals.

Segundo ativista, animais sofrem maus tratos antes de serem abatidos

Os ativistas estão tentando abrir de vez uma porta que já está entreaberta. Isso porque à medida que os sul-coreanos estão ficando mais ricos, as atitudes e as preferências estão começando a mudar.

Animais de estimação estão ficando mais populares e, assim, a ideia de se ter um cachorro no prato está sendo menos aceita.

De um lado, há cada vez mais restaurantes e cafés "dog friendly". De outro, restaurantes que servem cães estão fechando as portas. Seul já teve 1.500 locais que vendiam esse tipo de carne – hoje, há cerca de 700, menos da metade.

Os cães libertados nesta semana serão levados par aos EUA e adotados na Califórnia


Mas comer carne de cachorro é parte da cultura local, especialmente durante o verão, quando ocorre um conhecido festival de três dias que serve pratos com esse tipo de carne.

A carne geralmente é picada e servida em um guisado. Mas, cozida por um longo tempo, é o principal ingrediente de um tônico com supostas propriedades curativas, em geral vendido em lojas próximas de hospitais.

Muitos coreanos compartilham da opinião de que ocidentais não deveriam lhes dizer como deveriam viver suas vidas.

"Coreanos comem comida que se adaptam aos coreanos", disse Kin Soo-gyun, o fazendeiro que libertou os cachorros nesta semana.

Hipocrisia?
Os cães que ficam nas jaulas ficam traumatizados por verem os outros cachorros sendo mortos diante de seus olhos.

A ativista Lola Webber entende o fato de alguns sul-coreanos chamarem os ocidentais de hipócritas. Ela é vegetariana e acredita que nenhum tipo de carne deveria ser consumida. Mas sua principal crítica à indústria de consumo de carne canina é a maneira brutal como os cães são abatidos.

No mercado de cães de Seul, eles são eletrocutados. Primeiro, o cachorro é escolhido pelo cliente. Em seguida, é colocado um eletrodo em sua boca. Se ele não morrer instantaneamente, recebe um segundo choque.

Os cães que ficam nas jaulas ficam traumatizados, afirma Lola, por verem os outros cachorros sendo mortos diante de seus olhos.

Tradicionalmente, os cachorros são pendurados e espancados até a morte, porque acreditava-se que a experiência de terror deixava o gosto da carne melhor.

Não está claro se torturas assim ainda ocorrem em algumas áreas.


Aos poucos, muitos estão deixando de comer carne canina na Coreia do Sul e começando a ter cães como animais de estimação

Em Seul, os vendedores se dividem sobre o combate ao consume de carne canina.

Muitos se revoltam contra os manifestantes, mas também há quem expresse o desejo de sair desse ramo.

"Se tivéssemos apoio financeiro, podíamos derrubar esse mercado e transformá-lo em local de venda de animais de estimação", disse um dos vendedores. "Há muito tempo eu tenho esse desejo, mas tenho que trabalhar."

Colocar um fim em toda essa indústria não será tarefa fácil. Ninguém sabe ao certo quantas fazendas de cães há no país. Algumas têm cerca de 100 animais, outras têm mais de mil cães. Invariavelmente, eles estão em gaiolas ou acorrentados, expostos ao frio e ao intenso verão sul-coreano.

Comida de macho
Comer cães também é associado à virilidade. Por isso, muitos pais levam seus filhos para comer o animal, como parte de um ritual de crescimento.

Segundo ativistas, muitos vendedores de cães estão dispostos a mudar de ramo, se tiverem apoio financeiro

Eu conheci um grupo de sul-coreanos, todos com cerca de 30 anos, que se encontra regularmente para jantar.

A maioria deles foi levada pelo pai para comer carne canina quando eram mais novos.

Um deles comeu uma parte íntima de um cachorro, que é considerado "algo para machos". Ele conta que passou muito mal depois disso.

Os sul-coreanos do grupo me contaram que eles não estão mais frequentando restaurantes que servem carne canina.

No último encontro, escolheram um local que serve baiacu. O peixe pode ser mortal se não for preparado da maneira correta – e também é considerado "comida de macho".

Vários deles disseram que não vão levar os próprios filhos no ritual de comer carne canina. Alguns estão, inclusive, pensando em ter cães como animais de estimação. Os tempos estão mudando.


Fonte: noticias.terra.com.br/
 
 
 Maior feira tecnologia do mundo reúne 160 mil pessoas
San Francisco - A conferência anual da companhia de software na nuvem Salesforce, o maior evento tecnológico do mundo com cerca de 160 mil participantes, teve início nesta terça-feira na cidade de San Francisco, onde praticamente todos os hotéis estão lotados.

A escassez de quartos levou a Salesforce a contratar um cruzeiro de luxo, ancorado no porto de San Francisco desde o domingo para receber 1.100 pessoas do total de participantes da conferência, que segue até sexta-feira no Centro de Convenções Moscone.

A Salesforce, com sede em San Francisco e conhecida por ter automatizado tarefas recorrentes dos profissionais de vendas e marketing, ajuda também as empresas a lidar com as chamadas dos serviços de atendimento aos clientes.

A companhia quer ir agora um passo adiante e anunciou hoje várias iniciativas, entre elas uma plataforma que procura melhorar a análise dos dados colhidos de dispositivos conectados à rede, a chamada "Internet das Coisas".

O serviço anunciado hoje pela Salesforce - IoT Cloud - oferece a possibilidade de monitorar e obter informações valiosas desses dispositivos conectados à rede mundial de computadores.

"O IoT Cloud conecta bilhões de eventos de dispositivos, sensores e aplicativos da Internet das Coisas ao Salesforce, o que permite aos clientes obter informações para tomar decisões corretas no momento preciso", indicou a companhia em comunicado.

A plataforma da Internet das Coisas é um dos vários esforços da Salesforce para promover o levantamento de dados através da automatização de processos, a análise de dados e o uso de tecnologia inteligente. A previsão é que o cofundador e executivo-chefe da empresa, Marc Benioff, transforme o assunto no tema central do evento realizado nesta semana.

Benioff confia que pode oferecer a empresas que não têm um perfil tecnológico serviços automatizados e recomendações para os clientes, algo que já faz a Amazon. A nova plataforma combinaria informação de sensores e smartphones com os dados já sob controle da Salesforce, como transações financeiras e perfis pessoais.

A Salesforce também apresentou outro produto hoje. Batizado como IQ, ele rastreia todos os contatos de uma companhia com um cliente para manter a equipe de vendas informada sobre reuniões e outros assuntos relevantes.

Se alguém envia um e-mail sugerindo uma possível data para um encontro, por exemplo, o IQ examina o calendário e elimina opções de forma automática à medida que a agenda seja preenchida no programa.

A conferência, que termina na sexta-feira, inclui 1.600 apresentações e participantes de 78 países.

Está previsto que os executivos-chefes do Uber, Travis Kalanich, e da Microsoft, Satya Nadella, participem amanhã do evento, que contará com a presença de um orador principal surpresa.

Na quinta-feira, a conferência falará sobre a liderança feminina e contará com a presença com a diretora-executiva do YouTube, Susan Vojcicki, e as atrizes Jessica Alba e Goldie Hawn.

Entre os eventos paralelos, destaque para a realização de um show na noite de quinta-feira, que terá a participação das bandas Foo Fighters e The Killers.


Fonte: exame.abril.com.br
 
 
 Pub de Ribeirão Preto é premiado com certificado de excelência pelo TripAdvisor
O Vila Dionísio, de Ribeirão Preto, foi premiado pelo TripAdvisor, site de viagens que fornece informações e opiniões de conteúdos relacionados ao turismo, com o certificado de excelência 2015.

O pub recebeu mais de 110 avaliações "excelente" no portal e ficou em primeiro lugar entre as opções de casa noturna na cidade. O atendimento e os shows foram os mais bem avaliados pelo público.

"É uma grande conquista receber o certificado de excelência e fazer parte de um seleto grupo de estabelecimentos escolhidos pelos clientes como os melhores. Estamos honrados e felizes em saber que atendemos bem e cumprimos com a nossa missão de levar diversão e música de qualidade para a noite ribeirão-pretana", declarou Rogério Tosi, um dos sócios do pub.

O Vila Dionísio fica na rua Eliseu Guilherme, 567, no bairro Jardim Sumaré. Mais informações no site .
 
 
 USP Ribeirão Preto é o 1º campus em SP a ter aparelho de leitura para cegos
Equipamento transforma texto em áudio e braile em menos de 30 segundos.
Serviço é aberto à comunidade e será oferecido também na capital paulista.

Após perder a visão aos 20 anos de idade por uma doença degenerativa, o biólogo Márcio Penha conta que enfrentou muitas dificuldades para concluir a faculdade e, depois, o mestrado e o doutorado. Amigos e familiares precisavam transcrever livros e apostilas no computador, ou gravar a leitura em áudio, para que ele pudesse ouvir e estudar.

Atualmente, como professor universitário e pesquisador, Penha diz que a nova fase da carreira acadêmica vai ser superada com mais facilidade. Isso porque, o campus da Universidade de São Paulo (USP) em Ribeirão Preto (SP), onde ele trabalha, foi o primeiro no estado a receber um equipamento que permite aos deficientes visuais ter acesso ao conteúdo de qualquer livro impresso.
O aparelho é composto por um scanner com uma câmera acoplada na parte superior, que digitaliza as páginas dos livros, revistas, jornais e apostilas. O arquivo é enviado para um computador, que reproduz o conteúdo em áudio e em braile, ao mesmo tempo. Todo o processo demora menos de 30 segundos e os textos podem ser traduzidos para dez idiomas.

“Eu considero isso como um divisor de água. Isso é a inclusão em sua plenitude. Hoje, eu simplesmente pego o livro que preciso, coloco no scanner e ele automaticamente transcreve em áudio. Eu consigo ter um acesso muito mais eficiente, com muito menos problemas e muito menos constrangimento”, diz Penha.
O livro digitalizado também pode ser armazenado em um pen drive e ser escutado ou lido em braile em casa, em qualquer outro software de acessibilidade a deficientes visuais. Pessoas com baixa visão ainda têm a possibilidade ampliar a fonte na tela. “Isso me motiva a buscar até outras áreas do conhecimento”, afirma o biólogo.

Sem fronteiras
A biblioteca central da USP em Ribeirão Preto foi a primeira de São Paulo a receber o equipamento, avaliado em R$ 16 mil. Outros dois ainda serão instalados na faculdade de educação na capital paulista e na Escola de Artes, Ciências e Humanidades, na USP Leste.
A diretora da biblioteca do campus em Ribeirão, Paula Almeida, explica que o aparelho é diferente dos scanners convencionais que já existem no mercado porque a digitalização é mais precisa, o que evita ruídos de leitura provocados pelo não reconhecimento de caracteres especiais e acentos.
Paula destaca ainda que o serviço não estará disponível apenas aos universitários, docentes e funcionários da USP, mas a qualquer pessoa com baixa visão ou deficiente visual. A utilização é gratuita e os interessados também contarão com auxílio dos bibliotecários.
“É um incentivo para que essas pessoas estudem, voltem a estudar, retomem suas necessidades para um crescimento profissional. Esse equipamento vai facilitar muito a vida desses usuários com baixa visão. Foi um ganho não só para a USP, mas para a comunidade”, afirma.
 
 
 Estereótipo de que 'matemática é para garotos' afasta meninas da tecnologia, diz pesquisador
A crença no estereótipo de que homens têm mais habilidade em matemática do que mulheres pode ser absorvida por meninas mais cedo do que se imaginava – e contribuir para afastar mulheres de campos como engenharia e ciências da computação, segundo o psicólogo americano Andrew Meltzoff.
Meltzoff, Ph.D. em Oxford, é especialista em desenvolvimento infantil e co-diretor do Instituto de Aprendizado e Ciências do Cérebro da Universidade de Washington, nos Estados Unidos. Suas descobertas sobre a memória e a capacidade de imitação de crianças nos primeiros meses de vida revolucionaram estudos científicos sobre o desenvolvimento da personalidade, do cérebro e das capacidades cognitivas humanas.
Ele esteve no Brasil no último mês de julho para participar de conferências sobre estudos do cérebro e de uma mesa redonda da Academia Brasileira de Ciências sobre o aprendizado das disciplinas conhecidas pela sigla em inglês STEM – ciência, tecnologia, engenharia e matemática.
Meltzoff falou sobre o poder dos estereótipos culturais no aprendizado das crianças, o principal tema ao qual sua equipe de pesquisadores tem se dedicado nos últimos anos.
"Nos Estados Unidos, as crianças só começam a aprender as operações de multiplicação e divisão no 3º ano. Mas nossas experiências mostram que, antes mesmo de começar a aprender matemática mais complexa, elas já 'pegaram' o estereótipo cultural de que matemática é para meninos", disse, durante a conferência.

Segundo ele, a ideia de que os garotos seriam melhores nas ciências naturais e as meninas, nas ciências humanas, contribui para a baixa proporção de mulheres nos cursos universitários ligados à área e, principalmente, nas empresas de tecnologia.
"Na Universidade de Washington, 46% do departamento de psicologia é de mulheres, mas só 14% do departamento de matemática. Na Universidade de Stanford é semelhante, só 3% do departamento de matemática é de mulheres. Em Harvard e no MIT, os valores são ainda menores", afirmou.
No Brasil, cursos de engenharia de computação nas principais universidades do país tiveram cerca de 11% de mulheres aprovadas nos vestibulares de 2015. Para Meltzoff, o caminho para impedir que estereótipos sobre homens e mulheres desestimulem meninas a seguir carreira nas disciplinas STEM é manter um diálogo aberto com os filhos desde o início da infância.
Confira os principais trechos da entrevista:
BBC Brasil - O que exatamente são estereótipos culturais? E que tipo de influência eles exercem nas pessoas?
Andrew Meltzoff - Estereótipos são imagens que temos em nossas mentes, que traduzem crenças gerais que temos sobre grupos de pessoas. Eles não são necessariamente verdade, mas, sim, crenças que temos sobre categorias sociais.
É uma tendência natural dos seres humanos formar estereótipos sobre um grupo. Isso simplifica nossa visão de mundo, porque não temos que pensar sobre e responder a cada indivíduo em um grupo, mas formamos uma representação que funciona para todo o grupo.
Isso é simples, mas pode ter efeitos negativos. Um deles é que tendemos a usar o estereótipo para fazer previsões sobre as pessoas. Posso ter um estereótipo de que "homens se interessam por suas carreiras e mulheres, em cuidar da família", por exemplo. Mas mesmo que alguns homens se interessem mais por suas carreiras do que pela família, isso não é verdade para todos eles.

Andrew Meltzoff - Estamos muito interessados em determinar o momento em que o estereótipo começa e quão cedo no desenvolvimento da criança podemos ver os primeiros sinais de estereótipos. Temos uma grande equipe trabalhando nisso no Instituto de Aprendizado e Ciências do Cérebro na Universidade de Washington.

Publicamos um artigo científico mostrando que estereótipos sobre garotos e garotas relacionados com matemática e leitura começam a aparecer surpreendentemente cedo. A maior parte dos adultos mantém o estereótipo de que garotos se identificam mais com matemática e garotas, com leitura.
Em um estudo que publicamos em 2011, descobrimos que crianças do segundo ano escolar (entre seis e oito anos) já têm esse estereótipo. A maioria das meninas e meninos acha que matemática é coisa de homens. No entanto, eles têm desempenho semelhante em matemática na escola nesta idade. Os meninos não se saem melhor do que as meninas.
Por isso, acreditamos que as crianças adquirem essa crença da cultura que as rodeia. Elas absorvem este estereótipo da cultura adulta.

BBC Brasil - Por que estereótipos culturais são tão importantes no desenvolvimento das crianças?
Meltzoff - Eles são importantes porque podem influenciar a maneira como as crianças pensam umas sobre as outras. Se uma criança acredita que meninas não são boas em matemática, ela tende a tratar as garotas como se não gostassem de números, calculadoras, aritmética ou robôs, por exemplo.
Se as meninas são tratadas assim, e há uma expectativa social ampla de que matemática não é para garotas, elas podem começar a internalizar isso. Elas podem escolher jogos matemáticos com menos frequência, ou serem menos persistentes em problemas matemáticos difíceis, porque elas acham que "meninas não são boas em matemática" ou "matemática não é para mim".
Com o tempo, isso pode influenciar o conceito que elas têm de si mesmas e suas aspirações para o futuro.
E se a menina é boa em matemática – e muitas são – terá que dedicar energia e tempo extra para lutar contra o estereótipo dos outros. É trágico quando restringimos os sonhos das crianças sobre o que elas podem fazer, o que podem ser e o que podem alcançar.


BBC Brasil - O senhor disse acreditar que o mesmo estereótipo em relação a garotas e matemática exista na América Latina e na Europa. O que sabe sobre os estereótipos culturais sobre gênero no Brasil?
Andrew Meltzoff - Ainda não fizemos este trabalho com as crianças no Brasil, mas adoraríamos colaborar com educadores e cientistas para abordar esse tema, como estamos fazendo no Chile. Mas se você me pede uma opinião, eu diria que sim, as crianças no Brasil e na América Latina também acham que matemática é para garotos e leitura, para garotas.
Será preciso mais pesquisas para saber quão forte é esta crença na América Latina e como ele pode influenciar a performance delas em matemática. O governo brasileiro, assim como o governo americano, quer que suas crianças se interessem mais pelas disciplinas STEM e tenham notas melhores nos testes internacionais.
O que acredito, no momento, é que os estereótipos da sociedade começam a afetar até a performance acadêmica de nossas crianças muito cedo no desenvolvimento delas (na escola primária ou até antes). Por causa deles, os resultados do Brasil e dos EUA nestes testes não são tão bons quanto poderiam ser. Precisamos realizar estudos para saber se isso é realmente verdade. E se for, precisamos fazer algo a respeito!

BBC Brasil - Mas garotos e garotas demonstram habilidades diferentes em disciplinas STEM desde cedo?
Meltzoff - Muitos adultos acham que as meninas têm resultados piores do que os meninos em matemática, mas, na maioria dos países, elas têm notas maiores do que as dos meninos nos primeiros anos da escola.
Os testes padronizados de muitos países também mostram que não há diferença nas performances de garotas e garotos. Em alguns destes países, na verdade, as meninas se saem melhor do que os meninos nos exames. Este assunto é de grande interesse científico e é, como você pode imaginar, muito controverso.

Quando fui ao Brasil, esta é uma das coisas que mais me perguntaram. Há diferenças biológicas nas habilidades STEM? Existem forças culturais que empurram meninas e mulheres para longe dos campos STEM? Precisamos de estudos objetivos muito bons para responder a estas questões.
BBC Brasil - Como o senhor acha que esses estereótipos influenciam o número de mulheres em campos STEM? Os baixos índices encontrados nos EUA também são comuns em outros países?
Meltzoff - Sim, sabe-se que há muito poucas mulheres em geral nos campos STEM, especialmente na altamente influente indústria das ciências da computação. Estereótipos e expectativas culturais podem levar a um número menor de mulheres na escola ou na universidade entrando em disciplinas que as preparam para carreiras na ciência da computação.
Se as mulheres não se inscreverem nestas aulas tanto quanto os homens, acabaremos com menos mulheres na indústria. Em alguns campos STEM, começamos a perder muitas mulheres cedo em suas trajetórias acadêmicas. Já escrevemos alguns artigos sobre isso. Talvez possamos atrair mais mulheres para a ciência da computação se entendermos melhor o que as está afastando disso.

BBC Brasil – Por que é importante ter mais mulheres nos campos STEM e, especialmente, em ciência da computação?
Meltzoff – Há dois motivos. O primeiro é a equidade social. Ciência da computação é um campo com muitos empregos lucrativos. Não é justo termos tão poucas mulheres neste campo. O segundo motivo é que o próprio campo será beneficiado ao trazer mais mentes criativas e brilhantes com outras perspectivas.
Se desencorajamos muitos estudantes a permanecer neste campo, nos prejudicamos como sociedade. Ao trazer mais mulheres e minorias subrepresentadas no campo, podemos melhorar os tipos de jogos criados, os tipos de software.
BBC Brasil – Que tipo de trabalho o senhor e sua equipe estão desenvolvendo para recrutar mais garotas para campos STEM? Que países se mostraram interessados nestas ideias?
Meltzoff - Nossa pesquisa mostra que o ambiente físico é muito importante para a maneira como as mulheres enxergam a ciência da computação. Publicamos recentemente um estudo que mostra que mais mulheres se interessam por aulas de ciência da computação se a sala de aula não for tão geeky.
Se a sala tinha pôsteres de Jornada nas Estrelas e estátuas de Spock em todos os lugares, menos garotas do ensino médio queriam estar na aula do que se a sala tivesse itens mais neutros na decoração. Usando análises estatísticas, descobrimos que as garotas sentiam que não "pertenciam" ao ambiente mais geeky e achavam que teriam notas menores.
Isso é interessante porque mostra que a decoração de uma sala pode projetar estereótipos que podem afastar as garotas da disciplina. Elas se afastavam porque não sentiam que aquilo correspondia à sua identidade como mulher.
Pessoas tanto na educação quanto na indústria já expressaram interesse nisso. É relativamente barato mudar o ambiente das salas de aula e escritórios. E pode fazer a diferença.
Espanha e Cingapura demonstraram muito interesse em ideias para intervenções que atraiam mais garotas para a matemática nos primeiros anos escolares. Achamos que mais países ficarão interessados quando obtivermos resultados de nossos testes lá.
BBC Brasil – Como os pais podem saber em quais estereótipos sobre gênero seus filhos acreditam?
Meltzoff – Desde a escola primária, os pais podem perguntar aos filhos quem gosta mais de matemática – se meninos ou meninas. Quem gosta de robôs? Quem gosta mais de ler? Estas são questões simples que mostram estereótipos que as crianças podem estar absorvendo.
Falar com os filhos sobre as coisas em que eles acreditam pode abrir os olhos dos pais. E falar sobre essas coisas é útil. Não faz sentido ignorar esses assuntos. Estereótipos existem. As crianças percebem isso. Não dá para fingir que não vemos esses estereótipos, só não temos que apoiá-los!
Há estereótipos nos meios de comunicação, em filmes, em livros, em lojas. Nossas crianças crescerão expostas a eles. Mas podemos ensiná-las a não aplicar estes estereótipos nelas mesmas e não deixar que eles limitem seus sonhos e visões de futuro.
Os estereótipos podem ser difundidos na sociedade, mas não determinam nosso destino. Os pais podem ajudar nisso.


Fonte: bbc.com
 
 
 Tecnologia reciclável
Com a proposta de ser uma “plataforma criativa que associe gambiarra e tecnologia”, o coletivo mineiro Gambiologia sempre trabalhou nesse princípio de combinação de objetos para construir um grande mosaico tecnológico – que, segundo seu próprio coordenador, Fred Paulino, é um “tanto barroco”. Para “Gambiologia Aplicada III”, sua primeira exposição individual em Belo Horizonte, eles tentaram mudar um pouco esse método.

“Para diferenciar um pouco, a gente resolveu trabalhar os objetos mais individualmente, funcionando separados, até porque a proposta de circulação e a topografia do espaço é diferente”, explica Paulino, referindo-se ao foyer do Sesc Palladium. É ali que as 15 telas multifuncionais, realizadas por ele e Paulo Henrique Pessoa, ficarão expostas de hoje até o dia 18 de outubro, com visitação de terça a domingo, das 8h às 21h.

“Nós garimpamos material reutilizado, geralmente eletrônicos, em feiras de segunda mão e mercado das pulgas, e instalamos em uma base ou suporte, também reutilizado”, descreve o coordenador. Segundo ele, esses objetos podem ir desde latas de filme 35mm até tabuleiro, madeira e latas de biscoito.

Numa época em que um novo iPhone, iPad ou i-alguma coisa surge a cada seis meses, a proposta do coletivo é clara e pertinente. “Estamos incentivando uma cultura do reuso do objeto descartado, seja eletrônico, tecnológico ou não”, propõe Paulino.

Nessa mesma linha, o coletivo já está trabalhando em um novo projeto, que o coordenador descreve como um “camelô de controles remotos antigos que vão sendo descartados”. Além disso, eles estão estudando a criação de um ateliê, um “espaço laboratorial”, no centro da capital, a partir do ano que vem.
 
 
 3D Touch: entenda a nova tecnologia da tela do iPhone 6S
Os iPhone 6S e o iPhone 6S Plus, lançados pela Apple na última quarta-feira (9), trazem um recurso que promete transformar o modo como o celular reconhece o toque do usuário: o 3D Touch. Com a novidade, o iPhone conseguirá identificar diferentes níveis de intensidade de toque para ativar diferentes ações. 
iPad Pro tem tela de 12,9” e canetinha stylus Apple Pencil
A nova tecnologia, que nos rumores era chamada de Force Touch, terá aplicações práticas em diversos apps como Instagram, Facebook Messenger , entre outros. Entenda o que o 3D Touch será capaz de fazer. 

O que é?
Apesar do nome, a nova tecnologia da Apple não tem nada a ver com o 3D presente nos filmes do cinema. Na verdade, o 3D Touch é uma forma de reconhecimento da densidade de toques e nada interfere na reprodução de imagens. Ou seja, ela adiciona novos comandos gestuais ao smartphone.
Para tornar o 3D Touch real, a Apple implementou novos sensores atrás do vidro e integrados ao painel LCD do aparelho capazes medir a força aplicada sobre a tela. Assim, os novos iPhones conseguem identificar não só os toques na horizontal e vertical, mas também sentir a a sua profundidade. 

Assim como no novo MacBook, o iPhone 6S virá com um componente capaz de oferecer pequenas vibrações conforme o usuário aplica a força à tela do telefone. Assim, ao clicar no celular, o usuário terá a impressão de estar usando um trackpad. 
O Mate S, smartphone da Huawei lançado na IFA, também conta com a tecnologia usa os dados de pressão exercida pelos dedos sobre o display para acionar recursos como zoom em imagens.
Para que serve?
Com o 3D Touch o iPhone será capaz de reconhecer uma gama muito maior de gestos e suportar muito mais atividades. Logo na tela inicial do sistema, por exemplo, o usuário poderá selecionar o aplicativo da câmera de forma suave para escolher entre: tirar uma selfie, gravar um vídeo normal, em câmera lenta ou tirar uma foto tradicional. 

A novidade também funcionará em aplicativos terceiros, permitindo que o usuário acesse as notificações do Instagram sem ter que entrar na tela inicial do app. No geral, o 3D Touch promete ser bastante útil para visualizar informações sem sair da tela anterior - estilo pop-up. 
Ao receber uma mensagem com um endereço, por exemplo, bastar clicar sobre o local para abrir um mapa em uma janela menor, como um preview. O mesmo valerá com miniatura de sites, caixa de e-mails e mais.

A janela pop-up também poderá ser exibida em tela inteira. Para isso, basta realizar um toque mais forte no conteúdo aberto - esse movimento é conhecido como "Peek and Pop". Ao arrastar o dedo durante uma pré-visualização, o usuário poderá realizar outras ações, que dependem da aplicação que estiver aberta. 
O 3D Touch também substituirá o conhecido gesto feito para visualizar todos os aplicativos abertos no iPhone. Ao invés de clicar duas vezes no botão Home do celular, o usuário deverá pressionar fortemente a extremidade da tela. Além disso, será possível transformar o teclado virtual do sistema em um trackpad, ao aplicar mais força na tela do aparelho.

Por fim, os aficionados por personalização poderão utilizar a nova tecnologia para ativar os papéis de parede animados na tela de bloqueio. O recurso deve funcionar tanto para os wallpapers padrão da Apple tanto para as novas Live Photos, apresentadas nesta quarta-feira (9).
Em quais aparelhos?
Inicialmente, o 3D Touch estará disponível somente nos mais recentes lançamentos da Apple: iPhone 6S e 6S Plus. Estão de fora até mesmo do iPad Pro e o iPad Mini 4. No mundo, o lançamento do smartphone será no dia 25 de setembro, mas o Brasil terá de esperar mais um pouco - ainda não há previsão de lançamento por aqui. 

A simples atualização para o iOS 9, que será lançado mundialmente no dia 16 de setembro, não dará acesso aos recursos do 3D Touch, que necessita dos novos sensores implementados nos iPhone 6S para funcionar. 
 
 
 Índios utilizam tecnologia para preservar o Meio Ambiente
Na região sul do MA, produtores conseguem driblar a estiagem.
Mirante Rural destaca os principais assuntos do campo desta semana.

O Mirante Rural deste domingo (13) mostrou que na reserva Alto Turiaçu, a tecnologia chegou para ajudar os índios a preservarem o Meio Ambiente através de fotosensores que protegem a Floresta Amazônica.

Outro assunto do programa foi que há três meses a região sul do estado sofre com o período da estiagem que afeta vários setores do agronegócio da região, mas mesmo diante das dificuldades um produtor na cidade de Balsas está conseguindo manter o pasto verdinho para alimentar o gado durante a seca. 

E uma receita especial de panqueca onde o principal ingrediente é uma fruta que está em alta: o caju.

Fonte: g1.globo.com/
 
 
 A moda se abre um pouco às diferenças na Fashion Week de Nova York
Frequentemente criticada por sua visão idealizada da mulher, refletida em modelos ultra magras, a moda se abre um pouco para as diferenças: Madeline, uma jovem com síndrome de Down, e Rebekah, que nasceu sem um braço, desfilavam neste domingo em Nova York.

Madeline Stuart tem apenas 18 anos mas já tem uma bolsa que leva seu nome. Originária da Austrália, passou 28 horas em um avião para desfilar na Grande Maçã para o coletivo FTL Moda, que representa jovens criadores italianos.

Não é a primeira mulher com síndrome de Down em uma passarela novaiorquina. A atriz americana Jamie Brewer a precedeu, no início do ano. Mas sua mãe acredita que é a confirmação que o mundo da moda está se abrindo progressivamente para a diferença.

"Madeline está muito emocionada", explica Rosanne Stuart durante os ensaios para o desfile de domingo no Vanderbilt Hall, um dos monumentais salões da famosa estação Grand Central.

"É formidável que lhe ofereçam esta oportunidade. É uma plataforma fantástica para transmitir nossas ideias sobre integração e a deficiência", comemora a mãe de Madeline.

Duas organizações participam do acontecimento, a Fundação Christopher e Dana Reeve Foundation, criada pelo ator tetraplégico e sua esposa, e Models of Diversity, uma associação britânica que milita a favor da diversidade na indústria da moda.

Stuart fala em nome de sua filha, explicando que é difícil entendê-la quando acabam de conhecê-la. No entanto, Madeline, uma jovem ruiva de olhar cintilante, parece estar em sua área.

"Ela adora ser o centro das atenções, que as pessoas a olhem e de ser alguém 'cool'", comenta sua mãe.

- "Hoje nada se esconde" -
O destino de Madeline mudou em um dia de maio passado, quando colocou na internet imagens que posava como uma modelo. Rapidamente obteve 20.000 "curtidas" no Facebook, que hoje somam quase meio milhão.

As marcas então colocaram seus olhos nela: a jovem empresa americana EverMaya batizou com seu nome uma bolsa e o que é arrecadado com sua venda é doado à associação nacional de síndrome de Down.

Também tornou-se a embaixadora de uma pequena marca californiana de cosméticos, Glossgirl.

Há um mês, o FTL Moda a contactou para convidá-la para desfilar em Nova York.

Rosanna recorda o caminho percorrido desde o nascimento de Madeline, frequentemente deixada de lado quando era criança.

"As pessoas são muito mais abertas atualmente", defende. "As redes sociais abriram tudo. Hoje nada se esconde".

Rosanna Stuart acredita que o exemplo de Madeline possa convencer os pais de filhos com síndrome de Down que podem ter uma existência feliz.

Para promover ainda mais a diversidade, o FTL Moda também convidou uma jovem vendedora de automóveis de Nova Jersey (leste), Rebekah Marine. Nascida sem o antebraço direito, esta moça de 28 anos se mostra orgulhosa ao ser chamada de "modelo biônica" porque utiliza uma prótese mecânica.

"Isso dá um pequeno 'plus' ao que faço e acho muito mais 'cool'. Agora muitas crianças acreditam que sou uma super heroína", declara com um sorriso.

Apesar de sua deficiência, Rebekah sonhava em ser modelo quando criança. Foi a muitas seleções e sessões fotográficas, sem sucesso.

"O setor da moda percorreu um longo caminho", disse à AFP.

"Muitas marcas ainda duvidam em chamar para desfilar modelos que não meçam necessariamente 1,70 metros e que não sejam magras, loiras e de olhos azuis. É um desafio, mas tem ocorrido avanços e é genial fazer parte deste movimento", afirma.

Fonte: zh.clicrbs.com.br
 
 
 Em tempos de crise, consultoras de moda ensinam como estar na moda gastando menos
Guarda-roupa sem crise: Com os brasileiros mudando seus hábitos de consumo, é importante se reinventar para estar elegante e antenado.

A crise econômica tem feito muitos brasileiros mudarem seus hábitos. O discurso de reinvenção está na moda, e já faz parte dela também. Atualmente, o investimento em peças coringas - aquelas neutras que comportam diversas combinações - é a preferência dos consumidores que optam cada vez mais por menor endividamento.

Para a consultora de imagem, Karen Leão, o momento atual sentido pelos brasileiros é ideal para repensar o consumo e adquirir novos hábitos na hora de se vestir. O conceito - criado por ela - de que “roupa não é descartável” fez com que a mesma realizasse o desafio de montar sete “looks” utilizando uma peça chave do guarda-roupa: um vestido básico preto.
 

“Uma opção é fazer combinações que você não está acostumado a fazer. Aqueles conjuntos que você usa sempre da mesma forma, pode substituir somente uma das peças, criando novas combinações. De repente uma blusa vinho com uma calça azul, que você acharia que não combinaria”, destaca Karen Leão.
 

“No verão, a tendência é se apropriar das cores. Antes eu procurava as peças com estampas. Atualmente eu tenho investido em peças de cor única. Isso inclui as fortes. No período de verão, não me desfaço das peças, como fazia anteriormente, mas busco alternar o uso delas, para que não dê a aparência de que já usamos em outra ocasião. Isso eu faço com auxílio de cintos, nós dado na cintura, ou bolsas, que naturalmente já modificam a essência do look”, destaca a consumidora e seguidora de moda pelas redes sociais, Carla Almeida.
 

Ana Paula Olímpio do Santos, amazonense e consultora de moda em São Paulo, destaca o uso dos acessórios. “Eles dão uma nova cara ao look. Você pode trabalhar de manhã com uma camisa branca e blazer, e à noite ir a um happy hour com os amigos colocando um colar bem trabalhado, um batom mais forte e você está pronto para a próxima jornada”, sugere a consultora.


Segundo Ana Paula, o conforto é o primordial na hora de escolher as peças, isso inclui em saber qual o tecido que atende o clima da região. “Em Manaus, devido ao calor, evitar tecidos que inibem a transpiração”, destaca. Para Karen Leão, o consumidor deve atentar que “nem sempre pouca roupa significa menos calor. O ideal é você escolher o tecido ideal onde você usará”, enfatiza.
 

Moda masculina
A reinvenção também se aplica à moda masculina. Homens que usam ternos durante o dia, podem tirá-los à noite para um encontro com os amigos depois do expediente. “Ou então a utilização de blusas sociais com bermudas e sapatênis também podem compor o look para encontros nos finais de semana”, destaca a especialista Karen Leão.

Consumo  sustentável
Ainda que a atual condição financeira esteja impactando diretamente o consumo, a maior parte da população demonstra manter a intenção de compra de roupa e sapato novos, segundo apontamento do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), que avaliou o impacto da crise econômica no bolso dos brasileiros.

No entanto, o conceito de sustentabilidade está caminhando junto a essa sociedade consumista. Atualmente, esse conceito ainda é tímido, mas vai ganhando mais adeptos à medida em que as campanhas de marketing utilizam essa política para as empresas. “Mudar sempre o guarda-roupa não é um consumo consciente, temos que entender que as peças não são descartáveis, e há muitas maneiras de utilizar-se da mesma roupa em diferentes vezes, nas diferentes ocasiões. É uma política que eu uso na minha consultoria”, destaca Karen Leão.

Acompanhando essa mesma concepção, a consultora Ana Paulo utiliza a customização para transformar o perfil estético das peças antigas. “Utilizo bordados, pinturas e cortes, tudo isso para aproveitar uma das essências do mundo e da moda - a responsabilidade ambiental”, enfatiza.


Fonte: acritica.uol.com.br
 
 
 Pessoas com deficiência quebram tabus e conquistam espaço na moda
Pessoas com deficiência quebram tabus e conquistam espaço na moda

Desde que a sua mãe criou uma página no Facebook, em maio deste ano, o nome de Madeline Stuart tem sido falado em todo o mundo. A garota australiana perdeu 20 quilos para realizar o sonho de ser modelo. Várias fotos da moça mostram, nas redes sociais, o feito, que vem rendendo bons frutos, como a oportunidade de desfilar no maior evento de moda dos Estados Unidos, o “New York Fashion Week”.
 
Ela tem 18 anos, cabelos longos e ruivos e é portadora da síndrome de Down. Sim, a deficiência é meramente uma característica da modelo. A perseverança, com certeza, fez a diferença, não somente pela condição genética, mas, também, por ser mesmo uma carreira difícil – e que exige sacrifícios e empenho.
 
E, para quem ainda não sabe, Madeline não é exclusiva no meio. No exterior, outras garotas que fogem ao padrão convencional de beleza têm sido fonte de inspiração e modelo a ser seguido.
 
No Brasil, porém, há um campo imenso a ser explorado, como aponta Adriana Buzelin, 36 anos. Ela é a primeira modelo cadeirante de Minas Gerais.
 
É preciso investir
 
Antes de sofrer o acidente automobilístico que a deixou, inicialmente, tetraplégica, aos 19 anos de idade, Adriana era modelo fotográfica. Com a vida transformada, este plano foi deixado de lado. Anos mais tarde, por pura vaidade pessoal, como conta, ela teve a oportunidade de fazer uma sessão de fotos.
 
O resultado do trabalho foi apresentado a Kica de Castro, proprietária da única agência de modelos com deficiência (leia mais na página 28). A resposta? Não. “Ela não gostou, mas não desisti. Um tempo depois, a Kica percebeu que eu poderia, sim, ser modelo”, recorda Adriana.
 
“Mas não é todo mundo que pode ser modelo. Existe um padrão de beleza e é preciso estudar para isto”, continua. Por isto, antes de tudo, como toda modelo, Adriana investiu em cursos como expressão artística e postura em frente à câmera. E adquiriu uma cadeira de rodas bonita esteticamente. “A cadeira é como um acessório de moda, assim como as muletas, por exemplo, e não pode ser feia”, opina.
 
Mercado
 
Segundo Adriana, os eventos de moda convencionais de Minas ainda não abriram as portas para as modelos que, por algum motivo, não seguem todos os padrões estabelecidos pela indústria da moda contemporânea.
 
Por enquanto, a maior parte das oportunidades vem de eventos segmentados, isto é, exclusivamente para quem tem deficiência. “Isso acontece não só por preconceito, não; mas por falta de informação também. Então, cabe a nós, modelos e agências, batalharmos por este espaço”.
 
Apesar das dificuldades, Adriana avalia que o mercado abriu um pouco nos últimos dois anos, especialmente em São Paulo. “É legal apostar na igualdade, está na moda. Só espero que esta moda não passe”.
 
Miss cadeirante prova que toda diversidade é bela
 
Em 2007, depois de trabalhar num centro de reabilitação, a fotógrafa Kica de Castro atinou para um nicho a ser explorado no Brasil: agência de modelos com deficiência. Oito anos depois, ela continua sendo a única no mercado.
 
Verdadeiro filão, a empresa tem obtido bons resultados. Contudo, Kica considera que há muito preconceito a ser quebrado, pois a maioria dos trabalhos ainda é para eventos segmentados.
 
Outro problema é a tentativa de mascarar a deficiência, ao retirar os aparelhos ortopédicos de cena. “Os modelos têm que ser vistos como são, sem o olhar de piedade e de que são heróis. São pessoas batalhando no mercado de trabalho”, pontua.
 
Cadê os homens?
 
Atualmente, Kica agencia 83 modelos. A grande maioria, mulheres. “Existe a cultura na qual a mulher é uma ‘escrava’ da ditadura da moda. Então, a procura delas é maior. E os homens, em geral, têm preconceito com isto”, diz.
 
Mesmo que tenha um número representativo de modelos no portfólio, Kica afirma que poucos conseguem se sustentar apenas com este trabalho. “Eles possuem outras atividades para completar a renda”, informa.
 
Primeira miss
 
Caroline Marques, 34 anos, agenciada por Kica, é uma das exceções, já que consegue viver apenas da carreira. Desde pequena ela pensava em ser modelo. Porém, em 1991, ficou paraplégica num acidente automobilístico e quase viu o sonho escorregar pelas mãos. “Achei que este sonho tinha acabado”.
 
No entanto, em 2007, ela começou a fazer editoriais, campanhas e desfiles – inclusive, subiu na passarela do São Paulo Fashion Week em 2011 – e despontou. A grande surpresa ainda estava por vir: foi nomeada a primeira Miss Brasil Cadeirante (2015). “Fiquei em êxtase. A honra de representar o nosso país, ser coroada e receber a faixa, não tem explicação”.
 
Sucesso alcançado, Caroline conta que, hoje, quem falou “não” a ela, no passado, pede desculpas por não ter visto além das “aparências”. “A sociedade determina o que é belo, mas estamos aqui para mostrar que o belo é toda a diversidade humana. Mesmo levando não, nunca desisti de lutar pelos meus sonhos. Busquei orientações, estudei, fiz a minha parte e nunca fiquei no papel de vítima”.
 
Nos palcos
 
Há pessoas com deficiência conquistando espaço também na dramaturgia. Envolvida com a causa da inclusão social desde o início da adolescência, a paulista Tathiana Piancastelli, 31 anos, tem Síndrome de Down, o que nunca a impediu de mostrar o seu talento em peças de teatro e como apresentadora de TV, do programa “Ser Diferente”.
 
Entre os seus trabalhos, está a peça “Menina dos Meus Olhos”, escrita e protagonizada por ela, na qual atua com 10 atores sem a síndrome. Sucesso em Nova York, o espetáculo deve seguir para Inglaterra e Holanda no próximo ano. “Agora, estamos trabalhando para trazê-la para o Brasil também em 2016”.
 
Modelo surda é destaque
 
A brasileira Brenda Costa arranca suspiros por onde passa. Linda, alta e magra, ela tem os atributos perfeitos de uma modelo de passarelas. No entanto, por ser surda enfrentou preconceitos no mundo da moda. Em entrevista ao site Terra, ela contou que todos falavam da sua beleza, contudo, um “mas” sempre vinha após o elogio. Segundo Brenda, devido à deficiência questionavam o seu potencial, com perguntas do tipo: “mas como consegue trabalhar, saber o que o fotógrafo precisa? Na passarela, também duvidavam que eu pudesse andar no ritmo”, disse. Apesar dos obstáculos, ela nunca desistiu. Com 32 anos, casada com o bilionário Karim Al-Fayed (herdeiro da Harrods e do Hotel Ritz, e também deficiente auditivo), mãe da pequena Antônia, ela é, hoje, uma referência no universo da moda.
 
Canadense com vitiligo se torna top
 
A canadense Chantelle Brown-Young, 21 anos, é a primeira modelo com vitiligo (doença de pele caracterizada por perda localizada da pigmentação) do mundo. Conhecida como Winnie Harlow, a top quebrou tabus e tem feito desfiles e campanhas publicitárias. Em seu site, ela conta que sempre sonhou se tornar uma super modelo internacional, porém, teve que enfrentar muito preconceito. “Apesar de ter sido rejeitada por todas as agências de modelagem de Toronto, os designers, fotógrafos e diretores da área começaram a ver a beleza que o resto do mundo deveria ver”, diz o site.

Fonte: hojeemdia.com.br/
 
 
 Chef Cidinha Lamounier acredita no potencial da gastronomia mineira
“Somos excelentes profissionais, só precisamos de um marketing melhor para ganharmos o Brasil e o mundo”, concluiu a premiada chef Cidinha Lamounier, sobre a gastronomia mineira. Certificada como ProChef Nível 1 pelo Instituto Americano de Culinária, a profissional foi escolhida para representar Minas no cenário gastronômico entre os anos de 2015 e 2016, no prêmio máximo da gastronomia brasileira, o Dólmã. 

Detentora de um vasto conhecimento sobre a culinária mineira e brasileira, Cidinha usa seu talento não só para construir receitas repletas de sabor, memória e cultura, mas também para transmitir o que sabe. Estudiosa da área, ela decidiu dedicar seu tempo à docência e desistiu de trabalhar com qualquer coisa que não lhe desse prazer. Por isso, trocou as calculadoras científicas que utilizou por 19 anos trabalhando em banco, pela cozinha e a sala de aula.

A ouropretana se inscreveu em alguns cursos oferecidos pelo Senac, com o objetivo de abrir um negócio próprio e, no meio do caminho, acabou substituindo uma professora que se ausentaria por um tempo e descobriu uma nova paixão. Desde então, decidiu investir na carreira e não parou mais de ensinar. Chegou a ir para a França, onde ficou por dez dias e fez sete cursos diferentes. Hoje, executa seu trabalho como professora no curso de gastronomia da faculdade Promove.

No entanto, o sonho de abrir um restaurante é mantido e, segundo ela, “está mais vivo que nunca”. Cidinha acredita que até o próximo ano realiza este desejo adiado. “Estou no auge de ver o meu sonho realizado. E com foco na gastronomia mineira, quero valorizar o público e os produtores daqui e resgatar técnicas tradicionais para elaborar meu cardápio”, revela.

Sua referência profissional é Dona Lucinha, que é uma das principais figuras do cenário gastronômico que preserva a cozinha de origem, “gerada nos primeiros anos dos setecentos nas Minas do Ouro e do Diamante”, como é definida sua culinária no site da cozinheira. “Eu me inspiro muito na história dela”, conta Lamounier. A chef citou também a culinária moderna de Léo Paixão, além de Ivo Faria, como nomes que representam bem o atual cenário da gastronomia local.


Confit = Carne de Lata

O confit, técnica dita como sendo francesa, é uma tendência na gastronomia. Mas, na verdade, é uma forma antiga de conservar o alimento, desenvolvida especialmente por soldados na guerra para que a comida não entrasse em deterioração. Armazenar o alimento era o único objetivo para essa técnica. Hoje, o resgate da tradição se tornou mais uma forma de agregar sabor aos ingredientes. “Temos que resgatar todas as histórias possíveis da culinária”, ressalta a professora e chef Cidinha Lamounier.

Para representar tudo isso em que a profissional acredita e se apoia para desenvolver seu próprio estilo, Cidinha criou uma receita que chamou de “Porco do Brasil”, que é uma barriga de porco pururuca ao molho de rapadura com gengibre, aligot de canjica amarela, farofa de castanha do Brasil e crisps de taioba.

“Usei dois tipos de queijo no aligot, que é um tipo de purê: o tradicional queijo minas e uma muçarela. Ele ficou bem ‘puxa-puxa’”, explicou. Ela detalhou ainda que a barriga de porco foi feita em baixa temperatura, com muita paciência e cuidado. A chef fez questão de usar vários produtos nacionais, como o cumaru, a cachaça, rapadura, pimentas variadas e a taioba. “A taioba é um produto bastante mineiro, porém, mais utilizado no interior, especialmente em locais onde ela encontra com a água. Se plantado na beira de rios e brejos ela vai dar folha o ano inteiro, caso contrário, ela vai estar disponível mais no verão, quando temos mais chuvas”.

O interesse pela culinária de raiz não faz a chef descartar as novas técnicas e utensílios mais modernos, ao contrário, ela orienta a qualquer pessoa que queira ser um bom profissional de gastronomia a saber manipular qualquer alimento e equipamento, dos mais tradicionais aos mais tecnológicos. “Como vou propor uma coisa nova se não sei como as coisas começaram? O bom profissional tem que estar apto para assumir qualquer tipo de cozinha”, salienta. Como qualquer instrutora, Cidinha Lamounier também não consegue falar de sua paixão sem deixar uma lição. “Amam o que façam.

Façam o que amam. Escrevi isso uma vez no quadro, durante uma aula para os alunos refletirem. Eles disseram que nunca uma frase representou tão bem um profissional de cozinha. Sou apaixonada pela minha profissão”, finalizou.
 
 
 O que deve acontecer na economia com a perda do grau de investimento
Para especialistas, reação não será tão brusca porque decisão já era esperada

Após a confirmação da perda do grau de investimento pelo Brasil, operadores do mercado financeiro chegaram a temer uma disparada brusca do dólar e queda acentuada da bolsa nesta quinta-feira pelo receio de forte fuga de capitais do país. A moeda americana chegou a subir 2,5% e encostar nos R$ 3,90 às 9h30min, mas depois amenizou alta e fechou em R$ 3,85 (+1,34%). 

O Banco Central também agiu e fez leilão de US$ 1,5 bilhão para tentar conter a valorização. O inverso aconteceu com a bolsa . O índice Ibovespa chegou a cair 2,25% no início do pregão, mas reagiu a partir da abertura do mercado americano. Chegou a passar para o terreno positivo, mas fechou em queda de apenas 0,33%.

Entenda o que acontece com o país daqui para a frente após a perda do grau de investimento:


A reação indica que a perda do grau de investimento estava precificada?

Em grande parte, sim. Segundo especialistas em finanças, isso é possível verificar com a movimentação dos últimos meses que inclui escalada do dólar, alta do juro e queda da bolsa a partir de maio. Ou seja, o mercado dava como certo a perda do grau de investimento, mais cedo ou mais tarde.

— O que ocorreu ontem (quarta-feira) foi apenas a chancela de algo que era esperado para os próximos meses — diz Michael Viriato, coordenador do laboratório de finanças do Insper.

Qual deve ser o efeito no câmbio daqui para a frente?

Como a perda do selo de bom pagador já vinha sendo embutida nos preços, para Michael Viriato, do Insper, é possível que o dólar esteja próximo de um ponto de equilíbrio. Rodrigo Zeidan, professor de economia e finanças da Fundação Dom Cabral, também entende que o câmbio está perto de um teto razoável dadas as atuais condicionantes da economia brasileira. A piora do quadro fiscal e da atividade econômica e o agravamento da crise política, porém, teriam o potencial de valorizar ainda mais a moeda americana.

Qual deve ser o reflexo na bolsa?

O cenário segue desfavorável em função da recessão atravessada pelo país e baixo preços das commodities, mas não há expectativa de quedas dramáticas causadas pela decisão de Standard & Poor's. As altas taxas de juros no país também estimulam investidores a optarem pela renda fixa, onde não há risco. Para Viriato, no entanto, como a bolsa brasileira convertida em dólares está em patamar mais baixo do que o verificado em 2008, quando eclodiu a crise financeira global, pontualmente os papéis de algumas empresas brasileiras podem ser considerados baratos e atrativos para os estrangeiros.

Ainda há risco de saída maciça de capitais?

Tudo indica que não. Como a perda do grau de investimento pelo Brasil era considerada certa, muitos fundos estrangeiros, que têm em seus estatutos a exigência de aplicarem apenas em países considerados bons pagadores, começaram a bater em retirada meses atrás. Por outro lado, investidores mais agressivos podem enxergar oportunidades em aplicações brasileiras atreladas às altas taxas de juros.

As outras duas grandes agências de classificação de risco, Fitch e Moody's, também devem rebaixar o Brasil para grau especulativo? Quando?

A maior probabilidade é que sim. Seria em um horizonte de até seis meses

Qual é nota do Brasil nessas outras duas agências?

Pela Fitch, é BBB, dois degraus acima da perda do grau de investimento, mas em abril a agência colocou o país em perspectiva negativa, o que significa ameaça de redução da avaliação em caso de continuidade da deterioração do quadro fiscal. Pela Moody's, o Brasil é Baa3, a última nota antes de perder o certificado de bom pagador. Até o mês passado, o Brasil era Baa2 pela Moody's.

Se uma das duas ou ambas retirarem o grau de investimento do Brasil haverá grande impacto?

A tendência é que não, porque não haveria novidade no rebaixamento.

Qual é o efeito para as empresas brasileiras?

As companhias nacionais terão de se submeter a juros mais caros se quiserem captar recursos no Exterior. Com a economia brasileira em recessão, isso desestimula ainda mais investimentos, o que diminui a capacidade de crescimento da economia do país no futuro e gera menos receita para o governo.

Há algo de positivo a ser extraído da decisão da agência?

Os especialistas em finanças avaliam que a materialização da perda do grau de investimento, mais cedo do que o imaginado, ao menos retira uma incerteza do cenário. Com a confirmação do rebaixamento da nota do Brasil para um degrau especulativo, espera-se que agora governo e Congresso tenham uma melhor coordenação para aprovar e colocar em práticas medidas que possam fazer o país ampliar receitas e diminuir despesas.

— Agora não há mais plano B — afirma Zeidan.

Como a nova classificação do Brasil influi na vida do cidadão comum?

A retirada do carimbo de bom pagador do Brasil é apenas o desfecho de um cenário que inclui recessão e crise política, o que se traduz em juros maiores, inibindo o consumo, levando à perda de renda, desemprego e menor confiança dos empresários em investir, o que limita a capacidade de crescimento da economia no futuro.

Há mais espaço para o governo cortar gastos no orçamento?

Apesar da pressão para o Planalto reduzir gastos, a margem de manobra do governo hoje é mínima, entende a pesquisadora de contas públicas Vilma da Conceição Pinto, do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getulio Vargas (FGV). Isso porque 90% das despesas contidas no orçamento são não discricionárias. Ou seja, não podem ser cortadas devido à determinação legal ou constitucional, como nas áreas de saúde e educação, que têm gasto obrigatório mínimo. Outros exemplos são benefícios previdenciários e trabalhistas. Os 10% restantes englobam investimentos (incluindo PAC e Minha Casa Minha Vida) e custeio, como material de consumo e consultorias.

— O governo já cortou o investimento. Hoje está quitando apenas restos a pagar de anos anteriores. O que ainda pode ser cortado é muito pouco em relação à necessidade — diz Vilma.



Fonte: zh.clicrbs.com.br
 
 
 Rebaixamento afeta mercado e piora situação do Brasil, diz consultoria
Decisão da S&P dificilmente será revertida no curto prazo, segundo analista da Economist Intelligence Unit.

O rebaixamento da nota de crédito do Brasil por uma das maiores agências de crédito piora a situação econômica do país, segundo uma consultoria britânica.

Com a decisão da Standard & Poor's, o país perdeu o grau de investimento que havia sido dado pela agência em abril de 2008. O movimento já era esperado por analistas, mas a velocidade da decisão surpreendeu.
A agência disse que a crise política e as dificuldades enfrentadas pelo governo da presidente Dilma Rousseff para equilibrar as contas justificavam o corte.

"Não é uma surpresa, mas dificulta as coisas para o país", disse Fiona Mackie, editora-regional para América Latina da consultoria Economist Intelligence Unit. Para ela, a decisão é "problemática", já que pode afastar investidores estrangeiros.
O país foi colocado em perspectiva negativa pela S&P, o que significa que novos rebaixamentos podem ocorrer. O Brasil mantém seu grau de investimento nas duas outras principais agências, Moody's e Fitch.
No dia seguinte ao rebaixamento, o dólar abriu a sessão em alta, ultrapassando R$ 3,90. Mas recuou com intervenção do Banco Central. O real perdeu 30% neste ano e tem o pior desempenho entre as moedas dos principais países emergentes.
Veja abaixo os principais trechos da entrevista, concedida por telefone, desde Londres.

BBC Brasil - Quais são os impactos desse rebaixamento?
Fiona Mackie - Primeiro, se investidores institucionais forem forçados, por causa de regulações internas, a deixar de investir no Brasil (alguns fundos só podem investir em países que possuam grau de investimento), pode haver um impacto imediato dramático na moeda. Porque o Brasil ainda tem grau de investimento em outras agências de classificação, como Moody’s e Fitch, não parece que isso vai acontecer imediatamente.
No entanto, é mais um golpe de confiança na economia e sugere que a esta vai continuar em recessão. A gente prevê contração de 2,5% (do PIB) neste ano e de 0,5% em 2016, e devemos rever esse número.

BBC Brasil - Outras agências deverão seguir a S&P e rebaixar o Brasil?
Mackie - Achamos que há um forte risco de isso acontecer. O risco é de o governo não agir agora contra o deficit fiscal e a dívida pública. Se isso não ocorrer, nós certamente veremos um rebaixamento pela Moody’s ou Fitch.

BBC Brasil - Essa decisão da agência não piora uma situação que já é ruim?
Mackie - Acho que é problemático para o Brasil se investidores institucionais tiverem que deixar o país. E, neste sentido, as agências de classificação têm o poder de mudar o mercado.
No entanto, é preciso ter um sistema para regular a emissão de dívida externa, e as pessoas que compram os papéis da dívida do Brasil têm o direito de saber essa informação das agências de classificação.
O Brasil sabe que seus números estão sendo analisados e é tarefa do governo colocar a ordem na casa e nas contas públicas. Eu sei que é problemático, que as agências de classificação podem causar turbulência nos mercados do Brasil, mas esse é o sistema em que nós estamos, e se o Brasil quer emitir dívida no exterior, esse é o sistema que o Brasil tem que aceitar.

BBC Brasil - O governo, então, já esperava isso.
Mackie - Sim, o governo sabia. Todo mundo estava analisando isso e sabia que esse dia chegaria se não agisse. E, claro, Dilma colocou como ministro da Fazenda alguém treinado em Chicago (Joaquim Levy), que está pronto e comprometido a fazer essas reformas.
Ela está, infelizmente, sendo obstruída pelo Congresso, e não mostra capacidade política para tomar as medidas necessárias. Há uma grande crise política que impede o Brasil de ir adiante e melhorar sua economia.

BBC Brasil - E qual o papel dessa crise política nesse rebaixamento?
Mackie - Acho que o problema é esse. Porque o governo é muito impopular, não tem o capital político, e, porque políticos e partidos sentem a fraqueza no governo, não estão mais colaborando com ele. Então, o problema do governo é que não consegue aprovar políticas que vê como necessárias.
O problema é que esse é um círculo vicioso. A menos que o governo consiga aprovar essas reformas, a confiança de empresários não irá se recuperar e, aí, o desemprego vai continuar a subir, o consumo privado não irá se recuperar. E o governo vai se tornar ainda mais impopular – se é que isto é possível.
Então o governo tem que ter a capacidade e a vontade política de implementar estas políticas e informar o público de que esse é um mal necessário.

BBC Brasil - Há cada vez mais protestos e pedidos pelo impeachment ou renúncia de Dilma. Ela é o problema? Se ela sair as coisas melhoram?
Mackie - Ela é parte do problema, no sentido que o seu governo anterior não adotou as reformas estruturais necessárias para colocar a economia em ordem e melhorar a confiança em relação às decisões do governo e no ambiente de negócios. E ela, claramente, não tem o capital político para adotar a redução de gastos necessária.
Num caso sem Dilma, você poderia ver o cenário político se acalmando e políticos apoiando um novo governo e concordando em fazer os cortes fiscais necessários. Você poderia ver isso acontecer, mas isso não significa, necessariamente, que os políticos que iriam substituí-la no curto prazo iriam adotar reformas profundas porque o Congresso continua dividido.

BBC Brasil - É algo a se preocupar?
Mackie - Não vemos que ela sofrerá impeachment ou irá renunciar. Se alguma evidência contra Dilma vier à tona, obviamente, ela ficaria numa posição insustentável. Tudo depende do cálculo político. Porque no momento muitos políticos ficariam felizes se Dilma pagasse o preço político e sofresse para assumir na próxima eleição. Mas isso pode mudar. Políticos podem decidir que eles querem ir adiante e tentar retirá-la do poder.

BBC Brasil - Qual será a situação do Brasil a partir de agora?
Mackie - É complicado. O país deverá ter mais problemas. Continuará em recessão, mas eu acho que a decisão do S&P será um despertar para políticos. E também, fatores externos e a queda do real podem fazer com que as exportações ajudem a economia e sejam os propulsores de qualquer possível recuperação em 2017.
No entanto, o cenário internacional é complicado, com o Banco Central dos Estados Unidos se preparando para aumentar as taxas de juros. E há temores em relação ao tamanho e duração da desaceleração da China e o impacto que isso pode ter nas exportações à China e no preço das commodities, por exemplo. Os próximos 12 meses serão difíceis.

BBC Brasil - Agora que o Brasil perdeu o grau de investimento da S&P, como recuperá-lo?
Mackie - Será difícil reconquistá-lo no curto prazo. O que a gente precisa ver é uma redução renovada na proporção dívida pública-Produto Interno Bruto (PIB), que está em alta, a caminho dos 70%. Precisamos ver isso ser revertido. Eles precisam atacar o deficit fiscal, o superavit primário precisa voltar. A gente também precisa ver reformas estruturais.

BBC Brasil - Não é impossível, no entanto, recuperar o grau de investimento. Indonésia e Islândia são casos recentes.
Mackie - E o Uruguai tinha grau de investimento e perdeu-o em 2003. O que aconteceu lá entre 2003 e 2010 foi um esforço conjunto de diminuir a dívida pública. Havia dúvidas porque era o primeiro governo de esquerda do Uruguai.
E na verdade, implementou-se uma política macroeconômica ortodoxa, centrada numa combinação de investimento social e queda e melhora da estrutura da dívida pública. O deficit fiscal foi reduzido, eles tinham superavit primário, a inflação foi reduzida e a credibilidade do Banco Central aumentava.
Isso é algo que nem discutimos no caso do Brasil. A inflação tem estado acima da meta há tanto tempo, e o Banco Central perdeu credibilidade.

Fonte: g1.globo.com
 
 
 Semana da Moda de Nova York começa com ponchos de Nicholas K
Com os grandes ponchos de Nicholas K e o ambiente californiano de BCBG Max Azria, começou nesta quinta-feira, sob chuva, a Semana de Moda em Nova York, uma maratona de cerca de 300 desfiles e eventos.
Nicholas K abriu a série de desfiles na Big Apple na Clarkson Square - um dos novos cenários do evento - com uma coleção elegante e ampla, basicamente monocromática (branco, terra e preto) com grandes ponchos, drapeados, vestidos longos, meias com sandálias e grandes pulseiras douradas que cobrem todo o antebraço.
Enquanto isso, a BCBG Max Azria apresentou uma coleção boêmia inspirada na Califórnia, com alegres vestidos floridos leves, tops com estampas geométricas, jaquetas douradas usadas com shorts curtos e carteiras com franjas.
A Desigual também mostra nesta quinta-feira sua coleção primavera-verão 2016, junto com Tadashi Shoji, Tome, Ulla Johnson e Rodebjer.
Nova York, com suas estrelas, seu brilho e suas surpresas abre tradicionalmente a temporada de moda, seguida por Londres, Milão e Paris.
Entre os estilistas renomados estarão Alexander Wang, Jason Wu, Marc Jacobs, Tommy Hilfiger, Ralph Lauren, Calvin Klein, Diane Von Furstenberg, Vera Wang, Victoria Beckham e Carolina Herrera.
A aguardada Givenchy
Para esta edição dos desfiles de primavera-verão 2016, grande parte da atenção é centrada na maison francesa Givenchy, que apresenta sua coleção na sexta-feira à noite em uma apresentação da artista sérvia Marina Abramovic, famosa por seus shows experimentais.
Em uma decisão pouco habitual nesse mundo seleto, foram distribuídas mais de 800 entradas para o público e 200 para estudantes de moda, que poderão assistir ao desfile ao lado das celebridades e jornalistas especializados.
O evento, que será transmitido ao vivo em seis lugares em Manhattan, terá como tema a "celebração do amor", impulsionado pelo diretor artístico Riccardo Tisci, que festeja dez anos à frente das coleções feminina, masculina e de acessórios da Givenchy.
A semana de moda novaiorquina tem como grande novidade na parte logística o fim das barulhentas e comerciais tendas montadas no Lincoln Center, próximo do Central Park, já que os desfiles se mudaram para o sul da cidade, a Moynihan Station na rua 33 e a Clarkson Square, no Soho.
Alguns estilistas continuam a apresentar suas coleções em outras partes da cidade, como se tornou costume nos últimos anos.
O evento também mudou de nome após a saída de sua principal patrocinadora, a Mercedes-Benz, e passou de "Mercedes-Benz Fashion Week" para "New York Fashion Week: the shows".
O calendário, propriedade agora do CFDA (conselho americano de criadores de moda), é menos carregado desde a criação da semana de moda masculina: 308 desfiles, apresentações e festas privadas contra 362 da última edição.
Modelos especiais
A número um mundial do tênis, Serena Williams, que busca conquistar o Grand Slam no Aberto dos Estados Unidos que termina nesse fim de semana, vai apresentar sua coleção na próxima terça-feira.
No domingo, FTL Moda e a fundação Christopher e Dana Reeve vão mostrar modelos com necessidades especiais.
"Espero que desfilando possa mudar a visão das pessoas sobre os deficientes", disse Madeline Stuart, uma australiana de 18 anos com Síndrome de Down.
Rebekah Marine, uma americana de 28 anos com um braço ortopédico, também vai desfilar, mas pela segunda vez.
Não faltarão celebridades, lideradas por Kim Kardashian, grávida, e seu marido Kanye West, que pode lançar uma nova coleção de tênis em colaboração com a Adidas.
A grande dúvida é com certeza a presença de Caitlyn Jenner, o ex-atleta de decatlo Bruce Jenner (padrasto de Kim Kardashian), que mostrou sua nova identidade feminina em junho após viver 65 anos como homem.
Entre as ausências desta edição estarão Donna Karan, que deixou a direção artística da marca em julho, e Marc by Marc Jacobs, que anunciou em março a fusão de suas duas marcas.


Fonte: br.noticias.yahoo
 
 
 Ministério da Saúde quer voltar a vacinar meninas nas escolas contra HPV
O Ministério da Saúde quer mobilizar as prefeituras para que voltem a utilizar as escolas municipais para a vacinação de meninas de 9 a 13 anos contra o papiloma vírus humano (HPV), com base na experiência de 2014, na primeira etapa da vacinação, feita nas escolas, quando 100% do público alvo foi vacinado. No mesmo ano, sem esta mobilização, apenas 60% das meninas buscaram a segunda dose da vacina nos postos de saúde.

Em 2015, o número de meninas imunizadas caiu mais ainda. Até agosto, 2,5 milhões de meninas de 9 a 11 anos foram imunizadas, o que equivale a 51% do público alvo, formado por 4,9 milhões de meninas dessa idade. O ministro da Saúde, Arthur Chioro, disse que, tanto os números no Brasil quanto em outros países, mostram a importância da mobilização das escolas. Chioro explica que o MInistério da Saúde não pode determinar que as prefeituras mobilizem as escolas, mas anuncia que está fazendo uma forte recomendação às secretarias de Saúde para que isso aconteça.

Outro motivo que levou à queda da cobertura vacinal, segundo Chioro, foi a divulgação de um falso caso de reação adversa grave, no litoral paulista. ”Ficou comprovado que era uma reação de ansiedade, e não por causa da vacina, e que deixou muitos pais ansiosos e meninas com medo. O medo prevaleceu”. Segundo o governo, 60 países usam a mesma vacina e nunca houve casos de reações adversas graves.

A vacina protege contra quatro tipos de HPV: o 16 e o 18, responsáveis por 70% dos casos de câncer de colo de útero, terceira causa de morte de mulheres no Brasil; e o 6 e o 11, que causam 90% das verrugas que aparecem no ânus e na região genital.

A estimativa do Instituto Nacional do Câncer é que, em 2015, surjam 15 mil novos casos de câncer de colo de útero no Brasil. Por ano, cerca de cinco mil mulheres morrem deste tipo de câncer neste país. Izabella Ballalai, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações, alerta que a doença é precedida por lesões que podem fazer com que mulheres jovens percam partes do útero e assim possam perder a capacidade de engravidar. A especialista ressalta que, com relação ao câncer, os efeitos da imunização serão percebidos no futuro.

Em 2014, o público alvo desta vacina eram meninas de 11 a 13 anos; em 2015 são meninas de 9 a 11 anos. Mesmo assim, o Ministério da Saúde vai vacinar as meninas de 12 e 13 anos que não foram imunizadas no ano passado. As meninas de 14 anos que tomaram primeira dose, aos 13 ainda podem receber  a segunda dose.

”Todas as meninas, dos nove aos 11 anos,  tanto as que fizeram a primeira dose como as que não fizeram, devem comparecer ao posto de saúde ou à sua escola para tomar a vacina contra o HPV, mas aquelas de 12 e 13 anos que no ano passado deixaram de fazer a segunda dose ou não tomaram nem a primeira também podem aproveitar a oportunidade de se imunizarem”, afirmou Chioro.  Outro público que passou a ter a disponibilidade da vacina em 2015 foram as mulheres soropositivas para HIV. Neste caso, a vacinação começa aos 9 anos e vai até os 26.

O ministro pede aos pais que levem as filhas aos postos de saúde e explica que a vacina não vai estimular o início precoce da vida sexual da adolescente. Segundo Chioro, este pensamento levou muitos pais a se recusarem a vacinar suas filhas.

Para as adolescentes, a vacina é dada em três doses, com a segunda seis meses depois da primeira e a terceira, de reforço, cinco anos após a primeira. A menina deve estar com um documento de identificação para ser vacinada e o Ministério da Saúde recomenda que esteja com o cartão de vacinação.

Para adolescentes e mulheres soropositivas, o esquema de vacinação é diferente, já que elas estão mais suscetíveis às complicações decorrentes do HPV e têm cinco vezes mais chance de desenvolver câncer de colo de útero. Nesse caso, elas devem apresentar indicação médica e o intervalo entre as doses é diferente: a segunda e a terceira doses são aplicadas dois e seis meses após a primeira.

Fonte: ebc.com.br
 
 
 Centro de Ribeirão Preto terá 4,9 km de faixas preferenciais para ônibus
A partir da próxima segunda-feira (14), o transporte coletivo de Ribeirão Preto contará com mais uma intervenção visando seu melhor desempenho operacional, quando os 4,9 km de faixas preferenciais de ônibus entrarão em funcionamento na região central da cidade.

O lançamento das faixas preferenciais aconteceu nessa quinta-feira (10), na sede da Transerp, empresa que gerencia o trânsito e o transporte urbano de Ribeirão Preto. Nas faixas preferenciais os ônibus urbanos terão a preferência de passagem em relação aos demais veículos.

“Não são faixas exclusivas e sim preferenciais, onde os ônibus terão a preferência. Vale ressaltar que nas faixas preferenciais não será permitido estacionamento e parada de veículos ou caçambas”, disse o diretor de Transporte da Transerp, José Mauro de Araújo.

As faixas estão sendo implantadas em pistas com larguras de 7, 8 e 9 metros nas seguintes ruas e avenida da região central de Ribeirão Preto:

Pista com largura de 7 metros

Rua Florêncio de Abreu (700 m)

Rua Cerqueira César (500 m)

Rua Américo Brasiliense (600 m)

Rua Visconde de Inhaúma (200 m)

Rua José Bonifácio (200 m)

Pista com largura de 8,0 metros

Rua Duque de Caxias (850 m)

Rua Saldanha Marinho (600 m)

Pista com largura de 9,0 metros

Avenida Jerônimo Gonçalves (1.250 m)

“As faixas preferenciais visam o melhor desempenho operacional do transporte coletivo e neste percurso na área central serão beneficiadas 71 linhas de ônibus, reduzindo o tempo de deslocamento para 150 mil passageiros transportados por ônibus ao dia. Sem dúvida, é mais um grande avanço no transporte coletivo de Ribeirão Preto”, salienta o diretor superintendente da Transerp, William Latuf.

O lançamento das faixas preferenciais contou ainda com a presença de diretores do Consórcio PróUrbano e de representantes Prefeitura Municipal.

Carlos Roberto Cheruli, diretor do Consórcio PróUrbano, disse que trabalha com transporte coletivo há 34 anos e que o grande sonho de quem trabalha com transporte público é ter uma administração que prioriza o setor. “É exatamente o que está acontecendo hoje em Ribeirão Preto, a administração prioriza o transporte público. Só assim teremos um transporte melhor. Parabenizo a Transerp e a Prefeitura”.

“Quero parabenizar essa parceria entre Transerp, Prefeitura e Consórcio PróUrbano, que visa gerar mais mobilidade na cidade. Quanto mais olharmos para o futuro mais conseguiremos projetar uma cidade com mobilidade urbana”, falou o chefe de gabinete da prefeita Dárcy Vera (PSD), Luiz Rufino.

Área Azul

Com a criação das faixas preferenciais de ônibus, a Transerp está adequando o estacionamento rotativo da Área Azul na região central da cidade. Novas vagas de estacionamento em Área Azul estão sendo criadas para repor as vagas suprimidas.

Na rua Saldanha Marinho, entre as ruas Florêncio de Abreu e Prudente de Morais, foram criadas 40 novas vagas de estacionamento em Área Azul.

Na rua Visconde de Inhaúma, entre as ruas Lafaiete e Campos Sales, foram criadas 21 vagas.

Outras 21 vagas de Área Azul também foram disponibilizadas aos motoristas na rua São Sebastião, entre as ruas São José e Marcondes Salgado.

Fonte: Prefeitura de Ribeirão Preto
 
 
 Ciclismo de Ribeirão Preto disputa Volta Internacional do ABCD neste domingo
Cinco atletas  da Equipe de Ciclismo de Ribeirão Preto disputam, neste domingo (13), a Volta Ciclística Internacional do ABCD. A prova, que está na sua 18ª edição, é uma das mais importantes de ciclismo do calendário nacional.

No ano passado, Michel Fernandez ficou com a segunda colocação, após a disputa do sprint final e Maurício Knapp, também de Ribeirão Preto, terminou em quarto. Para este ano, a expectativa do técnico Marcelo Donabella é boa.

“Creio que a gente chegue com pelo menos um atleta para o sprint final. É uma prova que passa por algumas cidades e entra num circuito, mas nada que o velocista profissional não esteja preparado. Esperamos fazer uma boa corrida lá”, disse.

O técnico convocou para a prova os ciclistas Michel Fernandez, Jeovane Oliveira, Antoelson Dornelles, Alan Maniezzo (quarto melhor brasileiro no Tour do Rio) e Thiago Nardin, que representou a Seleção Brasileira no Pan de Toronto, e foi o melhor brasileiro na prova de estrada, ficando na quinta colocação geral.

Percurso – A largada da Volta está prevista para as 8h, em Paranapiacaba, distrito de Santo André. Os atletas passarão por sete cidades diferentes do “Grande ABCD”: Rio Grande da Serra, Ribeirão Pires, Mauá, Santo André, São Bernardo do Campo, Diadema e São Caetano do Sul, onde os ciclistas terão que dar oito voltas em um circuito de 3,9km, montado na Avenida Guido Alberti.

O percurso entre as cidades tem 72,1 km de extensão, já no circuito, os ciclistas andarão 31,2km, totalizando 103,3 km de prova.  A pontuação da Volta Internacional do ABCD é válida para o ranking da Confederação Brasileira de Ciclismo.



Fonte: Prefeitura de Ribeirão Preto
 
 
 Como ativar ou desativar o corretor ortográfico do Windows 10
O Windows 10 conta com um corretor ortográfico integrado ao sistema, que faz alterações automaticamente nos textos. O recurso ajuda na correção de erros de digitação, mas também pode alterar o que não deve e mudar o sentido da frase. Se você já passou por isso, veja como desativar (ou ativar) o corretor automático do sistema operacional da Microsoft para evitar gafes.
Passo 1. Acesse o Painel de controle do Windows 10. Para isso, abra o Menu Iniciar e clique em “Configurações”;
Passo 2. No Painel de Controle, clique em “Dispositivos”;
Passo 3. Na barra lateral esquerda da janela, selecione “Digitação”. Em seguida, à direita, desative a opção “Corrigir automaticamente palavras com ortografia incorreta”.
Pronto. Dessa forma, as palavras não serão corrigidas automaticamente. Caso algo seja digitado incorretamente, o termo será apenas grifado, dando ao usuário a opção de voltar e corrigir.
 
 
 Mesmo sem você querer, Windows 7 e 8 estão fazendo download do Windows 10
Alguns usuários do Windows que têm o Windows Update, software que faz download automático de patches e correções para o sistema, ativado afirmaram que um grande arquivo - entre 3,5 GB e 6 GB - misteriosamente foi baixado para seus computadores. Eles afirmam que tal arquivo está relacionado à instalação do Windows 10, novo sistema operacional da Microsoft.
O The Inquirer foi o primeiro a notar tal ação. Os usuários que tiveram o arquivo chamado "$Windows.~BT" em suas máquinas disseram que o Windows Update informa que tal arquivo faz referência a uma "Atualização para o Windows 10". Vale ressaltar que o Windows 10 é gratuito e opcional para usuários das antigas versões do sistema operacional. "Empurrar" o novo sistema para os usuários pode ser uma maneira de conseguir que uma grande parcela de usuários Windows utilize o sistema mais recente, no entanto pode trazer diversos problemas para alguns computadores de baixo desempenho.
Caso o usuário tenha uma conexão de internet rápida em um PC high-end, isso pode não ser um problema, mas para quem possui uma conexão de internet lenta certamente será uma surpresa saber que vários gigabytes estão sendo transferidos sem nenhuma autorização prévia. Além disso, os arquivos não desejados poderiam ocupar um espaço valioso de armazenamento, especialmente em máquinas mais modestas.
A Microsoft respondeu à questão com o seguinte comentário: "Para os usuários que optaram por receber atualizações automáticas através do Windows Update, ajudamos dispositivos atualizáveis a se prepararem para o Windows 10, baixando os arquivos necessários. Quando a atualização estiver pronta, o usuário será notificado para instalar o Windows 10 no dispositivo". O problema é que muitos dos usuários que relataram o ocorrido disseram que optaram por não reservar uma cópia do novo sistema. 
 
 
 Windows 10: descubra quais programas e apps ocupam espaço no HD
O Windows 10, novo sistema operacional da Microsoft, ajuda o usuário a descobrir quais programas ou aplicativos estão ocupando espaço o armazenamento do computador. Dessa forma, é possível desinstalar os softwares que não precisar mais.
Confira como acessar os filtros do sistema, encontrar os apps que estão lotando o armazenamento e disponibilizar espaço no HD do computador. O processo é simples e rápido. Ao final da ação, confira quantos megabytes serão liberados.
Passo 1. Clique no Menu Iniciar e selecione “Configurações”;
Passo 2. Em seguida, selecione o botão de “Sistema”;
Passo 3. Selecione o item “Aplicativos e recursos” no menu lateral e aguarde todos os programas carregarem na tela;
Passo 4. No topo estão filtros para exibir os programas e apps: é possível buscar por um app determinado, filtrar por tamanho, nome ou data de instalação, além de escolher a unidade de disco para a pesquisa;
Passo 5. O ideal é marcar a classificação por “Tamanho” no filtro. Dessa forma serão exibidos os programas pelo espaço que ocupam no HD, do maior para o menor. Role a tela e veja quais programas estão lotando seu computador.
Pronto, agora basta deletar os itens que não precisar e conferir quanto espaço será disponibilizado após a ação. Para ajudar, confira uma lista de programas para fazer uma limpeza no PC.
 
 
 Microsoft disponibiliza novo organizador de fotos na Windows Store
A Microsoft recentemente excluiu uma série de aplicativos relacionados à fotografia de sua Windows Store, afirmando que isto seria um meio de dar um maior foco aos apps Windows Camera e Windows Photo. Ao que parece, algumas outras soluções também estão nos planos da empresa, pois ela acaba de disponibilizar na loja o novo aplicativo Fast Photo Organizer, que bem, é um organizador rápido de fotos.
O app funciona de forma bastante prática, permitindo que você adicione algumas características às suas fotos como tags e ranking, para que assim possa encontrá-las mais rapidamente. Como pode ser visto abaixo, tudo acontecer de maneira rápida e intuitiva, sendo solicitado que você vá escolhendo as imagens que mais se adequam aos grupos exibidos. Após isto, basta incluir as "etiquetas" para aquelas que não foram selecionadas anteriormente, e assim as propriedades das mesmas serão alteradas.
Após tudo estar configurado completamente, será possível filtrar o resultado exibido na galeria de acordo com o seu interesse, mostrando as imagens de acordo com a nota que você deu ou com as tags marcadas anteriormente, algo que deve facilitar a tarefa de encontrar a foto de uma localidade ou objeto específico, por exemplo.
Como a companhia prometeu uma redução no número de aplicativos disponíveis, incorporando as funções dos mesmos aos apps nativos do Windows 10 Mobile, é possível que este seja um projeto ainda antigo e que tenha sido liberado apenas de maneira temporária, provendo assim a ferramenta até que o sistema seja de fato disponibilizado ao público em sua forma final.
Para baixar o Fast Photo Organizer, basta acessar gratuitamente a Windows Store com um dispositivo que possua a plataforma em sua versão 8.1 ou mais recente.
 
 
 A Microsoft está secretamente enchendo o seu computador de arquivos do Win 10
Se você percebeu que o disco rígido do seu Windows 7 ou 8.1 ficou mais cheio de repente, a culpa pode ser da Microsoft. A empresa tem baixado automaticamente e sem permissão uma quantidade bem grande de arquivos de instalação do Windows 10, algo entre 3,5 GB para 6 GB, mesmo se você não tiver optado pelo upgrade.
A notícia foi publicada pelo The Inquirer, onde um de seus leitores se queixou de uma grande pasta chamada “$ do Windows. ~ BT” ocupando espaço em seu sistema. Ele acrescentou que ao seu sistema tenta instalar o Windows 10 toda vez que ele inicia o seu PC. O principal problema é que não só o download consome espaço de armazenamento, mas também leva gasta uma enorme quantidade de dados de internet dos usuários, tornando sua conexão mais lenta e ocupando espaço. Tudo sem notificar as pessoas sobre o que está acontecendo em segundo plano.
A Microsoft confirmou que estava por trás das atualizações indesejadas para usuários em um comunicado:
 “Para os indivíduos que optaram por receber atualizações automáticas através do Windows Update,nós estamos ajudando os seus dispositivos a se preparem para o Windows 10 baixando os arquivos necessários para quando eles decidirem fazer o upgrade.”
A Microsoft não deveria ter tomado essa iniciativa sem avisar seus usuários, e muitos já falam em processar a empresa. Diversas pessoas vivem em lugares onde existe um limite de dowloads para sua franquia de internet, fora o incomodo que é não ter o espaço para baixar uma grande atualização. A empresa não pensou em todos aqueles que não estão prontos para atualizar seu Windows ainda; seja porque eles possuem hardwares que são incompatíveis com o novo sistema operacional, ou porque não querem mudar a sua versão atual.
Para os que não conseguiram atualizar para o Windows 10, é possível forçar a instalação do novo sistema.
A Microsoft não comentou diretamente sobre a polêmica ainda.
 
 
 O XBOX ONE JÁ É CONSIDERADO UM DISPOSITIVO WINDOWS 10
Com a investida da Microsoft para implementar o Windows 10 no maior número possível de residências, o Xbox One já é considerado um dispositivo Windows -- e provavelmente foi incluso na contagem de 75 milhões de dispositivos que estão rodando o novo sistema operacional da Microsoft.
Durante a Citi Global Technology Conference, evento de tecnologia que ocorre em Nova York (via DualShockers), o chefe de marketing Chris Capossela explicou o seguinte:
“Sucesso para nós, falamos que com o Windows 10, em dois anos gostaríamos de ter um bilhão de dispositivos ativos com Windows 10, conectados ao Windows 10, usando o sistema regularmente".
“Isso lhe dá um pouco a ideia de que, claro, nos importamos com lucro, ações etc, mas também nos importamos com uso. Fundamentalmente, temos que nos manter focados em quantas pessoas estão usando nossos produtos todos os dias e o quão felizes elas estão. Se temos várias pessoas felizes, então o lucro e as ações vêm por consequência e uma série de coisas boas acontecem."
“Um número importante para nós é o número de dispositivos Windows 10. Isso não inclui somente PCs. Isso inclui celulares, tablets, laptops, desktops e Xbox. O console usa o Windows, então toda vez que vendemos um Xbox estamos criando um dispositivo ativo que usa Windows que esperamos que as pessoas vão amar -- é o dispositivo gamer, na sala de estar. Não é uma coisa separada. É, literalmente, um dispositivo mobile.”
 
 
 Trackers de torrent estão banindo usuários com Windows 10
A atualização dos Termos de Serviço da Microsoft após o lançamento do Windows 10 tem sido motivo de muitas controvérsias relacionadas à privacidade. Por exemplo, temos o WiFi Sense, como já comentamos aqui no TecMundo, que está dando o que falar ao compartilhar as suas senhas salvas de redes WiFi com todos os seus contatos, como no Skype, Outlook e Facebook.
Devido às novas normas de privacidade do Windows 10, vários trackers de torrent estão banindo usuários que tenham o Windows 10 instalado no PC – de acordo com informações do site Microsoft News. Segundo um grupo chamado “ITS”, as proteções de dados foram revogadas pela Microsot ao compartilhar as informações com terceiros; a empresa de antipirataria chamada MartMonitor está entre as companhias que recebe esses dados.

Criando polêmica
A declaração oficial do “ITS” diz o seguinte: “Muitos de vocês devem ter ouvido falar ou lido sobre as terríveis políticas de privacidade do Windows 10. A Microsoft revogou qualquer tipo de proteção de dados e envia qualquer coisa que eles identifiquem não só para eles próprios, porém para outras empresas, infelizmente. Entre essas empresas está a companhia de antipirataria MartMonitor.
Entre outros dados, o Windows 10 envia conteúdos do disco local diretamente para os servidores. Obviamente, isso está indo longe demais e é uma ameaça a sites como nosso, por isso nós tomamos as devidas medidas. O Windows 10 está oficialmente banido do ITS. Membros que o instalarem são redirecionados a um vídeo que explica os perigos do SO em detalhes para instruir o maior número de pessoas possível”, diz o texto.
Os membros do grupo disseram que até que um update do novo SO da Microsoft seja liberado, acabando com as violações de privacidade ultrajantes, segundo eles, os usuários serão banidos. Entretanto, vale pontuar que não existem evidencias que ressaltem essas preocupações do ITS de modo tão drástico, apesar de muitas pessoas estarem apontando insatisfações com a nova política de privacidade do Windows.
Outros grupos de torrent (como o BB e FSC) já afirmaram que também irão banir usuários com Windows 10 em breve. Mas como já comentamos, não existem evidencias concretas de que o Windows 10 possa compartilhar dados privados com grupos de antipirataria até o momento.
 
 
 Como transformar seu smartphone em uma WebCam
Estamos em uma era onde vemos todos os dias novos lançamentos, aparelhos mais poderosos e com mais funcionalidades. Dentro deste cenário, é claro que queremos utilizar toda a sua potencialidade, não é mesmo?
Claro que ainda temos PCs (Personal Computer), computadores pessoais, maiores e que - normalmente - não contém Webcam embutida. Vamos assumir aqui que você não possui uma webcam ou tinha uma e estragou, então, caso necessessário, teríamos de ir até uma loja para comprar. Situação muito parecida com notebooks que normalmente vem com Webcam, mas talvez técnico não instalou o drive, ou simplesmente estragou. Uma terceira situação pode ser que você queria movimentar a webcam para outra posição, impossibilitada por conta da tela notebook.
Então chegamos ao dilema: "Preciso de uma Webcam mas não tenho, ou "não está funcionando" ou "preciso movimentar ela", "será que preciso comprar?". Mas seu smartphone possui câmera e sim, você pode utilizá-lo como Webcam. Temos a solução. Seu smartphone é pequeno, leve, você pode movimentar para qualquer local e o melhor, pode conectar via wifi sem precisar de cabo algum. No fim das contas também irá economizar uma graninha, pois não precisará comprar uma Webcam!
Vamos ao que interessa, o que você precisa para fazer seu smartphone funcionar desta maneira maravilhosa? Acompanhe o tutorial abaixo e aprenda. O software que iremos utilizar é o DroidCam, então precisamos baixar o app no smarphone e também no computador. Eles são programas em inglês, mas é só seguir a explicação e as imagens que dará tudo certo.
Baixe e instale o DroidCam em seu computador. Para fazer o download é só clicar no botão para Windows "Client v6.0", conforme preenchido de amarelo na imagem: Download
Feito o download de um arquivo .zip, abra o arquivo e dentro está o instalador, dê um duplo clique, quando abrir, clique em “Next” até o fim, sem medo nenhum.
Durante a instalação, pode aparecer uma mensagem conforme abaixo, clicar em instalar.
Finalizada a instalação no computador vamos partir para a instalação no smatphone. Existe uma versão gratuita e uma versão paga para o android, custa cerca de R$ 10,00 e possui uma resolução maior e mais recursos. Para este tutorial utilizamos a gratuita e funcionou bem, tanto o Audio quanto o Vídeo.
Depois de instalado nos dois dispositivos e os dois estando conectados na mesma rede WiFi, vamos fazer a conexão sem fio.
O ícone em seu smartphone é o abaixo, então abra o aplicativo.
Aparecem alguns avisos, conforme abaixo, clique em Ok.
A aplicação possui a seguinte tela, no canto superior esquerdo consta o campo mais importante, WIfi IP: 192.168.1.100. Esse número IP será utilizado para fazer a conexão com o computador, ele pode variar de acordo com a cadeia de IP de sua rede Wifi.
Existe três quadrados no canto superior direito um abaixo do outro, ali estão as configurações. Deixamos tudo por padrão, mas se você deseja, pode mudar a câmara para a frontal deixando selecionada a opção: Front Camera Preferred.
Abra no seu computador o DroidCamApp, na parte superior esquerda estão os modos de conexão, deixamos o primeiro marcado que é o Wifi. Lembra do número IP que falamos anteriormente? Esse número vai em Device IP. Marque áudio e vídeo, clique em Start e veja a mágica acontecendo.
A primeira vez que utilizei apareceu a mensagem que o áudio foi conectado, porém não funcionou. Achei que era algo que funcionava somente na versão paga. Mas reiniciei o computador e então tudo funcionou certinho, tanto áudio como vídeo.
Para testar utilizei o Skype e então configurei o vídeo selecionando como webcam: DroidCam Surce 3.
Para o áudio selecionei como Entrada de áudio: Microfone (DroidCam Virtual Audio).
Imagem do teste utilizando a câmera frontal e funcionando áudio e vídeo perfeitamente.
Pronto! Essa é mais uma dica para aproveitar ao máximo as funcionalidades do seu smartphone.
 
 
 Especialistas detalham funcionamento dos sistemas de rastreamento do Windows 10
Mais de um mês após o lançamento do Windows 10, uma característica continua dando o que falar. E não estamos nos referindo às novidades do sistema operacional, e sim aos sistemas de telemetria implementados pela Microsoft na plataforma que vêm sendo taxados de invasivos e inimigos da privacidade por especialistas e críticos. 
A ideia é que, mais do que nunca, os usuários comuns estão sendo espionados e que o Windows 10 possui funções que, de maneira básica, não apresentam muita diferença quando comparadas a keyloggers, rastreadores ou outras ferramentas utilizadas por hackers ou criminosos. A diferença é que, aqui, pelo menos de acordo com a Microsoft, as informações dos usuários seriam anonimizadas e usadas em lotes como uma forma de entender melhor os hábitos dos utilizadores, facilitar a solução de problemas e fomentar o desenvolvimento de novidades.
Essas são as informações básicas, fornecidas pela própria fabricante. Agora, porém, especialistas analisaram o tráfego realizado entre as máquinas com Windows 10 e os servidores e conseguiram determinar exatamente o que é trocado entre o sistema operacional e a infraestrutura de sua fabricante. E os resultados não são nada positivos, já que praticamente tudo o que é feito no computador é registrado e compartilhado.
Os dados são enviados de forma segmentada e da seguinte maneira:
Tudo o que é digitado no teclado é armazenado em arquivos temporários e enviado a cada 30 minutos para a Microsoft;
Dados de telemetria são compartilhados com os servidores a cada cinco minutos e incluem buscas realizadas nos navegadores, endereços digitados ou pesquisas nos arquivos locais;
Iniciar a webcam dá início ao envio de cerca de 35 MB de dados para os servidores da empresa;
Tudo o que é dito em um microfone, quando ativado, é transmitido após o fim da conversa;
Caso a Cortana esteja ativada, os dados de voz são transcritos em texto e também compartilhados com a Microsoft.
Tudo, de acordo com as novas informações, é feito de maneira paralela, economizando recursos e de acordo com a utilização corrente do computador, de forma a não causar lentidões ou dificuldades no acesso à internet. Caso a máquina fique inativa por mais de 15 minutos, porém, o envio de dados é intensificado e até mesmo arquivos maiores começam a ser transmitidos. A ideia, aqui, é que estamos falando de gravações de áudio e vídeo em maior qualidade.
Alguns dos rastreamentos até fazem certo sentido. É o caso, por exemplo, da transcrição de comandos de voz ou gravações de microfone em conjunto com a Cortana, que podem melhorar as respostas da assistente. O mesmo vale para a digitação, que pode auxiliar nos trabalhos de desenvolvimento de autocorreção e personalização, facilitando o trabalho para cada um dos usuários. Agora, ninguém sabe o que exatamente a Microsoft deseja ao observar o que é filmado pela webcam ou registrando conversas que acontecem pelo Skype, por exemplo.
Um buraco cada vez mais fundo
Mesmo com as críticas se acumulando, a Microsoft mantém a fala inicial de que se tratam de dados usados única e exclusivamente para a melhoria dos serviços do Windows. A empresa garante que as informações não serão compartilhadas com terceiros e estão protegidas em seus servidores, sem estarem suscetíveis a vazamentos. Muitos, porém, já duvidam disso.
E o pior de tudo é que, mesmo desativando todas as opções de telemetria, muitos dados ainda acabam sendo trocados entre o Windows 10 e a infraestrutura da Microsoft, o que levou o sistema a ser chamado de um “terminal” ao invés de uma plataforma independente. A ideia é que tudo depende da conexão online, o que fica evidenciado pela existência de atualizações mandatórias e outros recursos que funcionam apenas com uma conexão ativa.
Por fim, os especialistas criticaram os métodos usados pela Microsoft para circundar a proteção de firewalls e antivírus. Isso fez com que apenas complexas alterações em roteadores e modems, nem mesmo possíveis em todos os modelos existentes, possam bloquear o rastreamento.
Recentemente, inclusive, os recursos chegaram também aos Windows 7 e 8 como parte de um esforço de disponibilização de recursos de sua nova versão também nas mais antigas do sistema operacional. Ainda há muito o que explicar aqui, mas as críticas, pelo menos até agora, não têm impedido o ganho cada vez maior de market share pela nova plataforma.
 
 
 Como desativar a Central de Ações no Windows 10
A Central de Ações, ou Central de Notificações, é uma das novidades do Windows 10. Ao contrário do Windows 8, os alertas e notificações ficam na tela até que o usuário faça a limpeza. Apesar de ser útil ter uma central unificada que pode ser usada por todos os aplicativos da mesma forma, nem todos gostam ou precisam dela.
Confira como desativar a Central, fique longe de incômodos e aproveite o no novo sistema operacional da Microsoft.

Passo 1. Para começar, digite “regedit” no campo de busca do Windows 10. Em seguida, clique com botão direito sobre o arquivo encontrado e selecione a opção “Executar como administrador”;
Passo 2. Autorize a execução do programa, informando a senha de administrador ou clicando no botão “Sim”;
Passo 3. Antes de iniciar o procedimento, lembre-se de fazer uma cópia de segurança do registro do Windows. Isso pode ser feito clicando no menu “Arquivo” e depois na opção “Exportar…”;
Passo 4. Com o Editor do Registro aberto, navegue até a chave HKEY_CURRENT_USERSoftwarePoliciesMicrosoftWindows;
Passo 5. Com a chave “Windows” selecionada, clique com o botão direito do mouse em uma área vazia do quadro direito. No menu exibido, clique em “Novo” e depois em “Chave”;
Passo 6. Depois de criar a chave, coloque a palavra ”Explorer” (sem as aspas), no lugar do nome padrão, e tecle Enter para confirmar;
Passo 7. Com a chave “Explorer” selecionada, clique com o botão direito do mouse em uma área vazia do quadro direito. No menu exibido, clique em “Novo” e depois em “Valor DWORD (32-bits)”;
Passo 8. Assim que o valor for criado, coloque a palavra ”DisableNotificationCenter” (sem as aspas), no lugar do nome padrão, e tecle Enter para confirmar;
Passo 9. Em seguida, dê um clique duplo no novo valor para poder editá-lo. Quando a janela de edição aparecer, mude o valor para “1″ (novamente, sem as aspas) e depois confirme, clicando no botão “OK”.

Pronto! Você desativou a Central de Ações (ou de Notificações) no Windows 10. Reinicie o sistema para ver as alterações. Caso queira desfazer o processo mais tarde, abra o Editor do registro novamente, acesse a chave "HKEY_CURRENT_USERSoftwarePoliciesMicrosoftWindowsExplorer" e repita o último passo, modificando o valor do item “DisableNotificationCenter” de “1″ para “0″.
 
 
 BC anuncia leilão de dólares e alta da moeda perde força
Agência Standard & Poor's rebaixou nota do Brasil na quarta-feira. 
Alta reverte o movimento da moeda nos dois dias anteriores.

O dólar opera em alta nesta quinta-feira (10), depois que a agência de risco Standard & Poor's tirou o grau de investimento – o "selo de bom pagador" do Brasil. A cotação chegou a superar os R$ 3,90, mas perdeu parte da força depois que o BC anunciou que fará leilões de dólares nesta quinta.

Às 10h30, a moeda dos EUA subia 1,89%, a R$ 3,87.

Veja cotação da moeda ao longo do dia:
Às 9h10, subia 2,53%, a R$ 3,8955.
Às 9h30, subia 2,69%, a R$ 3,9015
Às 9h50, subia 2,54%, a R$ 3,8958
Às 10h, subia 2,02%, a R$ 3,876
Às 10h10, subia 1,56%, a R$ 3,858. 
 
O Banco Central anunciou que fará leilão de linha (venda de moeda norte-americana com compromisso de recompra nos meses seguintes) de compra e venda conjugado, com oferta de US$ 1,5 bilhão nesta quinta-feira. A informação ajuda a conter a disparada do dólar. Os recursos retornarão ao BC, e às reservas internacionais brasileiras, em janeiro e abril de 2016.
Perda do grau de investimento
Na noite de quarta-feira, o Brasil perdeu o grau de investimento na classificação de crédito da Standard and Poor's (S&P).

A nota do país foi rebaixada de "BBB-" para "BB+", com perspectiva negativa. O rebaixamento do rating do Brasil para a categoria "especulativa" acontece menos de 50 dias após a agência ter mudado a perspectiva para negativa.
A alta desta quinta reverte o movimento do dólar nos dois dias anteriores. Na quarta, a moeda caiu 0,51%, para R$ 3,7994 na venda, após recuar 1,07% na véspera.

A desvalorização do dólar frente ao real aconteceu em meio ao bom humor nos mercados externos diante de nova alta da bolsa chinesa e movimentos de ajustes após as recentes e fortes valorizações.
 
 
 Levy diz que governo vai cortar gastos mais que em outros casos
Em entrevista ao JG, ministro comentou perda do grau de investimento.
Standard and Poor's tirou selo de bom pagador do Brasil na quarta (9).

O ministro da Fazenda Joaquim Levy disse que "o governo vai, deve cortar gastos, sim. Mais do que já cortou em alguns casos", em entrevista a William Waack e Christiane Pelajo, no Jornal da Globo, após a agência de classificação de risco Standard & Poors anunciar a perda do grau de investimento para a economia brasileira. 

"Existe um problema difícil, que é um programa que só vai ser vencido se as pessoas olharem com responsabilidade. A gente tem dado um diagnóstico transparente, verdadeiro e agora as pessoas têm que tomar essas responsabilidades em todos os níveis. O governo vai, deve cortar gastos, sim. Mais do que já cortou em outros casos. E com gestão, ferramentas inteligentes. E, se precisar, a gente tem que ter disposição de também fazer um sacrifício para todo mundo poder voltar a ter a economia crescendo", disse Levy.

Levy voltou a falar sobre a necessidade de garantir o esforço fiscal para o Orçamento de 2016. "Nós queremos equilíbrio fiscal. A gente quer atingir a meta que é necessária para trazer tranquilidade para a economia brasileira", comentou.

Em comunicado, a agência S&P chama a atenção para a deterioração fiscal e a falta de coesão da equipe ministerial, como causas da decisão de rebaixar a nota.
"O mundo mudou, tinha mais tantas coisas que dava para fazer na época e que a gente fez, não dá mais para fazer assim se a gente quer crescer. E aí a gente vai ter que fazer essas escolhas. Qual vai ser exatamente o imposto, quanto vai ser, qual vai ser exatamente o corte, a gente vai conversar, foi isso o que Congresso pediu para a gente, e depois, eu acho que nas próximas semanas, o governo vai ter que fazer isso com muita clareza. Agora, todo mundo vai ter que estar envolvido nisso e é um desafio para cada um de nós", reforçou.

Segundo a S&P, a proposta do Orçamento para 2016 com um déficit R$ 30,5 bilhões, ou o equivalente a 0,3% do PIB em vez dos 0,7% previstos em julho, "reflete um desacordo com a composição e magnifude das medidas necessárias para reequilibrar as contas públicas".
A peça orçamentária de 2016 foi enviada ao Congresso, pela primeira vez na história, com a previsão de déficit (despesas maiores do que receitas). A meta fiscal para o governo é de um déficit de R$ 30,5 bilhões no ano que vem, o equivalente a 0,5% do PIB. Para todo o setor público (envolvendo estados, municípios e empresas estatais), a meta é de um resultado negativo de R$ 21,1 bilhões, ou 0,34% do PIB, em 2016.

Nas últimas semanas, o governo tem anunciado a intenção de encontrar novas formas de receita para equilibrar o Orçamento vem, inclusive sendo defendida em público pela presidente Dilma Rousseff como forma de evitar o déficit no Orçamento de 2016. Dilma avaliou recentemente o governo cortou "tudo que poderia ser cortado", nas palavras de Dilma.
Entre as ideias, surgiu a possibilidade de retomada da CPMF e, nesta semana, de aumento do Imposto de Renda. Os parlamentares, porém, não têm demonstrado apoio a eventuais aumentos de tributos e têm defendido um corte maior de gastos. Mesmo com déficit, a peça orçamentária de 2016 embute aumento de despesas.

No mercado financeiro, a nota de um país funciona como um "certificado de segurança" que as agências de classificação dão a países que elas consideram com baixo risco de calotes a investidores.

Contas públicas
As contas de todo o setor público (governo, estados, municípios e empresas estatais) registraram em 2014 o primeiro déficit primário (receitas menos despesas, sem contar juros) da história em 2014. No ano passado, o déficit primário foi de R$ 32,53 bilhões, ou 0,63% do PIB, em todo ano passado.
Em 2015, as contas públicas registraram, de janeiro a julho, o pior resultado da série histórica, que começa em 2001, para este período. Em 12 meses até julho, houve um déficit primário de R$ 50,99 bilhões, ou 0,89% do PIB, também o pior resultado da série histórica para este indicador.
Quando se incorporam os juros da dívida pública na conta, no conceito conhecido no mercado como resultado "nominal", houve déficit de R$ 502 bilhões em 12 meses até julho, o equivalente a expressivos 8,81% do PIB. Trata-se, também, do pior resultado da história. Esse número é acompanhado com atenção pelas agências de classificação de risco na determinação da nota dos países.

Ajuste fiscal
Desde o início do ano, em uma tentativa de melhorar os resultados das contas públicas, foram aumentados tributos sobre empréstimos, carros, cosméticos, cerveja, vinhos, destilados, bancos, receitas financeiras das empresas, taxas de fiscalização de serviços públicos, gasolina e exportações de manufaturados, entre outros.
Também foram promovidas limitações de benefícios sociais, como seguro-desemprego, auxílio-doença, abono salarial e pensão por morte, além de aumento da tributação sobre a folha de pagamentos. Todas estas medidas já passaram pelo crivo do Congresso Nacional.
Brasil conquistou grau de investimento em 2008
A S&P é a primeira agência entre as maiores a tirar o grau de investimento do Brasil. Na Moody´s, o país está no último degrau, antes do grau especulativo. Na Fitch, o Brasil segue dois degraus acima.
O Brasil conquistou o grau de investimento pelas agências internacionais Fitch Ratings e Standard & Poor’s em 2008. Em 2009, conquistou a classificação pela Moody’s.
Selo de bom pagador
O grau de investimento é um selo de qualidade que assegura aos investidores um menor risco de calotes. A partir da nota de risco que determinado país recebeu, os investidores podem avaliar se a possibilidade de ganhos (por exemplo, com juros maiores) compensa o risco de perder o capital investido com a instabilidade econômica local.
Alguns fundos de pensão internacionais, de países da Europa ou os Estados Unidos, por exemplo, seguem a regra de que só se pode investir em títulos de países que estão classificados com grau de investimento por agências internacionais. Por isso, essa "nota" permite que o país receba recursos de investidores interessados em aplicar seu dinheiro naquele local.
A perda do grau de investimento na S&P significa também um revés para a equipe econômica liderada pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, que vem trabalhando para tentar melhorar o perfil das contas públicas visando não só o equilíbrio fiscal como também o risco de perda do chamado "grau de investimento".
Previsão para a economia
No comunicado, a agência diz esperar que o déficit fiscal do país aumente para uma média de 8% do PIB em 2015 e 2016 antes de cair para 5,9% em 2017, contra 6,1% em 2014. Para a S&P, a dívida pública do país (sem contar as reservas internacionais), deve subir para 53% do PIB este ano e para 59% no próximo ano, de 47% em 2014. "Também esperamos que a receita com os juros suba para acima de 20% este ano e no próximo, dos 15% no ano passado", conclui.

Íntegra do comunicado da S&P, em inglês
Brazil Foreign Currency Ratings Lowered To 'BB+/B'; Outlook Is Negative
Overview
  The political challenges Brazil faces have continued to mount, weighing on the government's ability and willingness to submit a 2016 budget to Congress consistent with the significant policy correction signaled during the first part of President Dilma Rousseff's second term. The government's 2016 budget proposal envisions yet another change to the primary fiscal target less than six weeks after the previous downward revision, which would mean three consecutive years of a primary deficit and net general debt continuing to rise if subsequent revenue or expenditure measures are not taken. We are lowering the long-term foreign and local currency sovereign ratings on Brazil to 'BB+' and 'BBB-', respectively. The negative outlook reflects what we believe is a greater than one–in–three likelihood of a further downgrade due to a further deterioration of Brazil's fiscal position, potential key policy reversals given the fluid political dynamics, including a further lack of cohesion within the president's cabinet, or due to greater economic turmoil than we currently expect.

Rating Action
On Sept. 9, 2015, Standard & Poor's Ratings Services lowered its long-term foreign currency sovereign credit rating on the Federative Republic of Brazil to 'BB+' from 'BBB-', and the long-term local currency sovereign credit rating to 'BBB-' from 'BBB+'. The outlook is negative. We also lowered the short-term foreign currency rating to 'B' from 'A-3' and the short-term local currency rating to 'A-3' from 'A-2'. We also lowered the transfer and convertibility assessment to 'BBB' from 'BBB+'. We affirmed the 'brAAA' national-scale rating and revised the outlook on this rating to negative.
Rationale
We believe Brazil's credit profile has weakened further since July 28, when we revised the outlook on Brazil to negative. At that time, we signaled increased execution risks to the corrective policy changes already underway, mainly stemming from fluid political dynamics in Congress associated with spillover effects from investigations of corruption at state-owned energy company Petrobras. We now perceive less conviction within the president's cabinet on
fiscal policy. Brazil's 2016 budget proposal tabled on Aug. 31 incorporated yet another revision to the government's fiscal targets in a short period of time. The proposed budget is based on a primary deficit of 0.3% of GDP, rather than the previously revised 0.7% of GDP surplus target that was announced in July. This change reflects internal disagreement about the composition and magnitude of measures needed to redress the slippage in public finances. Without an unexpected overperformance, the proposed fiscal target in the budget would yield three consecutive years of primary (non-interest) fiscal deficits and a continual rise of net general government debt. While the Ministry of Finance is working on putting forward various measures to regain the 0.7% of GDP initial surplus target, they will need to be negotiated
piecemeal with Congress. More importantly, the series of events leading to the budget proposal suggests to us diminished cohesion within President Rousseff's cabinet and contributes to our assessment of a weaker credit profile. Given the magnitude of the challenges on the political, economic, and fiscal fronts facing Brazil, we had assumed unwavering cabinet support in order to maximize the executive's negotiating power with Congress.

We now expect the general government deficit to rise to an average of 8% of GDP in 2015 and 2016 before declining to 5.9% in 2017, versus 6.1% in 2014. We do not expect a primary fiscal surplus in 2015 or 2016. A high (and slow-to-decline) interest burden (given higher interest rates and the impact of the weaker Brazilian real on outstanding foreign exchange swaps) contributes to the large deficit. The slightly larger change in general government debt to GDP vis-à-vis the headline deficit incorporates some fluctuations in central bank repo operations and an end to off-budget (below-the-line) spending.
We expect general government debt, net of liquid assets (not including international reserves), to rise to 53% of GDP this year and to 59% next year from 47% in 2014. We also expect interest to revenues to remain above 20% this year and next, from 15% last year, and to  moderate slowly given the depreciation of the Brazilian real and higher interest rates. We assess contingent liabilities from the financial sector and all Brazilian NFPEs (nonfinancial public enterprises, including Petrobras) as "limited," as our criteria define the term.
Our rating on Brazil reflects our view of its established political institutions and broad commitment to policies that maintain economic stability--albeit somewhat weaker than before. We find that the ongoing investigations of corruption allegations against high-profile individuals and companies--in both the private and public sectors and across political parties--have led to increased near-term political uncertainty.
These independent investigations and subsequent prosecutions of corrupt practices are a testament to the institutional framework in Brazil, which contrasts with that of other emerging economies. At the same time, they have weakened near-term political cohesion and coalition dynamics. Stressed coalition dynamics between the Workers' Party and the Brazilian Democratic Movement Party augur poorly for approval of needed fiscal adjustment measures, even with a relaxed fiscal target, in our view. This is against a backdrop of low approval ratings for President Rousseff and her government, which have declined to less than 10%, and the possibility that the president may be impeached (although this outcome is not our base case).
Indeed, we continue to believe that economic weakness exacerbates execution risk. We now expect the contraction in real GDP to be deeper and longer, with another revision to our growth outlook. Our projections estimate a contraction of about 2.5% this year followed by another 0.5% contraction in 2016, before returning to modest growth in 2017.
With per capita GDP of about US$8,900, Brazil's growth prospects are, in our opinion, below that of other countries at a similar stage of development.
Notwithstanding the more recent hesitation on the magnitude of the needed fiscal adjustment, the government has adopted other policies to lay the foundation for growth over the medium term. The government is reducing off-budget spending and removing various economic distortions, including artificially suppressed administered prices. To contain inflation and inflation expectations, the central bank embarked on another tightening cycle.
It had also moderated intervention in the foreign exchange market (through some curtailment of the offer of U.S. dollars via its real-denominated foreign exchange swap program), facilitating depreciation of the real, though it has increased intervention recently. The government has also placed renewed emphasis on private-sector participation in infrastructure projects. We do not see, however, that these positive steps have turned around business sentiment.
In our observations, policy decisions have damaged business sentiment in recent years, and the uncertainties and spillover effects associated with the corruption investigations continue to hold sentiment back. It now appears that Brazil is further away from a shift to positive growth until some of the political uncertainties settle.
We expect Brazil's external vulnerability will rise somewhat over the next several years. We don't expect foreign direct investment (FDI) to fully cover Brazil's current account deficit at about 4% of GDP in 2015-2017. We expect narrow net external debt to average of 36% of current account receipts from 2015-2017. Our estimates of external debt are calculated on a residency basis. They include nonresident holdings of locally issued real-denominated government debt estimated at about US$153 billion (55% of current account receipts) in 2014. These holdings have risen in reais terms so far this year (though were down on a monthly basis in July); however, given currency depreciation, we expect them to be lower in 2015 and 2016 in U.S. dollar terms. Our external debt data, however, do not include debt of approximately 30% of current account receipts raised offshore by Petrobras and transferred
in the form of FDI to the head office. That said, despite the wider current account deficit, Brazil has low external financing needs compared with its current account receipts and its high level of international reserves compared with some of its peers.
The local currency rating on Brazil is higher than the foreign currency rating, reflecting our view of the credibility of its monetary policy, its floating exchange-rate regime, and the depth of its capital markets. In accordance with our criteria, we lowered the local currency rating two notches to narrow the gap between the two ratings because of Brazil's fiscal performance.
Outlook
The negative outlook reflects our view that there is a greater than one–in–three likelihood that we could lower our ratings on Brazil again. We anticiapte that within the next year a downgrade could stem in particular from a further deterioration of Brazil's fiscal position, or from potential keypolicy reversals given the fluid political dynamics, including a further lack of cohesion within the cabinet. A downgrade could also result from greater economic turmoil than we currently expect either due to governability issues or the weakened external environment.
We could revise the outlook to stable if Brazil's political uncertainties and conditions for consistent policy execution were to improve across branches of government to staunch fiscal deterioration and stregthen GDP growth prospects.
We expect that these improvements would support a quicker turnaround and could help Brazil exit from the current recession, facilitating improved fiscal performance and providing more room to maneuver in the face of economic shocks.
 
 
 Conheça 4 clubes de assinatura dedicados a gastronomia
Há algum tempo os clubes de assinatura de beleza tomaram conta da internet, agora chegou a vez da gastronomia

Para quem busca produtos selecionados por especialistas e comodidade, o serviço de assinatura pode ser uma boa opção. Mediante pagamento mensal, empresas oferecem vinhos, queijos, cervejas e até cortes de carne que chegam direto em casa. Confira algumas opções:

Chocolat Du Jour

Aqui o assinante pode escolher entre o pacote romântico (529 reais para seis entregas), mensal ou semanal. Esse plano contém trufas, brigadeiros e outros tipos de chocolate.

Há também a assinatura de trufas, que permite a escolha entre seis sabores para as 22 unidades, seja para seis entregas (649 reais) ou para doze (1 149 reais). O pagamento é feito via cartão de crédito. 

Les Gourmand Club

Dedicados para quem precisa de ajuda na hora de ir para cozinha, mensalmente o Les Gourmand Club envia uma caixa com todos os ingredientes necessários (além de vinho para harmonizar com o menu) para um jantar elaborado pelos chefs da equipe.

A cada mês o menu é inspirado em uma região do planeta e inclui orientações para o preparo dos pratos. Há também a opção de compra de um menu avulso, sem a necessidade de assinatura. Quanto às opções de programas, existem pacotes a partir de R$120,00.

Oh! Minas

Minas Gerais é o berço de muitas comidas gostosas e, por sinal, de muitas bebidas também. 

Os kits, que são entregues mensalmente, são compostos por cinco ou seis produtos e incluem itens como Licor de Marula, Doce de Laranja ou Geleia de Chocolate com Castanha do Pará. De vez em quando pode conter uma cerveja artesanal da região no meio do kit também.

Os kits contém um item não gastronômico local. Há ainda, entre os planos, a opção de receber apenas doces. O kit regular custa R$69,90.

Chefs Club

Esse é um clube de assinatura que te dá descontos de 30-50% em centenas de restaurantes Brasil.

Descontos são válidos em mais de 850 restaurantes espalhados pelo país, um bom número deles encontra-se em São Paulo. E você pode utilizar quantas vezes quiser o ano todo.

O valor anual é de apenas R$ 149,90. Ou então R$ 12,49 por mês. Ao assinar você recebe um cartão metálico para apresentar no restaurante e pronto – já tem tudo o que precisa.
 
 
 Vestidos longos em alta
Tendências para a primavera verão.

Entre as dicas estão os vestidos longos, com fendas e recortes. Peças com botão dão um charme a mais e combinadas com max colares ficam perfeitas. Se colocar um salto alto o look pode ser usado para ir a festas e até para um casamento mais informal.

Outra sugestão é o macaquinho com saia alongada. Se for branco é ideal para ensaio de casamento.Um chapéu complementa a produção e pode ser usado pelas piauienses sem medo.

Também são hits da estação as calças pantalonas bem amplas e as franjas, que enriquecem a roupa e vem sendo usadas pelas celebridades.

As estampas com flores e folhagens também estão em evidência. E ainda tem o mix, que é super indicado e mistura listras com estampa colorida.

Fonte: cidadeverde.com
 
 
 Imagina se essa moda pega? Mulher traída expõe ex em outdoor
Mulher traída expõe ex em outdoor: 'Agora tenho outro'
'Suas escolhas destruíram nossos sonhos de vivermos juntos' é que a mulher que assinou como Lili colocou no outdoor em Juazeiro do Norte, no Ceará

Uma mulher traída expôs o ex-companheiro com um recado em um outdoor em Juazeiro do Norte, no Ceará. Na mensagem, ela colocou: "Sérgio, suas escolhas destruíram nossos sonhos de vivermos juntos. Agora tenho outro no lugar", diz o texto, com a assinatura de Lili.

A empresa responsável não deu detalhes da cliente, mas afirma que a mensagem foi motivada por um traição sofrida pela autora da mensagem.

O outdoor foi instalado na Avenida Plácido Aderaldo Castelo, em frente a um restaurante supostamente frequentado por Sérgio. A imagem foi postada em redes sociais e foi compartilhada centenas de vezes.

Fonte: folhavitoria.com.br
 
 
 Na contramão da crise, brechós voltam à moda e geram lucro
Economia é de até 80% em relação a produtos novos, diz Sebrae nacional. Nos últimos cinco anos, varejo de usados cresceu 210% no Brasil.

Não é todo o mundo que está perdendo com a crise. Sempre tem um setor ou outro que consegue sobreviver melhor. É o caso dos brechós, que vendem roupas de segunda mão e estão dando muito lucro para quem vende e aliviando o bolso de quem compra.
A crise só não atingiu em cheio o comércio da Nathalie França, porque ela apostou num segmento que está voltando à moda: o brechó. “O público que está frequentando agora o brechó é um público que não frequentava. Eu nunca vendi tão bem como estou vendendo bastante agora", garante.
O que até um tempo era considerado cafona, caiu muito bem no momento em que o dinheiro anda sumido da carteira. Os preços no brechó são bem acessíveis. Em um deles, as peças vão de R$ 2 a R$ 20.
A reportagem montou dois kits para que se entenda como é possível fazer economia nesse tipo de compra: um de roupas novas e outro de roupas usadas. Tem macacão, manta, sapato, gorro, fralda. Um não sai por menos de R$ 700 e o outro, com a mesma quantidade de peças, só que de segunda mão, em média, R$ 100.

De acordo com o Sebrae nacional, nos brechós o consumidor economiza até 80% em relação a produtos novos. “Eu montei o meu enxoval aqui no brechó, comprei tudo. Com o dinheiro que sobrou, eu consegui montar o quarto do bebê", conta a professora Daniela Simões.

Nos últimos cinco anos, o comércio varejista de usados cresceu 210% no Brasil. A maioria desses negócios está no estado de São Paulo.
E não é preciso sair de casa para comprar seminovos. Os brechós online fazem o maior sucesso. Camila Catujo montou um só de brinquedos. "Tem bastante procura. Hoje o brechó está sendo uma alternativa para um pai de família, então eu acho que tem bastante resultado sim", afirmou. 
Se o momento exige cuidado na hora de comprar, quem está bem no negócio segue a boa e velha sabedoria popular, como diz a dona de brechó Dolores Laurito:“Sempre tem um sapatinho usado para um pé cansado, isso é verdade!".
 
 
 Hipertensão, cigarro e obesidade são vilões da saúde global em ranking
Esses três fatores de risco causaram 20 milhões de mortes em 2013.
79 fatores de risco mataram 30 milhões de pessoas em 188 países.

A hipertensão (pressão alta), o tabagismo e a obesidade são os três mais preocupantes fatores de risco para a saúde global, causando 20 milhões de mortes por ano, afirma o Instituto para Métrica e Avaliação em Saúde (IHME). No Brasil, 545 mil mortes em um ano podem ser atribuídas a essas três causas.
Entre os dez fatores de risco mais abrangentes no planeta (veja lista abaixo), seis estão direta ou indiretamente relacionados à alimentação. Os números se referem a 2013, último para o qual o IHME compilou os dados. A pesquisa estima que 79 diferentes fatores de risco causaram a morte de 30 milhões de pessoas em 188 países analisados.
A hipertensão lidera o ranking dos fatores de risco desde 1990, mas seu impacto na mortalidade ainda cresceu 50% desde então. Em 2013, 10 milhões de mortes no planeta podem ser diretamente atribuídas a esse fator de risco, afirma o IHME. A lista difere um pouco entre as populações dos dois sexos, com o consumo de álcool e cigarro tendo um impacto maior entre homens.

A revista médica “The Lancet”, que publica nesta quinta os dados da pesquisa, destaca o fato de que a maioria dos fatores de risco listados entre os mais graves são problemas considerados "evitáveis". Muitos são ligados a alimentação e drogas.
 A combinação de 14 diferentes fatores de risco ligados à alimentação está por trás de doenças como derrames, diabetes e arterosclerose. Esses comportamentos estão ligados a 21% das mortes no planeta. O problema de dieta pode ser resumido como excesso no consumo de carne vermelha e bebidas adocicadas, associado ao baixo consumo de frutas, cereais integrais e verduras.

Problemas respiratórios
A lista global também se destaca por três dos dez maiores fatores de risco estarem associados a problemas respiratórios. O tabagismo e dois tipos de poluição são listados: a poluição atmosférica particulada geral e a poluição doméstica por uso de lenha e carvão e forno e lareiras. Juntos, esses três fatores são juntos responsáveis por mais de 10 milhões de mortes anuais.
Diferenças regionais continuam existindo na lista dos fatores de risco. Na Ásia, por exemplo, a poluição do ar doméstica por uso de lenha e carvão em fornos ainda é uma das principais causas de problemas respiratórios. Na África subsaariana, a desnutrição infantil ainda está entre os maiores problemas. Na América Latina como um todo, a obesidade já supera a hipertensão como principal fator de risco.

Saúde brasileira
No Brasil, a lista é similar à do cenário global, mas a obesidade já supera o tabagismo. No país, os dez itens no topo da lista incluem dois elementos que não aparecem como fatores mais relevantes em países mais pobres: problemas renais e sedentarismo. Esses fatores substituíram a relevância de problemas como desnutrição infantil e poluição doméstica, que ainda estavam entre os dez mais preocupantes do país nos anos 1990.
O IHME também divulgou ontem o ranking dos principais fatores de risco levando em conta a chamada "esperança de vida saudável", que calcula a expectativa de anos vividos sem sequelas, limitações ou incapacidades. Ao levar em conta esses fatores, problemas como água contaminada e o sexo desprotegido ainda aparecem entre os dez maiores fatores de risco à saúde, por seu impacto em países pobres.

MUNDO - maiores fatores de risco à saúde

1. Hipertensão
2. Tabagismo
3. Obesidade (alto IMC)
4. Glicose elevada (pré-diabetes)
5. Dieta rica em sódio (sal)
6. Dieta pobre em frutas
7. Poluição atmosférica externa
8. Poluição do ar doméstica
9. Colesterol alto
10. Consumo de álcool


MULHERES - maiores fatores de risco à saúde

1. Hipertensão
2. Obesidade (alto índice de massa corpórea)
3. Glicose elevada (pré-diabetes)
4. Dieta rica em sódio (consumo de sal)
5. Dieta pobre em frutas
6. Tabagismo
7. Colesterol alto
8. Poluição do ar doméstica
9. Poluição atmosférica externa
10. Baixa função renal



HOMENS - maiores fatores de risco à saúde

1. Hipertensão
2. Tabagismo
3. Obesidade (alto índice de massa corpórea)
4. Dieta rica em sódio (consumo de sal)
5. Glicose elevada (pré-diabetes)
6. Consumo de álcool
7. Dieta pobre em frutas
8. Poluição atmosférica externa


BRASIL - maiores fatores de risco à saúde

1. Hipertensão
2. Obesidade (alto índice de massa corpórea)
3. Tabagismo
4. Glicose elevada (pré-diabetes)
5. Dieta rica em sódio (sal)
6. Consumo de álcool 
7. Colesterol alto
8. Baixa função renal
9. Dieta pobre em frutas
10. Sedentarismo
9. Poluição do ar doméstica
10. Colesterol alto


Fonte: g1.globo
 
 
 Veja 8 cargos em alta no mercado de trabalho durante a crise
Veja 8 cargos em alta no mercado de trabalho durante a crise
Empresas buscam profissional para reduzir custos e melhorar operações. 
Analista de planejamento financeiro e especialista de compras estão em alta.

Levantamento da Page Personnel, empresa global de recrutamento especializado de profissionais técnicos e de suporte à gestão, parte do PageGroup, identificou 8 cargos que ainda demandam profissionais especializados, apesar do momento de instabilidade e de aumento de desemprego.
"Diante do cenário desafiador, as empresas estão procurando profissionais que possam trazer resultados mais efetivos e imediatos aos seus negócios. A relação de especialistas que identificamos mostra realmente isso, seja pela busca de redução de custos ou melhoria nas operações. Os profissionais que têm um perfil nessa linha podem ter uma oportunidade para um novo desafio, algo que pode ser extremamente positivo em sua carreira", analisa Ricardo Ribas, gerente-executivo da Page Personnel.

Veja os 8 cargos em alta:
1) Executivo de vendas - marketing de performance e mídia digital
O que faz: profissional de prospecção e relacionamento com as principais agências de publicidade e relacionamento com empresas de todos os portes e setores. Venda consultiva de ações de publicidade e marketing aliadas a alta tecnologia, com foco em resultados assertivos e mensuração concreta de resultados
Setor: multinacionais de tecnologia para segmento de publicidade e marketing digital
Motivo: utilização massiva da tecnologia na divulgação de informações, produtos e serviços. Além da busca por mensuração de resultados precisos e taxa de assertividade no impacto do público-alvo. Mercado em alta e carente de profissionais com experiência na área.
Salário: R$ 5 mil a R$ 8 mil

2) Analista de marketing digital
O que faz: responsável por todo o desenvolvimento, execução e mensuração da estratégia on-line: website, e-commerce, redes sociais, além de todas as plataformas on-line. Profissional em contato direto com agências de publicidade e conhecimento de ferramentas como Google adwords, Google analytics, SEO, SEM, CRM, entre outros
Setor: empresas que tenham uma estratégia on-line
Motivo: mundo on-line é cada vez mais importantes e as empresas têm percebido que, para estarem mais próximas de seus públicos-alvo, precisam investir na área digital
Salário: R$ 4 mil a R$ 6 mil

3) Analista de planejamento financeiro sênior
O que faz: responsável pela elaboração e acompanhamento do orçamento na empresa, e consolida os resultados de cada área para o balanço final da empresa.Também pode atuar como business partner financeiro em áreas específicas como vendas, marketing e RH em empresas de maior porte. É importante lembrar que as melhores oportunidades para esses profissionais exigem alta capacidade de comunicação e inglês avançado
Setor: principais empresas que estão contratando são do segmento de bens de consumo
Motivo: empresas estão consertando os erros de contratações feitas com pouca assertividade nos anos anteriores; como o resultado do trabalho desse profissional pode ser medido a médio e longo prazo, alguns dos erros cometidos tiveram reflexos nos resultados de 2014/15 - motivando a substituição dos mesmos. Esse profissional tem a capacidade de ser um “coringa” para áreas de planejamento e controladoria; além de contato direto com áreas de custos, vendas, relações com investidores e planejamento estratégico. Com isso, é um bom investimento em tempos de crise.
Salário: R$ 6 mil a R$ 9 mil

4) Coordenador de TI generalista
O que faz: profissional responsável pela área de TI envolvendo gestão dos profissionais, gestão de projetos, melhorias da estrutura e também na operação, quando necessário
Setor: empresas nacionais e multinacionais de grande, médio ou pequeno porte
Motivo: substituição de volume de analistas por um coordenador capaz de coordenar e "colocar a mão na massa"
Salário: R$ 8 mil a R$ 10 mil

5) Técnico de manutenção
O que faz: profissional  atua com manutenção preventiva e corretiva de equipamentos e máquinas
Setor: industrial
Motivo: garantia de manter a funcionalidade de máquinas e equipamentos para mitigar altos investimentos na compra de novos
Salário: R$ 3,5 mil a R$ 7 mil

6) Especialista de compras
O que faz: atua na área de compras de materiais diretos/ indiretos ou contratação de serviços
Setor: indústria, varejo e serviços
Motivo: profissional já era bastante requisitado pelo mercado, no entanto houve aumento por ser uma área com foco em otimização
Salário: R$ 6 mil a R$ 10 mil

7) Secretária jr
O que faz: gestão de agenda, organização de reuniões, traduções, reserva de salas, contato com clientes, logística de viagem e assessoria particular
Motivo: com o intuito de diminuir custos, as empresas estão enxugando o pool de secretárias e substituindo as secretárias sêniores, que acompanham o mesmo executivo por anos, por secretárias recém-formadas e juniores. Apesar de não terem a mesma maturidade profissional, são capazes de desempenhar as funções básicas do secretariado
Salário: R$ 3 mil a R$ 4 mil

8) Coordenador/ supervisor de vendas - B2C
O que faz: coordenação de equipe de vendas para médias contas do varejo
Setor: indústrias de bens de consumo
Motivo: devido ao cenário econômico atual, a indústria de bens de consumo está modificando o perfil do profissional da área de vendas. As empresas estão substituindo o famoso "tirador de pedido" por perfis mais estratégicos, com visão de negócio e bastante pré-disposição a fazer negociações de maneira mais estratégica, consultiva e criativa
Salário: R$ 4 mil a R$ 6 mil

Fonte: Globo.com
 
 
 Mercedes adere a Programa de Proteção ao Emprego e funcionários encerram greve
Funcionários da Mercedes-Benz resolveram encerrar, em assembleia realizada na manhã desta segunda-feira, a g